Redação Pragmatismo
Compartilhar
Desigualdade Social 22/May/2015 às 12:55
19
Comentários

“No Brasil nada funciona” e “lá fora é um paraíso”

Ao se falar mal do Brasil (como muito brasileiro gosta de fazer), devagar com o andor, que os santos – todos – têm pés de barro. O “Primeiro Mundo” está longe de ser o paraíso que se pensa. Conheça as falácias e mentiras nas relações entre o Brasil e o mundo

brasil eua pobreza mendigos
Mendigos dormem em baixo da ponte na Califórnia. Pobreza extrema tem causas semelhantes em todo o mundo (Imagem: Jim Wilson / New York Times)

Flávio Aguiar, RBA

Quando se pensa, no Brasil, sobre “o Brasil e o resto do mundo”, sobretudo aquele que teima–se em chamar de “primeiro”, corre muita falácia no meio das toneladas de tinta que escorrem destes pensamentos imperfeitos, marcados sempre por fortes emoções.

A mais óbvia delas é a de que no Brasil nada funciona, e no chamado “First World”, ao contrário, tudo funciona `as mil maravilhas.

Muito antes pelo contrário! E a lista é longa, indo, por exemplo, do tratamento dispensado a idosos na vida cotidiana ao SUS. Mas há outras falácias, como, por exemplo, a do “custo Brasil”. Nesta onda, o Brasil seria o país mais caro em termos de impostos, e no topo desta lista vem o custo adicional da folha de pagamentos devido às contribuições previdenciárias, o imposto de renda y otras cositas más, em todos os sentidos deste “más”.

Com o debate sobre a terceirização vêm à tona os temas ligados à ideia de que as regulamentações sobre o trabalho são demasiadas, enquanto em países “adiantados” tudo corre lindo, leve e solto das amarras legais.

Veja-se o caso da Alemanha, onde resido.

No caso específico da terceirização, ela existe sim, e é objeto de uma luta tenaz por parte dos sindicatos de trabalhadores. Ocorre que o poder dos sindicatos de trabalhadores na Alemanha é enorme. Empresas grandes são obrigadas a manter representações de funcionários em seus conselhos administrativos. Por isso, recentemente, pela primeira vez na história, um destes representantes foi nomeado presidente do Conselho da Volkswagen: ele era o vice, e o presidente renunciou por motivos pessoais.

O IGMetall, o Sindicato dos Metalúrgicos, e a DGB, a Central Nacional, vêm lutando – com sucesso em muitos casos – para que os acordos coletivos realizados pelos sindicatos valham também para os trabalhadores terceirizados. E propostas de terceirização devem ser apresentadas perante os conselhos das empresas. A luta mais recente é a de que os terceirizados também tenham representação nestes conselhos.

Ainda assim, a luta é árdua. No confronto, os grandes sindicatos são favorecidos, pelo poder de que desfrutam. Já os pequenos sindicatos, ou os trabalhadores menos organizados sofrem mais, particularmente os imigrantes ou os de certas profissões, como a de cabeleireiro, uma das mais mal pagas do país.

Contudo, a Alemanha investe 27,5% do seu PIB no chamado “welfare”, ou “bem estar social”, por meio de uma rede legal de proteção previdenciária ao trabalhador, envolvendo desde tratamento de saúde a seguro–desemprego, passando por uma série de auxílios obrigatórios.

Acompanhe a tabela abaixo, embora seus dados tenham por referência distintos momentos de fixação, todos posteriores a 2011:

brasil mito tabela

Nos anos de “austeridade” que sucederam à crise financeira de 2007/2008, diversos direitos e auxílios aos trabalhadores vêm sendo restringidos, bem como uma série de investimentos sociais, mas num nível muito menos intenso do que aquele aplicado em países como Grécia, Portugal, Espanha e Itália, ou ainda outros – sob instigação, é verdade, da própria Alemanha, acusada frequentemente do “façam o que eu digo mas não o que eu faço”. Também diminuíram os valores das aposentadorias.

Porém há outros aspectos igualmente interessantes.

O imposto de renda na Alemanha é, de fato, progressivo, indo da isenção a 45%. Este imposto, envolvendo as contribuições individuais, a taxação dos ganhos de capital e das empresas, etc. é o responsável por cerca de 40% da arrecadação de impostos no país. Em segundo lugar vem o chamado VAT, equivalente mais ou menos ao nosso ICMS, com cerca de 31%. Quando digo “cerca” em ambos os casos, quero dizer que o percentual pode vir a ser um pouco maior, conforme o ano. Depois vem o imposto sobre transações comerciais, com 7,5%, o imposto sobre consumo de energia, com 7,2%, e o imposto sobre o tabaco, com 2,6% do total da arrecadação.

