Redação Pragmatismo
Compartilhar
Esporte 24/Mar/2015 às 13:31
14
Comentários

Fox enfrenta hegemonia da Globo no futebol brasileiro

Fox acaba com a farra da Rede Globo no futebol brasileiro. Pela primeira vez, emissora que deteve o monopólio do futebol neste país desde a Ditadura Militar tem concorrência. Confira a guerra dos bastidores

globo fox futebol brasileiro monopólio
Farra da Globo no futebol brasileiro parece estar com dias contados (divulgação)

Rodrigo Vianna, Escrevinhador

O Edu Zebini eu conheço bem. Foi ele quem, no Departamento de Esportes da Record, conquistou direitos de transmissão das Olimpíadas, dos Jogos Panamericanos e da Copa dos Campeões. Deixou a Globo na poeira.

O Edu foi com a cara e a coragem para a Europa, falou com as pessoas certas, e quando a Globo percebeu já tinha levado a bola no meio das pernas…

Edu Zebini hoje está na Fox. Ele é quem traça a estratégia da emissora que atazana a Globo.

Nos últimos dias, o Edu meteu outra bola no meio das pernas do Ali Kamel – este eu também conheço bem (ideólogo conservador, escreve livros para negar que haja racismo no Brasil, e ainda processa blogueiros que criticam a Globo).

Kamel – que é responsável pelo jornalismo e o esporte na Globo – se preocupa com os blogueiros e em fazer política contra o governo, enquanto Edu cuida da Fox – que na semana passada transmitiu com exclusividade o jogo do Corinthians na Libertadores.

A Globo põe futebol às 22h. Desrespeito com o torcedor. A Fox transmite às 20h.

Edu está arrebentando a Globo. Mas quem conta a história é o jornalista esportivo Cosme Rímoli – de quem eu era leitor há muito tempo, e com quem tive a alegria de trabalhar no Pan de Guadalajara e nos Jogos Olímpicos de Londres. Leia abaixo:

por Cosme Rímoli, em seu blog

Tudo estava muito tranquilo para a TV Globo e os canais Sportv até 2011. Desde 1995 havia a Fox Sports Latinoamérica. A empresa, um braço da Fox, do bilionário australiano Rupert Murdoch, não incomodava. Crescia na América do Sul, do Norte, Central. Por uma questão estratégica, o Brasil ficava fora do circuito. A multinacional só entraria no país quando estivesse estruturada, diante da importância comercial e da área continental brasileira.

Dinheiro nunca foi problema. A conceituada revista Forbes avalia o patrimônio de Murdoch em 14,1 bilhões de dólares, cerca de R$ 46,4 bilhões. Executivos do canal trataram de comprar os direitos de transmissão dos principais torneios das Américas, do mundo. Foi assim que atropelou a Globo e se tornou dona da Libertadores e da Sul-Americana, em 2011.

Estava tudo certo, já que colocaria no ar seus canais no ano seguinte. Teoricamente. Foi quando a Fox percebeu a força que a Globosat tem no mercado das tevês a cabo no país. A Net e Sky, de maneira muito estranha, se recusava a liberar canais para a emissora mostrar os torneios.

Mesmo assim, a fórceps, exerceu seu direito. E não cedeu a transmissão da Libertadores e da Sul-Americana para os canais Sportv em 2012. Justo nesse ano, o Corinthians foi campeão pela primeira vez do torneio. O sucesso para a Fox foi uma tragédia nos canais Globosat. A pressão ficou insuportável.

Executivos da Fox perceberam que haveria a necessidade de negociar, compartilhar com a Globo. Em troca dos seus dois grandes trunfos, a emissora exigiu três torneios para mostrar ao vivo: o Brasileiro, a Copa do Brasil e a Copa do Mundo.

Tudo certo? Mais ou menos. No Mundial, a Globo exerceu seus privilégios. Principalmente em relação à Seleção. Junto a isso, a pressão exercida enfrentada junto à Net e Sky nunca foi esquecida.

E o troco veio. Na reunião que ficou decidida a tabela da Libertadores deste ano, a empresa de Rupert Murdoch surpreendeu. Resolveu impor os seus direitos de dona da transmissão dos jogos. E exigiu, na confecção da tabela, dois jogos exclusivos do Corinthians. A Globo foi surpreendida. O clube, assim como o Flamengo, são os principais carros chefes do futebol na emissora. A ordem dos executivos é mostrar sempre que possível partidas dos dois.

“A televisão que é hoje um fator de faturamento, fundamental, sem o qual os clubes não sobrevivem…A rede que dá publicidade aos jogo, transmite os jogos (TV Globo)…O diretor mais importante dela disse o seguinte: Corinthians e Flamengo são times. O resto é merrrrrda (…)

“(…) Estou dando essa entrevista porque estou saindo do Grêmio. Por que se eu fosse um dirigente que fosse continuar provavelmente não levaria a público as minhas declarações.”

As revelações da paixão global pelo Corinthians e Flamengo foi escancarada no ano passado pelo vice-presidente do Grêmio, Nestor Hein. Como havia prometido, ele falou e deixou da diretoria do clube gaúcho no final do ano.

