Redação Pragmatismo
Compartilhar
Educação 03/Apr/2015 às 08:00
17
Comentários

As famílias que decidiram não matricular seus filhos na escola

Documentário explora a 'desescolarização', modelo escolhido por mães e pais que decidem educar seus filhos longe das salas de aula tradicionais. Conheça as motivações de quem opta pela educação alternativa

família educação desescolarização escola crianças

Na época em que o primeiro filho nasceu, a atriz e cineasta francesa Clara Bellar dividia seu tempo entre o Rio de Janeiro, Paris e Los Angeles. Em vez de decidir por um desses locais para poder matricular o menino na escola, ela e o marido preferiram entender como crianças poderiam aprender de maneira livre e conviveram durante dois anos com famílias que optaram pela não escolarização. O resultado foi uma jornada que é mostrada no documentário “Ser e vir a ser – Vivendo e aprendendo“.

O filme é uma busca pelo “desejo inato de aprender”, conforme define a sinopse de divulgação. Ele explora o conceito de desescolarização (unschooling, na expressão em inglês) e apresenta famílias da Alemanha, Estados Unidos, França e Reino Unido que vivem ou vivenciaram essa experiência, além de ouvir educadores e especialistas no tema. Também é possível ouvir histórias e conhecer jovens que tiveram uma educação livre, porém, mais tarde optaram por ingressar no ensino formal em renomadas universidades. Segundo Clara, que é mãe de uma menina de um ano e um menino de 6, a intenção não é julgar a escola ou tentar apontar um único caminho, mas mostrar que também existem outras possibilidades para aprender. “O importante é informar para que as pessoas possam escolher, cada um para a sua família”, defende.

Confira alguns trechos da conversa com a cineasta:

Quais foram os primeiros questionamentos que surgiram quando você começou a pesquisar sobre desescolarização?

Quando ouvimos falar pela primeira vez sobre não escolarizar – e não apenas o fato de não ir para uma escola e fazer a escola dentro casa –, não entendíamos como era possível aprender sem a necessidade das coisas serem ensinadas. Estávamos muito formatados e não conseguíamos imaginar fora desse paradigma. Conhecendo as crianças que aprendem de maneira livre, descobrimos que elas aprendem vivendo. Como falou Alan Thomas, professor da Universidade de Londres, durante o filme, tudo o que você precisa para funcionar na sociedade, você vai aprender vivendo. Na verdade, se você vive em uma cultura com livros e coisas escritas nas paredes, no metrô, vai acabar lendo, escrevendo e aprendendo matemática básica – como fazer uma receita para mais pessoas ou dar trocos. Esse tipo de coisa, aprendemos fazendo.

Um dos questionamentos era se os pais precisavam saber de tudo. E na verdade, não. Eu pensava que seria preciso buscar tutores e professores particulares, mas vi que não era exatamente assim. Muito em breve se acham pessoas. Uma aposentada que mora no mesmo prédio pode ficar feliz em partilhar a paixão dela com um jovem. Eles não aprendem a fazer amizade por faixa de idade. Também existe muita troca com outros pais.

De que forma os pais devem estar preparados para isso?

O que os pais [ouvidos durante a produção do documentário] me falaram é que para as crianças aprenderem é preciso viver. O difícil é os pais fazerem um trabalho em si para não criarem muitas expectativas, não colocarem pressão e terem confiança – nas crianças e em si –, o que é muito difícil na vida. Eles reaprendem a ter autoconfiança quando começam a confiar mais nos filhos.

Nas famílias que aparecem no documentário é possível notar uma proximidade com a natureza. Você acredita que a desescolarização tem relação com um estilo de vida próprio?

É muito raro que a desescolarização seja apenas uma opção por uma maneira de instruir os filhos. A vida das pessoas apresenta uma volta para a natureza e a liberdade. Mas muitas pessoas no filme moram na cidade, só que as entrevistas são na natureza porque as crianças passam muito tempo fora. Elas não são presas entre quatro paredes. Quando eu ia conhecer uma família, muitas vezes ela estava fazendo uma atividade fora. Eu até descobri parques públicos em Paris que não conhecia. Foi interessante. Eles têm mais tempo na natureza, é verdade, mas isso não quer dizer que necessariamente moram fora da cidade.

