Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 15/Feb/2015 às 11:00
53
Comentários

O que acontece quando uma mulher negra ofende gratuitamente uma branca na presença de outros negros?

racismo preconceito negra loira negritude orgulho

O Harlem, bairro de Nova York, nos Estados Unidos, concentra a comunidade afro-americana desde a década de 1930. Na região, ser branco chama a atenção dos moradores, mas será que isso pode provocar atos de ódio e violência? O quadro “What Would You Do” (“O Que Você Faria“), produzido pelo canal ABC, resolveu testar esses preconceitos em novos vídeos.

Três atores foram contratados para criar uma situação polêmica dentro de uma barbearia do bairro, e a reação das pessoas foi gravada em vídeo. Uma das atrizes, Rachel, era uma cabeleireira negra que deu em cima de Gabriel, um ator também negro, que esperava para ser atendido. Logo depois, a namorada do jovem, atriz e branca, chegou e Rachel começou a fazer comentários preconceituosos para o cliente: “O quê? Você está com uma garota branca? Você não conseguiu achar uma mulher negra e forte para você?”.

Em três das quatro filmagens as pessoas reprovaram a ação de Rachel. Uma das mulheres, que aguardava nas cadeiras de espera do salão, questionou enquanto apontava o dedo para a cabeleireira: “As mesmas críticas que fizeram com a nossa gente, você vai lá e vai fazer com outra pessoa? O que te dá esse direito?”.

Em outra filmagem, após os comentários de Rachel, um homem arranjou uma briga feia, argumentando que se o problema é uma garota branca não ser do Harlem, a cabeleireira também deveria parar de frequentar o centro de Nova York. Ele, então, finalizou: “Drogas estão arruinando a família negra, pobreza está arruinando a família negra, não uma garota branca“.

A reação mais incrível de todas é a última, em que uma senhora negra e homossexual faz Rachel chorar e pedir desculpas à garota branca, ao fazer um discurso coerente e amoroso: “Onde está o seu coração amoroso? Se ela estivesse deitada sangrando na rua, você a ajudaria? […] É nossa responsabilidade garantir que eles se sintam bem. Nós não precisamos pisar neles. Eles já pisaram em nós por muito tempo. Vamos tentar levantar juntos“.

Vídeo legendado:

Gilberto Dimenstein, Catraca Livre

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Jonas Schlesinger Postado em 15/Feb/2015 às 11:53

    Isso, respeito.

    • gabriel Postado em 16/Feb/2015 às 09:56

      vc falando de respeito, seria hilário se não fosse trágico...

      • eu daqui Postado em 19/Feb/2015 às 13:44

        Acho que ele está falando de autorespeito: fazer muita questão do homem da outra é passar atestado de submulher.

  2. Jônathas Arruda Postado em 15/Feb/2015 às 12:30

    Não que destratar alguém gratuitamente seja algo louvável, mas não critico uma mulher negra que ofende uma branca por causa da cor de pele. A situação de discriminação e segregação racial nos EUA não é apenas uma página vergonhosa da história do país, mas uma realidade atual. Comportamentos como o da moça negra são, em sua essência, de autoafirmação, de defesa. De tempos em tempos, há distúrbios nos EUA que comprovam a situação de exclusão de negros e negras nos EUA.

    • luis Postado em 17/Feb/2015 às 18:52

      Ai que burro, dá zero pra ele!

      • rannjon Postado em 19/Feb/2015 às 10:31

        Pelo contrário, dá 10 pra ele!

      • leribeiro Postado em 19/Feb/2015 às 13:33

        Luissinho, acreditar na sugestão tendenciosa e tramada imposta pela mídia é uma irresponsabilidade social de reacionários que estão fudendo o país com seu "senso comum". "Ai, todo mundo pensa assim então eu tenho q pensar assim" Através de estudos psico-social: "Quando se é torturado por dezenas, centenas de anos, o mais provável é que vc se torne um terrorista sanguinário" A mídia costuma generalizar exceções para impor um "senso comum"... "As tiragens de câmera mostram evidência de caso combinado e plantado" Se liga!

