Redação Pragmatismo
Compartilhar
Ciência 24/Feb/2015 às 10:46
11
Comentários

A carta de adeus de Oliver Sacks

O câncer terminal do escritor e neurologista Oliver Sacks gerou sua belíssima carta de adeus

oliver sacks câncer
O escritor e neurologista Oliver Sacks (divulgação)

Kiko Nogueira, DCM

“A vida de um homem não é mais importante para o universo do que a de uma ostra”, escreveu o filósofo escocês David Hume.

O escritor e neurologista Oliver Sacks pegou emprestado o título da autobiografia de Hume, “Minha Própria Vida”, para um ensaio no New York Times em que contou de um câncer diagnosticado em 2005 que teve metástase em seu fígado, dando-lhe alguns meses.

É uma belíssima carta de adeus, uma reflexão serena e altiva sobre a morte e o que importa realmente. “Nos últimos dias, tenho visto minha vida como se de uma grande altitude, uma espécie de paisagem, e com um senso profundo de conexão com todas as suas partes”, escreve.

Não é o testemunho de um moribundo. Ao contrário: ele avisa que tem livros para terminar, mas agora há outras prioridades. Não há mais por que discutir política ou o aquecimento global.

“Esses assuntos não me dizem mais respeito; eles pertencem ao futuro”, diz. “Não posso fingir que não estou com medo. Mas meu sentimento predominante é de gratidão. Amei e fui amado; recebi muito e dei algo em troca; li, viajei, pensei e escrevi”.

O artigo de Sacks:

Há um mês, eu sentia que estava em boas condições de saúde, robusto até. Aos 81 anos, ainda nado uma milha por dia. Mas a minha sorte acabou – há algumas semanas, descobri que tenho diversas metástases no fígado. Nove anos atrás, encontraram um tumor raro no meu olho, um melanoma ocular. Apesar da radiação e os lasers que removeram o tumor terem me deixado cego deste olho, apenas em casos raríssimos esse tipo de câncer entra em metástase. Faço parte dos 2% azarados.

Sinto-me grato por ter recebido nove anos de boa saúde e produtividade desde o diagnóstico original, mas agora estou cara a cara com a morte. O câncer ocupa um terço do meu fígado e, apesar de ser possível desacelerar seu avanço, esse tipo específico não pode ser destruído.

Depende de mim agora escolher como levar os meses que me restam. Tenho de viver da maneira mais rica, profunda e produtiva que conseguir. Nisso, sou encorajado pelas palavras de um dos meus filósofos favoritos, David Hume, que, ao saber que estava terminalmente doente aos 65 anos, escreveu uma curta autobiografia em um único dia de abril de 1776. Ele chamou-a de “Minha Própria Vida”.

“Estou agora com uma rápida deterioração. Sofro muito pouca dor com a minha doença; e, o que é mais estranho, nunca sofri um abatimento de ânimo. Possuo o mesmo ardor para o estudo, e a mesma alegre companhia de sempre.”

Tive sorte de passar dos oitenta anos. E os 15 anos que me foram dados além da idade de Hume foram igualmente ricos em trabalho e amor. Nesse tempo, publiquei cinco livros e completei uma autobiografia (um pouco mais longa do que as poucas páginas de Hume) que será publicada nesta primavera; tenho diversos outros livros quase terminados.

Hume continua: “Eu sou… um homem de disposição moderada, de temperamento controlado, de um humor alegre, social e aberto, afeito a relacionamentos, mas muito pouco propenso a inimizades, e de grande moderação em todas as minhas paixões.”

Aqui eu me distancio de Hume. Apesar de desfrutar de relações amorosas e amizades e não ter verdadeiros inimigos, eu não posso dizer (e ninguém que me conhece diria) que sou um homem de disposições moderadas. Pelo contrário, sou um homem de disposições veementes, com entusiasmos violentos e extrema imoderação em minhas paixões.

E ainda assim, uma linha do ensaio de Hume me toca como especialmente verdadeira: “É difícil”, ele escreveu, “estar mais separado da vida do que eu estou no presente.”

Nos últimos dias, consegui ver a minha vida como a partir de uma grande altitude, como um tipo de paisagem, e com uma sensação cada vez mais profunda de conexão entre todas as suas partes. Isso não quer dizer que terminei de viver.

