Redação Pragmatismo
Compartilhar
América Latina 20/Jan/2015 às 17:21
24
Comentários

A quem interessava a morte do promotor argentino Alberto Nisman?

Alberto Nisman apareceu morto com um tiro na cabeça disparado com sua arma pessoal. Promotor havia pedido que Cristina Kirchner fosse chamada para depor. Wikileaks revelou que ele se reunia frequentemente com agentes da CIA e do FBI

alberto nisman argentina cristina
Alberto Nisman, promotor argentino encontrado morto, se reunia frequentemente com representantes do governo norte-americano (reprodução)

O promotor Alberto Nisman apareceu morto com um tiro na cabeça disparado com sua arma pessoal em um apartamento localizado a poucas quadras da Casa Rosada, a sede do governo. Seu corpo foi encontrado nas primeiras horas desta segunda-feira (19), dias depois de ter acusado Cristina Kirchner de encobrir os responsáveis do atentado que matou dezenas de pessoas na AMIA (Associação Mutual Israelita Argentina), em julho de 1994.

O procurador se transformou em uma estrela de televisão e dos meios de comunicação oligopolistas que deram ampla cobertura às suas sonoras denúncias, geralmente vazias de provas. Nisman era para a grande mídia algo como se tornou o juiz paranaense Sergio Moro para a imprensa tradicional brasileira.

Os principais dirigentes oposicionistas haviam viajado de seus respectivos estados para Buenos Aires a fim de participar nesta segunda-feira de uma exposição de Alberto Nisman na Câmara dos Deputados, em que havia prometido que apresentaria provas sobre a interferência de Cristina na investigação sobre o atentado terrorista de 1994.

Segunda essa versão do promotor, a presidenta quis evitar que fossem investigados suspeitos iranianos. A morte de Alberto Nisman motivou comoção nacional a 10 meses das eleições presidenciais, enquanto os adversários do governo não estão conseguem superar suas diferenças internas para compor uma coalizão unitária.

“Os dados da autópsia de Alberto Nisman estarão prontos à noite, o que podemos adiantar é que sua morte aconteceu antes do jantar [de domingo]… estava sozinho e a porta do apartamento estava fechada com chave”, informou a promotora Viviana Fein.

“Pedimos aos jornalistas que nos deixem trabalhar”, disse Viviana diante de um enxame de repórteres que a esperavam na porta do elegante prédio em que ele residia, onde o corpo jazia dentro do banheiro junto da arma com a qual o disparo foi feito.

Como os dados da perícia forense ainda não foram divulgados, seria irresponsável arriscar se o promotor que investigava o atentado da associação mutual judia AMIA se suicidou ou se foi assassinado. Em todo caso, é evidente que este fato sangrento carrega consigo uma consequência política: prejudica o governo da presidenta Cristina Kirchner, que mantém uma alta popularidade e deve exercer sua influência nas eleições em que seu sucessor será escolhido.

Cristina: Distância diplomática dos EUA e de Israel

O governo de Cristina mantém relações frias com Washington há anos, uma ligação que se enfraqueceu ainda mais quando Buenos Aires se aproximou do Irã.

“Tudo isto que aconteceu é muito raro, não vamos cair em teorias conspiratórias, mas também não seremos ingênuos ao tentar entender as coisas que estão em jogo”, afirmou Atilio Borón, pesquisador universitário e ex-secretário da CLACSO (Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais).

“A primeira coisa a se fazer é responder esta pergunta, quem sai muito prejudicado com este fato? Indubitavelmente é o governo argentino”, acrescentou Atilio Borón em declarações concedidas nesta segunda-feira a uma emissora portenha. TVs, rádios e sites modificaram sua programação para dedicar atenção total ao crime do ano.

Um dos apresentadores estatais do grupo Clarín afirmou estar quase certo de que o promotor foi assassinado para evitar que prejudicasse Cristina. Com linguagem demagógica, argumentou “nas ruas todo mundo diz que Nisman foi assassinado”.

“Isto dá sensação de impunidade… nisto há traços mafiosos”, afirmou Marcelo Tinelli, um popular apresentador de programas frívolos, presidente do clube San Lorenzo, quem, segundo alguns observadores, sonha em ser o Silvio Berlusconi do Pampa Argentino.

Se os partidos de oposição não demonstraram capacidade para formar uma aliança forte, os partidos de fato têm capacidade para criar um estado de angústia nacional e semear um clima de desestabilização. Possivelmente, o partido da mídia, junto à corporação jurídica, sejam as forças mais hostis à Casa Rosada.

