Redação Pragmatismo
Compartilhar
Direitos Humanos 05/Mar/2015 às 11:27
18
Comentários

Bancada Evangélica volta a mirar Comissão de Direitos Humanos

“Golpe” da bancada evangélica rompe acordo e instaura impasse. Fundamentalistas miram novamente a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara. Nome escolhido é pupilo de Silas Malafaia

bancada evangélica comissão direitos humanos
Bancada evangélica vai tentar presidir a Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Caso consiga, esta será a segunda vez que religiosos comandarão a comissão. Antes, o pastor Marco Feliciano ocupou o cargo (Imagem: Alan Marques/Folhapress)

O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados, Assis Couto (PT-PR), encerrou há pouco a sessão para decidir o nome do escolhido a assumir o comando do colegiado a partir de 2015. Nova reunião para a eleição no colegiado foi marcada para quarta-feira (11), às 14h. O adiamento é uma tentativa de se chegar a um acordo, depois do impasse provocado pelo golpe da bancada evangélica, que rompeu acordo fechado nesta terça-feira (3) no Colégio de Líderes.

Pelo entendimento, relativo às composições das comissões, o PT ficaria com a presidência da CDHM, em respeito ao princípio da proporcionalidade. O nome do deputado Paulo Pimenta (PT-RS), candidatura única, era considerado certo após o acordo.

Porém, o deputado Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ) contestou a solução. Alegando que, regimentalmente, tem direito a lançar candidatura avulsa, pois seu partido faz parte do bloco ao qual caberia o comando da comissão, apresentou seu próprio nome.

“Numa estratégia articulada pela bancada fundamentalista, o deputado Sóstenes Cavalcante lançou candidatura avulsa e deve contar com pelo menos dez votos, o que dará vitória ao líder religioso, que foi eleito no Rio de Janeiro graças ao apoio de Silas Malafaia”, protestou o deputado Jean Wyllys (Psol-RJ), em sua página no Facebook.

Segundo Wyllys, os movimentos sociais “chegaram a divulgar e comemorar” o resultado do acordo, depois rompido pelos “fundamentalistas”.

“Eu lamento este tipo de golpe. Se o bloco fez o acordo e fechou em torno do nome do deputado Paulo Pimenta, apresentar uma candidatura avulsa, construída subterraneamente, é um golpe.”

Para o deputado do Psol, “o que está em jogo é a disputa simbólica, legislativa e política de (determinar) quem é e quem não é humano”. “É mais uma prova da força política da bancada de fundamentalistas religiosos, obscurantista e ignorante”, acrescentou.

Rede Brasil Atual

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Victor HUgo Postado em 05/Mar/2015 às 11:54

    Fundamentalismo religioso e político. Uso político das instituições. Tenho nojo de versões completamente parciais de tudo. Gostaria de saber quanto é pago para publicar apenas um lado das notícias.

  2. Jonas Schlesinger Postado em 05/Mar/2015 às 12:09

    A Comissão dos Direitos humanos era para ser presidida por uma pessoa apartidária. Aí, mesmo que fosse um evangélico, não seria taxado de fundamentalista.

  3. Marcos Vinicius Postado em 05/Mar/2015 às 12:15

    Lixos!

  4. Rogerio Postado em 05/Mar/2015 às 12:47

    Não se está considerando a competência e honestidade do cara. Só a religião. Patético. Ridículo. JW é um babaca. Um evangélico tem o mesmo direito que qualquer um de presidir essa comissão.

    • Pedro Henrique Postado em 05/Mar/2015 às 15:06

      O problema não é presidir essa comissão. O problema é que se depender deles gays que tem o mesmos deveres de héteros continuaram sem ter os mesmos direitos e mulheres continuaram tendo que se submeter a um aborto ilegal, inseguro e pago. Os religiosos querem ditar as regras conforme sua religião e o estado é laico, esse é o problema.

  5. Fernando Garcia Presa Postado em 05/Mar/2015 às 13:53

    Os Religiosos não deve participa da CDHM por não são capazes de julgar ações sem considerar sua opinião religiosa. Impondo assim, sem respeito algum as outras pessoas, a sua crença que deveria sert particular e não esta dentro do estado. Não são isentos o suficiente para decidir o direito dos outros. Para eles, apenas a opinião deles está certa. São ditadores que não querem que as pessoas se autodeterminem. Afinal, se as pessoas pensarem e forem tolerantes com os outras o que resta para quem vive da discórdia...Ele deveriam era começar a pagar imposto. Qto dinheiro não escorre justificado pela fé cega. Politicos e religiosos tem financiamenteo privado de campanha...rs

    • poliana Postado em 05/Mar/2015 às 18:04

      Exatamente fernando. Vc foi perfeito em sua colocação.