A desescolarização não é possível para qualquer pessoa?

Eu prefiro falar que não é para qualquer um por causa do jeito que a sociedade está organizada. Mas aí existe um problema de sociedade que não tem nada a ver com uma questão de aprendizagem. Se todo mundo seria capaz em uma sociedade natural? Sim. É assim que os mais tradicionais funcionavam. É assim que as pessoas sempre aprenderam: vivendo, olhando, imitando e indo atrás dos seus interesses. Mas na sociedade do jeito em que está, claro que existem pessoas que podem ter alguma situação que não permitiria isso.

Mas eu vejo pessoas que decidiram sair da cidade e ganhar menos no trabalho. Conheci muitas pessoas que viram o filme no cinema na França e me contaram exemplos muito extremos. Uma mãe solteira, com dois filhos adolescentes, contou que eles viveram com 500 euros por mês durante anos. Esse é um exemplo extremo, mas todo mundo poderia. As pessoas reinventam a vida que realmente convém para elas.

As crianças, jovens e adultos não escolarizados que aparecem no documentário apresentam algumas características em comum, como o interesse pelas artes e a criatividade. A educação livre estimula o desenvolvimento dessas habilidades?

Como é falado no filme, toda criança tem essas características de criatividade e imaginação. Você começa uma história e eles inventam o fim. Isso é natural. Eu não acho que a desescolarização desenvolve mais. Mas eu acho que, na maioria das escolas, o fato de os alunos ficarem muitas horas sentados e fazendo o que os outros falam tira uma parte da criatividade. São outras necessidades. São as necessidades da revolução industrial, dessa coisa de escola para todos. Aí você não tem mais muito tempo de imaginação.

As crianças não escolarizadas, pelo menos a partir de observações no documentário, parecem não fazer muita separação entre o tempo do aprendizado e tempo da diversão. Como isso muda a forma de encarar o mundo e encontrar prazer nas coisas que se faz?

A gente não nasce com essa separação. Ela começa na idade em que a gente entra na escola. Minha filha com seis meses parecia que queria andar, e a gente acreditou. Ela estava tão decidida, mas demorou seis meses. Durante esse tempo ela ficou caindo e ficou frustrada, mas era lúdico. Não havia separação: “Agora vou trabalhar e fazer um passo e meio, depois eu vou brincar.” Não. Aprender é brincar; e brincar, o meu trabalho.

As duas coisas mais difíceis que as pessoas aprendem na vida inteira, que são andar e falar, ninguém vai ensinar. “Vamos trabalhar e vamos fazer uma hora de andar. Uma hora de falar português.” Isso não existe. Mas aí chega uma idade, como o Alan Thomas fala, e todo mundo tem que mudar a maneira de aprender. Aí falam “olha, você vai fazer uma coisa que não é sua, mas você vai ter a recompensa e poder brincar depois.” Aí começa a separar. É tão triste.

Alguns especialistas criticam o modelo pela questão da socialização, mas no filme percebemos que as crianças também convivem com outras crianças, jovens e adultos. Como essa mistura de idades diferentes pode enriquecer o aprendizado?

Eu acho que, mais uma vez, entra essa coisa de separação, agora por idades. Como não acontece isso, eu acho que socialização e o isolamento é o primeiro preconceito que cai porque você percebe que é ao contrário. Não é a socialização de estar com 20 crianças que nasceram no mesmo ano, no mesmo bairro (se for o caso de uma escola pública) e da mesma categoria social (se for uma escola privada) onde os pais têm rendas similares. Aí você não tem uma quantia representativa de crianças do seu país.

