Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 31/Mar/2015 às 12:35
58
Comentários

Menino negro é expulso da frente de loja em rua luxuosa de São Paulo

Pai testemunhou o racismo contra o seu filho e desabafou: “Não importa quantas vezes você lê sobre esses casos de racismo, nada te prepara para o choque quando acontece com seu filho. Provavelmente vão dizer que foi um ‘mal-entendido’”. Episódio aconteceu na Rua Oscar Freire – famosa por abrigar diversas marcas de luxo

O depoimento de um pai indignado repercutiu nas redes sociais. Ele acusou a vendedora de uma loja de São Paulo de ser racista com o filho. O garoto tem oito anos e foi expulso da frente do estabelecimento com o pai no sábado (28/3). “É um lugar só para brancos”, desabafou o pai, Jonathan Duran.

A família estava passeando pela Rua Oscar Freire, e após comprar um sorvete para o garoto, Duran ligou para a esposa, que estava em outra loja para comprar sapatos. Neste momento, para fugir da rua movimentada de carros, eles ficaram na frente de uma loja (Animale) de roupas. “A vendedora chegou e falou brava: ‘ele não pode vender coisas aqui'”, contou Jonathan, que ficou chocado com a situação. Ele limitou-se a informar: “Ele é meu filho”, antes de ir embora.

Duran faz reflexões sobre o fato. “Não importa quantas vezes você lê sobre esses casos de racismo, nada te prepara para o choque quando acontece com seu filho”, disse. “Provavelmente vão dizer que foi um ‘mal-entendido’ (mesmo quando as crianças negras têm o azar dos mal-entendidos sempre acontecerem com elas). No entanto, minha preocupação é quando o ‘mal-entendido’ não é mais com uma vendedora de uma loja, mas com um policial armado”.

Ele também contestou o papel da imprensa tradicional em relação aos episódios de racismo que ganham notoriedade: destacou que “costumam ser de famílias de classe média-alta/classe alta, e/ou onde pelo menos um dos pais é estrangeiro”. “E todos os outros casos que acontecem todos os dias?”, indagou. Ao final, levantou mais uma questão: “Parece piada de mau gosto acontecer justamente numa loja da Oscar Freire. Será que essa rua é o marco zero do apartheid racial em São Paulo?”.

Na página da Animale Oscar Freire no Facebook, vários comentários de repúdio surgiram por parte dos internautas. “O racismo continua na moda na Animale? Já é tendência pra próxima coleção”, questionou um internauta.

“Gostaria muito de ouvi-los a respeito desta acusação. Assumam o erro e se retratem ou digam o que aconteceu sob o ponto de vista da empresa. O silêncio me parece constrangedor e acusativo”, disse outro internauta.

Por meio de nota, a Animale informou que entrou em contato com o pai, que repudia qualquer ato de discriminação e que está apurando o caso internamente.

animale racismo menino negro

informações de R7 e Fórum

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. caio Postado em 31/Mar/2015 às 12:50

    Que vergonhoso!! Pior de sermos uma nação racista, somos uma nação que não quer falar de nossos problemas para parecer que eles não existem.

  2. Gustavo Postado em 31/Mar/2015 às 13:03

    As cotas colocarão os negros nas universidades e em melhores cargos, com melhores salários. Com isto em um futuro que espero seja próximo, mais negros serão vistos ocupando cargos que hoje são privilégio de brancos. Obviamente não será o fim do racismo. Mas talvez daqui há uns 200 anos o racismo contra negros será algo próximo do racismo contra a loira burra. E ainda teremos muita luta pela frente.

    • Orlando Postado em 31/Mar/2015 às 13:10

      Concordo. Quando isto acontecer a vendedora não vai estranhar um negro na Oscar Freire.

    • Denisbaldo Postado em 31/Mar/2015 às 13:12

      Se fosse o Robinho ou o Neymar na porta da loja ela ia adorar. O que falta ao negro é o dinheiro do branco.

