Redação Pragmatismo
Compartilhar
Meio Ambiente 24/Feb/2015 às 14:47
5
Comentários

Seca e falta d'água: São Paulo tem muito a aprender com San Francisco

San Francisco está enfrentando a pior seca de sua história com armas simples, mas eficazes. Veja o que São Paulo pode aprender com a cidade californiana

san francisco água ponte golden gate
Vista da Golden Gate Bridge – San Francisco/CA

Em San Francisco, na Califórnia, os restaurantes deixaram de servir água aos clientes automaticamente, e agora só recebe um copo quem o pede ao garçom. Nos subúrbios da cidade, moradores começam a trocar seus gramados por plantas nativas que dispensem irrigação ou até por grama artificial.

As duas mudanças de comportamento são os efeitos mais visíveis em San Francisco da grave seca que há três anos atinge o mais populoso Estado americano.

Entre os san-franciscanos, porém, a falta de chuvas parece preocupar bem menos do que entre os paulistanos. Afinal, com o reservatório que abastece a cidade com 56% de sua capacidade, San Francisco lida com a seca numa posição muito mais confortável que São Paulo, onde o sistema Cantareira opera na reserva técnica desde maio de 2014.

O relativo conforto foi conquistado à custa de um esforço após graves estiagens nas décadas de 1980 e 1990, quando San Francisco enfrentou racionamentos e teve de remodelar a gestão de suas águas. Os episódios alertaram autoridades e moradores sobre a importância de poupar o recurso e puseram o tema na agenda das escolas da cidade.

‘Políticas agressivas’

Nos últimos 20 anos, o consumo médio de água por pessoa em San Francisco caiu 12% e hoje é o mais baixo da Califórnia.

Mesmo assim, quando em 2013 a seca se agravou e o prefeito Ed Lee pediu aos moradores que reduzissem o uso de água em 10%, a cidade foi além e baixou seu consumo em 14%. A meta só era obrigatória para quem usava água para irrigação; entre os demais consumidores, a redução foi voluntária.

Não houve até agora racionamentos e, como voltou a chover nos últimos meses, acredita-se que a medida será evitada também neste ano.

“Pode parecer simples demais, mas nossa estratégia principal tem sido poupar a água”, diz à BBC Brasil Tyrone Jue, diretor de comunicação da Comissão de Serviços Públicos de San Francisco, responsável pelo abastecimento de 2,3 milhões de moradores na região.

Entre as principais medidas adotadas pela comissão nos últimos anos, Jue cita a exigência de que donos de imóveis troquem vasos sanitários e chuveiros por modelos mais econômicos como condição para que possam vender os bens. Os bons resultados dessa política estimularam o governo da Califórnia a adotá-la em 2014.

San Francisco também passou a conceder descontos para os consumidores que substituíssem chuveiros, máquinas de lavar e privadas por equipamentos mais eficientes. E passou a investir na diversificação de suas fontes de água, até então restritas a uma represa no Parque Nacional Yosemite, no leste da Califórnia.

Hoje alguns parques, clubes e campos de golfe da cidade são irrigados com água de esgoto reciclada. San Francisco também começou a explorar um aquífero, que até 2016 deverá fornecer 15% da água potável distribuída aos consumidores.

Prédios inteligentes

Em seus esforços para reduzir o consumo, a prefeitura tem ainda dado incentivos fiscais para que novos edifícios instalem tecnologias verdes, como sistemas de captação de chuva e painéis solares.

A própria Comissão de Serviços Públicos de San Francisco se mudou em 2012 para um edifício projetado para ser um dos mais sustentáveis dos Estados Unidos.

Ao custo de US$ 201,6 milhões (R$ 578 milhões), o prédio de treze andares é equipado com painéis solares, turbinas eólicas e um sistema de reciclagem de água. Ali a água que escorre nos ralos ou descargas é tratada no próprio edifício e reaproveitada para irrigar jardins no entorno.

Para Tyrone Jue, no futuro, edifícios com sistemas semelhantes poderão vender água reciclada a imóveis vizinhos ou trocá-la pela eletricidade gerada por painéis solares nessas unidades.

