Redação Pragmatismo
Compartilhar
Exploração Trabalhador 16/Apr/2015 às 10:32
30
Comentários

Manifestação contra Terceirização pressiona deputados a adiarem votação do PL

Manifestações contra a Terceirização terminam com gosto de vitória. Pressionados, deputados adiaram a votação dos destaques ao projeto de lei. Noite foi de derrota para o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

pl terceirização manifestações
Eduardo Cunha adiou votação dos destaques ao PL da Terceirização após manifestações desta quarta-feira (Imagem: Gerardo Lazzari/RBA)

Os milhares de manifestantes que marcharam nesta quarta-feira (15) em São Paulo contra o PL 4.330, que trata da terceirização do trabalho, encerraram o ato iniciado no Largo da Batata, na zona oeste, em frente à sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na avenida Paulista, com a sensação de vitória. Forçados pela pressão popular, deputados chegaram a acordo para adiar a votação de emendas do projeto para a próxima quarta-feira (22) dando mais tempo para as bancadas discutirem. Segundo os organizadores, a marcha reuniu aproximadamente 40 mil pessoas, e não houve policiamento ostensivo. A PM disse que eram 1.300.

RELEMBRE AQUI COMO VOTARAM OS DEPUTADOS NO PL DA TERCEIRIZAÇÃO

De acordo com Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, as votações dos destaques ao PL da Terceirização seriam apertadas. “Vamos produzir um acordo para que a votação não seja emperrada”, afirmou. Para ele, ainda há muitas dúvidas sobre os destaques, e a apresentação nesta quarta-feira (15) de sete emendas aglutinativas gerou insegurança para que os parlamentares votassem rapidamente.

Sete partidos orientaram suas bancadas para votarem pelo adiamento: PT, PSDB, PRB, PSD, PDT, PCdoB e PSOL. Outros quatro partidos votaram para que a votação fosse concluída ainda ontem: PMDB, PR, PV e SD.

Na última terça-feira, os deputados aprovaram uma emenda ao texto que exclui do projeto de terceirização as empresas públicas e sociedades de economia mista controladas por União, estados, Distrito Federal e municípios, como a Petrobras e o Banco do Brasil.

Atos do dia 15

O dia começou com manifestações promovidas por sindicatos e cinco centrais sindicais em todos o país, com paralisações em fábricas e bancos e atos públicos. Em São Paulo, a principal movimentação das centrais ocorreu no meio da tarde, também diante da sede da Fiesp. O presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, descreveu uma vaia que os militantes deram ao presidente da federação patronal, Paulo Skaf. “Se o 4.330 do jeito que está redigido seguir adiante e for aprovado pelos senadores, acabou a CLT. O projeto não é terceirização, companheiros. É mentira do Skaf”, disse.

Ele criticou também a maioria dos deputados que aprovaram o PL e, em especial, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB/RJ). “Nem a ditadura militar ousou em retirar o direito dos trabalhadores com um corte tão profundo como quer fazer o ditador Eduardo Cunha.”

A coordenadora estadual do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Natalia Szermeta, informada da suspensão da votação das emendas, no final do ato, avaliou que se tratou de resultado da pressão popular, “uma vitória das mobilizações”. “Hoje o dia começou com greves e protestos, e vai terminar com greves e protestos. Isso dá mais força para seguir na luta e demonstra que o povo na rua vai conseguir barrar o projeto. Não existe acordo sobre o projeto. Ou ele será barrado no Congresso ou vai ser vetado por Dilma. Os trabalhadores não arredarão pé dessas posições”, garantiu.

“Os empresários exploradores e fascistas não passarão. Quantos mais vocês quiserem precarizar a vida dos que lutam, quanto mais pobres querem nos deixar, mais vão nos unir e mais vamos lutar pelos nossos direitos”, alertou a ativista.

“Se passar, Dilma tem que vetar”

No discurso final, o coordenador nacional do MTST, Guilherme Boulos, ressaltou a greve dos professores estaduais, lembrando que ocuparam hoje a Assembleia Legislativa. Lembrou os atos da manhã em rodovias e movimentos grevistas por todo o país e disse que hoje foi um dia de vitória. “Acabamos molhados, mas lavamos a alma contra os que querem cercear os direitos dos trabalhadores e do povo pobre.”