Durante o fim de semana, os jornais tradicionais publicaram com grandes manchetes o anúncio do promotor Nisman sobre as revelações que faria nesta segunda-feira no Parlamento. No Clarín, publicou-se uma notícia sobre o “fim de um ciclo” iniciado em 2003 pelo ex-presidente Néstor Kirchner, continuado por sua esposa e atual chefa de Estado.

Promotor amigo do FBI e da CIA

Dezenas de papéis revelados pelo Wikileaks mostraram que o promotor Albert Nisman se reunia frequentemente com representantes do governo norte-americano, a quem consultava sobre como levar adiante o processo pelo atentado terrorista contra a entidade judaica em 1994 em que houve 85 mortos e 300 feridos. Os agentes da inteligência norte-americanos repetiam regularmente que Nisman deveria acusar o Irã.

“Não é preciso seguir a pista síria, nem as conexões locais [dos terroristas] porque isto pode enfraquecer as acusações contra os iranianos”, disseram agentes do FBI consultados por Nisman, segundo um dos papéis obtidos pelo Wikileaks.

Santiago O Donnell, editor do jornal Página12 e autor de um livro baseado em informações do Wikileaks, afirmou que a Embaixada dos Estados Unidos estava muito preocupada com o curso da investigação do atentado contra a AMIA, e que o assunto aparece em 196 comunicações da missão diplomática norte-americana.

O acadêmico Atilio Borón argumentou que Nisman não era um promotor apegado a normas jurídicas, mas um elemento que operava politicamente segundo ordens de Washington.

“Ele ia regularmente à Embaixada receber instruções do FBI, da CIA e… com essa gente pesada não se brinca, eles em qualquer momento podem decidir eliminar alguém que tenha ajudado, mas que já deixou de ser útil”, disse Borón. Do seu ponto de vista, ainda não se pode saber se Nisman se suicidou ou se foi assassinado, e convém ter como uma das hipóteses que Washington o tenha porque não tinha prova para fundamentar suas denúncias.

“Isto que aconteceu com Nisman não pode ser analisado como uma questão local… poucas horas depois de ele aparecer morto houve um comunicado do governo de Israel.. tudo isso acontece 10 dias depois do atentado em Paris contra a Charlie Hebdo, 9 dias depois dos ataques ao supermercado judeu de Paris”.

“Esta morte se insere em um marco mais amplo que é o que alguns comentaristas chamam como a grande guerra do ocidente contra o Islã”, afirmou Atilio Borón.

DarioPignotti / Página 12

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Jonas Schlesinger Postado em 20/Jan/2015 às 17:40

    "Já foi tarde, hehehehehe" - Cristina Kirchner acessando o Pragmatismo Político.

  2. juarez Postado em 20/Jan/2015 às 18:55

    isso é que dar se aliar com os sionistas, onde ele está agora, terá muito tempo para refletir sobre o que fez de errado aqui.

  3. Rocken Postado em 20/Jan/2015 às 20:49

    pode ser uma infinidade de coisas, é um caso ainda mais complicado que aquele avião da ucrânia, unica coisa que que eu sei é que quem chegar com a ideia de que sabe o que aconteceu é um demente, é um bom momento pra avaliar pessoas, como os da mídia golpista da Argentina por exemplo e também o Jonas Schlesinger

    • billcanovas Postado em 21/Jan/2015 às 08:18

      Rocken, a última notícia que vi sobre o avião da Ucrânia é que analistas concluíram que haviam várias perfurações de bala na fuselagem. Normalmente um míssil terra ar não faria isso. O assunto morreu por conveniência dos eua. Sobre Cristina, acredito que Nisman não tinha como fundamentar suas hipóteses e entre passar vergonha e ser desmoralizado, preferiu morrer e deixar um "cadáver nas mãos de Cristina" . Isso é muito sórdido, não é?

  4. Alejandro Postado em 21/Jan/2015 às 08:28

    Mmmm... Primeira coisa: a arma não era dele, era do seu secretário, e segunda, não acharam pólvora nas suas mãos. Terceira, o governo de CFK já não está em condições de influir sobre sua sucessão, por isso o descalabro. Se partirmos dali podemos informar melhor. Uma ultima coisa é que estão no meio de uma guerra dos servicios de inteligência, que não têm nenhum controle publico, e que durante os governos Kirchner se aprimoraram para espiar ao povo, a Justiça e a oposição, e nas ultimas semanas trcoaram de chefão. Se nõ começamos informando isso, tudo o exposto fica torto. E o que sempre esteve torto foi o Atilio Borón, um fantoche de qualidade intelectual duvidosa.

  5. Ricardo Postado em 21/Jan/2015 às 08:30

    Mídia golpista ?!?!?!? os caras foram calados !!!!! Se a Cristina cair fora os argentinos estão no lucro... Eles estão virando a nova Venezuela, só que sem petróleo...

