Redação Pragmatismo
Compartilhar
Economia 28/Jan/2015 às 11:20
22
Comentários

O problema é o seguro-desemprego ou a alta rotatividade?

seguro desemprego Joaquim Levy alta rotatividade brasil

Conceição Lemes, Viomundo

Em 29 de dezembro de 2014, o governo Dilma editou uma série de medidas provisórias (MPs) que alterarão auxílios previdenciários, como a pensão por morte, seguro-desemprego e auxílio-doença.

Especificamente em relação ao seguro-desemprego, as novas regras que passam a valer a partir de março são as seguintes:

– O trabalhador que solicitar o benefício pela primeira vez, terá de ter trabalhado por 18 meses nos 24 anteriores.

– Na segunda solicitação do benefício, ele terá de ter trabalhado por 12 meses nos 16 anteriores.

– A partir da terceira solicitação, terá de ter trabalhado, pelo menos, por seis meses ininterruptos nos 16 meses.

As centrais sindicais, dentre as quais a CUT, são contra essas medidas.

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) calcula que a mudança pode restringir o acesso ao benefício a mais de 2 milhões de trabalhadores.

Para colocar mais lenha na fogueira, na última sexta-feira 23, o ministro Joaquim Levy disse que o atual modelo de auxílio-desemprego do país está “completamente ultrapassado”. A declaração foi dada em entrevista ao jornal Financial Times, no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

Matéria do G1 explica:

Em inglês, Levy utilizou a expressão “out-of-date” (em tradução livre, obsoleto ou ultrapassado) para se referir ao sistema de benefícios previdenciários. Ele citou a necessidade de “livrar-se de subsídios e ajustar os preços” como providências imediatas de sua política fiscal.

Juvandia Moreira, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, discorda da declaração:

Para começar, o ministro Joaquim Levy ignorou totalmente o lado dos trabalhadores”, detona Juvandia em entrevista a esta repórter. “O foco do ministro Levy está completamente errado.

O problema não é o seguro-desemprego, mas a nossa alta rotatividade”.

O ministro deveria estar preocupado com a rotatividade imensa, apesar da baixa taxa de desemprego”.

Antes de sair dando declaração por aí, o ministro tem de investigar por que, apesar da baixa taxa de desemprego, a rotatividade é alta”.

Alta rotatividade significa que as pessoas não estão ficando muito tempo no emprego.

A questão é por quê. Tem a ver com as características do setor? É problema de sazonalidade? Ou será que as demissões não são formas de reduzir custos? Demite-se um que está para ganhar mais para pagar menos ao novo trabalhador?

Juvandia prossegue nas críticas à proposta de Levy:

A alta rotatividade é que tem de ser investigada e combatida”.

O ministro Levy precisa olhar mais e melhor o mercado brasileiro para depois falar. E aí buscar soluções que não prejudiquem os trabalhadores”.

Para resolver o problema de fato, é fundamental um processo de negociação. E não ficar atacando as consequências e não o problema em si

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Rodrigo Postado em 28/Jan/2015 às 12:16

    Isto que dá entregar o gado para o lobo tomar conta. O PT está com cara de PSDB. Viva o neoliberalismo e que o povo pague a conta, sempre. Vamos fazer superavit e entregar para os banqueiros. Viva a corporação! Não é mesmo Levy/Bradesco.

    • Luisa Postado em 28/Jan/2015 às 15:00

      Pois é.. Aécio ou Dilma, é tudo farinha do mesmo saco. Deplorável.

  2. Priscila Postado em 28/Jan/2015 às 15:43

    Tenho que confessar que estou muito decepcionada com os novos ministros e com a Presidenta! Esse governo não é de esquerda, nem de longe! Infelizmente ela foi minha única opção no segundo turno, porque Aécio não voto de jeito nenhum!

    • Eduardo Postado em 28/Jan/2015 às 22:11

      Priscila existe sim uma alta rotatividade de mão de obra no Brasil, mas se for feita uma fiscalização rígida tem muitos trabalhando sem sua carteiras estarem devidamente assinadas, com INSS não sendo pago FGTS não sendo recolhido etc.... Estive numa conferência sobra Saúde do Trabalhador, uma das coisa que me deixou com a pulga atrás da orelha foi uma colocação do representante dos Fiscais do Ministério do Trabalho... disse ele: "Aposentam companheiros, afastam por motivo de saúde, e não há reposição de quadro..." o que quer dizer isto.... as Leis que regem o trabalho no Brasil estão relegadas a própria sorte, pois fiscalização só se for casos muito escancarados.... dá pra ser feliz???? Não é questão de decepção é questão de moralizar as tratativas entre os dois lados, empresários e trabalhadores.... essa rotatividade com exceções pode não ser real.

