André Falcão
Colunista
Compartilhar
Religião 22/Jan/2015 às 12:30
29
Comentários

A pena de morte e a fé na hipocrisia

Boa parte dos brasileiros reza o terço mariano diariamente, vai à missa ao menos aos domingos, vez por outra dá esmola, é temente a Deus. E defende menos direitos para os empregados, domésticos inclusive. E a pena de morte, para os marginais pretos e pobres de seu país. E para o traficante brasileiro preso na Indonésia.

Fé hipocrisia pena de morte direitos humanos
O mesmo brasileiro que vai a missa aos domingos e se diz temente a Deus é aquele que, entre outras coisas, repudia a garantia dos direitos dos empregados domésticos e defende a pena de morte (Imagem: Pragmatismo Político)

André Falcão*

O Brasil se orgulha por ser um dos muitos países que abominam a pena de morte. A propaganda midiática o divulga como um país simpático, acolhedor, generoso, de maioria católica, desprovido de preconceito e racismo, de cor ou social. Somente aboliu a escravidão, oficialmente, em 1888, com o advento da Lei Áurea, portanto há 127 anos. Embora, sempre oficialmente, tenha sido descoberto por Cabral há 515 anos. Mas como a escravidão no Brasil somente teve início, oficialmente, na primeira metade do séc. XVI, portanto por volta dos anos 1500-1550, justamente com o advento da produção de açúcar (que coincidência, Alagoas), pode-se dizer que a escravidão no país durou, oficialmente, cerca de 370-380 anos. Ano pra dedéu, hein? É que se fosse pela direita brasileira, representada pelo poder econômico de então, baluarte na luta em favor da mantença da barbárie escrava para a salvação de seu rico dinheirinho, sujo com a dor, suor e sangue dos negros, a abolição foi um terrível mal para o país.

A escravidão no Brasil, porém, ainda não acabou. Sabe-se de vários casos que deixaram estarrecidos os brasileiros. É que para boa parte desses, tão amáveis e tementes a Deus, a escravidão é inadmissível. A pena de morte também. Naturalmente que em se tratando de um cabra preto, lascado, nascido e criado num dos muitos infernos que ainda existem no país, e que reproduz sua origem desgraçada assaltando, quando não assassinando, integrantes da sociedade branca e limpa do Brasil, uma mortezinha bem matada é merecida. Nem que seja na baixa. Vai lá e pum! Menos uma escória.

Leia aqui todos os textos de André Falcão

Escravidão e pena de morte por alguma razão andam juntas no Brasil. Deve ser porque não existem oficialmente, mas resistem ao fim vagando na clandestinidade. De qualquer modo, para um sujeito que ganhou a vida traficando drogas, não raro abastecendo as festas de milionários conterrâneos e estrangeiros que o financia e aos magnatas seus chefões, e que é preso num país onde impera a prostituição e a corrupção, entre outras mazelas, uma pena de morte é até bem-vinda, como não o é a manifestação contrária da presidenta de um dos países, como o Brasil, que lideram a extirpação no mundo, justamente, da pena de morte.

Boa parte dos brasileiros reza o terço mariano diariamente, vai à missa ao menos aos domingos, vez por outra dá esmola, é temente a Deus. E defende menos direitos para os empregados, domésticos inclusive. E a pena de morte, para os marginais pretos e pobres de seu país. E para o traficante brasileiro preso na Indonésia.

*André Falcão é advogado e autor do Blog do André Falcão. Escreve semanalmente para Pragmatismo Político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. GabrielG Postado em 22/Jan/2015 às 13:18

    Hipocrisia cristã, nos vemos por aqui... São a favor da mesma pena que os romanos deram a Jesus Cristo. Ainda se dizem cristãos... Prefiro continuar sendo ateu.

    • Adna Silva Postado em 22/Jan/2015 às 16:33

      Não entendi a crítica ao cristianismo se o contexto é o islã

      • jardel costa Postado em 22/Jan/2015 às 19:24

        E meu caro, a pena de morte não foi dos romanos e sim dos judeus, leia um pouco mais e pare de dar desinformação.

      • Jackson Postado em 22/Jan/2015 às 20:41

        Exatamente.! A sua resposta esta cheia de preconceito velado. Se coloca fora do contexto e ai fica fácil julgar. Pensa um pouquinho, pensa! Boa noite de reflexões para você!!!!!!!!

      • Jackson Postado em 22/Jan/2015 às 20:45

        O Jardel costa, quem crucificava eram os romanosssss. Os judeus apedrejavam! Vai estudar, vai! Tem muita besteira escrita nos comentários! Socorro!

      • Pedro Postado em 23/Jan/2015 às 08:11

        Querida Adna, o texto fala do gosto do brasileiro, tipicamente catolico, pela pena de morte. Nao trata do povo indonésio. Entendeu?