    • Dida Dias Postado em 26/Jan/2015 às 10:17

      Esqueceu de dizer que a culpa é do Lula, da Dilma e do PT. Ah... certamente, José Dirceu e Genoino estão envolvidos.

  6. Aleluia Postado em 21/Jan/2015 às 09:27

    Tirando a desnecessária comparação com o juiz brasileiro, o artigo é muito bom!

  7. Regina Duarte Postado em 21/Jan/2015 às 10:20

    com ceretza a culpa foi do PT!!!

  8. Cristovam Ruiz Jr. Postado em 21/Jan/2015 às 11:30

    Se eu mato um "amigo" meu, a culpa recai sobre meu inimigo. A história mostra isso. Cristina não colocaria tudo a perder ao matar um bosta desses!

  9. Rodrigo Postado em 21/Jan/2015 às 11:36

    (Outro Rodrigo) Já que a proposta aqui é o pensar pragmático, poderíamos nos ater a fatos, partindo de algumas premissas, duas aqui já pontuadas: 1- investigava alegado acobertamento por parte do governo, dos alegados responsáveis por atentado terrorista e o governo assim teria procedido por interesses econômicos; 2- o Wikileaks acusa o promotor de reunir-se com CIA e FBI. E, então, poderíamos adicionar mais um fato, qual seja, o de que ele não tinha pólvora nas mãos, sendo assim afastada a tese de suicídio (a não ser que alguém defenda a incrível tese no sentido de que, após morto, o mesmo ter se lembrado de levantar, retirar as luvas e jogá-las fora, só para "trollar" a polícia). Temos, pois, 3 importantes fatos objetivos e devemos nos ater aos mesmos, em vez de ficarmos a divagar, conjecturando subjetivamente se: 1- ele foi "celsodanielizado" / "toninhodoptlizado", se não deu atenção ao recado recebido, ao contrário de Barbosa; 2- se ele foi "Kennedizado/Arafatizado", não dando atenção aos recados que estes teriam recebido. Partindo-se do objetivo, chegaremos a um juízo de certeza, em vez de ficarmos na "conjunção atrapalhativa" "se"; elocubrações meramente pautadas em ideais de torcedores organizados e seus líderes, esquerdistas ou direitistas (bem como dos demais nortes políticos), meramente servem a desviar a atenção do foco da questão. Seja quem for o responsável, seja qual tenha sido a motivação, dentro dos pontos objetivos já suscitados, a questão é gravíssima.

  10. Luiggi Postado em 21/Jan/2015 às 12:00

    1. Morte de judeus ateus cartunistas do Charlie Hebdo em Paris. Comoção nacional com direito à mega passeata no Domingo e o absurdo dos absurdos: o açougueiro netanyahu participando de uma marcha contra o terror. Logo ele, o maior terrorista da atualidade. 2. O promotor judeu, sim, porque Nisman era judeu, aparece convenientemente morto depois da mídia sionista Argentina propagar aos 4 ventos que apareceriam "revelações bombásticas" sobre o atentado de 94, bem ao pior estilo do PIGão tupiniquim que anunciava o apocalipse para a Copa e teve que morder a própria língua de tanta raiva depois que tudo aconteceu na maior tranqüilidade. As grandes cagadas foram da nossa seleção e da organização da sionista FIFA que viu um de seus mais antigos esquemas de caixa 2 descoberto pela polícia Brasileira. Este auto-atentado de Buenos Aires em 94, que na verdade foi feito pelo mossad contra os próprios judeus, rendeu a sabotagem e queda do helicóptero onde viajava o filho de Carlos Menen, então presidente da Argentina, que se recusou a levar adiante a encenação política contra os muçulmanos proposta pelo eixo do mal. 3. Em algum lugar, algum outro figurão judeu será assassinado ou haverá um atentado, a exemplo do que aconteceu na redação do Charlie Hebdo, para criar mais consternação e incitar a opinião pública contra os "terroristas". Querem apostar? E por que disto? Porque Isra-hell está sendo encostada contra o muro. Os Palestinos pedem insistentemente que lhes seja concedido um assento no tribunal penal internacional e isra-hell pede, simplesmente, a extinção do tribunal pois será réu ad aeternam devido a todos os crimes recorrentes de genocídio, limpeza étnica, roubo de terras, violação de direitos humanos, crimes de ódio racial, etc, etc, etc que vem praticando desde sua fundação. O sionismo - nome bonitinho para a ideologia neonazista que governa isra-hell e que serve de suporte para a política imperialista americana no oriente médio - é o verdadeiro culpado por trás da mídia porca que desinforma as pessoas mundo afora, que mata, rouba e trafica armas para que mais e mais continuem a matar; que rouba, através do sistema financeiro usurário as economias de nações inteiras condenando-as à miséria e à privação numa nova forma de escravidão; que mata cidadãos de sua própria etnia para transformá-los em mártires e motivo de mais guerra, mentira e pilhagem. Mas este esquema está perdendo o fôlego porque de eternos inocentes e vítimas da perseguição com direito a museus dos horrores que lhes exaltam os sofrimentos mundo afora, estão sendo vistos como realmente são. A fórmula do coitadismo está se exaurindo e as pessoas acordando para a realidade. E, quem diria, em boa parte, quem lhes denuncia e os condena publicamente são seus próprios sacerdotes. E antes que algum idiota mal intencionado venha falar de antissemitismo, aconselho a ouvir o que os rabinos ortodoxos nova iorquinos do Neturei Karta tem a dizer sobre o assunto: http://www.nkusa.org/