      • Carol Postado em 31/Mar/2015 às 13:21

        Ao negro não falta nada... falta ao branco empatia... Os negros são perfeitos em sua existência e não precisam ter dinheiro para serem considerados seres humanos... Ela não precisava ver o dinheiro para antes de qq coisa ver um pessoa.

      • Gustavo Postado em 31/Mar/2015 às 13:58

        "O dinheiro do branco" ...putz

      • José Ferreira Postado em 31/Mar/2015 às 17:00

        O que falta ao negro é o dinheiro (azul piscina; roxo; vermelho; amarelo; azul, as notas de Real). As cotas não tem nada a ver com essa situação, pois, com elas ou sem, esse tipo de situação inadequada não ocorreria.

      • José Ferreira Postado em 31/Mar/2015 às 17:06

        ...esse tipo de situação inadequada ocorreria. (corrigindo)

      • Eduardo Ribeiro Postado em 31/Mar/2015 às 18:05

        Falar deste episódio lamentável e explica-lo com um "ao negro falta dinheiro" é dureza. O que falta, no que tange este episódio, é o combate ao racismo ideológico secularmente incutido na cabeça do cidadão brasileiro. E o detalhe é que minimizar a questão do racismo, como aconteceu aqui (voluntariamente ou não), é algo que trabalha contra esse combate. É no mínimo ingenuidade demais achar que esse acontecimento nada tem a ver com a cor da pele do garoto. O garoto nem na loja entrou, e nem sequer tentou entrar. Por favor.

      • Denisbaldo Postado em 31/Mar/2015 às 18:50

        Dureza é voces não conseguirem interpretar o que eu disse. O PP deveria ter uma interface para que pudéssemos desenhar também. Se ao negro não falta dinheiro, dá uma passadinha na favela mais próxima da sua casa. O trabalho é a fonte principal da dignidade humana na nossa Constituição Federal, e as pessoas trabalham pra que mesmo??? É óbvio que a falta do dinheiro é consequencia do racismo, mas uma melhor distribuição de renda é a base de uma sociedade mais justa. O dinheiro é muito importante na vida de todos, até dos negros viu galera! Por que será que negro rico é sempre bem tratado? Se a vendedora tivesse percebido que o pai branco (símbolo de riqueza, prosperidade) estava próximo do filho negro (símbolo de pobreza, atraso) ela nada teria dito.

      • Rodrigo Postado em 31/Mar/2015 às 20:09

        Fala isso para Oprah que quase comprou a loja onde foi vitima de racismo.

      • Denisbaldo Postado em 31/Mar/2015 às 20:35

        Ótimo exemplo, voce acabou de confirmar a minha teoria. Ela foi vítima de racismo porque não sabiam quem ela era. Porque não sabiam que ela era rica. Falaram para ela: "Voce não pode comprar nada aqui". Posso dar um milhão de exemplos históricos. Dinheiro e dignidade em uma sociedade consumista estão completamente relacionados. Desde a época do Brasil colônia isso acontece. Filhos de nobres africanos vinham estudar no RJ e frequentavam as aulas nas mesmas salas de aula com os filhos dos portugueses e esses africanos andavam pelas ruas cercados de escravos negros. Zumbi era um nobre africano que foi derrotado na África, preso e vendido como escravo aos portugueses. Como ele era de linhagem nobre (rico) tinha conhecimentos e habilidades únicas as quais o levou a liderar o Quilombo dos Palmares, onde também possuia escravos negros. O sistema de cotas nada mais é do que uma maneira de colocar negros em cargos importantes para aumentar sua renda e assim mudar gradualmente o paradigma de negro pobre e trazer autoestima e qualidade de vida para eles. Para quem não consegue associar dinheiro com racismo em uma sociedade capitalista, sinto muito. As pessoas são racistas por associação a outras características, muito relacionadas ao dinheiro, status, etc...

