Mailson Ramos
Colunista
Compartilhar
Política 31/Dec/2014 às 17:55
3
Comentários

Política não se discute?

Política é a essência das relações inter-humanas. Mesmo quando estas relações parecem afetadas pela contrariedade de opiniões. A contrariedade é factível, ou melhor, é intransigente nas relações políticas.

Mailson Ramos*

Política não se discute. Esta afirmativa é tão repetitiva e entranhada no imaginário popular brasileiro quanto aquela que diz: política e religião não se discute. Evidente que a frase expressa uma rejeição ao debate, ao conflito e à discussão. Estes três conceitos são mal vistos pela turbulência gerada dos seus diversos significados. Mas quando o conceito de ideia é aplicado a eles, temos então uma nova visualização do que é debater, conflitar e discutir a política. Porque então tudo será definido no campo das ideias, da ideologia, do entendimento que absorvo dos adversários e do que os repele de mim.

Política é a essência das relações inter-humanas. Mesmo quando estas relações parecem afetadas pela contrariedade de opiniões. A contrariedade é factível, ou melhor, é intransigente nas relações políticas. Não significa que o debate seja feito sempre de maneira acirrada e incontestável por cada parte. Então surge a possibilidade mais um conceito formador da identidade política de um sujeito: o diálogo. A comunicação é essencial na política. Saber explorar ideias e ater-se à coordenação dos fatos define uma característica elementar do bom político.

Leia aqui todos os textos de Mailson Ramos

Vivemos numa sociedade onde a diminuição das necessidades dos cidadãos está atrelada a diretrizes definidas por políticas institucionalizadas pelos poderes do Estado. O Estado provém ao cidadão as melhorias das condições de vida através de políticas quase sempre condicionadas pelos acordos, diálogos e definições dos políticos com a sociedade. Muitas vezes esta relação se torna desgastada pelas constantes recriações negativas da imagem do homem público. E se desgasta ainda mais pela constatação de que a negatividade é sempre originada de denúncias verdadeiras de corrupção, entre outras mazelas.

Mas mesmo a corrupção, a falta de decoro e os esquemas de lavagem devem ser debatidos não com a pequenez dos desejos partidários. A política abrange muito mais aspectos do que uma simples legenda, homens públicos ou desejos unificados de uma bancada. Desta maneira tem se tornado mesquinha aos olhos da população porque não se consegue interpretar a grandeza dos gestos, a firmeza de ideologias populares e não populistas, o cerne social e não capitalista das políticas públicas.

Para além deste discurso inaugural do site Nossa Política, uma reflexão superficial sobre se devemos ou não discutir sobre política. Devemos discutir como se discute futebol, religião, sociedade. Porque somente assim a história pode resguardar um futuro brilhante para o Brasil e todos os seus filhos. Que tenhamos a capacidade de mostrar aos nossos compatriotas que política é discutível no campo das ideias e inclusive no campo das ações. E que é digno ver um jovem escolher seus candidatos, brigar por suas propostas, discuti-las e abrigar sob seu senso uma ideologia voltada ao diálogo.

Dialogar e sentir-se pertencente à política, a minha, a sua, a nossa política.

*Mailson Ramos é escritor, profissional de Relações Públicas e autor do blog Nossa Política. Escreve semanalmente para Pragmatismo Político.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Iolanda Postado em 01/Jan/2015 às 11:31

    Política se discute e muito até para entendermos a "politicagem" que é nojenta! Penso que os políticos de modo geral, deveriam pensar mais realisticamente e fazer acontecer seus objetivos positivos com honestidade. Honestidade é uma palavra quase em desuso no meio político. É preciso atitudes honestas entre eles para a gente não ter vergonha de escolher para votar! Foi difícil a eleição de 2014. Confio ainda na Presidenta Dilma e espero dela um governo coerente com seus objetivos.

  2. Vinicius Postado em 02/Jan/2015 às 02:23

    É possível se discutir política, mas com pessoas coerentes, respeitosas, sem extremismo e infantilidades. As eleições de 2014 foram muito desgastantes porque imperava a falta de respeito, extremismo e a infantilidade. Jornalistas antiéticos, a classe médica desrespeitosa, além de ter vindo a tona todo tipo de preconceito como homofobia ,elitismo,xenofobia,racismo, machismo. As próximas eleições creio que serão mais desgastantes. Mas esse desgaste só tende a aumentar apesar de já vermos que as consequências não são nada boas.

    • Thiago Teixeira Postado em 02/Jan/2015 às 20:14

      A direita elitista e a extrema esquerda não sabem e nunca estarão dispostos a argumentar, eles só sabem agredir e desmerecer quem se afasta do padrão deles.