Redação Pragmatismo
Compartilhar
Terrorismo 08/Jan/2015 às 19:03
7
Comentários

O último tuíte do Charlie Hebdo antes do massacre

Última postagem no twitter na conta do Charlie Hebdo antes do ataque se tornou motivo de especulação na imprensa internacional. Parte da mídia francesa considerou que o jornal foi vítima da ação de hackers

charlie hebdo twitter ataque paris
A última postagem no Twitter da revista ‘Charlie Hebdo’ antes do ataque (reprodução)

A última postagem no Twitter feita pela revista satírica francesa Charlie Hebdo (@Charlie_Hebdo_) antes do ataque que matou 12 pessoas e deixou várias outras gravemente feridas se transformou em motivo de especulação na imprensa internacional.

O tuíte mostra uma charge do líder do grupo autodenominado Estado Islâmico, Abu Bkr al-Baghdadi e também uma frase misteriosa escrita no desenho: “Felicidades. Para você também, Al-Baghdadi”. Na charge, al-Baghdadi é mostrado respondendo: “E principalmente boa saúde”.

O tuíte tem como data e hora da publicação quarta-feira pela manhã, horário de Paris.

Mas não se sabe se foi enviado antes ou logo depois do começo do ataque contra o escritório da revista. O que se sabe é que foi postado antes de a notícia do ataque ser divulgada.

Muitos especulam se o ataque estava relacionado de alguma forma com essa imagem. Na verdade, a charge não parece ter sido usada antes pela revista, mas também parece dar continuidade a um tema.

A edição impressa da Charlie Hebdo desta semana inclui uma charge com a manchete: “Não ocorreram ataques na França”, mas um personagem usando um turbante e com um fuzil Kalashnikov nas costas afirma: “Espere – ainda temos até o fim de janeiro para desejar nossos melhores votos.”

Na França é tradição desejar um feliz Ano Novo até o fim de janeiro.

Seria apenas uma coincidência o fato de esta imagem ter sido postada por volta da hora do ataque? Parte da imprensa francesa especulou que a revista pode ter sido vítima de hackers.

A ilustração tem a assinatura de Honoré, um ilustrador francês famoso e que está entre os mortos no ataque, mas não se sabe se realmente é um trabalho dele ou quando a charge foi desenhada.

Nesta semana a capa da Charlie Hebdo traz uma charge do polêmico escritor Michel Houllebecq. O último livro dele, Soumission (“Submissão”, em tradução livre), imagina como seria a França se fosse governada por um partido islâmico, um país no qual as mulheres fossem estimuladas a usar o véu, a poligamia seria legalizada e o Corão, ensinado nas Universidades.

VEJA TAMBÉM: O desenho premonitório do diretor do Charlie Hebdo

BBC

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Roger Postado em 09/Jan/2015 às 11:56

    Terrorismo muçulmano é o nazismo da atualidade. Tolerância zero com esse lunáticos assassinos covardes. Eu só não entendo como o mundo ainda tolera a existência desse lixo covarde, desse Estado Islâmico, Boko Haram, Talibã e congêneres. Para eles ainda existirem, mesmo com todo o poderio dos exércitos, serviços secretos e agências de segurança de todas as grandes nações, só uma coisa explica: alguém tá ganhando permitindo a existência desse câncer da humanidade. Tá faltando um líder MACHO que ignore essas "forças estranhas" e mande matar até o último desses canalhas. Terrorista é um bosta que só se acha com poder quando tá com uma arma frente a uma pessoa desarmada. Bota um agente do Mossad, um mariner na frente dele e vamos ver até onde vai a macheza desse covardão bajulador de Maomé.

    • rafa Postado em 11/Jan/2015 às 06:24

      homens-bomba. mariners choram pra morrer.

  2. mani Postado em 09/Jan/2015 às 12:34

    Você bem que poderia passar pra nós o seu entendimento. Eu gostaria muito de conhecer o seu pensamento.

  3. eduardo Postado em 09/Jan/2015 às 18:10

    A única coisa que sei que há mais caroço embaixo deste angu.

    • rafa Postado em 11/Jan/2015 às 06:25

      acharam caroços de angu nos destroços?

  4. rafa Postado em 11/Jan/2015 às 06:21

    e o que é?

  5. Wendel Postado em 14/Jan/2015 às 16:51

    concordo. humildemente concordo. não sou idiota útil.