      • Eduardo Ribeiro Postado em 01/Apr/2015 às 09:23

        Ninguem negou que ao negro falta dinheiro. Falta dinheiro ao brasileiro em geral, e não seria diferente para o negro em específico, a quem sempre foi negada a mínima dignidade. Mas vincular este episódio específico de RACISMO EXPLICITO a APENAS falta de dinheiro, é safadeza. É trabalhar a favor do racismo. O exemplo da Oprah foi perfeito nesse sentido. Não é dinheiro que falta para que episódios assim deixem de acontecer. Falta o combate ao racismo ideológico e institucionalizado. Safadeza e burrice vincular o episódio APENAS a falta de dinheiro.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 01/Apr/2015 às 09:33

        "Ela (Oprah) foi vítima de racismo porque não sabiam quem ela era. Porque não sabiam que ela era rica.". Ou seja: se soubessem que ela é podre de rica a teriam tratado com dignidade APESAR DE negra. PORRA. O negro tem que ser respeitado pelo ser humano que é, independente do dinheiro. Esse é o tipo de discurso que viabiliza o racismo. Porque só trataremos bem os negros que tem dinheiro no bolso. Tipo, "é negro, mas tem dinheiro, então eu, que sou branco, o aceito". Ou seja: o preto pobre, peão, trabalhador, que ganha 2 ou 3 salarios minimos pra tocar a vida da familia, esse não merece respeito. E se parar na frente da minha loja chic pra falar no telefone ou tomar uma água "é justo eu expulsa-lo e chamar a polícia, já que ele não tem dinheiro mesmo". Pelo amor de Deus, repensem as palavras de vocês. O mundo de hoje não deveria ser lugar mais para se ler um discurso tão escroto.

      • Denisbaldo Postado em 01/Apr/2015 às 17:12

        Tá nervosinho tá, toma uma chá de camomila. Gritar na net e ofender os outros é facinho né eduardinho, já cara a cara... Pelo jeito voce entendeu muito bem o que eu disse, tanto que está espumando de raiva. Se tantos brancos e negros estivem em condições de igualdade financeira nem estaríamos discutindo isso. Com relação ao racismo e preconceito, ele existe entre todas os povos e nações; pessoas que não gostam de japoneses, latinos, asiáticos, irlandeses, americanos, bolivianos, árabes, argentinos, etc, etc, etc. O ser humano só se respeita quando admira ou necessita de algo do outro. Quando se é pobre, ninguém te admira ou precisa de voce. Os negros eram escravos até outro dia, é óbvio que existe uma associação com relação a uma condição tão degradante e pobre tão recente que outros povos não possuem. Se ainda não entendeu problema seu. Vira homem e vai xingar ao vivo.

      • Denisbaldo Postado em 01/Apr/2015 às 17:16

        O Celso Pitta foi eleito prefeito de São Paulo quando Paulo Maluf era seu aliado. O rico branco assinou embaixo e muitos racistas que nunca votariam em um negro o elegeram.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 02/Apr/2015 às 09:53

        Evidente que entendi. Na verdade nem tem o que entender, você foi bem objetivo. Teu discurso é racista. Seu racismo é claro e cristalino, menino. E é racismo do pior tipo, pois nega que exista o racismo, ao afirmar que o problema é APENAS falta de dinheiro. Não é. Um caso de RACISMO EXPLICITO como o da loja é prova do RACISMO IDEOLÓGICO vigente no Brasil. Alem do que, você mal percebe que esse papo de "se tivesse dinheiro seria respeitado" é apenas uma REAFIRMAÇÃO do racismo. Pois apenas confirma que o preto não é respeitado enquanto ser humano, mas se tiver dinheiro, e SOMENTE se tiver dinheiro, você, menino-branco, TOLERA, aceita, até convive, e depois vem pra internet falar que "eu não sou racista, até tenho um amigo negro...já até namorei uma negra...racismo não existe". Já o preto trabalhador, sem estudo, sem nada de atrativo pra um coxinha feito você, esse não tem valor. Discursos como o seu não deveriam mais existir. Tome vergonha.