No início do ato, às 17h, no Largo da Batata, Boulos disse que havia três recados a ser transmitidos com a manifestação: o primeiro, para a “elite preconceituosa”: “Vamos passar pelo ninho deles, pelos Jardins, para dizer que a rua é do povo, e que eles não vão nos impedir de ocupar as ruas”.

O segundo recado do MTST, à frente da organização do ato, é para a presidenta Dilma Rousseff: “Se o PL for aprovado, a Dilma tem o dever de vetá-lo. Não vamos aceitar as MPs (medidas provisórias) do ajuste (fiscal). O governo Dilma não foi eleito para cassar direito de trabalhador, nem pra fazer ajuste, nem pra colocar o (Joaquim) Levy na Fazenda (ministério). Não vamos ataque contra trabalhadores pobres, venha de onde vier. O MTST não tem rabo preso com ninguém”.

Quando a marcha chegou em frente ao escritório da presidência da República, já na avenida Paulista, Boulos repetiu o recado mencionado no início, reforçando que o movimento não vai aceitar cortes nos direitos dos trabalhadores, exigindo o veto ao PL 4.330 e o lançamento imediato do Minha Casa, Minha Vida 3, além da garantia das verbas de programas sociais para que não sofram com cortes do ajuste fiscal.

O último recado foi direcionado ao empresariado: “Nós vamos terminar este ato na Fiesp pra dizer que eles não devem cantar vitória antes da hora. O PL 4.330 não vai passar. E se passar, vamos barrá-lo, nem que seja na marra”. Boulos acrescentrou que na manifestação não vão ser vistas coisas como no domingo (12), quando, segundo ele, muita gente afirmou que Dilma tem que ir embora, mas ninguém questionou Eduardo Cunha (presidente da Câmara), que comandou a votação do PL 4.330, nem protestou contra Renan Calheiros (presidente do Senado), que coloca em pauta novamente a lei antiterrorismo, que na prática ataca o direito de manifestação, nem contra o governador Geraldo Alckmin, que deixou acabar a água em São Paulo e ignora a greve dos professores.

com Rede Brasil Atual e Portal da Câmara

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. eu daqui Postado em 16/Apr/2015 às 10:36

    Greve geral contra a terceirização que é apenas um apelido para a supressão de direitos de trabalhadores e consequente crescimento da concentração de renda. GREVE GERAL COM MANIFESTAÇÕES MACIÇAS E CONSTANTES JÁ !!!!!!!

  2. Roberto Postado em 16/Apr/2015 às 10:54

    Casa de ferreiro espeto de pau... http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/brasil/2015/04/16/terceirizada-mulher-de-eduardo-cunha-venceu-acao-trabalhista-contra-a-tv-globo.htm

  3. Thaty Postado em 16/Apr/2015 às 11:47

    Estava ontem na manifestação contra a direita em São Paulo. Debaixo de muita chuva, nós não paramos, seguimos até a FIESP, onde, de forma bem hipócrita, estava em sua fachada de LED a bandeira do Brasil. Nós não vamos parar até Eduardo Cunha cair, sua PL da terceirização junto, e esta direita fascista que está tentando dominar o país! Hoje mesmo vi o recuo de Calheiros, dizendo que no Senado a terceirização não passa. O povo unido é forte, os trabalhadores unidos não permitirão que seus direitos sejam alijados por esta corja que aparelhou nosso sistema político!

    • poliana Postado em 16/Apr/2015 às 15:18

      thaty, parece q o pmdb e dilma fizeram as pazes. depois q o temer conseguiu o que queria (o comando da articulação política), o pmdb recuou e voltou a se aproximar de dilma...por isso q o renan disse isso e justamente por isso esse famigerado pl não vai pra frente, GRAÇAS A DEUS.

      • Pereira Postado em 16/Apr/2015 às 15:54

        Ué ???? golpe no cunha pode ?