Segundo a Heritage Foundation, um “Think Tank” conservador e neoliberal, com sede em Washington, a Alemanha arrecada 40% do seu PIB em taxas e impostos. A mesma fonte cita 34,4% para o Brasil, o mesmo percentual da Bulgária. Outras cifras, em percentuais: Dinamarca, 49%; Bélgica, 46,8%; França, 44,6%; Áustria, 43,4%; Itália, 42,6%; Holanda, 39,8%; Reino Unido, 39%. A média para a União Europeia é de 35,7%. A Suíça, país considerado um dos maiores paraísos fiscais do mundo devido às peculiaridades de seu sistema bancário (vide o caso HSBC) arrecada 29,4% em tributos e impostos diversos.

E não se venha com o argumento de que o Brasil é um “poço sem fundo de corrupção”, enquanto o resto do mundo – inclusive o chamado “primeiro” – é um altar de honestidade. Não é verdade. A esteira de multas aplicadas por malversações aos sistemas bancários internacionais está subindo astronomicamente.

A última, aplicada nos Estados Unidos, por acordo mediante reconhecimento de culpa, contra cinco bancos (Citigroup, JPMorgan, Chase, Barclays e o Royal Bank of Scotland), por manipulação das taxas de câmbio em compra e venda moedas em transações internacionais, ultrapassou a marca dos 5 bilhões de dólares, ou mais do que 15 bilhões de reais, mais do que três vezes o que o Ministério Público está cobrando de seis empreiteiras (OAS, Camargo Correia, Sanko, Mendes Jr., Galvão Engenharia e Engemix) em função das acusações de desvios de dinheiro e propinas no caso Petrobras, cujos montantes de desvios (ainda não confirmados) chegariam a 10 bilhões de reais.

Por tanto, ao se falar mal do Brasil (como muito turista brasileiro gosta de fazer no estrangeiro, até ex-presidente), devagar com o andor, que os santos – todos – têm pés de barro, quando não fincados diretamente na lama.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. eu daqui Postado em 22/May/2015 às 13:43

    É muito cômodo, covarde, cúmplice e viralata essa ufanismo nocivo de varer as mazelas pra debaixo do tapete pra não ter resolvê-las. Coisa de gente fraca e frouxa: não ver pra não ter que fazer.

  2. Gui Barbosa Postado em 22/May/2015 às 13:53

    Já leu sobre o modelo governista nórdico ? Se não, pesquise sobre e saiba por que 99% dos esquerdistas tem tal ideologia. E, principalmente, nunca confunda as ideologias esquerdistas atuais, com o comunismo opressor do século XX

    • Cláudio Postado em 22/May/2015 às 14:16

      Concordo com você, mas faria um adendo. Se formos ver ao pé da letra, o mais próximo que chegamos do socialismo - e de sua consequência, o comunismo - são justamente os países nórdicos de hoje. No século XX, os países que se diziam 'comunistas' (bloco da cortina de ferro, URSS, China...) não passavam de ditaduras, por vezes fascistas, com regimes de economia planificada, ou seja, ditada por norma estatal e não o livre-mercado, dos países ocidentais. Se formos realmente estudar os fundamentos teóricos do socialismo, veremos que nunca houve socialismo ou comunismo no mundo. Apenas algumas ditaduras usavam alguns de seus conceitos em suas planificações. E ainda tem gente que acha que estamos caminhando para, quando não em pleno, comunismo. Vejam o lucro dos bancos nos balanços recentemente publicados. Será que eles lucrariam tanto assim em um país comunista?

    • Ricardo Postado em 22/May/2015 às 14:31

      Esquece. A intenção é exatamente esta: confundir e identificar com experiências antidemocráticas para desacreditar o modelo que defendemos (porque não interessa ao 1%).

    • Eduardo Ribeiro Postado em 22/May/2015 às 15:18

      Olha a Maria achando que o Brasil é comunista....tá sertinho, Maria...vivemos no comunismo brasileiro..

