Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mídia desonesta 09/Jan/2015 às 18:50
34
Comentários

Em crise, O Globo, Abril e Estado de Minas realizam faxina

Meios de comunicação que venderam o fim do Brasil estão morrendo antes dele. Demissões atingem centenas de trabalhadores. Sindicato dos Jornalistas divulga nota de repúdio: “trabalhadores são materiais descartáveis aos olhos dos empresários ávidos por mais lucros”

demissão o globo abril minas
Grupos da grande mídia estão demitindo em massa (Pragmatismo Político)

A semana que termina nesta sexta-feira escancarou a crise dos meios de comunicação brasileiros. Primeiro, foi a Abril, em São Paulo, quem entregou metade dos andares que ocupa e viu o busto do fundador Victor Civita ser removido. Em seguida, o Estado de Minas demitiu 11 profissionais experientes e foi repreendido pelo sindicato dos jornalistas por ter misturado jornalismo e política, de forma tão explícita. Agora, é o Globo que corta cerca de 160 profissionais. Entre os demitidos, está a editora-assistente do caderno Rio, Angelina Nunes, que trabalha em O Globo desde 1991. O colunista de Cultura Artur Xexéo também foi dispensado pela direção do jornal.

Há um ponto em comum entre esses três grupos editoriais. Todos, no último ano, adotaram o discurso de que o Brasil rumava para o caos. Engajados na campanha do senador Aécio Neves (PSDB-MG) à presidência da República, o que foi feito de forma explícita por Zeca Teixeira da Costa, diretor do Estado de Minas, esses veículos venderam a ideia de que a economia brasileira, mesmo com pleno emprego e inflação na meta (ainda que no topo), mais cedo ou mais tarde afundaria.

Tal discurso contaminou as expectativas empresariais, reduzindo investimentos. E os primeiros a sofrer foram os grupos de comunicação. Os patrões venderam o caos, mas os jornalistas e profissionais de outras áreas é que pagam o pato.

Sindicato dos Jornalistas repudia demissões

Em nota, o Sindicato dos Jornalistas ironizou os motivos alegados por O Globo para demitir. Ao contrário do que alega (otimização, revisão de processos, reestruturação) que, para o sindicato, são “eufemismos corporativos” que foram “usados pela Infoglobo para justificar demissões em série de jornalistas de O Globo“.

“Os cortes na redação causaram indignação e comoção em toda a categoria dos jornalistas profissionais do Rio por enviar o claro recado de que trabalhadores são materiais descartáveis aos olhos de empresários ávidos por mais lucro. As demissões atingiram desde repórteres com pouco tempo de casa até ‘medalhões’ da imprensa carioca, como colunistas e jornalistas premiados”, diz a nota do sindicato.

A seguir, confira a nota na íntegra:

Nota do Sindicato em repúdio às demissões em série na Infoglobo

Otimização, revisão de processos, reestruturação. Eufemismos corporativos foram usados pela Infoglobo para justificar demissões em série de jornalistas de ‘O Globo’ nesta quinta-feira (08/01). Os cortes na redação causaram profunda indignação e comoção em toda a categoria dos jornalistas profissionais do Rio por enviar o claro recado de que trabalhadores são materiais descartáveis aos olhos de empresários ávidos por mais lucro. As demissões atingiram desde repórteres com pouco tempo de casa até ‘medalhões’ da imprensa carioca, como colunistas e jornalistas premiados. O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro repudia as demissões promovidas pela Infoglobo e coloca-se à disposição de todos os jornalistas dispensados.

Ao Sindicato, a empresa negou que esteja em crise e tratou as demissões como uma ‘medida de otimização após a revisão de dos processos da empresa’. Essa revisão, ainda segundo a Infoglobo, ‘constatou que haviam diferentes unidades produzindo o mesmo tipo de trabalho’ e a necessidade de ‘um modelo de convergência’. A explicação, fria, vaga e tecnicista, só demonstra o lamentável descaso da Infoglobo com profissionais que dedicaram anos de sua vida ao sustento e ao crescimento do jornal. Indignada, a nossa diretoria cobrará mais explicações da empresa em reunião marcada para o início da semana que vem.

