Nicolas Chernavsky
Colaborador(a)
Compartilhar
Política 10/Dec/2014 às 14:26
6
Comentários

Passada a eleição, como fazer política na nossa vida diária?

Milhões de pessoas participaram intensamente das discussões da campanha eleitoral; e agora, como quem não ganha para fazer política pode continuar a fazer política?

 fazer politica vida diaria

Nicolas Chernavsky*

Durante a campanha eleitoral, milhões de pessoas no Brasil se lançaram às redes sociais e às ruas para participar da disputa de ideias, sem receber por esta atitude dinheiro dos candidatos, candidatas e partidos que defendiam em discussões com a família, amigos e conhecidos. Como além dessa atividade política durante a eleição essas milhões de pessoas tinham que se dedicar também a suas atividades profissionais, agora, passada a eleição, a intensidade de sua atividade política também diminuiu muito. Existe a impressão de que, agora, a política volta a ser protagonizada basicamente por quem recebe salário pra isso, sejam políticos eleitos, funcionários estatais de alto escalão, assessores, funcionários de partidos ou mesmo jornalistas políticos dos meios de comunicação que podem pagar por esse trabalho.

Mas e as milhões de pessoas que participaram muito ativamente na campanha eleitoral?

Não haveria alguma forma de, mesmo não recebendo dinheiro para fazer política, continuarem a influenciar o ambiente político nacional e mundial?

Sim, há. Claro que não na mesma intensidade que ocorreu durante a campanha eleitoral, que foi um esforço concentrado. Mas na nossa vida diária, temos muitas oportunidades de nos comportarmos politicamente ativos. E mais: algumas dessas atitudes, se tomadas de forma massiva, são até mais influentes do que as atitudes daqueles que ganham dinheiro para fazer política. Claro que um grupo não substitui o outro, ou seja, é preciso que haja quem ganhe dinheiro para fazer política, mas também é preciso que haja quem faça política sem ganhar dinheiro. Como?

Em primeiro lugar, é muito importante escolher bem nossas fontes de informação. Existe no Brasil uma estrutura montada especialmente durante a ditadura militar (que durou de 1964 até os últimos anos da década de 1980), que se refere a concessões e redes de televisão e rádio, e também aos meios de comunicação escritos que a ditadura permitiu que continuassem existindo. Tendo consciência dessa estrutura, fica mais fácil perceber seu intenso conservadorismo, havendo então a alternativa de procurar fontes de informação mais progressistas. Nesse contexto, apesar de haver alguns meios de comunicação fora da Internet relativamente progressistas, a Internet, pela facilidade, variedade e baixo custo de acesso, apresenta uma extraordinária alternativa para quem quiser procurar meios de comunicação que possam apresentar uma visão de mundo muito mais realista. Com isso, os usuários desses meios de comunicação da Internet podem usar as redes sociais para participar da vida política do país e do mundo, e não só compartilhando conteúdo dos meios de comunicação, mas também produzindo conteúdo e análise.

Leia aqui todos os textos de Nicolas Chernavsky

Que outra forma há para este tipo de participação política? A economia e o trabalho diário. Todo mundo, basicamente, precisa de dinheiro para viver. Assim, não há como fugir da necessidade de ganhá-lo. A forma como o ganhamos tem uma considerável influência política, que é especialmente grande para atitudes tomadas em massa. Assim, na hora de escolher um emprego ou uma atividade econômica autônoma, podemos levar em conta os efeitos que isso traz para a sociedade em geral. Por exemplo, podemos prestar atenção às consequências das atividades das empresas às quais prestamos serviços, seja como empregados ou como fornecedores. Se trabalhamos para uma empresa ou com uma empresa, estamos ajudando a que ela chegue aos seus objetivos. Precisamos assumir nossa cota de responsabilidade por isso.

Uma atitude análoga a essa, quanto a ganhar dinheiro, pode ser tomada quanto a gastar dinheiro, ou seja, quando somos consumidores. Quando damos dinheiro a uma empresa ou uma pessoa por um serviço ou produto, também estamos ajudando-as a chegar a seus objetivos, e também precisamos assumir nossa cota de responsabilidade por isso. Assim, entre ir a uma lanchonete que paga salários extremamente baixos e ir a uma que paga um pouco melhor, podemos escolher esta última, desde que os preços não sejam exageradamente altos. No prédio em que moramos, podemos escolher que o condomínio não pague salário mínimo para o pessoal da limpeza, e sim pelo menos um pouco mais (o que a reunião de condôminos permitir) e o fato do serviço ser terceirizado não é desculpa, pois supostamente é possível negociar com a empresa terceirizada. Ao abrir a conta em um banco, podemos conseguir não achar que é tudo igual, mas perceber as diferenças, às vezes pequenas, é verdade, mas reais, que justificariam ser cliente de um ou outro banco, levando em conta atitudes políticas e econômicas que estes bancos tomaram inclusive durante a campanha eleitoral, ou até mesmo em períodos ditatoriais do país. O mesmo vale para empresas de telecomunicação ou montadoras de carros, por exemplo. Afinal de contas, se a empresa teve um determinado comportamento político e econômico, uma pessoa se tornar cliente dela significa contribuir para que ela chegue a seus objetivos. As pessoas, quando são consumidoras, devem então assumir sua parte de responsabilidade em que as empresas atinjam esses objetivos, que muitas vezes são inclusive políticos.

