Redação Pragmatismo
Compartilhar
Saúde 20/Nov/2014 às 17:25
49
Comentários

Turista grávida tem bebê por acaso nos EUA e recebe a conta: R$ 2,4 milhões

Após parto inesperado durante as férias nos EUA, casal de turistas recebe a conta: R$ 2,4 milhões. Episódio reacende discussão sobre mercantilismo da medicina privada

turista canadá dar luz filho eua
Turista teve que dar à luz nos EUA por causa de infecção urinária (Imagem: Pragmatismo Político)

A classe média deslumbrada, que quer comprar enxoval de bebê nos EUA – como os juízes que reclamam de não poder comprar ternos em Miami – deveria prestar atenção no terrível episódio envolvendo a turista canadense Jennifer Huculak-Kimmel e ver aonde a gula da medicina privada pode chegar. As informações são da CBC News e do Daily Mail.

Jennifer, grávida, viajou com o marido para passear no Havaí. Prudente, fez um seguro-saúde com a empresa Blue Cross.

Por acaso – e possivelmente por uma infecção urinária contraída durante a gravidez – ocorreu um inesperado estouro de bolsa e ela teve de fazer um parto prematuro.

Até aí, algo infelizmente não muito raro e perigoso para mãe e bebê.

Mas o “original” veio depois, quando recebeu a conta da internação que, como é comum quando o prematuro tem muitos problemas, durou dois meses.

A “notinha” era de “apenas” US$ 950 mil, ou R$ 2,4 milhões.

E, claro, o tal seguro saúde não a cobriu, alegando que não fez seguro para a criança.

Deixando de lado o drama pessoal da mãe e de sua criança, é o caso de perguntar que tipo de sistema de saúde é este?

Mercantilismo total. Extorsão sobre uma criança e uma mãe fragilizados.

É isso o que queremos para o Brasil?

Mesmo para quem pode pagar – e paga, bem caro – por um parto, ainda mais numa situação de emergência, será que podemos deixar que a saúde e a vida das pessoas sejam submetidas a isso?

Claro que uma UTI neonatal é cara, mas chegar-se ao ponto de cobrar R$ 40 mil por diária?

Pesquisem e vejam como a coisa anda por aqui. Não chega a isso, claro, mas não vai ser difícil achar preços de R$ 4 ou 5 mil por dia, sem contar a equipe de médicos…

Um sistema de saúde que chega a isso não é de saúde, mas de completa doença social.

Será que isso não escandaliza os nossos médicos, que sabem que estes valores são subsidiados pelos contribuintes, pois despesas médicas são dedutíveis no Imposto de Renda?

É fácil chamar de escravos os médicos cubanos que vêm trabalhar por salários modestos. Difícil é chamar de mercenários quem faz coisas como estas com um criança recém-nascida, prematura, em sério risco de morte.

Podem achar que são deuses. Mas os que fazem isso só podem mesmo ser demônios.

Fernando Brito, Tijolaço

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Selton Postado em 20/Nov/2014 às 17:53

    Nós, assim como os norte-americanos, temos essa concepção de que o Welfare states é esse demônio que suga todo o nosso dinheiro; que política assistencialista é "pagar para pobre não trabalhar." Se essa mulher tivesse parido a criança em um hospital britânico ou alemão, ao invés de pagar alguma coisa, receberia dinheiro para ir a casa ( como mostra o excelente documentário SICKO), pois os ingleses e alemãs não precisam se preocupar com plano de saúde, escolas, etc. Precisa-se de um serviço mais...humano!

    • Tânia Rosa F. Cascaes Postado em 21/Nov/2014 às 11:24

      Pode ser que nos Estados Unidos seja assim, ou melhor, sabemos que é. Mas existe um outro país europeu que fica à sua frente. É a Suiça, conheci e convivi com Suiços e a gana deles por dinheiro é igual à dos Americanos, ou melhor é maior porque é em EUROS....

      • Luiza Postado em 21/Nov/2014 às 11:57

        Pelo visto vc não conviveu tanto assim com suíços, afinal, a moeda lá nem mesmo é o Euro, e sim o Franco Suíço...