Além da frieza cruel ao tratar da dispensa de profissionais com lastro no jornalismo, a Infoglobo ainda promoveu um verdadeiro clima de terror em suas redações ao não comunicar os demais trabalhadores sobre os cortes – que também atingem outras áreas da empresa. O nosso setor jurídico analisa possíveis irregularidades cometidas pela empresa durante as demissões. O Sindicato fará ainda a fiscalização cerrada sobre as homologações para que nenhum direito deixe de ser compensado a esses jornalistas. Hoje é um dia triste para o jornalismo brasileiro.

Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro”

com Sindicato dos Jornalistas do RJ, 247 e Fórum

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. guess who i am Postado em 09/Jan/2015 às 19:38

    O capitalismo eh mara! Sempre o melhor caminho, hein!?

    • thiago Postado em 10/Jan/2015 às 14:03

      A única coisa que o socialismo consegue competi com o capitalismo, é a fabricações de armas bélicas, ou seja, capitalismo sempre será melhor, fato!

      • William Postado em 10/Jan/2015 às 14:21

        vc realmente nao sabe nada de socialismo

      • CHUMBO GROSSO Postado em 10/Jan/2015 às 18:10

        Então largue o celular e mais uma cacetada de coisas, pois muitas dessas invenções foram da URSS...estudar faz bem!

      • Jana Postado em 11/Jan/2015 às 10:39

        Os maiores produtores bélicos do mundo realmente são nações comunistas/socialistas tais quais Estados Unidos da América, Inglaterra...... Ótimo comentário Thiago. #sóquenão

    • Júnior Postado em 10/Jan/2015 às 14:19

      bom é socilismo e comunismo de cuba onde vc trabalha pro governo em troca de pão e água

      • rafa Postado em 11/Jan/2015 às 10:52

        desculpem, sindicato e jornalistas, mas Hoje é um dia MARAVILHOSO para o jornalismo brasileiro

      • Lucimar Mendes Postado em 11/Jan/2015 às 17:02

        onde o indice de analfabetismo é zero a saúde é ótima ten-se os melhores tratamentos realmente imbecil

  2. Victor Hugo Postado em 09/Jan/2015 às 20:11

    (Lamento se estiver duplicado). Gostava de ler PP. Leio para poder contrariar. Para mostrar que nem todos são fantoches. Ah, os hebdomadários morreram antes sim do Brasil, pelo simples fato de que o Brasil é o tronco e a classe empresária, as folhas. Logo logo a seca mata toda a árvore, estejam seguros.

    • elizabeth de andrade Postado em 09/Jan/2015 às 23:30

      comentário editado: As velhas mídias que conspiram o fim do Brasil ,vão cair uma a uma... Nós, povo guerreiro acostumados a dificuldades... não gostamos desse 'derrotismo', temos esperança e força pra seguir lutando... Queremos e teremos um país melhor! Quem não quer? Porque não quer? Os meios de comunicação que venderam o fim do Brasil estão morrendo antes dele.

      • Júnior Postado em 10/Jan/2015 às 14:25

        Estão todos morrendo o que vc me fala da volks mercedes e outras empresas que estao mandando embora ! E ter a mente muito pequena achar que empresas estão mandando embora por ter falado mau do governo

    • João Paulo Postado em 10/Jan/2015 às 02:49

      De fato, por vezes, o PP exagera. Mas ainda sim é uma importante fonte de informações, basta que saibamos filtrá-las. Eventualmente, leio um site que trata da bolha imobiliária e tem textos esclarecedores sobre o assunto, apesar de lá ser um antro do pior tipo de "direita". Quanto à matéria, a depender da situação, as dispensas globais pode ser consideradas como dispensa em massa. Se assim ocorrer, a Infobobo deveria ter negociado previamente com o sindicato da categoria, sob pena das demissões serem consideradas nulas judicialmente.