      • luis Postado em 20/Feb/2015 às 00:29

        Desculpa, os reacionários estão "fudendo o país"? Então não é a corrupção, má administração, burocratização, etc.? É só a gente que pensa que nem eu que está estragando tudo? Então é fácil, volta a censura e todo mundo que for reacionário tem que calar a boca e engolir tudo que a imprensa oficial ditar. Resolveu o problema do Brasil, amigão! Êêêêe! Quem foi torturado por centenas de anos? Só se for o Prometeu hauahauhauahua.

    • Fernando Postado em 19/Feb/2015 às 11:06

      Logo, eu posso te ofender, segundo aquilo que eu acho justo e tudo fica numa boa. Pois bem, sinta-se ofendido

    • Doug Postado em 19/Feb/2015 às 11:26

      Por aqui se vê por que nosso pais esta como esta.

    • Eduardo Postado em 19/Feb/2015 às 11:38

      A opinião mais idiota que eu já li aqui. Ninguém precisa de mais vingança no mundo cara. Precisamos de compreensão, entendimento e aceitação às diferenças.

      • Fabricio Postado em 19/Feb/2015 às 12:18

        meu Deus, o cara nao entendeu nada, aff

    • eric Postado em 19/Feb/2015 às 12:39

      Cara, tu pegou o ensinamento do vídeo e o jogou no lixo. Nem sei o que dizer.

      • eu daqui Postado em 19/Feb/2015 às 13:46

        Cada qual merece a interpretação que faz........

    • Alex Sandro Postado em 19/Feb/2015 às 13:00

      A ideia não é justificar, mas mostrar que existe outras maneiras de lidar com o problema. Não adianta alimentar esse ciclo de ódio, mais interrompe-lo dando um passo a frente, como a ultima mulher afirmou. E isso não se faz no olho por olho. E só pra lembrar, o racismo no Estados Unidos é muito forte ainda, mas aqui no Brasil não ficamos muito atrás. O problema aqui é a hipocrisia, a discriminação velada, que acabam boicotando muitas tentativas de trazer a questão para debate.

    • Julio Postado em 19/Feb/2015 às 14:10

      Um racismo não justifica o outro. Esse discurso de que é 'aceitável, autoafirmação, defesa' é análogo ao da Rachel Sheherazade pra justificar a violência com as próprias mãos. Acredito que se fosse uma situação inversa, um racismo clássico,o racista seria preso quase que imediatamente.

    • Roosevelt Postado em 19/Feb/2015 às 16:21

      Ola Jonathas! Vc vive nos USA? Ja foi aos USA? Eu vivo fazem muitos anos nos USA e nao concordo com vc !! Feliz dia!

    • Daniel ld Postado em 20/Feb/2015 às 01:21

      Ninguém tem o direito de destratar o semelhante, independente da cor da pele. Sua teoria é infundada.

  3. José Ferreira Postado em 15/Feb/2015 às 15:48

    Oras. Se um negro ofende é defesa, e se um branco ofende é ofensa. Pelo que eu saiba os dois se enquadram na categoria ofensa. Depois dizem que querem direitos iguais.

    • olivires Postado em 15/Feb/2015 às 18:55

      @José Ferreira: Uma pessoa acuada pode agredir por medo. Os negros americanos foram acuados durante muito tempo, e só conseguiram alguma coisa por protestarem e sofrerem linchamentos físicos e morais desde o movimento pelos direitos civis de Martin Luther King. Ofender não é legal, mas se a ofensa vem da senzala é uma coisa, se vem da casa-grande é outra, é uma história de opressão se manifestando e pior, se reafirmando.

      • José Ferreira Postado em 15/Feb/2015 às 23:20

        Isso não justifica. E certamente o confronto sem fim entre os povos não era aquilo com que o Luther King sonhou.