    • Fernando Postado em 31/Mar/2015 às 14:28

      "daqui há uns 200 anos" -> "daqui a uns 200 anos"

      • Gustavo Postado em 31/Mar/2015 às 15:42

        Concordo com sua discordância sobre minha equivocada concordância verbal. Obrigado.

    • José Ferreira Postado em 31/Mar/2015 às 17:05

      ...esse tipo de situação inadequada ocorreria. (corrigindo)

  3. Maria Postado em 31/Mar/2015 às 13:10

    Somos descendentes de índios, negros, portugueses, japoneses, e outras raças uma mistura de raças, a burguesia dita suas regras, até quando? Toda essa mistura de raças é o que nos orgulha, deveria! Até quando os mais ricos ditam esse conservadorismo absurdo!

  4. Alexandre Postado em 31/Mar/2015 às 13:14

    mesmo se estivesse vendendo alguma coisa.....

  5. Hilla Postado em 31/Mar/2015 às 13:36

    Viajando o mundo descobri que nao existe em lugar algum pessoas mais racistas do que no nosso Brasil. Uma vergonha

  6. marizete ribeiro Postado em 31/Mar/2015 às 13:38

    Duvido que ela faça isso com o ex presidente do STF ou mesmo com Pele , seria demitida sumariamente.

  7. lourdes Postado em 31/Mar/2015 às 13:40

    Se fosse algum desse jogadores ricos? O tratamento seria o mesmo? Claro que não. Fora com tantos preconceitos...

  8. Eduardo Postado em 31/Mar/2015 às 13:50

    Li que quando os negros tiverem mais espaço no mercado de trabalho pelo fato de que cotas ajudarão, eu penso que os EUA, tem um presidente negro e ainda assim é um dos países mais racistas do planeta. Isso tem haver com o fato que o racismo está enraizado na sociedade, um cargo ou status não tira o preconceito que quem é racista ou homofóbico ou xenofóbico ou qualquer outra forma de Pré-conceito.

  9. Silvio Harley Postado em 31/Mar/2015 às 13:51

    Pense duas vezes antes de entrar na Animale!!!

  10. Denisbaldo Postado em 31/Mar/2015 às 14:00

    Será que se fosse o seu filho voce pensaria assim?

  11. Rita Di Lorenzo Postado em 31/Mar/2015 às 14:01

    André, e se fosse uma criança branca, a vendedora Iria confundi-la como vendedor de balas!!! Me poupe!!!!!

  12. Marcia Postado em 31/Mar/2015 às 14:01

    Por que ele seria um vendedor de balas se não tinha nenhuma bala na mão? Era só um menino negro. Caso de racismo clássico, sem apelação.

  13. Rafael Postado em 31/Mar/2015 às 14:02

    E a rua é dela, senhor André, pra ela dizer quem pode ou não vender algo!? Você é mais um racista, que acha que a confusão é a desculpa pra qualquer crime de ódio!

  14. Lilian Postado em 31/Mar/2015 às 14:16

    Se fosse uma criança branca ela não pensaria que era vendedor de balas. Não há chifres em cabeça de cavalos, há racismo mesmo.

  15. Elder Postado em 31/Mar/2015 às 14:17

    Nome apropriado ANIMALE kkkkkk, deveria ser o nome da vendedora

  16. Alex Postado em 31/Mar/2015 às 14:28

    Duvido que ela ia "pensar" do mesmo jeito se ele não fosse negro.

  17. Leonardo Des Gents Postado em 31/Mar/2015 às 14:29

    sera que se fosse uma crianca loirinha de olhos azuis ela pensaria que ele fosse vendedor de balas... aff... pais de idiotas... um pais de gente parda, que nao se aceita, que quer se ver branco, e trata mal aqueles que sao mais escuros...

  18. Renata Postado em 31/Mar/2015 às 14:37

    Ele disse tudo. Até o fato de casos como o deles ou de uma família no Rio, que queria comprar um carro caro, ganhar mais notoriedade pelo fato de serem estrangeiros e de classe alta, denota o preconceito. Imaginem como não estão sendo tratados mal e ignorados pela mídia os brasileiros negros e pobres?