    • rafa Postado em 11/Jan/2015 às 10:55

      a classe empresária é a exploradora, a classe trabalhadora é a explorada. esses terrenos são dos índios. essas máquinas são dos negros. dos brancos veio a mentira.

  3. Vanderlei Postado em 09/Jan/2015 às 22:27

    Quem sabe agora esta empresa começa a fazer jornalismo de verdade..

  4. Geovani Postado em 09/Jan/2015 às 22:36

    Pleno emprego ....

  5. Samuel Alencar Postado em 10/Jan/2015 às 04:04

    Depois das intempéries vem a bonança!

  6. Dinio Postado em 10/Jan/2015 às 08:53

    O "sindicato" queria que a grobobo tratasse seus jornalistas com "carinho" e "respeito"...tá bom ...mas quando estes mesmos "profissionais" descambam asneiras e até inverdades em cima do governo petista e do próprio país, como vem acontecendo há muito tempo , o sindicato fica calado. Quer dizer, jornalista fazer "terrorismo" capitalista contra um governo e seu próprio país, a mando dos Barões da mídia e seus parceiros políticos PODE! Ser demitido pra cortar gastos -o que é natural no mercado- aí é contra a "liberdade de expressão... O Sindicato certamente vai lamentar se a Grobobo demitir "Alexandre Garcia, Willian Bonner e Mirian Leitão"...tadinhos né???

    • guess who i am Postado em 10/Jan/2015 às 11:09

      Ehhh..Capitalismo eh sempre a melhor opção, né? E vamo q vamo...assim caminha a humanidade.

      • junior Postado em 10/Jan/2015 às 14:30

        Melhor opção é trabalhar em cuba em troca de pão e água ou sendo medico cubano trabalhar no Brasil por 1000 reais e mandar o resto pro Fidel

    • Fabio Postado em 10/Jan/2015 às 13:42

      Dinio, os sindicatos tem como função defender a sua categoria, neste caso, os jornalistas. Não cabe ao sindicato intervir no trabalho dos jornalistas, concordando ou discordando do posicionamento político deles. Uma coisa nada tem a ver com a outra.

      • Vinicius Postado em 10/Jan/2015 às 23:55

        Quando eles não cumprem o trabalho com ética , cabe sim intervenção do sindicato.

    • Júnior Postado em 10/Jan/2015 às 14:28

      inverdades sobre o governo petista kkkkkkk ta bom "nem que vaca tussa irei mexer nos Direitos dos trabalhadores

      • rafa Postado em 11/Jan/2015 às 10:59

        nem tudo, mas a maior parte é de inverdades - para disfarçá-las.

      • Lucimar Mendes Postado em 11/Jan/2015 às 17:07

        e não mexeu,se vc fosse um pouco mais inteligente saberia q direitos trabalhistas não foram modificados e sim direitos previdenciários,pois tem muito vagabundo se aproveitando para tirar vantagem .Primeiro informe-se depois poste algum comentário com um minimo de coerencia.

  7. Raphael Postado em 10/Jan/2015 às 14:14

    Eu acho é pouco. Só descansarei quando ver esse lixo de empresa fechar as portas.

  8. andre Postado em 10/Jan/2015 às 14:40

    Acabou ditadura e PSDB acabou mama tá dessas empresas!

  9. Thiago Teixeira Postado em 10/Jan/2015 às 16:07

    Demitidos por incompetência: "PT ganhou pela 4° vez consecutiva." Ficou quem lutou e luta até hoje para desestabilizar o país com claro intuito de aumentar audiências. País feliz e empregado, não compra jornal e nem assististe noticiários chatos, vai a um restaurante com a família.

  10. Antonio Postado em 10/Jan/2015 às 20:22

    Não só lá a comunicação social toda esta febril , precisa ser reinventada . As pessoas ficam 10 15 anos em um Jornal e param de estudar . Só espero que nesta leva alguns Gênio midiáticos reencontrem o caminho da divisão do Pão e esqueçam, as panelinha familiares. Como alguns cadernos de O globo (Prosa)na hora de suas pautas.