    • Hilario Muylaert Postado em 21/Jan/2015 às 20:12

      Muito bom !!

  11. Luiggi Postado em 21/Jan/2015 às 12:04

    Idiota. Campos foi morto pela CIA para criar consternação e alavancar a candidatura da bruxa do seringal. Ela e aecim do pó eram lacaios do mesmo senhor Soros, ladrão sionista internacional. Só que funcionou até certo ponto porque a máscara caiu.

  12. mauricio augusto martins Postado em 21/Jan/2015 às 12:53

    Torna-se patente o "modus operandi" da Cia, o que significa que toda a América do Sul corre perigo de sucessivos Golpes e Sabotagens, já nem se preocupam mais em "embonecar" as "informações" para municiar o pig, pois o Factóide já basta, o que infelizmente se constata é o Aparelhamento Geral de parte das "Justiças" em Nossos Países, e se isto (suicido) ainda não houve no Brasil, significa que ainda pensam que estão "ganhando", ou que o grau de alienação dos Incautos Eleitores já seja Irreversível...maumau

  13. rodrigo Postado em 21/Jan/2015 às 14:32

    foro de são paulo ui ui ui, que medo, Foro, ui, são paulo, ai, ai, ai..!!! jesus, jesus!!!

  14. Ricardo Postado em 21/Jan/2015 às 15:32

    Inventaram uma nova modalidade de análise: a presunção de culpa. Sinal dos tempos?!

  15. edson tadeu Postado em 21/Jan/2015 às 17:05

    OLHA ELE TINHA ligaçoes com a CIA certamente o dossié que lhe deram nao tinha sustentaçao, nao apresenta provas suficiente mais a CIA fez ele pensar que sim, seu apartamento trancado nao quer dizer nada. vamos ver qual era oi andar que ele morava e sabemos que qualquer agente da CIA poderia ter escalado do andar superior para o dele o surpreendeu tomou sua arma e o matou limpou a arma e colocou nas maos dele. se a autopsia for bem feita muita coisa pode ser mostrada. por outro lado se o tiro foi dado a queima rouba ou seja encostado a sua cabeça vai ser muito dificil provar que tenha sido um assassinato. é so se limpar a arma colocar nas suas maos e tornar a subir e provas de arrombamentos nao vao existir. Quem mais tem interesse de matar o tal priomotor é justamente os EUA para desestabilizar o governo de Crisrtina Kerchner

  16. joao Postado em 21/Jan/2015 às 18:24

    " seria irresponsável arriscar se o promotor que investigava o atentado da associação mutual judia AMIA se suicidou ou se foi assassinado" "rádios e sites modificaram sua programação para dedicar atenção total ao crime do ano" matéria horrível e tendenciosa

  17. Jocilene Postado em 21/Jan/2015 às 22:12

    Eu acho que vocês dao muito poder aos EUAs CIA e etc..Foi uma fatalidade . E Cristina vai sair ilesa dessa palhaçada.E não dou créditos a CIA.

  18. Gustavo Postado em 21/Jan/2015 às 22:41

    Tal qual a morte de Eduardo Campos, a morte do promotor na Argentina só interessa a oposição que utilizará a estratégia do apelo emocional midiático em detrimento do debate e da racionalidade política.

  19. Bartolomew Postado em 22/Jan/2015 às 01:08

    Depois de dez anos e resultado nulo das investigações, parece-me que até o promotor tinha mais interesse na própria morte que a presidenta.

  20. Pereira Postado em 23/Jan/2015 às 12:13

    Está provado que nesse continente se esconde, financia, acoberta e gostam de terroristas muçulmanos. O Wikeleaks revelou isso também.

  21. Pereira Postado em 23/Jan/2015 às 12:16

    Derepente a culpa do assassinato é dos judeus, se não tivessem "invadido" as terras dos coitadinhos palestinos não haveria os atentados. A esquerda é uma piada !