      • Nuno Cruz Postado em 21/Nov/2014 às 12:06

        Suiça euros!???? também la estive e só vi francos.

      • Lopes Postado em 21/Nov/2014 às 12:11

        Errado. A moeda da Suíça é o franco suíço (CHF) que vale uns 20% menos que o Euro.

      • Mateus Souza Postado em 21/Nov/2014 às 14:04

        A suíça não adota o euro, a moeda lá é o franco suíço.

      • Marcos de Abreu Postado em 21/Nov/2014 às 15:14

        Quando estive na Suiça meu amigo suiço me convidou para ajudá-lo a colocar umas plaquinhas por baixo das câmeras em um túnel. Fiquei feliz por ter sido convidado e feliz por ter ajudado. No final do serviço ele me deu um bom dinheiro. Agradeci e fui à Alemanha dar um passeio. Não esperava ser retribuido mas fui. Não esperava mas fui. Será que são tão gananciosos assim, ou será que valorizam o trabalho?

      • Marlus Postado em 21/Nov/2014 às 21:31

        Então você generaliza toda a população de um país baseada em sua experiência pessoal de convivência com uma pequena parcela. Isso dá uma tese de Doutorado, viu?

    • Rafaela Postado em 21/Nov/2014 às 11:36

      Na verdade, na Alemanha todo residente (alemão ou estrangeiro) precisa ter plano de saúde. Existe o plano de saúde público (que é o que a maioria das pessoas tem) e o privado (só quem tem renda acima de um determinado valor pode optar pelo privado). Em geral tu não precisas pagar nada além (mas o valor que se paga por mês não é baixo). Mas no caso de alguém que esteja passeando, como no caso do casal, provavelmente eles teriam o mesmo problema (eles teriam feito o mesmo seguro que foi feito pra irem pros EUA e só cobriria a mãe).

    • Selton Postado em 23/Nov/2014 às 22:54

      Senhor Marlus, não sou provinciano como bem pensa. Apenas, nos meus 18 anos de vida, eliminando-se 10 de ignorância política, vejo nós, sim, seja abertamente ou no âmago, repetindo as declarações que fiz no meu comentário anterior. E quando falo no âmago, não é que eu seja Deus para saber o que cada um sente, mas observo as ações de muitos essa reflexão individualista. Agora, se o senhor assim não o faz nem pensa, quando eu fizer a minha tese de doutorado, valer-me-ei de pessoas como o senhor.

    • Meghan Postado em 24/Nov/2014 às 14:25

      Selton, a America do norte inclui o Canadá e o Mexico. Acredito que você quis dizer os Estadunidenses pois existem GRANDES diferencias entre as sistemas de saúde do Canadá e dos Estados Unidos, por exemplo. Notável é que no Canadá o sistema de saúde é unica e público e ninguém paga para fazer um parto. Paga, é claro com impostos, mas não existe o mercantilismo como nos Estados Unidos. Não generaliza!

  2. Stephanny Figueiredo Postado em 20/Nov/2014 às 18:34

    Gostaria muito de acreditar que a culpa disso é da administração do hospital. Mas até aqui tudo bem...tem gente que gosta de viver na ilusão. Difícil, é ver um médico doando este valor à família. Isso não acontece. Parafraseando a matéria: " É fácil chamar de escravos os médicos cubanos que vêm trabalhar por salários modestos. Difícil é chamar de mercenários quem faz coisas como estas..."

  3. Gabriel Postado em 21/Nov/2014 às 01:07

    Minha filha, quando nasceu, ficou 30 dias internada. O plano da minha esposa cobriu tudo, mas duvido que fosse mais de 1.500, 1.700 reais por dia. Esse hospital é muito do safado, isso sim.

    • João Romano Postado em 21/Nov/2014 às 11:07

      EUA é isso.