    • Jonas Schlesinger Postado em 05/Mar/2015 às 19:46

      Fernando, nada a ver a Igreja evangélica pagar imposto sobre o dízimo e contribuições que recebe. No Reino Unido, a Igreja Anglicana não paga imposto e ainda por cima o Estado ajuda para o bom financiamento da igreja. E lá o Estado é mais laico do que aqui. Pesquise.

  6. Leonardo Postado em 05/Mar/2015 às 14:10

    Uma pessoa com base em textos milenares e que estão muito aquém da realidade, não pode presidir uma comissão progressista.

  7. Rodrigo Postado em 05/Mar/2015 às 15:17

    (Outro Rodrigo) Então é bom ter atenção, pois a derrota do controverso Bolsonaro deu-se por apenas um voto. Não estou defendendo o Deputado citado, mas apenas chamando a atenção para o fato de que palavras e previsões podem não bastar para impedir a eleição de quem aqui é rechaçado.

  8. sergio Postado em 05/Mar/2015 às 15:30

    Não acho que uma pessoa possa não ser adequada para comandar uma comissão só por ser religiosa. Na de Direitos Humanos é importante que seja militante, e só. Não importa se é evangélica, católica ou ateia, como se é hétero ou homossexual. A militância também não deve ter coloração religiosa ou sexual.

  9. poliana Postado em 05/Mar/2015 às 15:34

    Dá vontade de chorar qdo leio uma notícia dessa. Dpois ainda me pedem pra ter calma diante das atrocidades cometidas por essa corja evangélica na política nacional! Um absurdo! Deus nos proteja das garras dessa escória!!!!!

  10. Marcelo Postado em 05/Mar/2015 às 17:31

    CHEGA DE RELIGIÃO NA POLÍTICA...: ISSO NÃO PRESTA !! ISSO FEDE !! SERÁ QUANDO QUE TEREMOS UM LEVANTE PARA COIBIR E ACABAR DE VEZ COM ESSA UNIÃO IMUNDA DA RELIGIÃO COM A POLÍTICA ?? A RELIGIÃO FALA TANTO, EM TESE, DAS COISAS DO ALTO, DAS COISAS DE DEUS E QUE NÃO DEVEMOS FOCAR NAS COISAS MUNDANAS QUE SÃO DO MUNDO, MAS OS LÍDERESW DE MUITAS DAS RELIGIÕES DAQUI DO BRASIL DEMONSTRAM CLARAMENTE QUE NÃO PENSAM DESSA FORMA !! UMA LÁSTIMA !!

  11. Thiago Teixeira Postado em 05/Mar/2015 às 19:01

    O que essa gente tem a ver com comissões dos direitos humanos? Pra que eles querem essa comissão? Picuinha?

  12. Onda Vermelha Postado em 05/Mar/2015 às 21:42

    A CDHM é emblemática e a última trincheira! É uma comissão que tem por intuito defender os Direitos Humanos e Minorias. E defender o direito destas minorias é tudo que a bancada fundamentalista evangélica NÃO deseja. A CDHM se tornou importante para eles porque desejam, entre os retrocessos, "revogar" a decisão do STF que declarou constitucional o casamento homoafetivo através da aprovação de uma PEC. E para tanto ter o controle da pauta desta comissão é fundamental.Trevas e Obscurantismo é o que essa gente tem a nos oferecer! Somente isso!

    • Onda Vermelha Postado em 05/Mar/2015 às 21:44

      Errata"entre outros retrocessos"

    • Thiago Teixeira Postado em 06/Mar/2015 às 07:49

      Eu sou metaleiro, odeio música sertaneja, funk, pagode, gospel, e se tiver uma comissão de carnaval ou baile funk eu vou querer ir até lá para ser o presidente e melar a festa da galera? Desculpe mas isso é de coisa de retardado, neurótico e gente muito desocupada.

  13. eu daqui Postado em 19/Mar/2015 às 12:26

    Lugar de naziteísta é junto a seu deus !!!!!!!!!