Redação Pragmatismo
Compartilhar
Economia 30/Jan/2015 às 11:28
13
Comentários

O mundo todo quer saber o que pensa Nouriel Roubini, menos a mídia brasileira

Por que a mídia brasileira desprezou a visita de um economista mundialmente cultuado como Nouriel Roubini ao Brasil? Burrice coletiva, ou Roubini não está falando as coisas que as empresas jornalísticas gostam de ouvir e transmitir a seu público?

nouriel roubini brasil mídia brasileira
Nouriel Roubini (Foto: Moritz Hager)

Paulo Nogueira, DCM

Nouriel Roubini é o que existe de mais próximo em celebridade no campo dos economistas. Em Davos, poucos dias atrás, ele estava sempre cercado de jornalistas. Um vídeo em que ele fala sobre a economia americana com um jornalista da Bloomberg viralizou.

Todo mundo quer saber o que Noubini, iraniano radicado nos Estados Unidos, pensa. Por fortes razões. Credita-se a ele ter percebido, em primeiro lugar, o colapso econômico de 2008, do qual até hoje o mundo não se recuperou.

Tudo isto posto, Roubini esteve no Brasil, para uma palestra promovida ontem pelo banco Credite Suisse, e foi desprezado pela imprensa nacional, num momento em que só se fala de economia. Burrice coletiva? É sempre uma possibilidade, mas a explicação mais plausível para a mídia ignorar um economista com as credenciais mundialmente reconhecidas como Roubini é a seguinte.

Roubini não está falando as coisas que as empresas jornalísticas gostam de ouvir e transmitir a seu público – ou a suas vítimas, numa linguagem mais franca. No encontro oferecido pelo Credite Suisse, Roubini disse que vê com “otimismo cauteloso” o governo Dilma neste começo de segundo mandato.

Ora, mas não está tudo errado? O apocalipse não é uma questão de horas, conforme os donos da mídia e seus porta-vozes dizem, repetem, berram? Roubini rechaçou também comparações entre o caso brasileiro e o venezuelano. Não, disse ele, o Brasil não está se tornando uma república “bolivariana”, na acepção sinistra que a imprensa dá à palavra.

Gênios como Míriam Leitão, Carlos Sardenberg e Rodrigo Constantino – perto dos quais o que é Roubini? – monopolizam os microfones que são negados, no Brasil, a Roubini. Assim funciona a mídia brasileira. Você pega uma nulidade como Marco Antônio Villa e tenta transformá-lo em referência em política, economia, história e o que mais for. Você lhe dá espaço em jornais, revistas, tevês. Basta que ele diga as coisas que diz. É um entre múltiplos casos.

Roubini não serve – a não ser que preveja o colapso brasileiro. Aí você o verá nas páginas amarelas da Veja, no Roda Viva, nos programas da Globonews.

Do ponto de vista internacional, Roubini tem dito coisas abominadas pela mídia. Em Davos, ele disse que os Estados Unidos vivem um regime de plutocracia – o governo dos ricos – e não democracia.

Com as doações milionárias a políticos em campanhas, disse Roubini, os ricos americanos acabam influindo decisivamente nas leis O povo? O povo que se dane. Está aí, segundo ele, o principal fator do crescimento da desigualdade nos Estados Unidos.

Ele apoiou a intenção de Obama de taxar mais a plutocracia e diminuir a carga dos demais. No Brasil, a semelhança é desconcertante. As doações milionárias de empresas dão no que dão.

Para piorar, um ministro do STF, Gilmar Mendes, se julga no direito de segurar um projeto sobre o tema por um ano – sem dar satisfações a ninguém.

“Bolivarianamente”, ele usurpa funções legislativas que não lhe cabem. Gilmar Mendes chegou ao STF mediante um único voto: o de FHC. Tudo somado, é melhor esquecer que Roubini existe e está no país – pelo menos na ótica torta e viciada da mídia brasileira.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 30/Jan/2015 às 11:43

    "Roubini não serve – a não ser que preveja o colapso brasileiro. Aí você o verá nas páginas amarelas da Veja, no Roda Viva, nos programas da Globonews." Excelente colocação, faço minhas suas palavras Paulo Nogueira! Excelente observação.

    • wilson Postado em 02/Feb/2015 às 09:25

      idem .

    • Jefferson Michel Postado em 03/Feb/2015 às 03:09

      concordo com vocês

  2. Salomon Postado em 30/Jan/2015 às 12:34

    É este o resultado do monopólio da mídia no Brasil: um povo culturalmente desinformado.

