Redação Pragmatismo
Compartilhar
Educação 27/Mar/2015 às 17:42
17
Comentários

Professores de São Paulo mantêm greve e fecham avenida Paulista

Professores da rede estadual de São Paulo mantêm greve e rebatem Geraldo Alckmin: paralisação na rede pública é por condições de ensino

greve professores são paulo
Greve de professores em São Paulo é mantida. Em caminhada nesta sexta-feira, profissionais fecham a av. paulista

Em greve há quase duas semanas, professores da rede estadual de ensino decidiram manter a paralisação nesta sexta-feira (27). Os docentes, que fecharam a avenida paulista nesta tarde, reclamam que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) até agora não abriu negociação para receber a pauta dos educadores e segue minimizando a greve. Outro ato foi marcado para a próxima quinta-feira, dia 02, no Masp.

Geraldo Alckmin disse que “a paralisação não chega a 3% da categoria” e que as escolas estão funcionando. O governador também tentou minimizar a mobilização da categoria, afirmando que a greve é “política”

Em uma unidade em Sapopemba, na zona leste de São Paulo, não tem aula desde o início da greve dos professores. Ao contrário do que afirma o governador, 80% dos professores aderiram à paralisação.

“Tanto o secretário, como o governador estão indiferentes com a situação precária, com o caos na educação, no estado de São Paulo. Indiferentes, e ainda dizem que não existe greve. É mentira. Existe greve, sim”, afirma o professor Cristiano Pereira de Andrade.

Em outra escola, no Parque São Rafael, na zona sul da capital, apenas um terço dos professores está trabalhando. No portão, a diretoria colou cartazes informando quais turmas teriam aula normal, só que a informação é desmentida pelos alunos, que afirmam não ter aulas.

A estudante do 3º ano do Ensino Médio Gisella Matrone, de 17 anos, é uma das alunas da Escola Estadual João Dias da Silveira, da zona leste, que participa do ato dos professores. “Cortaram toda a verba de manutenção da escola. O mato está alto, falta pintura”. A estudante diz que está no protesto “pelo futuro dos filhos”. “Eu já estou indo para o vestibular, mas luto pelo futuro”, disse.

Vinicius de Oliveira, de 15 anos e aluno do 1º ano, afirmou que só alguns professores estão dando aulas na unidade. “Vim para apoiar que eles ganhem salários melhores”, afirmou.

A professora de Língua Portuguesa Melissa Cruz, de São Bernardo do Campo, afirmou que muitos docentes estão com “medo” de aderir à greve, mas que a insatisfação é geral. “As salas estão superlotadas. Ensino fundamental com 40 alunos, Médio com 50. As reposições salariais são ilusórias”, disse.

Reivindicações

Entre as principais reivindicações da categoria, com data-base em 1º de março, estão o fim da superlotação da sala de aulas com turmas de até 25 alunos, alteração na contratação dos professores temporários e reajuste de 75,33% para equiparação salarial com outras categorias de formação superior.

Segundo a presidenta da Apeoesp (sindicato da categoria), Maria Izabel Azevedo Noronha, a Bebel, as demandas dos professores são conhecidas pelo governo desde o ano passado e o estado tem condições de atendê-las.

“Resolvi aderir a essa greve porque a gente chegou a um estado em que não dá mais. Na escola em que trabalho, por exemplo, os alunos estão sem cadeiras, sem carteiras. Não tem carteiras para alunos, não tem carteira para professor”, relata a professora Valéria Tenório de Almeida.

O governador Geraldo Alckmin alega que a greve é prematura porque foi aprovada no ato político do último dia 13, sem ao menos uma negociação. Mas, segundo a presidenta da Apeoesp, desde o início do ano os professores vêm solicitando reuniões para negociar a campanha salarial.

informações de RBA e Agência Estado

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Pereira Postado em 27/Mar/2015 às 17:53

    Quem sofre com isso ? Os ricos ? o Alckmin ? Não !!!! os estudantes pobres da periferira que ficam sem aula. E depois se dizem defensores dos pobres.

    • Denisbaldo Postado em 27/Mar/2015 às 18:00

      Culpa do Adolf Alckmin que paga salário lixo e tá pouco se lixando para a educação do seu Estado. Concordo com voce, ele se faz de protetor dos pobres e não passa de um hipócrita, mesquinho, coxinha escroto.

    • poliana Postado em 27/Mar/2015 às 18:15

      ah, claro, pereira. por conta disso, os professores da rede pública de todo o país n podem fazer reivindicações e lutarem por melhores condições de trabalho, valorização profissional, melhores salários, entre tantas outras pautas da categoria. fechemos os olhos pra essa triste realidade e deixa tudo como está mesmo., é vida q segue!como vc é mesquinho!!!!!!!!!!!!!!!

    • Rafael Postado em 27/Mar/2015 às 18:43

      Pereira, não te vi indignado quando numa greve de transportadoras fecharam as estradas.

      • José Ferreira Postado em 27/Mar/2015 às 23:53

        A greve foi dos caminhoneiros. A turma do PP só conta a mobilização social quando é para defender os interesses dos seus "aliados".