  3. Rodrigo Postado em 28/Jan/2015 às 16:29

    Achei a reforma maravilhosa. Normalmente, se pensa no empregador como um vilão multimilionário com muito dinheiro e pouco respeito ao trabalhador. Porém, quem tem empresa pequena sabe o quanto isso é irreal e o quanto está desafiante encontrar trabalhadores que, mesmo bem pagos, vistam a camisa do patrão. E, ainda que bem pagos e tratados, saem do emprego exigindo "acordinho" para sacar o FGTS e receber seguro desemprego. Ficam o tempo do seguro desemprego sem assinar a carteira recebendo de forma ilegal o benefício e depois ainda processam o próximo patrão que concordou com essa ilegalidade e acolheu o trabalhador de forma informal em sua empresa. Enfim. Essa senhora que deu entrevista para essa reportagem age como qualquer corporativista do qual gostamos de reclamar, não é? Só para pensar.

    • Priscila Postado em 28/Jan/2015 às 18:17

      Pois é Rodrigo, tudo tem os dois lados... Concordo que existe abuso no Seguro Desemprego, principalmente na questão de acordo... Mas também existem inúmeras empresas que possuem rotatividade devido a redução de custos. Eu posso ser testemunha, trabalhei em 4 empresas que aconteceu isso, embora todas elas já estava trabalhando mais de dois anos... Em muitas empresas existe a exploração do trabalho, inclusive trabalho escravo, onde o trabalhador que não se submeter à determinados serviços são mandados embora, sem dó nem piedade... Aí que está o ponto da questão! É muito complicado, porque determinadas pessoas "pagam o passo" de outras!

  4. Jonas Schlesinger Postado em 28/Jan/2015 às 16:29

    Hehe toda vez q vejo o Levy eu o acho parecido com o meu tio. Por isso não o demonizei ainda, mas vejo q as medidas q o atual governo tomou foi bem liberal. Nem os democratas (eua) tinham coragem de fazer esse saco de maldades. Isso tá mais pra republicano, bush filho e coisa e tal. Eu disse que aos poucos o pt vai à direita e o psdb à esquerda, como aconteceu nos eua no começo do sec xx quando os dem eram direita e passaram pra esquerda e os rep eram de esquerda e migraram pra direita. Agora, se com 28 dias de governo está desse jeito, imaginem nos próximos meses/anos.

    • Jonas Schlesinger Postado em 28/Jan/2015 às 16:32

      #Foram bem liberais

  5. Rodrigo Postado em 28/Jan/2015 às 17:16

    Outra coisa que ninguém fala é que esta pacote servirá para pagar as despesas da Copa. A farra acabou, agora é hora de pagar a conta.

  6. Thiago Teixeira Postado em 28/Jan/2015 às 17:41

    Todo mundo fala merda porque nunca teve que pagar ou lidar com funcionário nó cego. Trabalho na construção civil e a rotatividade é um absurdo. Tem a galera dos 45 dias, 90 dias e 6 meses. Ao passarem destas datas, ninguém segura, eles sentam na frente do escritório da gente, pedem para ser desligados, fazem motim, quebram todo alojamento, é uma verdadeira desgraça. A justiça do Trabalho criou um exército de vagabundos, nó cego e bola nas costas. Foram mais de 40 audiências que participei na minha vida, perdi todas, o juiz ou auditor fiscal do trabalho só querem ferrar as construtoras. E pior, aquela pessoa que realmente precisa do benefício, porque foi desligada por redução de quadro, e não consegue outro emprego fácil, passa necessidade. Isto que está acontecendo é a verdadeira gestão de quem quer proteger os direitos das pessoas bem intencionadas e com vontade de trabalhar.

    • Priscila Postado em 28/Jan/2015 às 18:23

      Thiago, eu também trabalho na área de Construção Civil, porém aqui a rotatividade acontece porque exige-se muitos dos funcionários da obra e seu salário são absurdamente baixos. Assim como a pessoa trabalha num cargo (onde o custo é mais barato para a Empresa) e está registrado em outro e a empresa ainda ganha prêmio de "melhor empresa para se trabalhar". Veja, existe tudo que é tipo de situação, tem o lado da empresa, tem o lado do trabalhador. Mas nós sabemos que os maiores vilões geralmente são os empregadores (não estou generalizando). Aqui o cara que faz serviço de pedreiro está registrado como Auxiliar de Serviços gerais e tem que saber fazer solda também, sem auxílio algum, ganhando nada mais que 1100,00. O que vc acha?