    • Julio Alan Postado em 23/Jan/2015 às 12:48

      Os fariseus é que deram a pena. Roma só executou, já que só a ela era permitido penalizar dentro do Império.

  2. Murilo Postado em 22/Jan/2015 às 13:43

    Cultuam defunto mutilado e praticam canibalismo simbólico e a pelo menos 2 milênios são segregativos e abdicam do mais puro conhecimento lógico e racional. Eu tenho ojeriza por grande parte deles e pelas suas verdades absolutas e ainda de quebra a sua plena certeza quanto as coisas etéreas.

  3. Marcos Vinícius Postado em 22/Jan/2015 às 14:14

    Por essas e por outras que eu não me misturo muito com o pessoal daqui do meu trabalho. A maioria do meu setor é desse naipe e ainda por cima homofóbicos. Como gay e tendo amor próprio prefiro só me reservar as coisas relativas ao trabalho.

    • Vinicius Postado em 22/Jan/2015 às 16:47

      Essa hipocrisia é revoltante, essas pessoas falsas falam tanto em amor em Cristo, depois ficam desmoralizando as pessoas. São totalmente o contrário do que Cristo propôs, perseguem minorias, ódio,ainda utilizam o nome pra arrancar dinheiro das pessoas. Sinceramente, essas pessoas são muito perigosas. Admiro sua coragem porque se fosse comigo não aguentaria nem olhar para cara desse tipo de gente.

      • Marcos Vinícius Postado em 22/Jan/2015 às 17:06

        Pois é, até por que o meu emprego é concursado e na minha área de formação. Não vou deixar só por causa desses idiotas alienados. A minha coragem se resume à necessidade de ganhar dinheiro.

  4. Marcos Vinícius Postado em 22/Jan/2015 às 15:37

    Conte-nos mais sobre as atrocidades cometidas pelos EUA e União Europeia em nome do "combate ao terrorismo"! E mais: tem dados dessas asneiras que você vomitou?

    • Tindo Postado em 22/Jan/2015 às 16:08

      China tem pena de morte e trabalho escravo escancarado. Precisa de algum "dado" pra te provar isso?

  5. Rafael Lino Rosa Postado em 22/Jan/2015 às 16:02

    Sou obrigado a discordar veementemente, como Cientista da Religião faltou uma análise profunda dos imbricamentos sociais e culturais. Muito raso falar de religião assim, mas esse agora é o problema vários se arvoram em tecer opiniões que NADATEM A VER com a realidade religiosa de uma parcela considerável da população brasileira. Tecer um comentário como esse artigo de opinião além de ferir a dignidade religiosa, mostra o quão distante está quem o escreveu das realidades socio-culturais brasileiras. Prof.Rafael Lino Rosa, Mestre e doutorando em Ciências da Religião pela PUC-GO

    • Messier Postado em 22/Jan/2015 às 17:04

      O artigo fala da hipocrisia das pessoas que vao a Igreja e se dizem Cristas e defendem a pena de morte. No mimimo uma contradicao. Nao precisa ter mestrado ou doutorado para ver isso. Vemos diariamente .

      • BRUNO SILVA Postado em 12/Feb/2015 às 13:00

        VDD MESSIER, infelizmente tem gente com doutorado que não sabe identificar a questão que o texto está mostrando e não consegue olhar um pouco o mundo ao redor.

  6. Alexandre Luna Postado em 22/Jan/2015 às 16:21

    Eu sou muito pecador não sou exemplo para nada, entretanto não uso religião para me promover e sim para me salvar. mesma igreja que condena a pena de morte condena também a redução da maioridade penal (não está na bíblia, mas a CNBB condena). Mas para fundamentalistas e adeptos da família Bolsonaro a religião só é boa quando os convêm, na pena de

  7. Tom Kinge Postado em 22/Jan/2015 às 16:21

    Tindo, Cuba tem índices muito mais coerentes com o respeito aos direitos humanos do que o Brasil ou mesmo os EUA. Em, Cuba, segundo a própria ONU, o índice de mortalidade infantil foi erradicado há muito tempo, assim como o de analfabetismo. Não reproduzir discursos Cubofóbicos, pois Cuba apresenta índices sociais que constroem um quadro condizente com o respeito e integridade dos seres humanos muito mais do que muita "potência" capitalista. Sobre trabalho escravo, o BRASIL até hoje perpetua o trabalho no campo, seja em carvoarias, seja em formas de trabalho análogas à escravidão nas usinas de cana-de-açúcar, para o deleite dos ruralistas, que a todo o momento tentam barrar a PEC de criminalização do trabalho escravo. Quer debater, Tindo? Acha que tem argumento para debater comigo?

    • Marcos Vinicius Postado em 22/Jan/2015 às 17:03

      Muito bem!

