Redação Pragmatismo
Compartilhar
Cuba 06/Jan/2015 às 15:50
21
Comentários

Mortalidade infantil em Cuba é menor que nos EUA

Cuba mantém recorde e registra uma das menores taxas de mortalidade infantil do mundo. Dados superam os dos EUA e foram obtidos apesar do bloqueio que atinge a ilha caribenha

cuba mortalidade infantil eua
Cuba registra uma das menores taxas de mortalidade infantil do mundo. Índices são melhores que os dos EUA (divulgação)

Vanessa Martina Silva, Opera Mundi

Enquanto a Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) redefine a meta global, prevista para 2015, de reduzir a mortalidade infantil em um terço, adiando o objetivo por 11 anos, Cuba comemora uma das mais baixas taxas de morte de crianças menores de cinco anos do mundo. A cifra de 4,2 mortos por mil nascidos vivos foi alcançada no final de 2013 graças ao trabalho realizado pelas equipes de médicos e enfermeiras da família é a menor da história da ilha caribenha.

Os números são atribuídos pelo pediatra e chefe do departamento do Programa Materno Infantil do Ministério de Saúde Pública cubano, Roberto Álvarez Fumero, ao trabalho realizado ao longo de 2014 que generalizou o uso de progesterona a todas as gestantes com risco de parto prematuro e ao avanço na assistência às mulheres grávidas feita pelo programa de saúde estatal.

Hoje, entre as maiores causas de morte de crianças menores de um ano em Cuba estão doenças originadas no período pré-natal, defeitos congênitos e doenças genéticas, além das infecções.

Os dados são resultado do Sistema de Saúde cubano, afirma Fumero. Por meio do Programa Médico e Enfermeira da Família, mulheres grávidas de todo o país são acompanhadas em todas as etapas da gestação, explica. Também é realizado acompanhamento com assessores genéticos no atendimento primário à saúde, ressalta o médico.

Foi verificada ainda uma melhora na taxa de mortalidade materna. Há três anos não ocorrem mais do que 27 mortes de mulheres diretamente relacionadas à gravidez, parto ou pós-parto. Fumero ressalta que os resultados são decorrentes do resgate do atendimento primário.

O resultado coloca a ilha caribenha, que há mais de 50 anos resiste ao bloqueio econômico e comercial imposto pelos Estados Unidos e que atinge os setores médico e farmacêutico do país, como um dos países com melhor resultado neste quesito em todo o mundo, como confirmam os dados do Banco Mundial.

Dados do Banco Mundial

Apesar de apresentar números diferentes do divulgado pelo governo cubano, o Banco Mundial confirma os avanços da ilha. De acordo com o organismo internacional, em 2013, Cuba apresentou uma taxa de 6 mortos por mil nascidos vivos.

Desta forma, a ilha tem resultado superior a países desenvolvidos como os Estados Unidos, com 7 mortos a cada mil nascidos vivos; e ocupa a 40ª posição no ranking global à frente de países em desenvolvimento, como o Brasil, na 74ª posição (14/1000 nascidos vivos), Argentina 73ª posição (14/1000 nascidos vivos) e África do Sul, na 134 ª posição (44/1000 nascidos vivos).

Os dados verificados em 2013 fizeram a Unicef adiar a meta estipulada pela ONU de reduzir a mortalidade infantil em dois terços até o fim de 2015, em linha com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, estabelecidos em 2000.

Apesar de ter sido reduzida pela metade, a mortalidade infantil não atingiu a meta de 31 para cada mil nascidos vivos – o número era de 93 mortes/1000 em 1990 e hoje é de 45,6/1000. Desta forma, a meta foi fixada novamente para 2026.

Atualmente, 17 mil crianças abaixo dos cinco anos morrem todos os dias no mundo – 11,8 por minuto, de acordo com números divulgados recentemente pela Unicef.

VEJA TAMBÉM: Cuba é o melhor país da América Latina para ser mãe

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 06/Jan/2015 às 17:16

    "Vão morar em Cuba", dirão os reacionários (as) de plantão em 5 ... 4 ... 3 ... 2 ...

    • Silva Postado em 06/Jan/2015 às 19:09

      Cuba sempre foi referência em Saúde, mas isso não muda o fato de que o sistema ditatorial atrasou o desenvolvimento de outras áreas.

      • Thiago Teixeira Postado em 06/Jan/2015 às 20:05

        Sem dúvida.

      • rafa Postado em 10/Jan/2015 às 12:30

        não é o sistema q atrasou, e sim o embargo. uma ilhota, mesmo capitalista, q não possa trocar com o continente, não tem acesso a muitos minérios, etc.

      • rafa Postado em 10/Jan/2015 às 12:31

        pq serra, o rei da saude publica, nao se trata no sus?

    • Flávio Alimandro Postado em 13/Jan/2015 às 16:00

      Lá não tem liberdade de imprensa para falarem a verdade. Em países comunistas até unicórnio existe, por exemplo na Coreia do Norte...sem contar que na ilha presidio dos irmãos Castro o aborto é uma politica de estado amplamente exercitada...