      • Eduardo Postado em 28/Jan/2015 às 22:31

        ... tem que ser feito alguma coisa urgente... A operação Lava Jato, veio nos mostrar o tanto as empresas, que reclamam tanto da carga tributária, faz de errado, se estou enganado ou falando besteiras, pergunto: Porque estão presos????? Em escala menor se verificado por quem de direito, A SUPER RECEITA....a POLICIA FEDERAL....o MINISTÉRIO PÚBLICO....etc vamos encontrar muitos desvios de conduta em nome de compensar os apertos da legislação.... é dificil sem tijolos.....

      • Thiago Teixeira Postado em 29/Jan/2015 às 10:08

        Eu acho que está embutido na cabeça das pessoas que após 15 dias de trabalho, o cara se sente no direito de pedir sua classificação. Se ele registrou de servente, era porque não tinha na carteira. Tem os 90 dias de experiência, além disso a empresa deve registrar na segurança do trabalho que ele está em fase de experiência. Após os 90 dias, normalmente se classifica o ajudante para oficial ou meio oficial. Eu classifico só depois dos 6 meses em comum acordo com o empregado, mas se for obras com uma fiscalização mais rígida, eles nem esperam os 90 dias. Agora, explorar o funcionário, não ajustar a função ... é coisa de gerente ou patrão sem vergonha, merece ser processado.

    • Eduardo Postado em 28/Jan/2015 às 22:25

      concordo com você amigo, como já disse acima se houver uma fiscalização rígida, muitos empresários e empregados seriam obrigados a devolver o dinheiro recebido, devido aos "acordos".... já mencionados em outros comentários, agora vem quem quer botar um freio nessa farra e querem crucifica-lo... sempre em todos os atos correcionais alguém perde algo, pois para punir alguns inescrupulosos acaba punindo gente boa.... mas é questão de necessidade tanto moral quanto financeira.... uma pergunta: E se o governo dissesse, a partir de agora não tem mais seguro desemprego de forma nenhuma..... E se uma proposta que foi ventilada durante as eleições por alguém que queria estar no lugar da Dilma disse que iria fazer caso conseguisse... MUDAR NA CARTEIRA DE TRABALHO A PALAVRA "CONTRATO POR PRAZO INDETERMINADO" PARA "CONTRATO COM PRAZO DETERMINADO", Pensem no que isto afetaria a mão de obra no Brasil..... Voltaríamos aos tempos de antes de 1888, com uma diferença.... com carteira assinada... sendo adoecidos e explorados mais que somos hoje.

      • Priscila Postado em 29/Jan/2015 às 08:40

        Analisando por estes pontos, tenho que concordar contigo...

  7. Priscila Postado em 28/Jan/2015 às 18:28

    #exige-se muito

  8. João Paulo Postado em 28/Jan/2015 às 20:10

    Na verdade, as antigas regras do seguro-desemprego são uma das causas da alta rotatividade. Muitos trabalhadores cumprem a carência e forçam o irritante "acordinho" (sou serventuário da Justiça do Trabalho e já presenciei todo tipo de fraude). No fim, vale a máxima: não há lado bom ou ruim, mas humano. Existem bons e péssimos empregadores, bons e péssimos trabalhadores. Em relação às alegações corriqueiras de que a Justiça do Trabalho é muito paternalista, concordo em partes. Até a hora da prolação da sentença, sem dúvida. Já na hora de cobrar, a JT se transforma na mãe dos maus pagadores (segundo estatísticas do TST em 2011, apenas 33% dos trabalhadores recebem seus créditos em processos trabalhistas).

    • Eduardo Postado em 28/Jan/2015 às 22:34

      é João essa é a pura e simples verdade, e por isto tem que ser feito alguma coisa para corrigir.

      • Priscila Postado em 29/Jan/2015 às 08:41

        Somente uma fiscalização que funcione pra ajudar... Mas isso será difícil né?

  9. Eduardo Postado em 28/Jan/2015 às 22:38

    ... tem culpa também, ou ele não foi ou tentou ser um presidente do Brasil.... ou o amigo é daqueles que só no governo do PT é que tem coisa errada.... se for, vou te dizer uma coisa que você pode até não concordar... NO GOVERNO DO PT NÃO TEM TAPETE, NEM GAVETAS.....e o PF significa não prato feito mas sim POLICIA FEDERAL....

    • Priscila Postado em 29/Jan/2015 às 08:44

      Esse negócio de "culpa do PT" já virou piada... Muita ignorância e paranoia...

  10. MARIA Postado em 29/Jan/2015 às 11:44

    "PARTIDO DO TRABALHADOR , NÃO SERIA PARA GARANTIR OS DIREITOS TRABALHISTAS? NÃO ESTOU ENTENDENDO O QUE A PRESIDENTA QUER FAZER COM O "NOVO PT" ! NÃO SE VENDA PRESIDENTA! VIVA GETÚLIO VARGAS!