  19. Eduardo Ribeiro Postado em 31/Mar/2015 às 14:39

    Elite branca, coxinhas e fascistinhas brasileiros dirão: "Ah, mas isso aí foi um mal entendido. Não existe racismo no Brasil. Vivemos uma consolidada democracia racial. Esse vitimismo, esse coitadismo vai acabar com nosso Brasil".

  20. Regina Postado em 31/Mar/2015 às 14:40

    É claro que se trata de preconceito. Só acho que o pai deveria ter chamado a polícia e ter registrado a ocorrência.

  21. Anna Postado em 31/Mar/2015 às 14:42

    O problema é pensar que era? E se fosse um vendedor de balas? não mereceria uma abordagem mais delicada e respeitosa, pelo simples fato de ser uma crianca? de ser uma pessoa? Além do mais que eu saiba a rua ainda é pública.

  22. poliana Postado em 31/Mar/2015 às 14:45

    e agora rodrigo, foi só um mal entendido mesmo? besteira né? n existe racismo no brasil...falaí hipocrisia...tô esperando seu discurso de negação do óbvio....

    • Rodrigo Postado em 01/Apr/2015 às 15:52

      (Outro Rodrigo) Se a referência (equivocada) for a mim, jamais neguei o racismo. De outro lado atento, sim, para o erro da generalização. E, no caso em questão, em tese, a figura típica em que se enquadraria a conduta seria mesmo o racismo, sendo ainda cabível indenização por danos morais, para o filho e também para os pais, como dano reflexo/a ricochete. Uma coisa é uma coisa (a realidade do racismo, da discriminação em geral, e necessidade de punição efetiva) e outra coisa é outra coisa, totalmente diferente (generalização, etiquetamento, tomar a parte pelo todo). Já fui destratado em SP ("Seu baiano" - em que pese eu, sim, lamentar a fala de quem, tão ignorante, crer que latitude e longitude definem qualquer característica que seja) e também muito bem tratado, ao que já fui destratado em Salvador (minha terra natal), em razão de hoje meu sotaque soar diferente, por morar no interior e assim (incrivelmente) ser visto como "turista", mesmo local em que também já fui muito bem tratado. Vejo pessoas de determinada cor discriminando outras e vice versa, bem como de determinadas orientações sexuais e credos etc., umas quanto às outras - a discriminação tem seu cerne no ser humano, em tal havendo de ser buscada e "tratada", não mais sendo erroneamente vista como atributo dessas ou daquelas pessoas.

  23. valdir Postado em 31/Mar/2015 às 14:49

    Boa essa para aquele americano que falou sobre consciência humana!!!!

  24. Clayton Postado em 31/Mar/2015 às 14:52

    Não achei nada de mais. Ela achou que o garoto ia vender alguma coisa na loja e disse que não podia. Infelizmente as crianças que vendem balas são, em sua maioria, negras. Esse garoto não era, mas se fosse não vejo problema algum em a vendedora dizer que não poderia vender dentro da loja. Não há nada de errado e indigno em vender balas e nem ao menos em impedir a venda de balas em um estabelecimento privado. Não há nenhum racismo ou injúria racial.

    • poliana Postado em 31/Mar/2015 às 17:45

      tô dizendo!! sempre tem akeles q adoram negar o óbvio e inventar um discurso politicamente correto pra n reconhecer a realidade...pra botar panos quentes em cima do problema...sei..foi racismo não..imagina...n foi nada demais! o caminho da hipocrisia é sempre mais fácil.

      • Vinicius Postado em 01/Apr/2015 às 23:17

        Isso tem nome, vergonha alheia!!! *Outro Vinicius

  25. Guilhermo Postado em 31/Mar/2015 às 14:58

    Triste. A vendedora deveria ter ao menos se certificado se o menino estava vendendo balas antes de expulsá-lo. E se estivesse vendendo, qual seria o problema? A rua é pública.

