Redação Pragmatismo
Compartilhar
Palestina 14/May/2015 às 14:55
7
Comentários

Em decisão histórica, Vaticano reconhece Palestina como Estado

Vaticano anuncia reconhecimento da Palestina e defesa da solução de dois Estados. Israel se disse ‘desapontado’. Mahmoud Abbas, presidente palestino, será recebido pelo papa Francisco no sábado, véspera da canonização de duas freiras nascidas em território palestino

vaticano palestina papa francisco
(Imagem: Papa Francisco em visita à Palestina|AFP)

O Vaticano anunciou nesta quarta-feira (13/04) que vai reconhecer o Estado palestino e defender a solução de dois Estados para a resolução do conflito com Israel. O texto com a decisão, que ainda será assinado, pretende ajudar no reconhecimento de uma Palestina “independente”.

Israel, por sua vez, afirmou estar “desapontado” pela decisão do Vaticano, como afirmou o Ministério das Relações Exteriores. Para o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, o acordo com os palestinos “não contribui para levar a Palestina para a mesa de negociações” pela paz.

No marco das relações entre Vaticano e Palestina, o presidente da ANP (Autoridade Nacional Palestina), Mahmoud Abbas, será recebido em audiência pelo papa Francisco no próximo sábado (16/05), na véspera da canonização de duas freiras nascidas em território palestino antes da criação do Estado de Israel.

Ainda não há prazo para que o texto — fruto de um acordo entre a Santa Sé e a OLP (Organização para a Libertação da Palestina) em 2000 — seja firmado, mas o Vaticano fala que isso ocorrerá em um “futuro próximo”. Segundo o comunicado da Santa Sé, o acordo fala sobre fomentar as bases para o funcionamento da religião católica no território.

O subsecretário do Vaticano para as Relações com os Estados, Antoine Camilleri, disse ao jornal L’Osservatore Romano que “seria positivo” que o acordo “pudesse ajudar” a “estabelecer e reconhecer um Estado Independente da Palestina, soberano e democrático”.

“Esta seria uma bela contribuição para paz e estabilidade em uma região que há tanto tempo esteve assolada por conflitos, e por parte da Santa Sé e da Igreja local desejamos colaborar em um caminho de diálogo e de paz”, acrescentou Camilleri.

Antecedentes

“A discussão é fruto do acordo base entre a Santa Sé e a OLP (Organização para a Libertação da Palestina), firmado em 15 de fevereiro de 2000.

O relacionamento oficial entre a Santa Sé e a OLP foi estabelecido em 26 de outubro de 1994 e, em seguida, foi constituída uma comissão bilateral permanente de trabalho que levou à aprovação do acordo de 2000”, explicou Camilleri a L’Osservatore Romano.

As negociações dessa etapa do acordo começaram a ser travadas em 2010, após a visita do então papa Bento XVI à Terra Santa, em 2009.

Camilleri também se referiu à adoção, em 29 de novembro de 2012, da resolução das Nações Unidas que reconheceu a Palestina como Estado observador não-membro. “No mesmo dia a Santa Sé, que também tem o estatuto de observador na ONU, publicou uma declaração que fazia referência à solução dos ‘dois Estados'”, afirmou.

Opera Mundi

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Eduardo Postado em 14/May/2015 às 19:10

    mas é um estado desde antes de Israel, que foi criando dentro do território Palestino... coisa de brasileiro.... e um detalhe Israel ainda está aumentando suas fronteiras dentro deste mesmo território.

    • Mayra Postado em 14/May/2015 às 22:03

      Eduardo, a Palestina não é reconhecida como Estado...

  2. Renato Luiz Postado em 15/May/2015 às 10:35

    Os judeus é que têm de deixar a Palestina, foram eles que invadiram com a ajuda dos fabricantes de armas!!!

  3. Mariclara Ol Postado em 15/May/2015 às 21:17

    Não foi nessa quarta, 13 de maio?

  4. Ana Quaiato Postado em 16/May/2015 às 07:27

    observem a data 13 de abril [data de reconhecimento do Estado da Palestina], não seria 13 de maio??

  5. Randy Postado em 16/May/2015 às 17:18

    Agora falta a Palestina reconhecer TODOS OS ESTADOS LAICOS DO MUNDO...

  6. Max Vanner Postado em 22/Jun/2016 às 15:50

    Grande merda esse chefe dos pedofilos reconhecer como estado! Esse é comunista de carteirnha, um vagaba...