Um dos pontos que chama bastante atenção no filme é a fala de adultos que tiveram uma educação livre durantea infância e adolescência e, mais tarde, optaram por ingressar no ensino formal em grandes universidades. A desescolarização é um caminho flexível que possibilita entrar e sair dele?

Totalmente flexível. Eu conheço famílias em que um filho vai [para escola] e outro não. Não é uma coisa que você precisa decidir para 12 anos. É um dia de cada vez e o que funciona melhor para a pessoa. Dentro de cada família vai ser diferente para cada criança. Cada criança tem necessidades diferentes.

E como avaliar o aprendizado?

Eu realmente não acho que deve ser avaliado. Tem um fato bem interessante no filme, na cozinha da Naomi [entrevistada no documentário], quando se fala “mas como você sabe que está expondo o suficiente?”. Você vê se a criança está bem. Uma criança que não estaria aprendendo, não estaria bem. Você, como pai, convive com ela e vê se está se desenvolvendo e se está entusiasmada quando acorda de manhã… se está indo à luta. Se [a criança] está, quer dizer que ela está aprendendo o que quer aprender e o que deve aprender. Se você vê que a criança está apagada, aí tem um problema. Se eu tivesse que resumir, unschooling é confiar e escutar uns aos outros. Você conversaria e acharia uma solução. Você veria qual necessidade fundamental da criança não está sendo satisfeita. Você acharia outras maneiras. Mas agora avaliar, não. Quem decide o que vai ser uma matéria?

Eu acho que não só não é necessário, como também não é saudável. Aí que começa perder a autoconfiança. Começa a se comparar com os outros. É uma condicionalidade de dizer que você não é suficiente. Eu adoro uma frase do Einstein que aparece no filme: “Todo mundo é um gênio. Mas, se você julgar um peixe por sua capacidade de subir em uma árvore, ele vai passa a vida toda acreditando que é estúpido.”

Marina Lopes, Povir

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 06/Apr/2015 às 12:28

    Eu pratico desescolarização e não sabia! Costumo repassar toda matéria que minhas filhas aprenderam durante a semana com outros livros, pois se depender das escolas públicas e da boa vontade das diretoras ...

  2. Sandro Postado em 06/Apr/2015 às 14:28

    Pobres crianças isoladas do importante convívio e interação social que a escola propicia. Pobres futuros jovens soltos em um mundo capitalista que não perdoa quem não tem diploma. Pobres seres vítimas de ignorantes e fanatizados que desejam isolar seus filhos do mundo "imoral".

    • Cleize Postado em 07/Apr/2015 às 14:56

      Quem disse que eles não podem ter um diploma? Vc leu o texto todo?

    • bolado Postado em 07/Apr/2015 às 21:31

      Obrigatoriedade de diploma é invenção do próprio governo brasileiro. Se quiser alguém pra culpar, culpe a pessoa certa.

    • Eizeth Postado em 21/Apr/2015 às 03:23

      Concordo com você ! E mais: serão pessoas que terão dificuldade de conviver socialmente. Trabalhar em equipe; seres egoístas! É isto que passa. Essa educação pode ser dada paralela, não precisa isolar a criança do mundo real!

    • Fabiana Postado em 25/Apr/2015 às 20:07

      "Pobres futuros jovens soltos em um mundo capitalista que não perdoa quem não tem diploma." Campeão....eu não tenho diploma, não terminei nem o Ensino Médio, e tenho uma empresa de sucesso nesse cruel "mundo capitalista". Até o final desse ano serão 2 empresas. Falo 1 língua estrangeira fluentemente, 2 a nível intermediário e já viajei para mais de 12 países e nem tenho 30 anos. O mundo mudou, as oportunidades estão em todo lugar, diploma na mão ou não.

    • Thiago Postado em 14/Jul/2015 às 21:32

      Coitado... É exatamente o contrario. Pobre ser incapaz de compreender.