  2. Vinicius Postado em 06/Jan/2015 às 18:37

    Quando o primordial não é o dinheiro o resultado é esse mesmo.

  3. José Ferreira Postado em 06/Jan/2015 às 23:51

    As crianças escapam, pois são muito novas para entrar no "paredón". Se fosse tão bom assim ninguém fugiria para outros lugares (não só Miami).

    • rafa Postado em 10/Jan/2015 às 12:32

      sempre tem quem nao goste. hoje pode-se sair livremente de lá

    • Franklin J. Alencar Postado em 10/Jan/2016 às 11:59

      Nos países periféricos do capitalismo, as crianças já morrem de subnutrição, mesmo sem "paredon".

  4. Cícero Postado em 07/Jan/2015 às 10:36

    Daí a explicação para o sucesso do Mais Médicos. http://www.pragmatismopolitico.com.br/2015/01/mortalidade-infantil-chega-zero-apos-mais-medicos-no-piaui.html

  5. poliana Postado em 07/Jan/2015 às 14:21

    Afff..sempre terão akeles fanaticos, cegos de tanto odio, q jamais reconhecerão qq merito do gov cubano! Impressionante!

    • Vinicius Postado em 08/Jan/2015 às 02:03

      Temos que ignora-los , esses "coxinhas" ficam dando showzinho aqui só para se aparecer.

  6. AQUINO Postado em 07/Jan/2015 às 14:41

    CONCORDO COM VOCÊ, CUBA RESISTIU O BLOQUEIO ECONÔMICO UTILIZANDO COMO PRINCIPAL ARMA , NÃO LETAL, A EDUCAÇÃO. PARABÉNS POVO CUBANO, VOCÊS MERECEM TODO MEU APREÇO, E SÓ NÃO VOU MORAR LÁ, PORQUE GOSTO MUITO DO MEU BRASIL, E ONDE CHEGO, TENHO ORGULHO DE DIZER QUE SOU BRASILEIRO, POIS NÃO TENHO NENHU MOTIVO DE ME ENVERGONHAR DE DIZER, POIS NÃO LEVO NA MINHA FORMAÇÃO O COMPLEXO DE VIRA LATA QUE MUITOS BRASILEIROS TEM.

  7. Luiz Mourão Postado em 07/Jan/2015 às 15:42

    Só fico com uma dúvida: se Cuba é tão BOA para seu povo, por que não abre eleições DIRETAS e LIVRES, supervisionadas pela comunidade internacional, e detona, de vez, essa má impressão que a ditadura fidelista passa para o mundo???? Não seria tudo, então, muito, MUITO mais fácil???? Aposto que todos os boicotes sumiriam... Regimes comunistas e socialistas já eram; a História o demonstra... DEMOCRACIA, com todos os seus defeitos, é o melhor sistema pois cada um de nós tem (latu sensu) poder de opinião... Se Lula ou Dilma fosse socialistas (a Internet tem coisa desse tipo), não teria votado neles...

    • rafa Postado em 10/Jan/2015 às 12:36

      viva lula

  8. rafa Postado em 10/Jan/2015 às 12:33

    vc precisa ler mais

  9. rafa Postado em 10/Jan/2015 às 12:34

    sao instituiçoes internacionais q informam

    • Victória Postado em 20/Jul/2015 às 20:43

      Não, não são. Quem dá os dados que são utilizados pelas instituições internacionais são os governos. É por isso, por exemplo, que as amostras do Ideb e do PISA no Brasil não incluem as escolas rurais (pode procurar), porque elas piorariam muito o resultado geral. Outros países também "trapaceiam" nas estatísticas: segundo a própria OMS, diversos países, por exemplo, não contam como mortalidade infantil crianças nascidas antes do terceiro trimestre, ainda que sobrevivam por alguns dias, considerando-as como abortos espontâneos, o que gera uma queda artificial de até 17 por cento.E isso não é só em países pobres não. Mesmo entre países ricos como Suécia, Holanda, Inglaterra e França há pequenas inconsistências. Ou seja, se mesmo em países democráticos, onde existe uma imprensa vigilante, ocorrem desvios estatísticos, imagine em uma ditadura?

  10. Flávio Alimandro Postado em 13/Jan/2015 às 16:02

    Perfeito!

  11. Nicolau Postado em 16/Aug/2015 às 17:25

    A vida e tão "boa" em Cuba, que fugiram 2 milhões de cubanos e fogem ainda quando podem para o "capitalismo" americano e nenhum americano fugiu para Cuba, como também nenhum vagabundo comunista do Brasil fugiu para Cuba! O ignorante da imbecilidade acima que escreveu sobre a merda socialista subdesenvolvida Cuba, não diz que nem os haitianos, vizinhos de Cuba vão para Cuba e sim, preferem vir para o Brasil para "sofrer" como masoquistas perversos no "capitalismo" brasileiro! Vai ser idiota assim no inferno!