    • Carlos Postado em 22/Jan/2015 às 22:24

      Vc esqueceu de dizer que Cuba tb tem um dos maiores índices de loucura do mundo, pois só isso explica o que leva tantos cubanos a fugirem daquele paraíso para se atirarem no inferno Yanque.

  8. Vinicius Postado em 22/Jan/2015 às 16:28

    Discurso típico de leitor da Veja, sou de esquerda e sou totalmente contra ditaduras de Cuba e Coréia do Norte, contra a falta de direitos humanos nesses locais. Vocês coxinhas tem que parar de assistir Globo e ler Veja para analisar mais as coisas, vocês não percebem o quão são patéticos.

    • Carlos Postado em 22/Jan/2015 às 22:20

      Além de agredir quem se atreva a debater com vc, teria algum argumento sólido para defender seu posicionamento? Uma dica: é bom dar olhada de vez em quando em mídias que considera retrógradas, pois poderá encontrar nelas mais razões para defender suas teses ou até, quem sabe, rever alguns conceitos. Eu faço isso e, em geral, cada vez que leio um artigo tão tendencioso e sem nexo como esse vejo como é fácil enganar que olha o contexto com um olho só.

    • Vinicius Postado em 23/Jan/2015 às 19:21

      Desculpa Carlos , mas o que o usuário acima fez não pareceu ser um convite a debate. Foi uma afirmação totalmente vazia e sem provas.Uma provocação fútil. E Minduim desculpe se eu fui agressivo com você,ok?. Quero esclarecer que sou de esquerda não por conta do Pragmatismo Politico e outras mídias. Mas sim por estudar e analisar as questões. Não preciso recorrer a Veja,Globo e etc para defender minhas teses. Porque tenho repulsa a esses "meios de comunicação". Admito que há pessoas de Direita coerentes e que é possível seguir com um debate, inclusive até conheço. E porque por eu ser de esquerda vou apoiar ditaduras socialistas?Ou torturas em prol do socialismo? Não defendo. Acho que o posicionamento que tive acima foi somente esse. Me desculpa mais uma vez se ofendi você e ao seu colega Minduim. Agradeço as dicas, apesar de não segui-las. E também sugiro que você repreenda também alguns usuários de direita que são agressivos, principalmente da Veja.

  9. Francisco Aguiar Postado em 22/Jan/2015 às 16:35

    Sou católico e nenhum momento a Igreja pregou o ódio aos irmãos. A pena de morte, a diminuição da maioridade penal e principalmente a campanha do desarmamento, foram e continuam sendo amplamente apoiadas pela CNBB. Fazer uma análise desse tema tendo o panorama a História de nosso país, é ao mínimo duvidosa, até por que as circunstâncias daquela época eram outras, ou seja, as conjunturas relacionadas a cultura, economia e sociedade eram totalmente diferentes da que vemos hoje. O estudo do passado propõe respostas para a situação do presente - isso é correto - mas não fechemos os olhos para as diversas fases que o mundo passou daquela época até hoje e nem misturemos as coisas. Afinal qualquer síntese errada pode se tornar falácia e isso é perigoso, tornando-se arma verbal para a oposição.

  10. Walter Postado em 22/Jan/2015 às 16:53

    Todas as religiões ditas cristãs existe o joio misturado com o trigo nem por isso compactuo com eles essas ideias continuo sendo cristão e abomino a pena ou descriminação perante ao ser humano aliás Maria Madalena descriminada como mulher e a mesmo ungiu Cristo antes da morte.