  11. Lucimar Mendes Postado em 11/Jan/2015 às 17:09

    kkkkkkkkkkkkkk ridiculo idiota totalmente fora da realidade kkkk morro de rir de gente burra igual a vc,kkkk

  12. Pedroza Postado em 11/Jan/2015 às 18:15

    Empresa nao pode demitir? Nao tem como demitir com carinho. A indignaçao e valida mas exagerar no discurso mata a credibilidade de quem fala.

  13. Luiz Parussolo Postado em 11/Jan/2015 às 18:24

    DD. Senador Ronaldo Caiado. Sei da revolta dos sangue azul português brasileiro sempre regados a vinho francês, caviar e roubalheiras. com razão estão revoltados principalmente por seus entes intermediários e até concorrentes ter sido comprados pelos seus concorrentes farofeiros, o que nunca passava pelo estômago da direita. Tentei postar uma opinião sem nenhuma ofensa extravagante a ninguém e não foi aceita. Vou falar coisa bastante séria: As armas de combate ao inimigo deve ser equivalente quanto ao poderio e estratégia, mas proporcional aos seus conhecimentos e desígnios e inversamente proporcional aos interesses e vocações. Foi o que ocorreu, existia um sistema feudal, corrupto e vagabundo dominante que jamais a razão e o bom senso destronaria, só um poder paralelo sem dignidade e escrúpulos como aquele poderia prevalecer. E foi o que ocorreu, vagabundos farofeiros vencendo e subjugando vagabundos regados a vinho e caviar. Agora a coisa pegou. Mas pegou mais ainda para o território brasileiro porque antes suportava uma unidade proscrita, pária, perversa, irracional e utilitarista e agora suporta as duas unidades dos mesmos perfis apenas de objetivos e ideias diferentes. O Brasil está condenado.

