Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mundo 10/Mar/2015 às 17:43
7
Comentários

EUA reforçam presença militar no leste europeu

EUA enviam 3 mil soldados a países bálticos Tensão com a Rússia faz Exército americano enviar tanques, helicópteros e militares para Letônia, Lituânia e Estônia

Soldado ucraniano atira em alvo com a cara do presidente russo, enquanto a tensão entre os dois países se intensifica (Imagem: AFP)
Soldado ucraniano atira em alvo com a cara do presidente russo, enquanto a tensão entre os dois países se intensifica (Imagem: AFP)

Cerca de 3 mil soldados americanos desembarcarão no leste da Europa no começo da próxima semana para oferecer, durante três meses, treinamento às forças militares de Estônia, Letônia e Lituânia.

A mobilização faz parte de uma rotatividade adotada por tropas americanas com o objetivo de reforçar o apoio dos aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) na região, de olho na escalada do movimento militar da Rússia.

De acordo com o coronel Steve Warren, porta-voz do Pentágono, 750 tanques, helicópteros e outros veículos, além de equipamentos, já chegaram a Riga, na Letônia, na segunda-feira (09/03). Boa parte dos equipamentos pesados deverá permanecer na região, enquanto os soldados se revezam na condução dos treinamentos nos países bálticos.

Apesar de ter anunciado planos de reduzir o número de bases permanentes na Europa, o Pentágono está intensificando o programa de envio de unidades militares para posicionamentos de curto prazo em vários pontos do continente, a fim de oferecer treinamentos e exercícios militares.

No ano passado, os Estados Unidos enviaram uma grande variedade de tropas, incluindo forças de operação especial, para realizar programas de exercício e treinamento no leste da Europa, incluindo os três países bálticos – particularmente preocupados com a potencial ameaça representada pela Rússia após a anexação da Crimeia e a participação nos conflitos do leste da Ucrânia.

Ex-repúblicas soviéticas, Letônia, Lituânia e Estônia são membros da Otan e da União Europeia desde 2004, mas contam com pouco armamento militar. A Aliança Atlântica vem tentando barrar eventuais interesses russos na região aumentando a presença militar no leste europeu, em países como Bulgária, Polônia e Romênia.

DW

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 11/Mar/2015 às 08:13

    Brinquem com o Tio Putim ... brinquem ...

    • eu daqui Postado em 12/Mar/2015 às 13:41

      Tio Putão e Tio Emcoma: já escolheu o seu?

  2. Moep Postado em 11/Mar/2015 às 08:36

    Normalmente este blog comenta muito quando se fala de agressões dos EUA contra a liberdade etc., mas quando os Russos fazem o mesmo se fica caladissimo. Pq será? Nunca foi mencionado que os Russos quebraram o contrato de 1994 sobre a independência e integralidade territorial da Ucraina em troco para o desarmamento nuclear deste pais. Isso se chama tendencial o que estão fazendo aqui!

    • Rodrigo Postado em 11/Mar/2015 às 09:53

      A verdade é que sempre um governo quer dominar povos, isto acontece sempre. Moep (ou seja lá o que for), estadunidenses ou russos, são farinhas do mesmo saco. Entretanto o império que está prevalecendo é o estadunidense, eles dominam o mundo atual em todos os quadrantes. Só não vê quem não quer. Opa, tem só dois territórios que ainda gozam de certa autonomia sobre eles: Russia e China. Entretanto a influencia deles é cada vez maior até nestes países. E digo mais: eles não dominam ninguém para benefício de tais colônias. Vide o Brasil que é uma colónia deles há muito tempo e vivemos em uma penumbra. Se Getulio tivesse vencido seria diferente, mas desde então nós sofremos a mais malévola influência de nosso governo central: Estados Unidos. Portanto, ao falarmos da Rússia, ela não faz nada que os americanos não fariam, infelizmente este mundo é muito injusto com os menos favorecidos, países que não conseguem se desenvolver e não há o menor interesse dos impérios em melhorar a qualidade em tais lugares, os quais servem tão somente para exploração de riquezas e levá-as para as sedes. Seja Rússia, ou seja (principalmente) os EUA.

    • Luiz Postado em 11/Mar/2015 às 10:27

      Uma coisa que passa despercebida pela grande maioria e é bastante ocultado por parte da midia extremamente prò americana é que apòs a queda do muro de Berlin, um acordo foi assinado entre a Russia e os EUA no qual os segundos afirmavam que nao iriam exercer influencia militar em qualquer uma das ex republicas sovieticas. Acontece que hoje em dia a OTAN tem base em praticamente todas as ex republicas sovieticas, com exceçao da Ucrania, na qual eles tem fomentado golpes para que a mesma se alie à UE e à OTAN. Os russos estao de saco cheio e nao vao deixar os EUA cercarem eles de bases militares e sistemas anti-misseis. A Russia NASCEU, SURGIU na Ucrania e achar que eles deixariam ela na mao dos ianques é besteira. Se a Russia colocasse bases militares em Porto Rico, Cuba, Guatemala, Mexico e etc os EUA ja teriam declarado guerra à muito tempo, mas ir la em Donetsk querer impor o imperio ianque pode... Voces que abram os olhos, o imperio antes de ruir vai dar seu ultimo tiro de desespero e todo mundo sabe que os EUA sao capazes de exterminar quem tiver que ser exterminado pra manter a insanidade do modelo de vida deles imposta ao mundo todo.

    • Thiago Teixeira Postado em 11/Mar/2015 às 11:26

      Cara, você tem um arsenal de mídias "imparciais" como a Globo, CBN, Uol, iG, folha, Estadão, Veja ... o que vem fazer aqui então? Todos temos que ser de direita, odiar os vermelhos e sermos americanizados?

  3. Junipero Postado em 11/Mar/2015 às 15:07

    Quem não lembra do alto investimento Norte americano aqui no Brasil, durante a época da ditadura? Apenas uns falso-interessados. O medo deles era o Brasil se aliar a URSS na época. E quando abandonaram os investimentos no país, coincidentemente a Ditadura Militar ruiu, valendo lembrar que nem eles aguentavam lutam contra outro inimigo poderoso: A inflação. Sem contato próximo com a Russia por tanto tempo, recebemos noticias as vezes vagas sobre o que anda acontecendo realmente no mundo...