      • Pereira Postado em 16/Apr/2015 às 16:10

        Esse pessoal não enxergaria a verdade nem que ela passasse na frente e desse um grito. Quando gente sedizente intelectual de esquerda(Emir sader, safaltes e sakamotos) da vida dizem que o projeto não vai passar, eu atribuo a falta de ética e à vigarice intelectual dos mesmos. Mas quando vem da militância essas bobagens, eu sei também que são apenas idiotas úteis que não veem que a Dilma já levou um impedimento branco. É Cunha quem está dando as cartas. Quer provas ? Ok, vamos lá. Se os projetos da terceirização e da redução da maioridade penal, ambos apoiados por Cunha não passar e/ou não forem sancionados, ele ameaça de algumas formas : 1) Obriga o planalto a cumprir a questão das dívidas dos estados. 2) Ameaça a por processo de impeachment em votação. O que acontecerá então ? Vão aprovar de propósito destaques absurdos, para justamente serem rechaçados por Dilma, para que a mesma possa dizer : "Viram !!! eu vetei os absurdos da lei." Aí a pelegada da CUT, as linhas auxiliares do pt (psol, pstu e outros) e a mídia esquerdista sai cantando vitória. Eu fico impressionado com a "inteligência" política do pessoal da esquerda.

      • poliana Postado em 16/Apr/2015 às 16:39

        bora ver se passa pereira. renan já disse q o senado veta. como esse sacrilégio iria pra frente? veremos!

    • Pereira Postado em 16/Apr/2015 às 15:55

      hahahahaha esta aí a inteligência política. Hahahahahahahaha Parabens thaty

      • rolha Postado em 16/Apr/2015 às 17:40

        Nem Aécio se posicionou, deixou o partido a a revelia o eixo mudou... fato

  4. Salomon Postado em 16/Apr/2015 às 13:29

    Falta algum coxinha defender a terceirização. Curioso que ainda não tenham feito. Afinal, parece que estão começando a se alfabetizar.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 16/Apr/2015 às 14:37

      Pior que já vi vários. Em geral é naquele padrão: "não sei nem do que se trata, mas se o PT é contra, eu sou a favor".

      • Pereira Postado em 16/Apr/2015 às 16:01

        Eu sei do que se trata e sou a favor sim. Sei que há millhões de trabalhadores terceirizados que não tem uma legislação que os proteja. As terceirização através de PJ's já é uma realidade desde quando eu ainda era afeito às esquerdas, ou seja: 20 anos atrás. Sei também que a informalidade pode ser drasticamente reduzida e que os sindicatos podem perder arrecadação consideravelemente.

    • poliana Postado em 16/Apr/2015 às 15:15

      salomon, na micareta do último domingo, ou melhor, na reunião de condomínio, muitos coxinhas estavam segurando cartazes defendendo a terceirização.

  5. Rodrigo Postado em 16/Apr/2015 às 13:34

    A maioria no Brasil nao eh a elite. Mas, infelizmente o povo que eh a maioria nao tem representacao, este congresso eh uma sujeira soh. Eu proponho o fim do congresso, o voto popular das leis, voto direto do povo atraves da Internet.

  6. Walter Postado em 16/Apr/2015 às 15:49

    Que diferença da manifestação de 12 de Março não tinha coxinhas.

  7. Pereira Postado em 16/Apr/2015 às 15:53

    Esta aí a "inteligência" política. A inteligência do sanduiche de mortadela e dos 35 mangos.

  8. Pereira Postado em 16/Apr/2015 às 15:54

    Por enquanto Coxinhas 7 x 1 Sanduiche de mortadela. Pedem uma verbinha estatal a mais que o jogo pode virar.

  9. Pereira Postado em 16/Apr/2015 às 15:57

    1300 pelegos...que multidão ! Quantos vieram de ônibus pagos com dinheiros de sindicatos, que no fundo é público ? Estou "horrorizado" com a "multidão".