    • Cláudio Postado em 22/May/2015 às 15:23

      Maria. 1 - "estudem a URSS" Se eu acabei de afirmar que a antiga URSS não é comunismo, como você quer que a estudamos para usar como para usar como parâmetro de comunismo? 2 - "Teremos que ser cobaias...". Você realmente acha que será implantado socialismo / comunismo no Brasil? Veja o lucro dos bancos. Veja as movimentações na bolsa. Veja o volume da iniciativa privada nacional e transnacional em operação no Brasil. Sinceramente, isso é comunismo? Tem tendência a ser comunismo? 3 - "O comunismo é a ausencia (sic) de oposição politica igual vivemos hoje no Brasil" 3.1 - "O comunismo é a ausencia (sic) de oposição politica": Isso não é comunismo. É ditadura. Releia meu post. 3.2 - "...igual vivemos hoje no Brasil": Você realmente acha que não há oposição política no Brasil? Que não temos partidos livres (temos até demais..)? O Brasil não está uma maravilha. O PT está longe, muito longe, de ser santo. Mas devemos nos ater a fatos. ps.: Em uma pesquisa recente realizada na Alemanha, 35% da população acha o socialismo uma ideia muito boa, que, porém, foi muito mal implementada.

  3. Eduardo Ribeiro Postado em 22/May/2015 às 14:12

    Olha essa estatística da Maria, meu...ingenuidade demais...

    • Vicente Postado em 22/May/2015 às 15:03

      Maria, o Brasil não é comunista, viu? E o PT não quer, nem vai implantar comunistmo aqui. Então, fique tranquila.

  4. Daniel Postado em 22/May/2015 às 15:06

    Você já esteve em algum país socialista e por lá viveu tempo suficiente para constatar que neles esses (100%) realmente agonizam na miséria como você escreve com tanta veemência? Ou está se pautando em informações vistas e lidas em jornais como o famigerado Jornal Nacional ou lido na fascista revista Veja? Se sua resposta for a primeira, eu tiro o chapéu para você e tentarei ir a Cuba, por exemplo, para ver pessoalmente como vivem o povo. Agora se for a segunda......esqueça! Não compactuo com quem desrespeita a própria inteligência!