  11. Rodrigo Postado em 22/Jan/2015 às 18:01

    (Outro Rodrigo) Creio que o texto decorra de expressa negação da realidade, especialmente face à expressa defesa feita pelo então embaixador brasileiro em Cuba, Tilden Santiago, da pena de morte por fuzilamento executada em 2003 (breve consulta ao google mostrará que o embaixador fez a defesa e não foi censurado por nenhum membro do governo petista). Creio, mais, que confunda o a liberalidade de se autodeclarar católico (ou de qualquer religião outra, todas merecendo respeito), com a real, verdadeira, prática da Fé adotada - assim como muitos se dizem deste ou daquele norte político, apenas visando o enriquecimento ou a visibilidade social, o mesmo há nos demais setores de uma sociedade, a exemplo do religioso. Confundiu-se (espero que não maliciosamente), pois, alhos com bugalhos, barafunda com barata que afunda, Olívia Pires com pratinho de azeitona, jogando tudo no mesmo caldeirão, esquecendo-se que água e óleo não se misturam. Confundiu-se, mais, a prática real de seres humanos com o norte abstratamente previsto de instituições religiosas (tal qual muitos, à frente de partidos, torcem, retorcem e distorcem os ideais fundantes do mesmo). A verdadeira, desinteressada, honesta prática de uma fé, pois, afasta necessariamente o apoio a uma pena de morte, à miséria alheia. Lamento a postura de todos os que usam um Terço não para rezar por si e por todos os irmãos (eis trecho do oferecimento da oração do Terço: "pela paz do mundo, [...] pela santificação das famílias, pelas Missões, pelos doentes, pelos agonizantes, por aqueles que pediram nossas orações, por todas as nossas intenções particulares e pelo Brasil"), mas para ostentar no pescoço ou mãos, como se adorno fosse. Lamento, mais, execuções de penas de morte, seja as passadas, seja as de Cuba, seja a da Indonésia e lamento a postura de todos os "reis da contradição", que se omitem quando é necessário falar e distorcem quando seria necessário calar (por falta de argumentos). Lamento a conduta dos brasileiros que, visando lucro fácil, acharam que valeria a pena (de morte) o tráfico de entorpecentes para a Indonésia. E lamento, por fim, quem diz "Você critica Marx? E já leu 'O Capital'?", mas não se dá ao trabalho de conhecer os fundamentos da fé alheia, antes de atacar. De quem clama pelo necessário respeito à sua condição de ateu, mas esquece-se de que a liberdade constitucional de credo abriga tanto o direito a um credo quando o de não professar nenhum. P.S.: não confundir a liberdade de expressão exercida ao promover necessárias denúncias, quanto a fatos reais e ilícitos, nesta ou naquela religião, com exercício abusivo do direito à liberdade de expressão (distorção, confusão e ataques indistinta e gratuitamente). P.S.: vou incluí-los em minhas orações, a fim de que juntos alcancemos mais da iluminação necessária, da razoabilidade, da racionalidade que tanto nos falta.

  12. Junipero Postado em 23/Jan/2015 às 10:10

    O texto complica, pois fala de seres frágeis e que se ferem física e emocionalmente, diante de um Deus indestrutível e absoluto. Cristo teve confortos que outros condenados a morte não tiveram: sabia que era filho de Deus, de sua natureza divina, teve amparo de anjos, mãe, dois pais, parentes, e quem o ouvisse. Claro ele era bom. Mesmo um cristão, ou qualquer outro membro de qualquer religião do mundo não iria querer seus filhos na companhia de um traficante, valendo lembrar que matam direta e indiretamente. O que um pai é capaz para proteger um filho? Matar? Garanto que sim. Deixar que outra pessoa mate? Mais fácil ainda. Não somos deuses, não podemos ressuscitar nós filhos toda vez que um traficante os mata então acontece que nesse caso da Indonésia, o qual a presidenta e meteu, e valendo lembrar que se mata a torto e a direito dentro e fora dos presídios, culpados e inocentes, essa morte representou o que para ela? e as nossas mortes? Se você tivesse que escolher em deixar um traficante vivo, sabendo que no dia seguinte ele mataria seu filho, ainda sim o deixaria? A culpa dessa morte, dessa criança, seu filho, que poderia estar viva, mas por você ter defendido a sobrevida de um traficante, agora esta morta e a morte por negligencia. Morte por ter se tornado um ser passivo que aceita a faca no pescoço, de anda de quatro diante de um assaltante, de se nega a ver o quanto de seus direitos só existem na sua cabeça. Sei que pena de morte não reduz violência, mas ao que parece, ela foi aplicada por um povo que no seu parecer estava fazendo a coisa correta, e não acatou o pedido da presidenta simplesmente por não verem lógica. Sei também que eles são hipócritas, mas sobrevivemos num país como se fosse uma coisas normal, quando deveríamos estar vivendo. E temos recursos para isso: mas que o necessário na verdade. Para onde eles vão e que não possibilita uma vida digna...

  13. Carlos Postado em 25/Jan/2015 às 17:12

    A pena de morte e uma coerção penal forte salvaria milhares de vidas no Brasil, preciosas vidas que salvam outras, aqui infelizmente políticos corruptos e bandidos tem mais valor que cidadãos e trabalhadores quando isso um dia se inverter o Brasil ira melhorar 100%. Basta comparar o Brasil com os países desenvolvidos e como aplicam as leis.

  14. Patricia Postado em 25/Jan/2015 às 21:19

    A generalização grosseira e forçada do escrevente diz da sua mente pequena e intelecto ainda muito pouco refinado . Mas, mediocridade é isso mesmo: basta botar cara de indignação moral, o dedo em riste acusando os OUTROS - nunca a si próprio, imagina! e falar 3 ou 4 frases que ele queria fossem de efeito fulminante para, com o seu discurso iluminar cartesianamente as mentes de nós desvalidos e desqualificados leitores, que, num ato de profunda admiração e consternação o elevaremos, não ao cruzeiro cristão, mas ao trono do bobo pagão...rsrsrs....Nas décadas de 60/70 até um enino/a de 12 anos era capaz de elaborar crítica mais acurada e com maior profundidade que o escrito acima..sórdida mediocridade!