Redação Pragmatismo
Compartilhar
Internet 20/Feb/2015 às 17:36
0
Comentários

A menina de 7 anos que hackeou uma rede wi-fi

Depois de algumas buscas no Google e de ler um tutorial na internet, menina de sete anos consegue hackear rede wi-fi em pouco mais de dez minutos

Uma menina de sete anos de idade precisou de pouco mais de dez minutos para hackear uma rede wi-fi.

É o que descobriu uma empresa especializada em segurança cibernética que quis alertar o público sobre os perigos de se conectar a redes sem-fio pouco protegidas.

No experimento, Betsy Davis, uma pequena fã de tecnologia que vive em Londres, conseguiu infiltrar a rede wi-fi em apenas dez minutos e 54 segundos, depois de algumas buscas no Google e de ler um tutorial na internet, afirmou a companhia, Hide My Ass.

“A imagem de cibercriminosos escondidos em um quarto escuro em lugares afastados do mundo é antiquada”, disse Cian McKenna-Charley, porta-voz da empresa.

“É mais provável que eles estejam sentados ao seu lado no bar ou na biblioteca pública. Se uma criança pode hackear tão facilmente uma rede wi-fi em poucos minutos, imagine o dano que pode causar um hacker profissional e com intenções criminosas.”

‘Brincadeira de criança’

Para o hacker profissional Marcus Dempsey, que analisa a segurança de redes empresariais, os resultados do experimento são “preocupantes, mas não surpreendentes”.

“Sei como é fácil para qualquer pessoa entrar no dispositivo de um estranho. E numa época em que as crianças costumam saber mais de tecnologia que adultos, hackear pode ser literalmente uma brincadeira de criança.”

Os pontos de acesso público à internet, os chamados hotspots, são redes presentes em bares, hotéis, restaurantes, edifícios públicos ou em áreas abertas das cidades, como parques.

Quando são pouco protegidas, os hackers conseguem acessar os dados transmitidos através dessas conexões – por exemplo, de usuários que entram em seu perfil em redes sociais ou se comunicam com seu banco.

Betsy aprendeu a estabelecer um ponto de acesso como o usado por hackers para realizar os chamados ataques “homem no meio”, nos quais é possível ler e modificar as mensagens entre duas partes sem que nenhuma delas perceba.

No ano passado, o Parlamento Europeu teve que desconectar seu sistema público de wi-fi depois de ser alvo de um desses ataques.

Cuidados

Muitos dos milhões de pontos públicos de wi-fi no mundo exigem apenas um nome de usuário e uma senha para serem acessados.

Especialistas como Dempsey recomendam que usuários evitem escrever informações pessoais e senhas quando conectadas a essas redes.

Também lembram que é importante ensinar às crianças sobre os perigos da internet e educá-las eticamente sobre a troca de dados online.

“Tão fácil quanto aprender a codificar para criar um jogo de computador é cair no mundo obscuro dos hackers”, afirma Dempsey.

BBC Mundo

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Tags

Recomendados para você

Comentários