Pelo contrário, eu me sinto intensamente vivo, e quero e espero, nesse tempo que me resta, aprofundar minhas amizades, dizer adeus àqueles que amo, escrever mais, viajar se eu tiver a força, e alcançar novos níveis de entendimento e discernimento.

Isso vai envolver audácia, clareza e, dizendo sinceramente: tentar passar as coisas a limpo com o mundo. Mas vai haver tempo, também, para um pouco de diversão (e até um pouco de tolice).

Sinto um repentino foco e perspectiva nova. Não há tempo para nada que não seja essencial. Preciso focar em mim mesmo, no meu trabalho e nos meus amigos. Não devo mais assistir ao telejornal toda noite. Não posso mais prestar atenção à política ou discussões sobre o aquecimento global.

Isso não é indiferença, mas desprendimento – eu ainda me importo profundamente com o Oriente Médio, com o aquecimento global, com a crescente desigualdade social, mas isso não é mais assunto meu; pertence ao futuro. Alegro-me quando encontro jovens talentosos – até mesmo aquele que me fez a biópsia e chegou ao diagnóstico de minha metástase. Sinto que o futuro está em boas mãos.

Nos últimos dez anos mais ou menos, tenho ficado cada vez mais consciente das mortes dos meus contemporâneos. Minha geração está de saída, e sinto cada morte como uma ruptura, como se dilacerasse um pedaço de mim mesmo. Não vai haver ninguém igual a nós quando partirmos, assim como não há ninguém igual a nenhuma outra pessoa. Quando as pessoas morrem, não podem ser substituídas. Elas deixam buracos que não podem ser preenchidos, porque é o destino – o destino genético e neural – de cada ser humano ser um indivíduo único, achar seu próprio caminho, viver sua própria vida, morrer sua própria morte.

Não posso fingir que não estou com medo. Mas meu sentimento predominante é de gratidão. Amei e fui amado; recebi muito e dei algo em troca; li, viajei, pensei e escrevi. Tive uma relação com o mundo, a relação especial de escritores e leitores.

Acima de tudo, fui um ser senciente, um animal pensante nesse planeta maravilhoso e isso, por si só, tem sido um enorme privilégio e aventura.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. [email protected] Postado em 25/Feb/2015 às 00:16

    Belíssimo , relato meu Caro Oliver Sacos um excelente legado deixara em suas obras .

  2. Silvana Postado em 25/Feb/2015 às 00:19

    Belíssimo relato excelente legado de suas obras .

  3. hozana costa Postado em 25/Feb/2015 às 00:59

    Uma carta que fala de algo triste,mas dá uma conotação de alegria e aceitação! Desejo-lhe um final feliz,dizendo-lhe que a morte não é o fim. O que nos amedronta é o mistério da transição entre matéria e espírito. Aproveite os dias que Deus o agraciou!" Um dia,estaremos todos lá!

  4. Glück Postado em 25/Feb/2015 às 01:41

    A tradução é da Karin Hueck, feita pro Glück: http://www.gluckproject.com.br/oliver-sacks-minha-propria-vida/

  5. Luly Postado em 25/Feb/2015 às 08:54

    Que Ser iluminado.

  6. Marco Tulio Bibiano Postado em 25/Feb/2015 às 10:28

    Emocionante!

  7. elizabeth de andrade Postado em 25/Feb/2015 às 14:33

    Uma beleza de constatação óbvia, natural, inteligente, serena. Uma lição para todos nós vivos - mortais. Lição de vida e de morte.

  8. fabiola magalhaes Postado em 25/Feb/2015 às 17:41

    Pessoa consciente, sábia e desprendida. São assim todas as pessoas que se deparam e se veem frente a frente com as doenças incuráveis. Se não fosse assim, usando de sabedoria, as pessoas ficariam loucas. Mas Deus, na sua infinita sabedoria, dá raciocínio e lucidez a quem deles necessita.

  9. Vanderlay Reina Postado em 26/Feb/2015 às 11:24

    Reconhecer o medo é um ato de coragem. como ele diz: Escrevi muito e deixo obras inacabadas, pensou nos seus leitores e ainda mais, considera que as novas gerações acharão novas saidas e reflexões. Legal

  10. Luci Feijó Postado em 30/Aug/2015 às 17:50

    Deve ser muito bom quando o sentimento que fica é a gratidão!

  11. Elenara Postado em 01/Sep/2015 às 06:19

    Interessantíssimo! Voo disse o filósofo Março Aurélio, temos que aprender a viver e aprender a morrer!