      • eu daqui Postado em 19/Feb/2015 às 13:47

        Quem se afirma através da ofensa, confundindo-a talvez com revolução socila, merece mesmo já ter nascido ofendido.

    • Pedro Postado em 18/Feb/2015 às 09:41

      Você assistiu o video por acaso? Você viu a reaçao DOS NEGROS contra a ofensa racial realizada contra a moça branca? Sabe quando o aluno tira zero na redaçao por fugir do tema: é o seu caso.

      • José Ferreira Postado em 18/Feb/2015 às 13:55

        A minha crítica para a ofensora, apenas para a que ofendeu.

      • Pedro Postado em 19/Feb/2015 às 04:05

        Ela era uma atriz: era "de mentirinha" para ver a reaçao das pessoas. A ofensora tem um namorado branco, é uma atriz!!!

      • José Ferreira Postado em 19/Feb/2015 às 10:00

        A atriz é "de mentirinha", mas a situação é real nesses bairros estadunidenses.

      • Vicente Postado em 19/Feb/2015 às 11:59

        José Ferreira, tu vive em um desses bairros pra afirmar isso com tamanha certeza?

    • Rodrigo Postado em 19/Feb/2015 às 11:17

      É difícil para muitos superar toda herança histórica e eventos atual. Esperar que todos os negros que são segregados simplesmente ceguem a um posicionamento de igualdade é esperar demais, ainda que esse seja o caminho correto.

    • Said Postado em 19/Feb/2015 às 11:49

      Acho que você não entendeu ou não leu a reportagem. O objetivo era o de ver a reação das pessoas, sendo que estas foram louváveis e que mostram que o que você pensa está totalmente fora de questão!

    • Camila Postado em 19/Feb/2015 às 16:35

      desejo aulas de história pra vc...

      • José Ferreira Postado em 20/Feb/2015 às 00:25

        Se for para mim não tem problema, pois sou historiador.

  4. Silva Postado em 17/Feb/2015 às 10:54

    " se a ofensa vem da senzala é uma coisa, se vem da casa-grande é outra", nada justifica uma pessoa ofender a outra, existem leis e são para todos, independente da sua etnia, credo, sexo e opção.

    • Rodrigo Postado em 19/Feb/2015 às 11:14

      (Outro Rodrigo) Silva, seu pensamento seria perfeito, não fosse um simples fato, infelizmente sempre constatável na prática: as pessoas não querem melhoria (ao menos boa parte), mas apenas querem ter a "vez" de ocupar o lugar do algoz, do carrasco. É o famigerado "quem comeu, comeu. E agora é a minha vez!".

  5. Carlos Postado em 19/Feb/2015 às 10:39

    Fica a curiosidade de saber qual seria o comportamento das pessoas se não tivéssemos atores no ambiente forçando uma situação.

    • Julio Postado em 19/Feb/2015 às 12:09

      Seria a mesma ou nem haveria situação nenhuma, elas não sabiam que eram atores.

  6. leonardo Postado em 19/Feb/2015 às 11:23

    Hoje escuto meu pai dizia que viramos pó um dia, acho que já viramos há muito tempo especialmente nessas coisas, porque que a miscigenação é tão abominada ?? Espero que os casamentos "interraciais" nos EUA sejam mais frequentes no futuro, eles vão ver que igual no Brasil com toda misturança daqui as pessoas continuam humanas do mesmo jeito, e inclusive com tantos brasileiros brilhantes, a Europa tem se miscigenado com arabes, paquistaneses e vai bem, o que me assusta são os países da África eles mesmo abominarem isso teve um sociologo do DR Congo que fez uma tese dizendo que um mulato não sabe se pende ao lado branco ou negro dele, também dizem que o Brasil seria uma sociedade de "castas" mas não temos castas a pessoa branca feia será mais feia que a pessoa negra bonita nos padrões brasileiros, na mestiçagem a vantagem é também não que as características raciais sejam perdidas porque isso é impossível basta ver a cultura do rap viva no Brasil mas sim que os brasileiros são bem menos segregados que outros povos e aqui conseguimos ter padrões diferentes de beleza, olha pra China que coisa chata deve ser você confunde uma pessoa com a outra se miscigenassem certamente o governo iria cair e perder o controle sobre o povo, mas a variabilidade seria bem alta, na verdade é um privilégio o Brasil ser assim o que se antes dizia ruim não é, é o futuro do mundo! Só que é inviável em muitos governos e povos mundiais.