  14. Luiz Parussolo Postado em 11/Jan/2015 às 18:25

    Matéria excelente, porém dizer que é uma inovação nova e restrita somente às renomadas licitações e compras e ainda restrita aos empreendimentos da construção, do comércio e da indústria é temerário. Desconhecia o conceito jurídico do "bid rigging" para a estrutura das licitações e compras públicas, no entanto com o advento do neo liberalismo as fraudes foram aperfeiçoadas para esse modelo universalizado. Na matéria parece-me descartada a participação dos poderes, das instituições de políticos e servidores. Propomos a inclusão da estrutura pública na prática conspiratória onde somente os grupos líderes determinados e outros que venham a ser por eles indicados concorrem facilitando a blindagem dos esquemas e as propinas, as comissões e os favores disso derivado escondendo os rastros investigatórios. Considerando União, Estados e Municípios e todos os Poderes e Instituições. Mas, vamos caminhar. Esse procedimento é aplicado genericamente em todos os segmentos e todas as práticas da vida econômica e profissional capitalistas no país? Suponhamos os poderes das irmandades em confrarias. Nessas entidades os confrades não se opõe mesmo em delitos graves e defende-se mutuamente mesmo sabendo que o irmão e familiares são desonestos incompetentes, causam danos e até vitimam. Três pontinhos ou um símbolo de confrarias num pedido, num processo judicial ou administrativo são presenças físicas em tribunais; em ministérios; nos palácios de governadores estaduais e municipais, na presidência da república; nas instituições da administração indireta etc; um e-mail, um telefonema, um contato presencial etc., todos são preferenciais e urgentes com benefícios assegurados. Nos entrepostos de abastecimentos, nos escritórios de exportadores e importadores (portos, por exemplo) bem como corretores o livre acesso aos processos empresariais dependem de vínculos com confrarias ou corporações de expressão oligarca para negociar e empreender sem obstáculos. Nas administrações bem como nas atividades de execução de instituições públicas, saúde, educação, fiscalização, controle, departamentos, secretarias etc.onde não são exigidos concursos públicos o domínio é dos confrades e seus agregados. Nas administrações revezam-se, ganham enormes proventos em detrimentos dos trabalhadores, além de possuírem suas próprias atividades empresarial, funcional ou liberal, só para comparecer e chancelar sem nenhum perfil e espírito para seus exercícios. Também comum nas entidades civis formadas no interesse de empresas e empreendedores para submeter trabalhadores e desafortunados. Uma das exigências constitucionais no país para todos que exercem mandatos, funções, investiduras, cargos e demais, direta ou indireta e os três poderes deveria ser terminantemente proibido a vinculação a confrarias, Maçonaria, Lions, Rotary, Illuminati etc. sob pena de exoneração. Alegações que não existe dependência e submissão são mentirosas e os prejuízos às instituições e à nação são ilimitados. Também quando existe pendências envolvendo confrade seus irmãos devem ser evitados nas contratações. As corporações e associações civis de classe e de empresários e produtores e sindicatos genéricos, considerados as empresas midiáticas e seus integrantes, inclusive jornalistas, integrantes: Também todos empreendimentos com fins lucrativos com poderes de governo e de império, principalmente os dos monopólios e das atividades cultas e liberais. Os grandes lobbies é desnecessário comentar seu poder de governo e império, tomando todo o espaço econômico fértil em seus monopólios, oligopólios, latifúndios, mega produtores, comércios, prestações de serviços envolvendo todos os poderes e instituições, além das instituições privadas e confrarias. As corporações de produtores e empresários e cooperativas das camadas feudais fora da alta nobreza imperial possuem domínios principalmente devido às afinidades e interdependência com os poderosos acima e operam em perfeita conexão e irmandade excluindo os desafetos e sacrificando também a livre iniciativa, trabalhadores e consumidores e os investimentos necessários do país, como todos os sistemas em cartel e bid rigging. As corporações de classe das altas funções do poder público inviabilizam quaisquer iniciativas de fiscalização, punição, moralização e legalização do sistema público geral em seu império também fortemente corporativo e medieval. A OAB finge que defende o país e a sociedade e no entanto joga toda sua sujeira debaixo do tapete, como todo complexo judicial e investigativo nacional. A competência das seccionais nas condutas dos advogados condena o controle dos atos ilícitos e negligentes/inaptos. Advogados da mesma jurisdição julgando advogados. Aliás, não só advogados, médicos, engenheiros, juízes, servidores públicos etc. Difícil conceber que alguém da mesma atividade ou função possa cumprir fielmente as normas disciplinares e punitivas contra seu concorrente ou colega de função até porque formará um ambiente de perseguições e vinganças entre grupos solidários que poderão levar a consequências indesejáveis no próprio meio. Ocorrem prejuízos irreparáveis de um lado, mortes e invalidez de outro como se passa sobre um gato de rua - certos profissionais -, irregularidades em fundações, cartéis e, pela definição bid