  3. Deisi Postado em 30/Jan/2015 às 12:43

    Não é só monopólio, é sim má fé e oportunismo da mídia golpista brasileira, mas o que estou percebendo que parece que até a Dilma está acreditando no PIG.

  4. Junipero Postado em 31/Jan/2015 às 06:51

    Comentei uma vez e repito: certas coisas não se devem misturar ou confundir com poder politico, ou tentar fazer seu papel. O âmbito religioso e o jornalistico por exemplo, Emissoras de tv são empresas. não nos esqueçamos, e como tal precisam de margem de lucro. o que vende melhor? Do que falar para que saiamos bem? Esse método é velho e vem sendo usado a tempos pela mídia e nunca ninguém deu a minima. Mas agora todos querem saber de tudo, e aqueles que nos deveriam informar querem escolher o que mostrar.

  5. Victor Hugo Postado em 31/Jan/2015 às 16:37

    Está feia a coisa, hein? Comemorar dessa forma quando ele disse simplesmente que está "otimista cauteloso"? Contas públicas que não fecham, inflação galopante, disparada do dólar, austeridade fiscal, redução de direitos trabalhistas, crise na maior empresa com capital público do país, déficits primários e na balança comercial negativa record, tudo isso é invenção da mídia também?

    • Alex Sandro Postado em 01/Feb/2015 às 20:58

      Não sei aonde você viu comemoração ou a afirmação de que a mídia vem inventando coisas para criar todo esse alarde sobre a economia. Não, não está tudo bem, e não foi isso que ele afirmou ou que o texto propôs expressar. A questão apresentada aqui é um questionamento sobre a forma como mídia vêm tratando essas questões, dando a elas a cor que melhor atenda aos seus próprios interesses. O quadro pintado é a de um iminente apocalipse.

      • Robério Postado em 02/Feb/2015 às 09:42

        Estão desesperados! Na verdade, eu vi a notícia da visita do economista no u o l, isso é balela que a mídia não cobriu, o site da B B C Brasil fez até entrevista com ele. Se pesquisarem, na entrevista ele afirma que as medidas duras que estão sendo tomadas atualmente são absolutamente necessárias por causa incompetência e das irresponsabilidades do governo Dilma. Diz ainda que se a Dilma não der apoio ao Levy nas medidas impopulares e ceder, nossa economia pode implodir definitivamente. Por favor, usem a cabeça, entendo que esse site é partidário e recebe verba pública para existir, mas não é possível que os leitores não usem o cérebro e aceitem tudo o que escrever. É lamentável!

  6. andreza Postado em 31/Jan/2015 às 22:53

    Mostrei essa matéria para meu irmão, ele debochou da tal e do econosmista tão bem nomeado. Isso só demonstra o quanto a mídia brasileira anda criando um povo burro e cego que segue sem pensar. É incrivel como o jornal nacional, por exemplo, manipula diretamente a mente da nossa população, mas pena (para eles) que metade dela percebe e refuta isso enquanto a outra só observa e se aliena cada vez mais.

  7. neto Postado em 01/Feb/2015 às 15:32

    Observe-se que o Brasil deu de costas ao encontro de Davos como se estivesse isento das consequencias do que por foi dito, debatido e decidido ! Ele, nouriel, afirma "otimismo cauteloso" ! O maior investidor/clientes da midia brasileira é o proprio governo, seja ele o partido que for, entao, pelo raciocinio aqui apresentado, so fala o que o governo quer !

  8. Ricardo Postado em 02/Feb/2015 às 08:29

    A grande mídia dá bola para algum economista vindo ao Brasil ?!?!?! Agora um que fala algumas palavras de apoio de maneira cautelosa é uma grande vilão da Mídia que eles estão escondendo ?!?!?!? Dá um tempo... Claro, um economista em 100 que acha que cobrando mais dos ricos vai se corrigir as distorções do mundo deve estar certo... certo.

  9. George Postado em 02/Feb/2015 às 11:30

    essa é a realidade brasileira: manipulação de EMPRESAS de mídia. Desde 1950 os detentores dos meios de comunicação já sabiam da 'mina de ouro' que era o investimento em tv e a popularização da mesma. Hoje temos um grupo oligárquico que é capaz de mentir para ganhar dinheiro as custas de desinformação. A era da internet dá uma amenizada em grande parte das manipulações mas ainda é pouco, precisa-se de democracia e controle ECONÔMICO, não podemos ficar a mercê desse partido político stealth, vulgo 'mídia oligárquica'.