  4. Salomon Postado em 21/Nov/2014 às 01:16

    Já estive algumas vezes no paraíso do capitalismo. Lá tudo é dinheiro. Até para dar informação os fdp's cobram. Nos "esteites" você vale quanto pesa. Para os yankees, os seres humanos são uma cifra. Nada mais que isso. Só pensam em dinheiro. Kant dizia que "as coisas têm preço, as pessoas têm dignidade". Lá as pessoas são coisas, mercadorias, objeto. Essa é a lógica do capitalismo selvagem. O Brasil tem que tomar cuidado com isso. Aqui em Belo Horizonte, por exemplo, um ingresso para assistir à final da Copa do Brasil, entre Cruzeiro e Atlético, no Mineirão, está custando entre R$ 1000,00 e R$ 2.000,00. Efeito da privatização dos estádios. Ou seja, a classe média não tem mais acesso ao mais popular dos esportes. É o Deus Mercado. O que se quer é o lucro a todo o custo. Se o candidato dos coxinhas ganhasse, iriam privatizar a saúde pública, a educação pública, a polícia, o exército, o judiciário, a agua, o ar, o cacete a quatro... E salve-se quem puder. Ou quem tiver.

    • eu daqui Postado em 21/Nov/2014 às 10:16

      Nunca estive ali e acredito em seu testemunho mas tenho aqui depoimentos diferentes do seu: nos EUA se valoriza muito mais o cara trabalhador e legalista. Quem é produtivo e honesto por lá é muito mais respeitado do que por aqui. E na Alemanha mais ainda. Como já disse, nunca estive em nenhum dos dois nem a passeio e nem tenho vontade: é o que gente que morou ou mora por lá me fala.

      • Tiago Postado em 21/Nov/2014 às 11:05

        Eu morei durante 10 meses nos Estados Unidos e concordo com tudo que o Salomon escreveu em relação aos EUA. Aliás, um dia um amigo meu precisou ir ao hospital na terra do tio Sam e mandaram pra ele uma conta bem salgada pra pagar.

      • neuza Palaro Postado em 21/Nov/2014 às 11:25

        Uma amiga minha morou lá. Precisou de médico e foi atendida. A conta vem depois e é bem salgada. A única coisa é, se não pode pagar à vista parcelam, mas que paga caro, paga.

    • jogma Postado em 21/Nov/2014 às 11:05

      falou tudo Salomon. Mas alguém infelizmente está preocupado com Kant?? nada disso, dinheiro pra cá, e você se dane pra lá. Queria saber onde esse mundo vai parar. pobres humanos...

      • Maria Postado em 21/Nov/2014 às 12:19

        Vc esqueceu de complementar, dizendo que ele faz um acordo com o governo e paga como puder. E.....se ele precisar ser atendido em seguida, será muito bem atendido, mesmo sem ter pago a primeira conta. Lá, quem trabalha e e cumpridor dos seus deveres, tem muito mais que aqui e por preços assustadoramente menores! Vc e trabalhador, honesto, vc e um cidadão com crédito para casa própria, carro, etc....

    • Felipe Postado em 21/Nov/2014 às 11:24

      Desnecessário é arbitrário o comentário sobre o preço do Ingresso da Final da Copa do Brasil. Deve-se levar em conta que há uma manipulação deste preço para o jogo no Mineirão em retaliação à realização do primeiro jogo no Estádio Independência, que não provê segurança para a presença de duas torcidas em jogo de tamanha rivalidade. Mas concordo que os Ingressos em jogos normais no Mineirão, custando entre R$100 a R$200 para não-sócios (no caso dos torcedores Celestes) é abusivo, e essa realidade nasceu das ridículas imposições da Fifa e da herança nefasta da Copa do Mundo.