rigging, corporações de juízes, procuradores da AGU, advogados, serventuários, servidores de autarquias e departamentos públicos, médicos, enfermeiros, delegados, policiais e burguesia. O restante, um resto sofrido mais necessário para manutenção dos cartéis e bid rigging, sem esse restolho não opera resultados e imperialismo. Conchavos entre juízes, advogados e procuradores eu mesmo sou uma das vítimas aqui na pequena comarca em que resido e em Brasília e esse corporativismo cartelizado é facínora e acaba com tudo que é seu, tua família, te joga na rua e também mata através da ação e da tortura mental e física e você não encontra eco em suas reclamações e o jornalismo e a imprensa nem tomam conhecimento por interagir no interesse cartelizado. Outra inovação célebre consiste na autonomia dos juízes ordinários e das instituições públicas diretas e indiretas e seus procuradores descumprirem decisões de desembargadores, constituição e leis, em virtude das interpretações pessoais convictas dissidentes louvados na liberdade de entendimento antagônico e sustentados pelo suporte oferecido por presidentes de tribunais, corporações classistas, confrarias, poder econômico, secretarias e ministérios e gabinetes de governadores e presidência, asseguram fontes informadas. Não é só no Poder Judiciário, também corriqueiro em hospitais e postos de saúde. A coação moral e mental nas instituições públicas e na iniciativa privada também é outra fonte de destruição da dignidade e da estrutura psíquica e física de trabalhadores. Quanto a imunização de delitos de autoridades e das elites é outra realidade insofismável até com fraudes em perícia, por exemplo, para descaracterizar ação com morte de quase família inteira com arruinamento dos que ficaram além dos traumas insuperáveis, sem nenhum socorro e auxílio, atribuindo a ação delituosa ao paciente vitimado e morto e não sofrendo nenhuma sanção e punição, continuando em suas atribuições regularmente. Um dos fatos reais citado entre infinitos. No contexto este é o país que acreditam democrático, solidário, sensato, dinâmico, trabalhador, cumpridor de uma certa Constituição e de um tal de ordenamento jurídico e dos contratos e convenções, bem como uma nação que ama irretratavelmente seu país e não abdica de suas obrigações cidadãs de jeito nenhum como foi até antes de 1930 o que graças a Deus conseguimos reconquistar ao derrubarmos o intruso Regime Militar em 1985. Na verdade o dia que o Brasil conseguir ser auto suficiente e independente como nação, usando um termo antigo, galinha ganhará dentes e maxilares, acredito. Quanto aos militares, se num povo evoluído e de procedência racional, talvez seriam condecorados e entronizados. Tendo assumido o Brasil, sendo disputado pelos oligarcas querendo a oligopolização e o retorno à aristocracia rural e escravocrata e os comunistas buscando um modelo bolchevique pleno; contando com um país agrário, atrasado, analfabeto e dominado pelas correntes elitistas e idealistas materialistas e utilitaristas; quase sem infraestrutura; esgoto era a casinha com fossa chamada privada; chuveiro quando existia era um tambor com um aparato todo furado com pregos e pendurado a uma corda; papel higiênico eram sabugos, folhas ou alguns nem usavam; absorventes para os incômodos das mulheres paninhos retirados de sacos de açúcar; luz, lamparinas e lampiões a querosene; sistema meteorológico constituído por adivinhos e experientes; ginecologista, a parteira; contrato, a tradição e os costumes; nota fiscal, a declaração verbal; contabilidade, o caderninho de anotações e o lápis; soma e subtração bem como cubicar e medidas de área e pesos, o dedo e a areia. Duvidam, busquem os que ainda existem e a história verídica sem inovações jornalísticas e políticas forjadas. Revolucionaram o sistema capitalista, todo o sistema produtivo, industrializaram, modernizaram, transformaram o homem do mato em cidadão esclarecido e cosmopolita, técnicos eficientes e empresários; produtores agropecuários potenciais; abundância de infraestruturas, escolas, hospitais, pesquisas, áreas de lazer, transportes; elevaram o país, antes selvagem mundialmente e sem conceito econômico e social, entre os 8 maiores do mundo. Contaram com ministros civis, alguns entreguistas, senadores, deputados, diretores de instituições, outros poderes que denegriram e grande parte das elites empreendedora para corromper tendo nas autoridades civis a sustentação, mas edificaram um país capitalistas de oportunidades para muitos. Esse país de até então não servia aos verdadeiros donos dele e teve que ser destruído para consolidação do verdadeiro modelo nacional e cá estamos nós de novo no agronegócio, na matéria prima, na exploração, venda e contrabando das riquezas naturais, especulando, fraudando, vivendo do erário e dos recursos alheios e comprando e admirando os grandes produtos estrangeiros e seus conhecimentos. A verdadeira concepção de burguesia pária e massa rebanho, marcado, feliz e saciado.

  15. testemunha binocular Postado em 12/Jan/2015 às 11:04

    Os demitidos deveriam ser unir e fundar um novo veículo. RJ,SP, MG... Na rede sai mais barato.

  16. Walter Postado em 14/Jan/2015 às 12:23

    A culpa é do PT que esta usando o dinheiro da publicidade inútil em programas sociais que tiram o pobre da extrema miséria para uma vida mais digna odeio este PT.