  5. Luiz Parussolo Postado em 22/May/2015 às 15:29

    Olhando para o próprio desastre nacional e generalizando um dos episódios que tentei relatar. Onde vai a arrecadação dos segurados e os aposentados morrem de SUSite, genericite, judicite ou conformicite. Quando os dois primeiros não matam e a espera do mais medieval e incerto e não sabido, o Poder Judiciário e todos os seus militantes em grande maioria não matar indiretamente por ansiedade e desespero a perda de esperança e desistência orgânica e fisiológica generaliza, isto depois de aposentado, vai paralisando gradativamente começando a a perda de um dedo, depois o pé, depois a perna e lá se vai o coitado que lutou a vida inteira e pelo menos acabar com uma velhice digna e honrada e muitas vezes nem a honra consegue manter depois de aposentado. Tudo por quê! Primeiro porque com com o estrangulamento da atividade produtiva nacional por FHC, desemprego em massa, enxugamento do mercado de trabalho e redução das remunerações da iniciativa privada em quase dois terços nas regiões industriais, onde o governo Sarney já tinha feito enorme estrago na previdência e nas aposentadorias, a arrecadação desabou e com o plano real e a manipulação de índices em seu governo entre 1996 e 2002 de 41,5%, já negando os 39,67 expurgados da inflação de fevereiro/94. Depois o fator previdenciário a partir do final de 1999. Depois, ainda, o uso dos recursos do fundo no superavit primário e socorrer ministérios e pagamento de dívidas o que o Lula acabou incorporando o Regime ao erário, para disfarçar rombos até de falta de recolhimentos do governo e também dá para acreditar o rombo grosso da previdência do funcionalismo público que assola a conta de despesas de pessoal. Depois a natural corrupção e os privilégios dos verdadeiros filhos de Deus, a classe média e as elites. Ai entra outra questão, como não se fomenta uma verdadeira educação de essência na infância e na adolescência torna a população deficiente em assimilar e argumentar conhecimento e também todos os empreendimentos industriais foram sucateados e incorporaram tecnologia, além disso o desaparecimento da ciência e da pesquisa sustentadas pelo poder público e o setor privado, como comum em países evoluídos e essa escassez veio a comprometer o desenvolvimento pleno dos cidadãos para cursos científicos e técnicos de grande exigência em evolução de assimilação e raciocínio chegando ao ponto de em um curso de engenharia complexa, matemática, física, química, cursos biológicos começarem com 30 a 40 estudantes e terminar com dois ou três e também não existe mercado para absorver números elevados e até sendo absorvidos pelo mercado de capitais, muito utilizados, inclusive os mais aptos são os meteorologistas, segundo informa-se, não minha informação. Vai daí que as formações vem de encontro com a burocracia e a tecnocracia, direito, jornalismo, economia, sociologia, contabilidade, administração, estatística, psicologia etc.Aliás, com a proliferação.de cursos sem controle a medicina também virou carne de vaca e 75% nos formandos nã fazem residência, além do déficit educacional, segundo especialistas, inclusive Adib Jatene, Tudo papagaios de poleiro tratados no bico e precisam emprego senão derruba governos e sistemas por serem politizados, classes privilegiadas e influentes. Então, como na iniciativa privada não tem espaço inventa-se serviços públicos, cargos, investiduras..nos três poderes, na política e nas autarquias e fundações, como nas economias mistas, estas bem mais controladas na execução mas nas áreas estratégicas e nos cargos de atividades subsidiárias e afins um verdadeiro circo de rodeio e tudo remunerações exorbitantes, fora os privilégios e os jeitinhos, no mínimo. Como resultado, além do custo decorrente, a burocracia brasileira é tão complexa e devagarinho que para muitas providências pode-se ir e voltar à Europa que chegará com antecipação. No judiciário, então, pode-se dar a volta ao mundo, se conseguir, e chegará com anos de antecedência e feliz se conseguir parte significante do que pleiteia. Chega-se aos verdadeiros beneficiários e donos da previdência social os quais deveriam ser parasitas, mas não o são e sim hospedeiros dos segurados que fomos transformados em parasitas do erário porque o estado incorporou toda a arrecadação à propriedade, uso e fruição do governo e nós passamos a parasitar-lhe, apesar de nossos recolhimentos e do recolhimento do empregador aos nossos direitos recolhidos. Coisa de direito e do jeitinho especial e artístico brasileiro. Vai daí que a Previdência Social Geral construiu seu quadro de outorgados em direitos tanto sobre os recursos da autarquia como de nós hospedeiros que pleiteamos a benevolência do estado, no caso os milhares de advogados prontos para servir-nos por consenso do Poder Executivo, talvez em respeito aos direitos individuais constitucionais do contraditório e com isso as demandas podem decorrer até 20 anos se for autor destituído de sorte, algum privilégio ou padrinho abastado e influentes. Além dos milhares de causídicos e em decorrência dos milhões de processos são obrigados a incorporar direitos também milhares de servidores judiciais, juízes ordinários, desembargadores, ministros e atividades acessórias. Também incorpora o órgão os procuradores da AGU para torear os pretendentes às benevolências e suas equipes de suporte e assessoria. Depois existe todo o quadro burocrático e tecnocrático do órgão desde as diretorias estratégicas, gerências regionais e órgãos municipais, médicos e profissionais da saúde etc... Por último, no Ministério da Previdência e órgãos regionalizados existe a cúpula estratégica e de julgamento de litígios bem como o setor de atendimento aos interesses dos cidadãos segurados. A cúpula do ministério é formada por sindicalistas de sindicatos de trabalhadores e de empregadores e de representantes indicados pelo executivo, além de burocratas, tecnocratas, advogados e outros na formação da organização necessária, além dos órgãos de controle e fiscalização. Nota-se que ainda vã precisar de mais 4.730 efetivos e alguns com proventos de até R$ 10.056,80 fora outros benefícios legalmente instituídos. Prestem atenção, dos mais de 30 milhões de aposentados e pensionistas somente pouco mais de 9 milhões recebem acima de um salário mínimo e um iniciante de cargo médio sozinho ganhará quase 15 segurados, considerando todos os direitos outorgados. Observem que o INSS foi transformado em uma instituição de mendigos e miseráveis, arruinados e desgraçados onde uma estrutura bilionária é sustentada com recursos dos trabalhadores e das atividades nacionais. Por último, no Poder Judiciário tramitam quase 100 milhões de processos o que equivale quase um processo por cada dois habitantes sendo São Paulo o recordista e com uma população de 43 milhões de pessoas e o número de processos é provável que seja superior ao número de habitantes. No mundo inteiro, de verdade, isso é inédito Venha cá, poderes, empreendedores, cidadãos deste pobre território penitente somos mental e espiritualmente adultos ou não conseguimos ainda atingir a emancipação biológica. Será que somos reais ou extraterrestres. Eu até dou em mim mesmo alguns beliscões para testar a materialidade e pelos menos dor sinto como resposta dos comandos nervosos. Mas que existe algo infinitamente errado conosco existe, só não posso apontar e abstrair devido minha miserável e medíocre personalidade e limitação de aposentado parcial do Regime Geral de Previdência Social. Só uma coisa tenho certeza, sou um miserável meio aposentado, mas devido a mim juntamente com todos os segurados damos o privilegio para milhares de gozarem vida farta e ostentação.