Enfim, estes são apenas alguns exemplos de que a política é também algo do dia a dia, inclusive das nossas relações econômicas como pessoas. Tomar consciência de que as escolhas que fazemos quanto ao nosso trabalho, as nossas finanças e quanto aos meios de comunicação que usamos também têm influência política ajuda a que, agora que as eleições passaram, continuemos a influenciar a política da forma que podemos, do local em que estamos na estrutura comunicacional e produtiva. Da mesma forma, perceber que lugar ocupam na estrutura econômica os meios de comunicação fora da Internet nos ajuda a perceber que é exatamente na Internet que se localiza a maior janela para a livre troca de ideias e a circulação da informação com a mínima influência possível de filtros ligados a interesses conservadores.

*Nicolas Chernavsky é jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP), editor do Cultura Política e colaborador do Pragmatismo Político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 11/Dec/2014 às 22:15

    Aos reacionários de plantão restam entrar nos sites de esquerda e travar um bate-boca, para se sentirem realizados e com seus deveres cívicos de defensores da moral e dos bons costumes, em dia.

    • eu daqui Postado em 12/Dec/2014 às 12:33

      E aos oportunovitimistas de plantão nem isso restará quando a direita retornar ao poder com a mesma fúria com que a esquerda o abusou.

  2. Eduardo Postado em 11/Dec/2014 às 23:58

    Simples e claro com água potável, não aquela de volume morto, temos que continuar a fazer o mesmo que fizemos, se trabalhamos para ajudar eleger aqueles em quem confiamos temos obrigação cidadã de ajudar a estes e também aqueles que foram eleitos mesmo contra nossa vontade, desde que seu trabalho seja em prol de todos e para o bem de todos. Política é sinônimo de participação popular sempre, reivindicando, reclamando, dando sugestões(mesmo que não ouvidas servem para demonstrar que estamos ligados) e acima de tudo os conselhos existentes, são foruns políticos de importância grandiosa, visto que todos defendem uma fatia do que interessa a sociedade, por exemplo: O Conselho da Merenda Escolar..... você sabe o que seu filho(a) come nas escolas, o Governo Federal repassa recursos para que haja merenda de qualidade, sabe quem tem que fiscaliza-la..... os pais e os professores, sociedade e governo através daquele conselho....a não atuação dele gera o que a mídia mais gosta notícias de desvios e crianças comendo pão com mortadela todos os dias, alimentos vencidos etc... Em suma não se para de fazer política nunca, só quando morre, pois nunca é um tempo inalcansável.

  3. Eduardo Postado em 12/Dec/2014 às 14:50

    me exclua do seu adjetivo, se você se sente assim fique para você, não vivo apenas de criticar e ver o lado sombrio das coisas, tenho confiança que um dia poderemos ter uma vida melhor, e aos poucos e graças a poucos estamos começando a ter, não é negando tudo que existe no país é que iremos melhora-lo. Eu não sou marginal e nem me sinto assim, generalizar é ofender a quem esta do outro lado.

  4. Roberto Pedroso Postado em 16/Dec/2014 às 11:56

    Desmerecer o modelo democrático,acreditar que o estado democrático de direito está em total regime de falência e'a forma mais asquerosa e imbecilizada de se eximir de suas responsabilidades enquanto individuo e cidadão ,aos que ainda não sabem(ou não entendem) o regime democrático lida com a crise de forma constate e é justamente através da superação das crises que o regime democrático se aprimora se refina, juntamente com as instituições e acaba por assim se fortalecer,pois o regime democrático não é perfeito mas é o melhor dentro todos os modelos políticos sociais já criados.Estamos em uma era em que o ignorante politico está sendo substituído pelo ignorante apolítico que se apresenta com um verniz pueril de ridículo niilismo infantiloide ignorante.

  5. Roberto pedroso Postado em 18/Dec/2014 às 09:42

    Retificando o regime democrático é o melhor "dentre todos os modelos políticos sociais já criados."