Redação Pragmatismo
Compartilhar
Curiosidades 04/Mar/2015 às 13:09
27
Comentários

O curioso caso das gêmeas negra e branca

Uma é ruiva de olhos azuis, a outra negra de cabelos crespos. Filhas de mãe jamaicana e pai inglês, gêmeas negra e branca são caso raro

Curioso caso gêmeas negra branca Maria Lucy Aylmer
Curioso caso das gêmeas bivitelinas Maria e Lucy Aylmer (Imagem: Pragmatismo Político)

Uma é branca, tem olhos azuis e longos cabelos ruivos. A outra, negra, cabelos cacheados e olhos castanhos. Essas características não seriam surpreendentes se Maria e Lucy Aylmer, de 18 anos, não fossem irmãs. Irmãs gêmeas, por uma condição bastante rara, as duas possuem características físicas opostas.

As jovens, nascidas em janeiro de 1997, são filhas de pai inglês e mãe com origem jamaicana e têm mais três irmãos: George, de 23 anos, Chynna, 22 anos, e Jordan, 21 anos. As meninas são gêmeas bivitelinas, ou seja, formaram-se a partir de dois óvulos. “A cor da pele dos nossos irmãos está entre a minha e a da Maria. Estamos nos extremos opostos do espectro e todos eles ficam em algum lugar ali no meio“, brincou Lucy em entrevista ao jornal britânico Daily Mail.

A mãe das gêmeas, Donna, se surpreendeu quando a enfermeira entrou no quarto com as meninas após o parto. “Foi um choque muito grande para ela porque a cor da pele dos bebês não aparece nas ultrassonografias. Então ela não tinha ideia de que éramos tão diferentes. Quando a enfermeira chegou com nós duas, ela ficou sem palavras“, contou Lucy. Donna se separou do pai das meninas, Vince, pouco tempo depois que elas nasceram.

Por causa das diferenças surpreendentes, Maria e Lucy nunca puderam fazer algumas brincadeiras clássicas de gêmeos no colégio. Na verdade, ninguém acreditava que elas eram irmãs, muito menos gêmeas.

Amigos já pediram para nós mostrarmos as certidões de nascimento para provar que somos irmãs gêmeas. Estudávamos na mesma sala, mas ninguém tinha problemas para identificar quem era quem. A maioria dos gêmeos se parece muito, mas nós não conseguiríamos ser mais diferentes uma da outra se tentássemos. Não parece que somos filhas dos mesmos pais, muito menos que nascemos juntas“, disse Lucy.

Na faculdade, as diferenças entre as duas também chamam atenção. Enquanto Lucy estuda arte e design, Maria se dedica à faculdade de direito. “Maria sempre foi mais extrovertida, enquanto eu era a tímida. Mas ela adora contar para as pessoas da faculdade que tem uma irmã gêmea branca – e eu tenho muito orgulho de ter uma gêmea negra“, completou Lucy, que adora pintar os cabelos de várias cores.

Com Extra

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. José Ferreira Postado em 04/Mar/2015 às 13:16

    Na verdade elas tem a pele negra e branca, mas, como irmãs, têm a mesma carga genética. Na verdade as duas irmãs são mestiças.

    • Juliana Postado em 04/Mar/2015 às 15:46

      Elas não tem a mesma carga genética, pois não são univitelinas.

      • Anny Postado em 04/Mar/2015 às 20:12

        Mesma carga genética é diferente de geneticamente iguais. :)

  2. Thiago Teixeira Postado em 04/Mar/2015 às 13:32

    Quando vi a foto já pensei maldade. Mas agora que eu vi os pais, está explicado!!!! Já ia falar que eram filhas do "tiquim" ... kkkkkkkk tiquim de um ... tiquim de outro.

    • poliana Postado em 04/Mar/2015 às 16:30

      ai thiago, q maldade. rsrs

  3. Júlio Postado em 04/Mar/2015 às 14:13

    Se tivessem nascido no Brasil, uma teria direito a cotas e a outra não! Super coerente!

    • Eduardo Postado em 04/Mar/2015 às 15:47

      Sim.. aqui nao importa ter ascendência, tampouco importa a condiçao social. Se o tom de pele for "bronzeado" , cotas nele.

    • Juliana Postado em 04/Mar/2015 às 15:48

      Quer dizer que a política de cotas é incoerente porque um caso raro vale mais do que a grande maioria? Sei.

