Redação Pragmatismo
Compartilhar
História 10/May/2015 às 10:46
17
Comentários

O maior desfile da história do exército russo

Tropas russas desfilam em Moscou em celebração aos 70 anos do 'Dia da Vitória'. De acordo com o Kremlin, a parada na capital foi a “maior da história”. Cerca de 30 dirigentes internacionais assistiram às festividades

rússia desfile militar exército parada
Tropas russas realizam maior desfile militar da história em Moscou (Reuters)

Em celebração ao ‘Dia da Vitória’, comemorado no dia 8 de maio para marcar a rendição dos alemães na Segunda Guerra Mundial, uma parada militar aconteceu neste sábado (09/05) em Moscou e em várias outras cidades russas, como São Petersburgo e Vladivostok.

De acordo com o Kremlin, a parada na capital foi a “maior da história”, com quase 200 peças militares e 143 aviões e helicópteros. Cerca de 30 dirigentes internacionais assistiram às festividades.

Entre outros, assistiram à parada o líder chinês, Xi Jinping; o cubano, Raúl Castro, e o venezuelano, Nicolás Maduro, além dos chefes de Estado de Índia, Egito, África do Sul e Vietnã. Líderes ocidentais recusaram o convite do presidente Vladmir Putin para acompanhar a cerimônia na capital.

Putin agradeceu a contribuição da coalizão aliada para a vitória contra a Alemanha nazista, há 70 anos. A vitória “sempre seguirá sendo o ápice heroico da história de nosso país, mas também nos lembramos de nossos aliados na coalizão anti-hitlerista. Agradecemos aos povos de Reino Unido, França e Estados Unidos sua contribuição para a vitória”, disse, ao discursar durante na Praça Vermelha.

O presidente russo também defendeu a criação de um sistema de segurança livre de blocos militares, em referência clara à Otan. “Nossa tarefa comum deve ser a criação de um sistema de segurança igualitário para todos os Estados. Um sistema adequado às ameaças atuais, construído sobre a base dos princípios regionais, globais e não alinhados”, disse Putin. Nos últimos anos, “vimos tentativas de se criar um mundo unipolar. Vemos como se desenvolve uma mentalidade de força, de blocos militares”, declarou.

Diante de milhares de convidados e veteranos da guerra que assistem ao desfile, afirmou que a “aventura hitlerista foi uma lição horrível para toda a comunidade internacional”. “Agora, 70 anos depois, a história de novo apela a nossa razão e nossa vigilância. Não devemos esquecer que a ideia de supremacia racial e exclusividade levou a mais sangrenta das guerras”, acrescentou.

Pela primeira vez na história, foi feito um minuto de silêncio em memória dos mortos no conflito durante o desfile militar.

Vídeo:

Opera Mundi

Recomendados para você

Comentários

  1. Naty MS Postado em 10/May/2015 às 11:26

    Grande Espetáculo!

  2. Antonio Palhares Postado em 10/May/2015 às 14:51

    Um grande povo de um país que tem vergonha na cara. Cujas forças armadas,bem equipadas motivadas e patriotas,com armamentos com alta qualidade e tecnologia de ponta,desenvolvida pelos cientistas formados pelo estado, jamais permitirão que estrangeiros lhes roubem as grandes riquezas, nem lhes imponham tratados lesivos.Uma grande nação que não precisa de ajuda para se defender.Colocou Napoleão para correr e quebrou a espinha dorsal dos nazistas.

  3. Alessandro Postado em 11/May/2015 às 03:38

    Ótima ideia essa do Putin de criar um "Pacto de Varsóvia 2.0", a existência de tal pacto pode impedir que ataques covardes tais quais os dos Estados Unidos ao Afeganistão, Iraque, Líbia, Síria e agora ao Iêmen se repitam.