    • beto Postado em 04/Jan/2016 às 21:56

      Tu sim sabe do que tá falando, que eu saiba escola não é o único meio de convívio social que existe, além disso melhor selecionar a meio social que seu filho cresce do que deixar crescer numa sala de aula com alunos que não sabem nem o que estão fazendo ali, não tem valores, são facilmente influenciados pelo todo e livre do consumismo reforçado por datas comemorativas capitalistas! Eu tenho asco de quem cresce pensando que só existe um meio de educação pq assim foi educado, se tivesse oportunidade deixaria os meus filhos mais longe de uma sala de aula, principalmente da rede estadual. Diploma, querido, com 18 anos e tirando uma nota mínima no ENEM tu ganha. Outra, eu acredito que sair mais idiotizados do que saímos das salas de hj meio difícil!

  3. Sandro Postado em 06/Apr/2015 às 14:34

    O homofóbico pentecostal Julio Severo é um dos que mais insistem no abandono das escolas. O que o move é seu fanatismo religioso, seu puritanismo e desejo de isolar as crianças do convívio com os "maus", os "mundanos", os "ímpios". Pesquise as verdadeiras motivações para o abandono da escola e verá que na base de tudo esta o fanatismo religioso, o puritanismo dos que não aceitam a pluralidade.

    • Thiago Teixeira Postado em 06/Apr/2015 às 18:39

      Sandro, não se preocupe, na hora do Julgamento Final Jesus estará lá para classificar quem foram os "ímpios" e os "maus"! Deixa os pentecostal cantarem vitória por enquanto.

    • Tatiana Postado em 07/Apr/2015 às 01:43

      Acho que precisa ler denovo , não foi falDo em abandono da escola em nenhum momento e sim de escolha e valorização do interesse individual, do rítmo e tempo de aprendizagem que singular p cada um. NÃ O quer dizer q a criança vá ser isolada, ao contrário, ninguém aprende sozinho, e educacão é justamente isso , esse conjunto de vivências q formam o cidadão. É muita inocência depositar toda essa respobsabilidade sobre a escola.

    • Cleize Postado em 07/Apr/2015 às 14:58

      "Abandono da escola", "isolamento".... logo se vê que você não compreendeu o texto.

    • Leila Postado em 18/Apr/2015 às 16:48

      Querido, Na verdade os fundamelistas optam pelo homescholling, que é levar a escola pra dentro de casa e normalmente os pais que optam por isso acabam sendo mais rígidos com as crianças que uma escola seria. Unscholling é não escola, é confiar no processo da vida e está no extremo oposto do caminho dos fundamentalistas e seus condicionamentos...

    • tereza Postado em 25/Apr/2015 às 23:42

      Minha filha mais velha tem 12 anos. Desde q nasceu q aprende em casa no dia a dia. Nunca foi a escola. Ela tem mais um irmao e duas irmas. Todos sao saudaveis, sociaveis..conversam com qualquer pessoa de qualquer idade. Resolvi ficar com meus filhos em casa porque queria conviver com eles e nao delegar esse privilegio a estranhos (professores e outros profissionais). Se vc conhece historia sabera q a maioria dos escritores, inventores, cientistas, artistas foram todos descolarizados. Aprenderam e se especializaram por conta propria, por incentivo proprio, nao por causa de teste, escola ou diploma. Infelizmente vivemos numa sociedade onde a maioria so faz algo se motivado ou forcado por terceiros. Triste. Muito triste.Ah, esqueci de dizer... minha filha de 5 anos esta aprendendo a ler... vontade dela propria.... "mae, quero aprender a ler pra poder jogar MInecraft."

  4. Danila Postado em 07/Apr/2015 às 16:28

    Numa sociedade cujos pais cada vez mais tercerizam a criação dos filhos, admiro quem se dedique na educação tão ativa deles. Enquanto a grande maioria dos pais não estão disposto a ajudar na lição de casa, por meia hora no seu corrido dia.

  5. poliana Postado em 07/Apr/2015 às 21:34

    tô dizendo q é o cesar souza??!! só mudou o nick! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • bruna Postado em 24/Apr/2015 às 16:21

      kkkkkkkkkkkk. adorei poliana. kkkkkkkk