  5. Danila Postado em 21/Nov/2014 às 10:49

    O que me assusta, de fato, é ver nossa "medicina" caminhando para isso. Tive um filho em 2013, e desde sempre minha vontade era de parto natural. Durante os 9 meses de gestação fui pressionada pelo "sistema" para fazer uma cesariana. Mudei de obstetra 2 vezes por conta disso. Porém para garantir meu tão sonhado parto natural, sem intervenções desnecessárias... eu percebi que precisaria pagar. Não há médicos que façam isso pelo plano de saúde, e muito menos pelo SUS. Eles querem apressar o parto aplicando ocitocina sintética. Afinal... quanto mais rápido, mais partos por dia = mais dinheiro na conta. Por isso a taxa de cesariana no nosso país é absurdamente maior que o indicado pela OMS. Os médicos só pensam em quantos partos conseguem fazer por dia. Não estão preocupados com o risco 3 x maior da cesárea em relação ao normal. Tempo é dinheiro. Como eu não pude pagar nequela ocasião, o parto não foi totalmente como eu queria. O médico estava muito longe de ser humanizado. Mas não me renti à uma cesariana desnecessária.

    • adriano Postado em 21/Nov/2014 às 12:21

      Querida. Vc não tem . obrigação em saber disso. Mas parto normal . em . serviço particular é arriscado para a mãe e feto já que os hospitais não disponibilizam os equipamentos mínimos para garantir um parto normal com a segurança que as normas Brasileiras determinam. Sei que tem gente safada em todos os setores. Mas em geral o médico queria te proteger de riscos e cumprir as normas. Claro que em tese o parto normal é natural, mas lembre se, se a coisa fosse tão natural, normal e segura assim, vc teria escolhido parir em casa com uma parteira... Não se engane há muitos interesses escusos para induzir a opinião publica no Brasil a condenar a classe médica. Não se engane! No fim das contas que vai cuidar de vc é um lascado desses que estudou no mínimo 10 anos +somados ao medio e fundamental, que apesar de estar sendo tratado assim. Resistirá e lhe vai assistir quando vc prescisar. Recebendo bem ou não.

      • Danila Postado em 21/Nov/2014 às 15:21

        Eu tenho sim obrigação de saber. Por isso fui atrás, e vou até hoje em busca de informação com embasamento científico. Então vc quer dizer que para um parto normal é necessários mais equipamentos que para cesarea? Me desculpa, mas para parir a mulher só precisa de acompanhamento capacitado. E como vc mesmo diz... pode até ser uma parteira... e em casa. Mas isso também está ficando muito caro. Mesmo assim estou pensando nessa hipótese numa próxima gravidez. Agora eu q te digo adriano, não se engane!!! Não é a opinião pública que está querendo condenar a classe médica. Esses profissionais estão fazendo isso por si só. Se o cara acha pouco o q ganha do plano de saúde pra fazer um atendimento, então não se credencie ao plano. Ele tem essa opção. É um favor pra ele... e pra mim que sou usuária e quero meus direitos respeitados... e um bom atendimento!

    • Mateus Souza Postado em 21/Nov/2014 às 14:10

      "Eles querem apressar o parto aplicando ocitocina sintética. Afinal... quanto mais rápido, mais partos por dia = mais dinheiro na conta. Por isso a taxa de cesariana no nosso país é absurdamente maior que o indicado pela OMS. Os médicos só pensam em quantos partos conseguem fazer por dia. Não estão preocupados com o risco 3 x maior da cesárea em relação ao normal." Que relato triste, é muito triste como gente que a profissão teoricamente é a preocupação com a vida e a saúde de outro ser humano pode agir assim... Eu torço pra que esse tipo de pessoa, e aquelas daquela comunidade no facebook que rodou as páginas de notícias com médicos coagindo pacientes a votar no Aécio não seja a maioria, mas mesmo se for minoria é claramente minoria de tamanho expressivo, gente egoísta e objetivamente má.

  6. Flavio Postado em 21/Nov/2014 às 11:10

    "O mercado é auto-regulável"... Uhum...

  7. Eduardo G. Postado em 21/Nov/2014 às 11:23

    "A classe média deslumbrada, que quer comprar enxoval de bebê nos EUA... deveria prestar atenção no terrível episódio envolvendo a turista canadense Jennifer Huculak-Kimmel e ver aonde a gula da medicina privada pode chegar." Só eu não entendi a ligação entre a classe média "deslumbrada" e o episódio? Se as pessoas vão comprar enxoval nos EUA é porque mesmo com passagem, alimentação e acomodação o preço das coisas sai mais barato.