  4. Thiago Teixeira Postado em 11/May/2015 às 08:13

    Fiquei triste ao saber que nossa presidenta Dilma não marcou presença no desfile. Ela tinha que ir só para deixar os coxinhas babando de ódio.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 11/May/2015 às 10:21

      Logo o Brasil, que foi um dos países da América a mandar tropas pra Europa, que foi aliado. Porra...ela TINHA que estar lá. Diplomaticamente falando, um erro crasso cometido por mamãe nessa aí...

    • Antonio Palhares Postado em 11/May/2015 às 14:29

      Acho que nossa presidenta deveria ter ido.Não entendi o porque da ausência.

  5. Alexandre Postado em 11/May/2015 às 10:00

    Pqp! Esse pais tá cheio de otário mesmo! Tratam política igual a futebol. Fazer raiva em coxinha? Serio mesmo? Assim o país tomará um rumo melhor e todos os problemas serão resolvidos!

    • Shuma Postado em 12/May/2015 às 10:21

      "Esse pais tá cheio de otário mesmo! Tratam política igual a futebol." Não cara, tu ta errado. Nosso povo ainda não leva política tão a sério assim

  6. Antonio C. Postado em 11/May/2015 às 10:39

    Palco onde a guerra foi REALMENTE DECIDIDA!

  7. gilmar Postado em 11/May/2015 às 16:08

    Os Russos ganharam dos Nazistas e não os americanos.

  8. Luis Postado em 11/May/2015 às 17:55

    Pra que diabos a Dilma deveria ter ido pra esse troço? Se vocês esquerdistas gostam tanto de uma política diplomática "independente", porque o Brasil deveria ir prestar continência para um tiranozinho de segunda como o Putin ? Olha as democracias exemplares presentes. Cuba, China , Egito , Venezuela...

    • Shuma Postado em 11/May/2015 às 21:44

      tiranozinho de segunda... hahahahahahahahahahahahahaha

    • Alessandro Postado em 12/May/2015 às 01:52

      O discurso da mídia comprada pelas potências ocidentais é esse mesmo: "Ah, então quer dizer que esse país aí insiste em prosseguir independente e se recusa a obedecer os mandos dos Estados Unidos e entregar suas riquezas para as nossas transnacionais? Vamos expor ele para o público enquanto uma ditadura brutal." E nisso governos que são, dentro de seus contextos regionais, tremendamente progressistas são pintados como se fossem o inferno na terra (Eritreia, Síria, Líbia do Gaddafi, Ucrânia antes do golpe, etc...) Agora quando a ditadura em questão é aliada aos interesses dos Estados Unidos (Uganda, Paquistão, Arábia Saudita, Iêmen antes da rebelião houthi, etc...) ela pode ser tão brutal e despótica quanto quiser e a mídia não dá um pio sobre isso.

  9. Aristóteles Postado em 11/May/2015 às 18:05

    Parabéns ao povo russo e a seus dirigentes sérios e independentes!

  10. fernando fernandes Postado em 12/May/2015 às 02:19

    Bom comentario. No momento vejo e leio bons documentarios sobre stalingrad. Sem duvida os ca. 20 milhoes de russos x ca. 5 milhoes de alemaes mortos na guerra foi tambem devido a ineficiencia sovietica da epoca e no caso de stalingrad por ex, nao permitindo q civis deixassem a cidade. O grande embate da epoca era nazismo x comunismo, onde hitler queria exterminar comunistas. Varis historiadores dizem q o dia d foi apenas p decidir como a europa seria dividida, ja q a guerra, praticamente desde 1943 ja estava perdida p alemaes.

  11. Junipero Postado em 12/May/2015 às 08:28

    Um grande país de ordem e sobriedade. O brasil deve ter laços com bons exemplos. realmente a Presidenta deveria ter ido. Não adianta mostrar aos norte americanos que não gostamos de sua "politica intervencionista (voltada para o umbigo)", temos que mostrar que há interesse em diferentes formas de governar em especial nos governos com bases solidas e respeitáveis do mundo.