  7. Edilene Gonçalves Postado em 19/Feb/2015 às 11:32

    Falar da casa grande é muito fácil. Sim, ofender não é o correto, mas devemos analisar que tipo de ofensa está sendo feita. Nesse caso é uma ofensa histórica que o negro vem sofrendo desde o momento que foi raptado. O que o que o vídeo mostra é uma reação de respeito pela diferença, pois somos diferentes. Agora querer comparar a história dos brancos e dos negros, especificamente nos Estados Unidos da América do Norte, é não ter nenhum conhecimento sobre a História.

  8. Ingrid Postado em 19/Feb/2015 às 11:39

    Infelizmente não é regra, mas isso não depende mesmo da cor das pessoas envolvidas e sim do caráter delas, já vi uma situação parecida e quando eu e alguns poucos fomos falar, fomos ofendidos também, porém não acho que agiram daquela forma por serem negros e sim porque eram pessoas de caráter fraco.

    • vilmar Postado em 19/Feb/2015 às 15:20

      Ingrid, seu comentario mostra que você não assistiu o video. e se assistiu não entendeu...

  9. Marcos Vinícius Postado em 19/Feb/2015 às 12:01

    Polêmica inventada desnecessária.

  10. Thiago Lima Postado em 19/Feb/2015 às 12:06

    A diferenciação aqui é entre luta e vingança. Obviamente o racismo precisa continuar sendo combatido sempre e sempre. E quem dele sofre tem todo direito (e até dever) de não ser passivo a esta cultura covarde. É necessário por vezes levantar a voz, questionar e exigir direitos. (cotas são direitos pelo simples objetivo de reparação das desigualdades) O que ninguém deve ter o direito é de vingança. Seria semelhante o sujeito que recebe violência física ou patrimonial achar que tem legitimidade para acorrentar outrem a postes ou matar por vingança. É até possível compreender tal sentimento de vingança, mas não podemos aceitar-lo e muito menos legitimar-lo. O vídeo retrata apenas um posicionamento vingativo. E não de luta.

    • eu daqui Postado em 19/Feb/2015 às 13:48

      A diferenciação aqui é entre inveja e revolta. Esta última é um sentimento politizado que nasce do senso de justiça e não do complexo de inferioridade.

  11. marcelo Postado em 19/Feb/2015 às 12:35

    Nunca deveria ocorrer este tipo de coisa com nenhum tipo de pele! mas quando ocorre com um branco todo mundo defende, queria ver se a namorada do Gabriel fosse a negra!

  12. Nívea Postado em 19/Feb/2015 às 13:35

    Fiquei muito emocionada já passei e passo por isso.Meu casamento é interracial e isso no Brasil é comum.

  13. angélica Postado em 19/Feb/2015 às 17:11

    A matéria é sobre a ENCENAÇÃO de uma moça negra ofendendo uma moça branca. O objetivo era questionar o racismo (sinta na própria pele o q é ser tratado com discriminação).Foi uma SIMULAÇÃO!! As pessoas estão levando ao pé da letra (viram o vídeo e não leram o texto q o acompanhava) e daí liberam seu lado racista xingando a protagonista negra. Catártico!

