Redação Pragmatismo
Compartilhar
Tragédia 04/Feb/2015 às 18:50
10
Comentários

Viajar de avião está menos ou mais perigoso?

Voar está mais perigoso? Diante de um número aparentemente impactante de acidentes aéreos nos noticiários surgem temores de que viajar de avião se transformou em algo inseguro. Estatísticas desmentem

viajar avião acidente aéreo
(Imagem: Acidente aéreo em Bali em 2013)

Imagens impressionantes de um avião caindo ao lado de prédios de uma metrópole [veja aqui], atingindo um viaduto e um carro e depois caindo no rio ao lado, circularam o mundo nesta quarta-feira e mais uma vez trouxeram à tona temores de que acidentes de avião estariam se tornando cada vez mais frequentes.

Pelo menos dois veículos que passavam pela ponte em Taipé, capital de Taiwan, registraram o evento – a queda de um avião da TransAsia com 58 pessoas – no qual morreram ao menos 23 pessoas.

O acidente do voo GE235 da TransAsia se junta a uma lista notória, de tragédias como a do voo MH-370 da Malaysia Airlines, que desapareceu no mar em 2014, a de um segundo jato da mesma companhia, que caiu na Ucrânia, possivelmente derrubado por um míssil, e a do avião da AirAsia que caiu no Mar de Java.

Mas, afinal, as viagens aéreas estão ficando mais perigosas?

O ano passado certamente foi pior do que a média em termos de mortes: 986 pessoas morreram em acidentes envolvendo aeronaves comerciais em 2014. Deste total, 537 morreram apenas nos dois voos da Malaysia Airlines.

Mas, as companhias aéreas do mundo todo registraram um número recorde de passageiros em 2014 – 3,3 bilhões de pessoas em 27 milhões de voos, segundo um relatório do site especializado AirlineRatings.com.

O relatório afirma que, apesar de terem ocorrido 21 acidentes fatais no ano passado, este número é o mais baixo, um recorde.

Há 50 anos o mundo tinha apenas 5% do número de voos que tem hoje, mas quatro vezes mais acidentes.

Então, apesar dos acidentes registrados, as viagens aéreas, estatisticamente, são mais seguras do que nunca.

BBC

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 04/Feb/2015 às 20:34

    A quantidade de voos aumentam de maneira exponencial, e consequentemente as ocorrências de acidentes. Logicamente um desastre aéreo dá mais notícia do que um tombo de bicicleta.

  2. Jonas Schlesinger Postado em 05/Feb/2015 às 03:40

    É seguro, prático. Fatalidades acontecem, se morrer morreu. Pra que tanto drama? Caiu pronto. Cida que se segue.

    • lane Postado em 05/Feb/2015 às 08:45

      Caramba é o segundo comentário seu que eu leio hj, ambos drásticos ... acho que vc precisa de um psicólogo....

      • Ruy Aguiar Postado em 05/Feb/2015 às 14:26

        Tb acho O que não falta é gente com problemas na web

    • Alexandre Postado em 05/Feb/2015 às 10:43

      A "Cida" segue se não estiver no avião que caiu... :-/

      • Verena Postado em 05/Feb/2015 às 13:48

        Oh Alexandre eu ri mto agora. :)

    • e daqui Postado em 05/Feb/2015 às 12:08

      Nem toda queda de avião é fatalidade.

  3. Alexandre Postado em 05/Feb/2015 às 09:41

    Está perigoso se você estiver no mesmo vôo de alguém que precisa morrer.....sei lá, apenas uma suposição, tipo alguns chineses donos de uma patente bilionária de semi condutores, num vôo da Malaysia Airlines

  4. Daniel Postado em 05/Feb/2015 às 09:56

    Se avaliarmos as mortes no trânsito... Vou de avião!

  5. Marcos Vinícius Postado em 05/Feb/2015 às 10:22

    A maior coincidência é pelo fato de as últimas tragédias terem ocorrido mais em voos de companhias asiáticas. Por que será?