  12. Zbgniew Brzezinski Postado em 27/Jan/2016 às 15:23

    Vladimir Putin é corrupto, acusa o departamento do Tesouro dos EUA. Por PÚBLICO, dia 25/01/2016, às 21:03 horas. Dirigente da Administração norte-americana aceitou falar aos jornalistas do programa Panorama da BBC, que investigou a origem da riqueza do Presidente da Rússia. O Governo dos Estados Unidos já sabe “há muitos anos” que o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, é corrupto, admitiu um dirigente da Administração ao programa Panorama da BBC, que investigou a origem da riqueza do líder russo. Entrevistado pela estação britânica, o responsável do Departamento do Tesouro para o terrorismo e crimes financeiros, Adam Szubin, admitiu que os Estados Unidos têm seguido a trajetória financeira do líder russo, que ao longo dos anos tem vindo a acumular riqueza em segredo. “[Putin] supostamente recebe um salário anual de cerca de 110 mil dólares [101 mil euros]. Mas essa não é a verdadeira dimensão da sua riqueza, que ele há muitos anos aprendeu a mascarar”, acusou. “Vimo-lo usar os bens estatais para enriquecer os seus amigos e aliados mais próximos, e marginalizar aqueles que ele considera como detratores. Fá-lo através da riqueza energética da Rússia, e através de outros contratos estatais, que ele direciona para aqueles que ele acredita que lhe serão úteis e exclui daqueles que se recusam servi-lo. Ora, para mim, essa é a imagem da corrupção”, afirmou Adam Szubin, o homem que supervisiona o regime de sanções dos Estados Unidos. Em 2014, os Estados Unidos e a União Europeia decidiram aplicar uma série de sanções punitivas contra a Rússia, por causa da anexação da península da Crimeia e da alegada agressão militar de Moscovo no Norte da Ucrânia. As medidas, que inicialmente atingiam um número limitado de funcionários do Kremlin, foram depois alargadas para integrar outros indivíduos e organizações que os norte-americanos e os europeus reputaram de próximas de Putin. Já nessa altura, os EUA alegaram que o Presidente russo tinha feito uma série de investimentos secretos no sector energético – uma alegação prontamente desmentida por Moscou. Segundo documentos públicos, os bens declarados em nome de Vladimir Putin resumem-se a dois apartamentos e um lugar de garagem. No entanto, o departamento do Tesouro associou Putin aos lucros obtidos pelo seu amigo e aliado político Gennadi Timchenko, um dos proprietários da petrolífera Gunvor, sedeada em Genebra. “As atividades de Timchenko no sector energético estão diretamente ligadas a Putin, que tem investimentos na Gunvor e inclusivamente pode aceder a fundos da empresa”, que na altura controlava uma quota de 3% do mercado mundial de crude, notava o Tesouro norte-americano em Março de 2014. Os investigadores do Panorama da BBC entrevistaram pessoas com “conhecimento em primeira mão” da riqueza secreta do Presidente da Rússia, entre as quais Dmitri Skarga, o antigo responsável pela armadora estatal Sovcomflot. Segundo o seu testemunho, Putin recebeu um iate de 57 metros, o Olympia, no valor de 35 milhões de dólares, alegadamente oferecido pelo magnata Roman Abramovich, dono do clube de futebol inglês Chelsea. “É um facto que Abramovich transferiu um iate para Putin”, diz Skarga, acrescentando que a operação foi feita através de uma companhia registada num offshore. O antigo responsável da Sovcommflot garantiu que foi através da estatal (e do erário público) que foi feita toda a manutenção e pagos todos os custos do iate – tudo feito em segredo porque o iate pertencia a Putin e não ao estado. A BBC disse que o Presidente da Rússia declinou ser entrevistado para o programa. O porta-voz do Kremlin disse que Putin também não ia comentar nenhuma das acusações levantadas pelo programa, que classificou como “pura ficção”. Fonte: https://www.publico.pt/mundo/noticia/vladimir-putin-e-corrupto-acusa-o-departamento-do-tesouro-dos-eua-1721396