  14. Pereira Postado em 19/Feb/2015 às 17:47

    Escravidão por escravidão os brancos foram muito mais escravizados que os negros. Basta ver a escravidão que os muçulmanos impuseram na europa lá pelo século VIII muito antes do primeiro colonizador europeu entrar na áfrica. Reagiram tardiamente com as cruzadas. Já a escravidão dos negros na américa contou com dezenas de movimentos abolicionistas promovidas por brancos e membros da igreja católica. Querer comparar a escravidão imposta na europa por muçulmanos com a de negros na América é não ter o mínimo de conhecimento histórico.

  15. Pereira Postado em 19/Feb/2015 às 17:54

    Sem contar que a escravidão ainda corre solta na áfrica, principalmente em minas de diamante. Os muçulmanos são os campeões mundias do tráfico escravo. Cerca de 10 milhões de europeus contra apenas 4,5 de negros. Aqui se priorizavam os homens para o plantio da lavoura; já na europa do século VIII as mulheres eram as preferidas para servir de escravas sexuais. A escravidão na europa nunca contou com nenhum movimento abolicionista ao contrário dos negros no Brasil e EUA. Só reagiram quase 7 séculos depois com a primeira cruzada. No Brasil a escravidão durou 400 anos na europa duro aproximadamente 10 séculos e na áfrica ainda é recorrente.

  16. Pereira Postado em 19/Feb/2015 às 17:57

    Só para traçar um comparativo de raças sofredoras: Os judeus sofrem desde que o mundo é mundo na mão de déspotas como alexandre, o grande até Hitler. Eu não vejo Judeus choramingando por cotas, eles trabalharam apesar de tudo o que sofreram. É a meritocracia mostrando a sua justeza.

  17. William Postado em 19/Feb/2015 às 18:30

    Pessoal, estou vendo que está havendo mal entendidos por aqui. MInha sugestão : assistam de novo a ultima parte do video até o fim. Realmente nao é através do ódio que vamos acabar com o odio (o mesmo para acabar com o mesmo). É através do oposto, igual o que a ultima moça fez! Ela agiu fortemente, e se fosse uma situação real, muito provavelmente iria transformar a pessoa que agia com racismo. Ou se não ia, as possibilidades seriam bem maiores. Alguém te dando sermão é muito mais dificil você aceitar a opinião porque sentimos como ruins, piores, inferior. O que ela fez foi trazer uma reflexão, sem "atacar" a atriz. Mas questionar, fazer pensar junto. E o que ela transmitiu foi amor, respeito, e empatia, dando abertura para a pessoa MUDAR de atitude.

  18. Sumblursatklumpa Postado em 20/Feb/2015 às 01:38

    Pereira, se você não for um fake, então sinto pena de você. Trazer a questão de meritocracia no meio da problemática racial é digno de pessoas sem noção. Por favor, tente entender bem a questão da escravidão na história da humanidade, antes de citar dados sem um mínimo de contextualização histórica dos fatos. Uma lição de casa para você. Por que é importante evitar os anacronismos numa analise histórica? Isso vai te ajudar a não reproduzir asneiras!

  19. Pereira Postado em 20/Feb/2015 às 14:10

    "Trazer a questão de meritocracia no meio da problemática racial é digno de pessoas sem noção." Sem noção é querer dizer que legalizar o tráfico de drogas acaba com o racismo, como no outro post.

  20. Luiz Parussolo Postado em 20/Feb/2015 às 19:50

    Ela deve da próxima vez que participar do grupo tingir-se de marrom ou bege. Único jeito.

  21. Edilene Gonçalves Postado em 21/Feb/2015 às 18:13

    Olá Pereira, Há uma coleção sobre a História da África disponível, em PDF, na internet. O livro de menor volume tem um pouco mais de 800 laudas. E todos são historiadores sérios. Tem um outro livro muito bom, de um historiador brasileiro, José D'Assunção Barros, professor da UFRRJ, que aborda essa questão de forma bem didática; não é um livro caro. Tenho todos esses livros editados, pois sou historiadora e gosto de ter um pequeno conhecimento sobre o que falo. Penso que será bom para você a leitura dessas obras. Um abraço.

O e-mail não será publicado.