A Globo tentou se proteger da exigência de exclusividade da rival. Pelo menos colocar também os canais Sportv junto com a Fox Sports nas partidas do Corinthians. Não conseguiu. O departamento jurídico da emissora reconheceu a derrota.

Foi assim que Danubio e Corinthians e Corinthians e San Lorenzo deixaram a quarta-feira, dia reservado às transmissões da Globo. Passaram para terça-feira, dia 17 deste mês e para a quinta-feira, 16 de abril.

Havia uma enorme expectativa em relação ao jogo do Corinthians esta semana, no Uruguai. Os executivos da Fox Sports ficaram exultantes. Foi um resultado marcante. De acordo com o Ibope, foram 7,03 pontos. Entre as tevês a cabo ficou em primeiro disparado das 20 às 22 horas. E, entre as abertas, só ficou atrás da Globo. Passou todas as outras. As imagens chegaram a 1,6 milhão de residências no País. No público A e B, mais disputado pelo mercado publicitário, ficou encostada na emissora carioca.

Foi a segunda maior audiência do ano entre todos os canais a cabo. Muito mais que os jogos da Champions League. No mesmo dia, à tarde, o vice campeão Atletico de Madrid eliminou o Bayer Leverkusen nas oitavas. A transmissão não chegou à metade do Corinthians. Em 2015, a partida mostrada pela Fox Sports só ficou atrás do filme Capitão América 2, o Soldado Invernal, mostrado pelo Telecine. Isso porque o canal estava fazendo uma promoção e o sinal era aberto a todos os assinantes, mesmo os que não pagam especificamente para assisti-lo.

O resultado, histórico. A Fox Sports promete repetir a dose, usar o Corinthians contra o San Lorenzo, no Itaquerão. Foi uma luta. A Globo desejava também mostrar essa partida. Não queria Danubio e São Paulo, no dia anterior, dia 14 de abril. Mas não conseguiu a inversão.

A emissora carioca sentiu o baque. Não esperava tanta coragem dos executivos de Murdoch. Mas pelo menos estão aliviados, por enquanto. Não há a menor possibilidade de nenhuma partida do Corinthians nos mata-matas. Não neste ano. Nada garante no próximo.

Como era de se esperar, a Fox Sports gostou da experiência. E caso o clube mais popular de São Paulo se classifique para a Libertadores de 2016, a situação para a Globo pode até piorar. Se as donas do direito de transmissão exigirem jogos exclusivos do Corinthians, inclusive nos mata-matas, não há o que fazer.

Com o respaldo de centenas de milhões de dólares, a postura da Fox Sports é bem diferente da Bandeirantes. Aceita as imposições e mostra os jogos que a Globo permite. Porque paga uma pequena parte do que a emissora carioca banca, entre 10% e 20%. Daí não tem direito a exigir nada.

Até a programação diária da nova concorrente está atrapalhando. O programa de debates Fox Sports Radio forçou o fim do Arena, depois de 12 anos. O Sportv criou o Seleção, antecipando seu espaço de conversas sobre futebol também para as 13 horas, assim como o rival. Mas apesar de Neymar e vários outros convidados ao vivo, perdeu a disputa na estreia. O FSR teve 0,22 de audiência. O Bate Bola da ESPN Brasil, 0,17. E o Seleção, 0,10.

Revoltada com o tradicional domínio sobre o Corinthians, a Globo reagiu como pôde. E sacrificou o time de Tite. Não aceitou a antecipação do jogo contra o Capivariano para este sábado. A equipe terá de jogar no domingo, porque a partida será transmitida pela emissora. Assim, o time fará quatro partidas em oito dias : Capivariano (domingo, 22), Portuguesa (terça, 24), Penapolense (quinta, 26) e Bragantino (domingo, 29). Maratona absurda e que pode prejudicar prejudica o clube na Libertadores. Lembrando que a FPF forçou a inscrição de apenas 28 atletas para que nunca equipe alguma não leve só reservas para seus jogos.

A Globo sentiu o baque. E sabe que mais do que honra, é dinheiro que está em jogo. Ambev, Itaú, Johnson & Johnson, Magazine Luiza, Vivo, Volkswagen bancam R$ 1,3 bilhão pelo futebol na emissora. Além da audiência, a Fox Sports está de olho no capital que o principal esporte do país atrai.

A guerra entre Fox Sport e Globo mal começou. Pela primeira vez, a emissora que deteve o monopólio do futebol neste país desde a Ditadura Militar tem concorrência. Os R$ 46,4 bilhões de Murdoch já assustam. E há mais motivo para pavor.

A Turner Broadcasting System, braço da Time Warner, acaba de se tornar sócia majoritária do Esporte Interativo. E como presente comprou três anos de exclusividade da Champions League, de 2015 até 2018. O patrimônio da Time Warner é de 75 bilhões de dólares, cerca de R$ 245 bilhões. A pressão da empresa norte-americana sobre a Net e a Sky para que o Esporte Interativo entre em suas programações é enorme. Por que outra vez há uma estranha rejeição. Como aconteceu com a Fox Sports.