    • Sertão Postado em 24/Nov/2014 às 17:10

      Só sai mais barato porque a política deles é tributar a renda, e não o consumo. O genial desse sistema é que, tributando a renda, têm como tributar os dividendos que os acionistas recebem das remessas de lucros das filiais das empresas no estrangeiro. Com toda admiração que merece uma nação que conquistou seu lugar ao sol com tanto afinco (sangue, suor e lágrimas), no fim dessa mecânica bem bolada a verdade é que eles só podem ter um padrão de vida com tanto consumo graças ao suor de muita gente pelo mundo inteiro. E só conseguem que o mundo todo sue por eles porque têm um padrão de vida elevado. Explico: na guerra da propaganda eles exibem um padrão de consumo elevado, e isso faz que as pessoas ao redor do mundo queira ser igual a eles, e para isso compramos os produtos deles, para nos sentirmos parecidos com os "vencedores".

  8. Tiago Mota Postado em 21/Nov/2014 às 11:54

    Passei uma manhã num hospital em Juneau (Alaska, EUA) fazendo exames por causa de uma paralisia facial que tive. Fiquei mais ou menos das 9h até as 13:30h no hospital... Não fiz nenhum tratamento e nem recebi nenhuma medicação lá. Só fiz exames de sangue e escaneamento do cérebro e nervos do rosto. Recebi uma explicação detalhada do médico sobre o problema e uma receita pra comprar os remédios na farmácia. A conta por isso? Singelos U$2.980,00

    • Caio Graco Postado em 22/Nov/2014 às 14:54

      Quaracos!!!!!

  9. Deisi Postado em 21/Nov/2014 às 12:24

    A terra do capitalismo funciona desta forma, o dono do prédio onde me encontro em Blumenau morou durante cinco anos nos Estados Unidos, só veio embora por um problema grave de saúde, voltou para o Brasil. Porque lá funciona assim, você é atendido e recebe a conta, tem que pagar de acordo com sua renda mesmo que demore sua vida inteira, se não conseguir pagar e morrer antes, algum membro da família tem que continuar pagando. Aqui em Blumenau tem um hospital que é referência em transplantes, tudo é custeado pelo SUS, inclusive medicação de alto custo, para transplantado. Meu esposo foi submetido ao transplante em setembro, tudo correu muito bem, estamos prestes à voltar para casa depois de um ano. Nesse período que estou aqui, chegou um empresário que esteve nos Estados Unidos para fazer transplante não conseguiu, gastou mais de um milhão de reais sem sucesso foi aqui que fez pelo SUS, poderia ter economizado uma grana, se procurasse informações no Brasil sobre esse procedimento. Mas o brasileiro acha que tudo lá fora é melhor, acredito que por preconceito e falta de informações. A legislação de transplantes no Brasil é bem democrática, pois não pode ser nem particular e nem através de plano de saúde. Aqui em um dia um médico foi transplantado em outro um pintor de paredes e em outro um morador de rua. São mais de 1700 transplantes realizados desde de 2002, o tempo de espera e de seis meses a um ano, já em São Paulo o tempo mínimo é de três anos, muitos morrem antes por não aguentar esperar.

    • sara Postado em 21/Nov/2014 às 13:18

      E AINDA RECLAMAM DO SUS.

    • Danila Postado em 21/Nov/2014 às 16:13

      Deise que bom seria se todos os processos do SUS fossem democráticos com o do transplante né?! É bom vermos exemplos que funcionam bem, nos faz lembrar que é possível!!

      • Deisi Postado em 21/Nov/2014 às 16:32

        Verdade Danila é possível sim, também serei eternamente grata ao SUS pela gratuidade dos medicamentos imunossupressores que evitam a rejeição, são de alto custo, média de 8 mil reais mensais, se não fosse fornecidos pelo Ministério da saúde, o sucesso do transplante era impossível, pois a medicação deve ser tomada durante toda vida. Meu filho que tem esclerose múltipla também recebe medicação de alto custo, são 6 mil mês.