  6. Salomon Postado em 22/May/2015 às 16:07

    Ora, cada qual é livre para rumar sua vida como quiser. Inclusive mudando de país.

  7. Janaína Alves Postado em 22/May/2015 às 18:16

    Fato é q infelizmente não existe a fórmula milagrosa ou mágica...mas em qualquer regime é necessário decência e comprometimento com as políticas públicas, visando o bem estar comum da todos, e não dessa ou aquela classe. A raça nos desligou, a religião nos separou, a política nos dividiu e o dinheiro nos classificou.

  8. Luiz Henrique Marques Postado em 22/May/2015 às 18:48

    Acho injusto jogar os valores brutos de arrecadação de impostos de cada país para justificar que o Brasil não é "tão ruim" assim. Injusto mesmo, porque tu não sabes e nem tem como quantificar exatamente o quanto desse total de imposto é revertido em melhorias para a população. Aqui os brasileiros odeiam e abominam impostos, porque não veêm, na prática, uma melhoria significativa, levando em conta as quantidades trilhonária que são arrecadadas anualmente, enquanto em vários países da europa as pessoas tratam o imposto como um aliado, uma forma de ajudar o estado e se ajudar ao mesmo tempo, porque eles enxergam ruas sem buracos, vão a hospitais funcionais, usam transporte público gratuito, ou muito barato, e eficiente, com horários quase que cronometrados. Que todo país tem sua dose de corrupção, todos sabem, o problema é a tratativa que se dá a certos casos, mas, deputados que recebem mais que quatro vezes o PIB per capta, só no Brasil e na Nigéria. Reiterando, achei muito injusto texto e os argumentos.

  9. Luciana Candido Postado em 22/May/2015 às 20:50

    Economicamente a Suécia é capitalista mas o estado de bem estar social deste pais é de pratica socialista senhora Maria. E mais saiba que em Cuba todos tem acesso a saúde as pessoas agonizam sim agonizam afinal ninguém é imortal ou a senhora viverá para sempre? Ah além de que em Cuba ninguém é analfabeto.

  10. nanci Postado em 22/May/2015 às 21:03

    maria, vc precisa se informar mais. A Alemanha, que pós 2008 se apertou um pouco, ficou muito rica depois que os países aliados que a venceram na 2ª guerra financiaram sua recuperação. Só que eles tinham dividido a Alemanha e a Rusia ficou com metade da Alemanha. Eram COMUNISTAS, não socialistas. E após a queda do muro, a Alemanha ''rica'' segurou a onda da Alemanha ''pobre''. Procure na Internet os países socialistas... Quanto ao capitalismo, aqui, por exemplo, 90%?? nos EUA de hoje tem 40 milhões que estão abaixo da linha da pobreza... vai se informar, é importante!

  11. Renato Postado em 22/May/2015 às 21:24

    A Índia é capitalista! 158 milhões de favelados, sendo que 6,3 milhões moram nas ruas, onde cozinham, tomam banho e fazem suas necessidades.

  12. agnaldo de souza Postado em 23/May/2015 às 11:40

    Só tem uma diferença,o Mendigo de lá fala Inglês !

  13. beto Postado em 24/May/2015 às 20:15

    No sul falam ate espanhol! As vezes os dois incrível! Hehehe brincadeira

  14. S Rod Postado em 25/May/2015 às 09:34

    Maria para seu desespero, o comunismo cresce no Brasil. Vou pra Cuba. PT continua sendo o partido mais querido do País O PT registrou nos primeiros cinco meses deste ano um aumento considerável do número de filiados.Foram 16.640 filiações até sexta-feira passada. O número é 81% maior do que as 9.187 adesões contabilizadas no mesmo período do ano passado. http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,apesar-da-crise-pt-tem-aumento-no-numero-de-filiados,1693271