    • Wander Postado em 27/Mar/2015 às 21:42

      Um dos integrantes do PIG (Globo) apresentou no jornal local, agora a pouco 19:15h, uma reportagem sobre o movimento e com entrevista à presidente da APEOSP. A PM calculou pouco mais de mil pessoas (sic) e os organizadores mais de 60 mil. O interessante que pelo menos divulgaram, enfim, pois qualquer passo que a Globo dá é de se analisar qual interesse e aonde quer chegar, haja vista a midiotice de 15/3. É um olho no gato e outro na brasa.

  2. Thiago Teixeira Postado em 27/Mar/2015 às 18:56

    Teve interrupções nas programações e chamadas ao vivo na Band, Record, SBT e Globogolpe? Não, a causa é dos filhos dos eleitores da Dilma, então danem-se.

  3. Salomon Postado em 27/Mar/2015 às 21:18

    Esses professores que reivindicam melhorias para os alunos e melhores condições de trabalho são comunistas insuflados pelo PT. Por outro lado, os que reivindicam a volta da ditadura e a intervenção militar por parte dos esteitis são patriotas que querem salvar o BraZil do comunismo. É singularmente espantosa a burrice desses coxinhas. Mais espantoso ainda é o poder da mídia nessas cabeças ocas.

  4. guilhermo Postado em 27/Mar/2015 às 23:50

    É... Professores deveriam ganhar muito mais. Enquanto esses profissionais não forem devidamente valorizados o Brasil só vai sonhar em fazer parte do primeiro mundo.

  5. Thiago Teixeira Postado em 28/Mar/2015 às 08:02

    Larga a mão de ser RETARDADO seu débil mental, e o GOVERNO ESTADUAL? Minhas 3 filhas estudam em colégio público e estão sem aula desde o ano passado, sabe porque? Porque o Secretário de Educação do seu governador tucano sabe que tudo de ruim nesse país idiotas como você jogam no colo do governo federal.

    • Wander Postado em 28/Mar/2015 às 12:25

      Boa Thiago! Temos aí mais um midiota, lamentavelmente, ou quem sabe, um abestado abastado.

    • Silva Postado em 28/Mar/2015 às 13:47

      Thiago, seu comentário caiu como luva para o Rodricoxinhão, ele como toda sua turma aprenderam desviar foco, também tentam convencer que tudo acontece é culpa exclusiva do governo federal. Os professores de São Paulo vem sendo maltratado pelo governo tucano, desde do Mario Covas. Todo ano é mesma coisa, não existe outra alternativa a não ser greve.

  6. Roberto Pedroso Postado em 28/Mar/2015 às 10:11

    Me pergunto onde está a cobertura "jornalistica" de caráter convocatório realizado pela grande mídia televisiva?onde estão os alegres manifestantes dominicais que poderiam engrossar as fileiras do movimento e apoiar esta greve por melhores condições de trabalho pelos profissionais da área da educação neste protesto realmente legitimo?onde estão os jovens que pediram a derrubada de Dilma? os mesmos não compareceram a este protesto pedindo também o impeachment de Alckmin ?algumas das perguntas incomodas que acredito que todos já sabem a resposta.É fato que a classe dos professores foi a categoria profissional mais enxovalhada, desrespeitada, ignorada e negligenciada por anos especialmente no estado mais rico da nação, em vinte anos de governo PSDeBista a classe dos professores sempre foi vilipendiada e desrespeitada (desde a época do governador Mario Covas que orientava a policia militar para agir com agressividade e extrema truculência e covardia contra todo e qualquer movimento grevista dos professores da rede estadual)a situação tende a piorar, mas ainda tenho esperança de que em futuras manifestações de rua dos (pseudo)"politizados de final de semana" este tema seja também abordado.Pois a educação e a valorização de seus profissionais e a qualidade de ensino na rede publica representa o verdadeiro nó górdio de nossa nação, ademais o que a educação publica necessita é de uma politica de estado e não apenas de politicas partidárias tendo como meta o reconhecimento da importância dos professores e sua valorização enquanto categoria profissional.

  7. Salomon Postado em 28/Mar/2015 às 12:28

    Façamos justiça à burrice do Rodrigo. Ele é mais uma vítima da ausência de política educacional dos governos estadual e municipal. Não sabe que existe uma distribuição de competências constitucionais entre executivo, legislativo e judiciário. Tudo de ruim, desde a queda do avião até a falta d'agua,é culpa do PT. Esse cara deve ter sido educado pela Xuxa.

    • Silva Postado em 28/Mar/2015 às 13:51

      Não chega a tanto Salomon, não é burrice é pura má fé, também como coxinha está intoxicado pelo PIG.

    • S Rod Postado em 31/Mar/2015 às 05:02

      Como disseram antes, so ha' duas alternativas para caracterizar o Rodrigo, ou ele esta na lista do HSBC ou e' mesmo um Midiotizado.

  8. Silva Postado em 28/Mar/2015 às 15:55

    Pode parar! Com esse comentário é burro mesmo!