“Teremos um sistema de distribuição cada vez mais descentralizado, em que os consumidores dependerão menos das redes públicas e terão autonomia para tomar as decisões que lhes sejam mais vantajosas.”

Na sala de aula

Em outra frente, a prefeitura tem contado com suas escolas para baixar ainda mais os níveis de consumo na cidade. Na escola municipal Ulloa, vizinha ao zoológico de San Francisco, alunos irrigam suas hortas com a água da chuva coletada por duas cisternas, construídas há dois anos.

Além de ajudar a reduzir o consumo de água nas escolas da cidade em 43% desde 2013, medidas como essa mostram aos alunos a importância de poupar, diz à BBC Brasil a diretora da instituição, Carol Fong.

Nas paredes da escola, que tem 540 estudantes entre os cinco e doze anos, campanhas desenvolvidas pelos próprios alunos pregam que se economize água. Os cartazes têm frases em inglês e mandarim, já que a escola é bilíngue e formada, em sua maioria, por descendentes de imigrantes chineses.

“Ao planejar nossas ações pedagógicas sobre a seca, não queremos apenas ensinar aos alunos que eles devem poupar; queremos que eles levem os ensinamentos para casa e que a mensagem se espalhe por toda a comunidade”, diz a diretora.

Ao economizar água, os moradores de San Francisco não só se protegem de uma repetição dos racionamento das décadas de 1980 e 1990 como afastam um fantasma coletivo na cidade.

Em 1906, o grande terremoto que atingiu San Francisco foi seguido por um incêndio que destruiu quase todos os seus edifícios. Entre os moradores, conta-se que a cidade só foi consumida até o fim porque faltou água para apagar o fogo.

BBC Brasil

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Luciana Coelho Postado em 24/Feb/2015 às 16:02

    Os tucanos venderam a água dos paulistas e ficaram 20 anos só repartindo os lucros sem investir um único centavo. Queriam a presidência para vender também a Petrobrás, mas não levaram.

  2. Randy Postado em 24/Feb/2015 às 16:17

    Algo que não foi mencionado no texto foi o fato de os californianos não acharem que RIO É TUBULAÇÃO DE ESGOTO, e tratam a água... algo que não se faz em SP por conta da falta de higiene dos NOSSOS GOVERNANTES... A BILLINGS ESTÁ POLUIDA POR CONTRA DA FALTA DO TRATAMENTO DE ESGOTO!!! Agora conta de esgoto nós pagamos todos os mês... o que eles fazem com o dinheiro? Pq demoram tanto para conseguirem tratar as águas dos rios TIETÊ E PINHEIROS? Falta de vontade ou iniciativa privada para que nós PAULISTANOS VIVAMOS, LITERALMENTE EM UMA PRIVADA?

  3. mauricio augusto martins Postado em 24/Feb/2015 às 16:20

    Mas nosso problema em São Paulo, não é a escassez de Chuvas é o desgoverno tucanalha, caso fosse a questão de Chuvas, nenhum Paulista se furtaria a colaborar, como sempre colaboraram, precisamos de uma Nova História para São Paulo, a partir do delineamento de Áreas Urbanas, Áreas Industriais e Rurais, com os cuidados que cada área tem que ter, sempre observando o Ser Humano em primeiro Plano, a VIDA, racionamento aqui poderia ser começado pelos Financiadores de Campanhas dos tucanalhas, os que "Industrializam" a água em enormes volumes, podemos muito bem passar sem refrigerantes ou cervejas ou outro tipo de Água, adoçada, acidulada, com espessante, flavorizante, corante, emulsificante, conservantes e outro "antes",mas sem Água ninguém sobreviverá...maumau

  4. Pedro Costa Postado em 24/Feb/2015 às 16:23

    Isso se explica por que os EE. UU. são majoritariamente protestantes; lá São Pedro não tem como se meter com as chuvas, como aqui no Brasil, pelo menos em São Paulo.

  5. Luiz Mello Postado em 24/Feb/2015 às 18:52

    Pra ser justo, rarísssimas são as cidades que não têm muito a aprender com San Francisco.