    • Daniel Santana Postado em 16/Apr/2015 às 17:23

      Eu estava na manifestação. Eu e minha esposa ficamos esperando a manifestação passar subindo a Augusta porque estávamos nos comunicando com uma amiga que estava atrás. Mais de meia hora para a manifestação passar para chegar à Paulista...em uma conta simples: levando-se o pior caso, com pessoas totalmente espaçadas, dando mais ou menos 1 m^2 (metro quadrado) para cada pessoa de espaço "pessoal", 1300 pessoas ocupam nas 8 braças de largura da rua com calçadas (14m) cerca de 100 m. Para que esses 100 m de pessoas demorasse 30 minutos para passar, as pessoas deveriam andar a uma velocidade de incríveis de 3,33 (dízima periódica) metros/minuto. Dizem que os "coxinhas" se dão bem nas exatas. Mais uma e cada vez mais isso se prova falacioso. Assim como a "contagem" oficial da PM, quando se trata de movimento popular.

  10. Thiago Teixeira Postado em 16/Apr/2015 às 16:09

    Colocamos 40 mil pessoas nas ruas sem apoio nenhum da PM tucana e mídia golpista. Ontem nos telejornais as imagens foram flash de 2 segundos e críticas quanto ao "TUMULTO" nos trânsitos.

    • Pereira Postado em 16/Apr/2015 às 16:13

      Mas é só isso que fazem e conseguem !!! atrapalhar o trânsito e trabalhadores de verdade !

      • eu daqui Postado em 17/Apr/2015 às 09:32

        Trabalhadores de verdade são os que se manifestam. Os que não se manifestam são lambecus, e não trabalhadores.

    • Pereira Postado em 16/Apr/2015 às 16:14

      O número de pessoas era tão minguado que o trânsito sequer foi bloqueado. pelo menos uma pista estava operando numa av. de são paulo que agora não me lembro o nome.

    • Pereira Postado em 16/Apr/2015 às 16:15

      Não tem mortadela para todo o mundo.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 16/Apr/2015 às 16:27

        Pereira e coxinhas em geral transtornados com a força da manifestação "minguada" que atrapalhou "os trabalhadores de verdade"...calma, cara.

      • Pereira Postado em 16/Apr/2015 às 16:28

        Eu estou calmíssimo. hehehehe e me limito a dar risada.

      • Pereira Postado em 16/Apr/2015 às 16:30

        Agora a mídia espalha que o pequeno adiamento da votação.... "é por força das manifestações" . Isso não é para rir ?

      • Pereira Postado em 16/Apr/2015 às 16:31

        275 mil coxinhas x 1300 sanduiche de mortadela. Acho que venceu os coxinhas .

    • Pereira Postado em 16/Apr/2015 às 16:27

      Coisa mais dinheirista que esses sindicatos.....Non Ecsiste !!!!

  11. Daniel Santana Postado em 16/Apr/2015 às 18:08

    Esse número da PM é fantasioso, sendo benevolente (isso para não dizer que foi má-fé, pura e simples). Num post anterior: "(...) Eu e minha esposa ficamos esperando a manifestação passar subindo a Augusta porque estávamos nos comunicando com uma amiga que estava atrás. Mais de meia hora para a manifestação passar para chegar à Paulista...em uma conta simples: levando-se o pior caso, com pessoas totalmente espaçadas, dando mais ou menos 1 m^2 (metro quadrado) para cada pessoa de espaço "pessoal", 1300 pessoas ocupam nas 8 braças de largura da rua com calçadas (14m) cerca de 100 m. Para que esses 100 m de pessoas demorasse 30 minutos para passar, as pessoas deveriam andar a uma velocidade de incríveis de 3,33 (dízima periódica) metros/minuto. Dizem que os "coxinhas" se dão bem nas exatas. Mais uma e cada vez mais isso se prova falacioso. Assim como a "contagem" oficial da PM, quando se trata de movimento popular." 40 mil não deixa de ser um número expressivo, apesar de ser 5 vezes menor que o convescote burguês do final de semana. Porém duvido que os "coxinhas" desfilariam debaixo de chuva e durante a semana. Para mobilizar todo esse contingente de trabalhadores (aqueles que podem paralisar as suas atividades porque o sindicado é forte) num primeiro ato, com uma semana de organização, sem o apoio da mídia, do metrô e com o histórico de repressão da PM paulista, os trabalhadores estão de parabéns!!!