  26. leonardo Postado em 31/Mar/2015 às 15:00

    E foi uma funcionária! Nem foi a 'elite branca'.

    • JPinto Postado em 31/Mar/2015 às 15:37

      Foi pior, então! Causa-me mais espanto aqueles que cometem essas atrocidades em nome de um status que não tem e, talvez, nunca terá.

  27. Davi T. Postado em 31/Mar/2015 às 15:02

    As pontuações do pai são muito boas! No Brasil só é racismo quando o menino negro que todos pensam ser pobre na realidade tem condições de consumir na loja. Felizmente a vendedora não pode botar um 38 velho e uma porção de maconha com o garoto.

  28. elton Postado em 31/Mar/2015 às 15:06

    Queira ou não queiram falar, o preconceito existe inrrustido, ele aflora, quando os ânimos são estIgados. Por panos quentes em ferida aberta, é promover infecção generalizada. Quando falamos somos brasileiros, qual classe, antecedentes, família, cor, etnia, o pré julgamento, imediato. Cultura de uma sociedade, onde cada um cuida de seu umbigo, sem qualquer respeito pelo próximo, seja ela em qualquer circunstância, precisa ser reciclada.

  29. Lusia Lopes Postado em 31/Mar/2015 às 15:15

    Ridículo o que aconteceu, e não vai parar por ai.Preto ou branco tem que ser tratado apenas como seres humanos, dignos de resperto , independentes se são ricos ou pobres. Quando é que Brasileiro vai se conscientizar que a cor da pele não reflete no carater.

  30. Deisi Postado em 31/Mar/2015 às 16:58

    É nojento ver brancos e pior até negros negarem racismo no Brasil, não consigo entender. Tem muitos ainda que tentam justificar, dizendo que ha exagero que não é bem assim, é de causar repugnância.

    • Thiago Teixeira Postado em 31/Mar/2015 às 18:46

      É a maneira covarde que a Direita encontrou para praticar mais racismo e desmerecer o sentimento alheio Deisi.

    • Vinicius Postado em 01/Apr/2015 às 23:19

      Além disso ,o que me causa mais repugnância é falar que isso é "coitadismo" .*Outro Vinicius

  31. Rogério Postado em 31/Mar/2015 às 17:20

    Pra mim só existe uma raça: raça humana.

  32. Bruno Postado em 31/Mar/2015 às 18:19

    parece com o que estão fazendo no Iluminados do Faustão com a Ester.

  33. enganado Postado em 31/Mar/2015 às 21:42

    País dos 4P`s - PRETOS/PUTAS/POBRES/PETISTAS fazem parte dos que serão eternamente punidos no país: São Paulo ((lá ñ é BRASIL, BRASIL é do Rio de Janeiro, passando por M. Gerais, até a cidade de Benjamin Constant-est. do Amazonas)) é a Pátria dos Ladrões=PSDB=DEM=Militares= ... em São Paulo gostam mesmo é dos EUA/iSSraHell/OTAN/UE/... . PRETOS? Como? Em que mundo? Sr. Jonathan Duran sua sorte e de seu Pequenino é que naquele momento não passavam no local os Coronéis (Apátridas) Telhada e/ou Metralha, ainda a ROTA e/ou o herói Cap. America do BRASIL_ Bolsonaro e seu Valente Maninho pois senão os dois já estariam conversando com São Pedro há muito tempo e seus corpos DESAPARECIDOS (boiando no Tietê), e/ou ainda condenados por pre-meditação de roubo, pelo MORO ou JB, ao enforcamento. Qual foi mesmo a novidade que se passou com o povinho de São Paulo?

  34. Stella Postado em 01/Apr/2015 às 15:33

    E ainda dizem que os negros gostam de se vitimizar, que é tudo exagero...é óbvio que se o menino fosse branco a vendedora não o teria tratado daquele jeito. O pior é ouvir discurso de pessoas dizendo que o pai do menino deveria ter sido processado por tê-lo deixado sozinho. Querem de todo o jeito culpar as vítimas.