  10. joao Postado em 21/Nov/2014 às 15:37

    A classe média deslumbrada? Por que tanta mágoa no coração pra começar um texto assim? Não seja tão rancoroso.

    • Sertão Postado em 24/Nov/2014 às 17:12

      Perdão, mas não vejo rancor aí, senão desilusão em relação a quem tem os meios (educação, acesso à cultura, etc) mas não é capaz de sonhar mais alto que o consumir como razão de viver ...

  11. PJ Artmanha Postado em 21/Nov/2014 às 16:58

    Que texto idiota, comparações esdrúxulas.

    • Rocken Postado em 21/Nov/2014 às 21:27

      e aqui no Brasil um mesmo serviço no particular sair 10 vezes mais caro que o pelo plano de saúde é uma comparação boa ou idiota? da uma pesquisada ai, saúde tem que ser totalmente regulada pelo estado seguidor do grande Mises

  12. Marc Postado em 21/Nov/2014 às 18:53

    Com todo respeito aos nosso médicos são um bando de mercenários !

    • Sertão Postado em 24/Nov/2014 às 17:14

      Acredito que nossos médicos são como o resto de nós: vão até onde lhes dão liberdade. São tão egoístas e rentistas quanto qualquer um de nós, com a diferença de que, sendo pouca a concorrência, eles podem ir mais longe em sua ganância que o resto de nós. E viva as leis de mercado!

  13. Inalda Paz Postado em 21/Nov/2014 às 20:03

    Acho que o pessoal não entendeu a questão da "classe média deslumbrada". Muitos casais grávidos viajam aos isteites para comprar enxoval baratinho. Conheço alguns exemplos. Acontece que, assim como a canadense que se deu mal, qualquer mulher gravida pode ter de, inesperadamente, passar por situação similar. O seguro saúde que ela fez lhe negou cobertura. Isso, lamentavelmente, é bastante comum nesse ramo: quando a conta fica salgada, a seguradora move mundos, fundos e advogados para não honrar seu compromisso. Como nos isteites conta médica sempre é salgada, a viajante grávida corre risco de ficar desamparada e endividada para todo o sempre.

  14. Andre Postado em 21/Nov/2014 às 20:56

    Bom, quanto a isso só tenho uma coisa a dizer... Não existe almoço grátis! Se quem usa não paga a conta, alguém vai pagar... Simples assim, é fato! Não digo que o sistema de saúde americano é perfeito, muito longe disso... Mas certamente, dentro das regras que eles tem, funciona muito melhor que o nosso que prevê cobertura universal e não entrega nem o básico! Dizer que trazer médicos de fora resolve o problema, é no mínimo preguiça mental, ou então cretinice mesmo.

    • Sertão Postado em 24/Nov/2014 às 17:24

      Minha cretinice é tamanha que acredito nas máximas do "laissez faire" e do maravilhoso liberalismo do mundo capitalista: preço é questão de oferta x procura, a chamada "lei de mercado". Daí que, se faltam médicos, o preço sobe. Se são trazidos médicos de fora, o preço baixa. Cretino assim. Mas minha cretinice vai além. Veja o curso de "Direito"; quantos jovens inteligentes, que seriam excelentes engenheiros, pesquisadores, desenvolvedores de tecnologias, foram atraídos nas décadas passadas para o Direito atrás do maravilhoso concurso público (com rendimentos que muitas vezes chegam, somando os penduricalhos, a R$ 85.000,00/mês, sem falar nos procuradores de Fazendas Estaduais ou Municipais, cujo rendimento absurdamente não tem limites!!!). Da mesma forma na medicina. Quantos jovens inteligentes preferem ser médicos por causa da renda de R$ 50.000,00, mas que, se não fosse essa distorção remuneratória, poderiam ter sido atraídos por outras áreas, como o sanitarismo, o que ajudaria muito mais o país. Com efeito, mais do que de médicos, o Brasil precisa mesmo é de SAÚDE!