      • Luciana Lopes Postado em 04/Mar/2015 às 16:18

        É complicado né, Juliana ter que explicar o óbvio a todo momento! Rsrsrs

    • Gabriela Postado em 04/Mar/2015 às 15:52

      as duas teriam direito à cota

    • Luh Souza Postado em 04/Mar/2015 às 16:13

      É, mas quem sofre racismo é quem tem pele negra. Aqui, o racismo é de MARCA/ESTAMPA, quanto mais cor e fenótipo de africanos, mais racismo sofrerá quem é negro/a.

      • Eduardo Postado em 04/Mar/2015 às 16:27

        Quer dizer que porque alguns negros sofrem racismo de alguns brancos, todos os negros tem direito a ter a aprovação num concurso com menor nota? Voce com certeza nao estuda pra concursos..

      • Josef Postado em 04/Mar/2015 às 17:03

        Eduardo, não são alguns negros que sofrem racismo, são a maioria. Você é negro?

      • Guilhermo Postado em 04/Mar/2015 às 20:20

        No Brasil, as pessoas podem optar no cadastro do IBGE se são brancas ou negras etc. Será que se alguém fenotipicamente for branco mas se declarar negro, terá direito às cotas? Triste esse sistema institucionalizado de racismo contra os brancos chamado cotas raciais... Agora se fossem cotas socioeconômicas, a coisa seria mais justa.

      • José Ferreira Postado em 04/Mar/2015 às 23:21

        Essa papo ideológico de "estampa" é uma falácia, pois as duas são mestiças e pronto. É preconceituoso achar que a que tem a pele branca vai virar uma profissional bem-sucedida sem a ajuda de ninguém, apenas pela cor de pele. Competência não tem raça, cota de 100% para os mais capacitados, além de uma boa educação pública para todos.

    • Guilherme Postado em 04/Mar/2015 às 16:30

      Quem não sofre racismo e também não se informa, pensa que tudo é igual, oportunidades, direitos salários. Basta olhar alguns indicadores de disparidade, além de estudar um pouco de história, para saber que as cotas raciais são necessárias e fazem muito sentido.

    • Joicy Postado em 04/Mar/2015 às 18:30

      Nada haver as duas teriam cotas se assim quisessem a descendência afro garantiria isso independente da cor da pele e bom se informar antes de fazer Uma afirmação desse cunho

    • nadja Postado em 05/Mar/2015 às 10:58

      A questão das cotas não é um privilégio dos descendentes de nossa escravidão, é um reparo,que com os anos, com oportunidade de estudo para todos essa lei não será mais necessária.

  4. Rodrigo Postado em 04/Mar/2015 às 15:08

    (Outro Rodrigo) Lindas. Tanto as duas, como a situação. Serve para mostrar a tantos que cor de pele não deve servir a distinção entre seres, seja ele branco, negro, pardo etc.

  5. MPPO Postado em 04/Mar/2015 às 15:29

    Coerente é querer fazer desta exceção,um caso raro, base para alguma regra.(ou contra alguma regra)!!

  6. Carlos Postado em 04/Mar/2015 às 16:44

    Cacheadinha!!! :3 Ruivinha!!! :3 São lindas demais!!!

  7. Cezar Postado em 04/Mar/2015 às 17:29

    Mas não quer dizer que usufruiriam da cota, mesmo porque, se nao precisam, por que fariam uso disso? Isso nao se chama "politica de cotas beneficiando a todos", mas nem todos que tiram proveitos, nao precisam de fato. Outros que fazem isso, pra mim, sao pessoas sem caráter. Deixe que usem, quem precise. Simples.

    • José Ferreira Postado em 04/Mar/2015 às 23:17

      No mundo de faz de conta é assim, mas na realidade as duas vão querer dar um jeito de passar pelas cotas, pois farão menos esforço. É a "Lei de Gerson" que também se aplica às cotas.

  8. Giselli Postado em 04/Mar/2015 às 18:32

    Bivitelinos sao gestacoes distintas, beem normal os gemeos serem diferentes, inclusive sexos diferentes...

  9. eu daqui Postado em 05/Mar/2015 às 09:54

    Não vi nada surpreendente. Pai branco + mãe parda = filha branca e filha parda.

    • Rodrigo Postado em 06/Mar/2015 às 10:41

      (Outro Rodrigo) Realmente, "eu daqui". Meu sogro é mulato e minha sogra ruiva: tiveram duas filhas morenas (uma de cabelo liso, outra cacheado) e uma loira de cabelos cacheados. É impressionante como isso ainda traz tanto alarde à sociedade.

      • Rodrigo Postado em 06/Mar/2015 às 10:43

        (Outro Rodrigo) Antes que alguém se insurja, morenas quanto à cor do cabelo (preto), quanto à cor da pele todas as filhas sendo "brancas".