Já há uma silenciosa guerra nos bastidores. A Time Warner também não está recuando. Quer mostrar a Champion League nas operadoras mais importantes do país. Não se importa com a suposta influência da Globosat. Suas armas são pesadas. Canais importantes como a CNN, Warner e o Cartoon Network. Os canais Sportv já sabem que ficaram sem o principal torneio de clubes do mundo até 2018.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Denisbaldo Postado em 24/Mar/2015 às 14:06

    Quem diria! O dinheiro yankee vai nos salvar da Rede Bobo. O problema é que as coisas sempre podem piorar, especialmente em um país povoado por apátridas.

  2. Thiago Teixeira Postado em 24/Mar/2015 às 15:33

    Expulsaram as classes D e E dos estádios. A cada dia o esporte, antes como popular está virando coisa de playboy. Ingressos a 80 e 120 reais é uma insulto a população pobre desse país. População essa que lotou e vibrou nos estádios nas décadas de 60, 70, 80 e 90 que foi definitivamente aniquilada pelos grandes clubes em parceria com a Globo. Em 1991 assistia Corinthians e São Paulo no Morumbi com 90 mil pagantes, Ponte e Guarani com 40 mil em 1986, Vasco e Flamengo com 100 mil em 1994, hoje a gente vê as arquibancadas literalmente vazias. Sem contar que a Elite Branca se apropriou da camisa da seleção, pois de 70 a 94, quando não ganhamos nada, os ricos tinham vergonha do Brasil, camisa da seleção eram vistas com moleques de rua nos filmes nacionais. Destruíram o nosso futebol.

  3. Fernando Antônio Postado em 24/Mar/2015 às 19:53

    Concorrência é sempre saudável, e não apenas quando há um interesse específico.

  4. Deisi Postado em 24/Mar/2015 às 20:04

    A Globo está em decadência acho ótimo, sua salvação é o futebol e telenovelas, perdendo o futebol, o antes padrão Globo de qualidade vai pro chão. comemorarei muito em ver essa emissora no limbo. Apoiaram o ditadura em 1964, em 2015 estão maquinando um golpe, merece tudo de ruim mesmo. O povo não é bobo abaixo a Rede Globo!

  5. Deisi Postado em 24/Mar/2015 às 20:36

    O Ronaldo abraçado a Ricardo Teixeira, depois vai na paulista protestar contra corrupção, quanta hipocrisia. Depois os reaças inconformados querem ter credibilidade! São uns tremendos caras de pau!

    • leonardo Postado em 24/Mar/2015 às 22:59

      hipocrisia é a governANTA lançar o pacote anticorrupção!

      • Thiago Teixeira Postado em 25/Mar/2015 às 07:35

        Queria saber se você seria macho suficiente para chamar o Castelo Branco de ANTA em 1966. Ou vai até Brasília pronunciar xingamentos na frente de um Dragão da Independência, oportunista oculto.

      • Deisi Postado em 25/Mar/2015 às 07:49

        Incluo você leonardo, inconformado e cara de pau

  6. Tiago Postado em 24/Mar/2015 às 23:55

    Se a fox e outras empresas quiserem invadir o mercado nacional podem até fazer pressão no governo para uma regularização econômica da mídia que não permita propriedade cruzada. Assim a globo teria que se desfazer de muitas de suas propriedades, como os mais de 30 canais globosat que possui. Essa é a única possibilidade boa que consigo enxergar com a entrada da fox em nossas terras, porque em termos de conteúdo globo, fox e cnn (time warner) são todas farinha do mesmo saco.

    • Ricardo Postado em 25/Mar/2015 às 16:03

      Como, aliás, já é nos EUA (desde a década de 30, se não me engano). Esses canais não teriam problema nenhum com a regulação da mídia - já os tupiniquins... Por que será?! Por outro lado, acho que é bom para o debate político, porque os representantes da direita, hoje, são deploráveis... Tenho certeza que esses canais selecionariam melhor os seus, o que exigiria, em contrapartida, uma melhor qualificação dos debates também pela esquerda - e, acho, ganharíamos todos. Mas acho que não é intenção desses canais entrarem a esse ponto no mercado brasileiro; querem apenas faturar com um produto muito rentável que é o futebol (o que já seria suficiente para fuder a globo).

  7. Amaral Postado em 25/Mar/2015 às 01:43

    E a globo é o que, meu caro? Um conglomerado extremamente conservador e de direita, sob as ordens dos EUA, oras!

    • Célio Postado em 25/Mar/2015 às 19:39

      Acho que o que ele quis dizer é que a Fox não é menos pior que a Globo.

  8. Marlon Bravo Postado em 25/Mar/2015 às 14:57

    O comportamento da Net e da Sky é uma vergonha ! Só recebem ordens da Globo e danem-se os assinantes !

    • BRUNO SILVA Postado em 26/Mar/2015 às 13:08

      E não se esqueça da CLARO TV que muda de canal sozinha para a REDE GLOBO as 6 horas da tarde logo no horário da novela. É um saco isso.