  15. Rafael Postado em 22/Nov/2014 às 04:59

    Caracoles! Desse jeito é melhor ter o filho de cócoras e cortar o cordão umbilical com os dentes. Acho que o homem das cavernas tinha mais dignidade do que o homem no sistema capitalista americano.

  16. Thiago Postado em 22/Nov/2014 às 09:25

    Acontece que lá todos os profissionais são bem remunerados, do medico ao auxiliar de limpeza. SERVIÇOS nos EUA são caros, e por isso todos são obrigados a ter plano de saúde. Se o articulista acha que os valores cobrados são "pura ganância", investigue: acesse os valores dos procedimentos, descubra a conta, e veja qual a parcela de lucro real de um hospital nos EUA.

  17. carla abreu Postado em 22/Nov/2014 às 14:51

    Esse valor nao e pelo servico prestado pelo medico mas pelo gasto com medicacao, uti, etc. O medico e um trabalhador e como qualquer outro merece ser remunerado e bem pelo seu servico, como qualquer pessoa. O que se deve discutir sao os outros insumos que entram nessa conta como disse gasto com o internamento, medicacao, exames Quanto custa por exemplo um exame de sangue, um dia na uti, o que se paga eh compativel com valor devido e, com uma margem de remuneracao razoavel pelo servico, o medico nao lucra com isso. Uma coisa e a remuneracao do medico, outra, bem diferente, e custo com o internamento no hospital.

  18. Miguel Postado em 23/Nov/2014 às 22:27

    O pessoal dos comentários esqueceu de falar do lucro dos empresários. Ora, se a saúde é privada, então em todo hospital há um grupo de empresários que é dono do hospital. Então, é claro que ele vai querer seu lucro. A principal estratégia desse grupo é permanecer invisível para que ninguém perceba sua presença e que não seja alvo de críticas. Mas todo hospital particular tem pelo menos um empresário que é o dono. Esse é o risco de privatizar a saúde. A conta fica cada vez mais salgada, de acordo com a sede pelo dinheiro do empresariado.

  19. Marco Antônio Fabrini Postado em 24/Nov/2014 às 10:10

    Vc critica os médicos, chamando-os de mercenários, como se o alto preço da medicina privada se devesse a eles! Saiba que menos de 5% do custo da medicina se deve a honorários médicos! O que pesa principalmente são medicamentos, insumos, exames complementares e diárias de UTI! E aqui no Brasil, ainda temos a opção do SUS, que bem ou mal, atende todo mundo de graça, até estrangeiros e turistas sem seguros!

  20. Maya Postado em 24/Nov/2014 às 11:06

    Qualquer mulher (estrangeira ou nao, pobre ou rica) que estiver de parto poder ir a cualquer um hospital nos EUA (privado u nao) e o hospital esta na obligacao de atender ela e ao bebe, sem importar se ela esta no pais legal o nao. O hospital vai mandar a conta sempre, mas nao tem muito recurso para fazer a pessoa pagar (isto eu sei porque ja vi mais de uma vez em casos inclusive mais graves do que parto). Ainda bem... se essa mulher fosse classe media e cidada americana ai ja era... eh alguma coisa vai ter que pagar. Como eu viajo muito, meus filhos tem precisado de ir ao medico em varios paises, incluindo o Canada. O dr em Canada cobrou de mim muito mais do que a minha pediatra no Upper East Side. O hospital holandes que nos admitiu en Aruba cobro da gente ANTES de entrar. Eu concordo que o sistema americano, inclusive depois de Obamacare, eh vergonhoso, o estado dos hospitais que atendem a veteranos da guerra eh um horror, a diferencia de preco eh um absurdo, o numero de testes que ele ordenam, a intensidade das intervenções eh por ai vai, mais esta historia nao ilustra isso muito bem e eh de fato pura propaganda. Alem do mais, tambem tem o equivalente de SUS nos EUA, cuanto vai cobrar Brazil por fazer um procedimento num turista estranjeiro?