Redação Pragmatismo
Compartilhar
EUA 04/Nov/2014 às 18:30
3
Comentários

As propagandas políticas bizarras dos EUA

Não é só no Brasil que vemos peças de propaganda política grotescas em períodos eleitorais. A campanha para as eleições legislativas dos EUA apresentou alguns anúncios bizarros

eleições eua candidatos bizarros
Candidatos recorrem a propagandas políticas ‘bizarras’ nos EUA (Pragmatismo Político)

A campanha para as eleições legislativas americanas desta terça-feira inclui uma boa dose de personagens, propostas e, principalmente, anúncios inusitados.

Uma das propagandas eleitorais mais comentadas da disputa é a da candidata republicana ao Senado em Iowa, Joni Ernst.

O anúncio intercala imagens de Ernst e de suínos, com direito ao som de grunhidos, enquanto a candidata diz que cresceu em uma fazenda, está acostumada a castrar porcos e, no Congresso, saberá cortar gastos.

Ela encerra o anúncio afirmando: “Washington está cheia de gastadores. Vamos fazê-los guinchar”.

O anúncio, lançado em março, foi considerado “bizarro” até por republicanos, mas parece ter surtido efeito. Apenas nos primeiros três dias, ele foi visto 400 mil vezes no YouTube, e o bordão conquistou o público.

VEJA TAMBÉM: Candidatos brasileiros viram piada em programa de TV dos EUA

Ernst ganhou a indicação republicana nas primárias e, segundo pesquisas de intenção de voto, deve bater o adversário democrata, Bruce Braley, na votação desta terça-feira.

Armas

Ao contrário de Ernst, o candidato Bob Quast, que também concorre ao Senado por Iowa, não pertence a nenhum dos grandes partidos nem tem chance de se eleger.

Mesmo assim, Quast conquistou alguns minutos de fama com um vídeo lançado em abril no qual aparece empunhando uma arma e deixando claro o que fará com quem ameaçar sua família – sua irmã foi assassinada pelo marido em 1999.

“Se você é o predador sexual e sociopata que assassinou minha irmã Lynette e vier à minha porta fazer mal às minhas filhas, eu vou usar a minha (pistola) Glock para estourar as suas bolas”, diz o candidato, sorrindo para a câmera, enquanto faz sua defesa do porte de armas.

Quast também faz menção ao anúncio de Ernst em seu vídeo: “Por favor, não me confunda com a candidata republicana de Iowa ao Senado”, diz Quast, enquanto empunha uma faca e mostra a imagem de um porco.

Disfunção erétil

Outro anúncio que virou notícia, apesar de não ter necessariamente beneficiado seu autor, foi o de J. D. Winteregg, candidato apoiado pelo movimento conservador Tea Party.

Em sua mal-sucedida tentativa de vencer o presidente da Câmara dos Representantes, John Boehner, nas primárias que escolheriam o candidato do Partido Republicano em Ohio, Winteregg apostou em um vídeo inspirado em propagandas de medicamentos como Viagra ou Cialis.

Diante de várias imagens de casais se divertindo, o narrador insinua que Boehner sofre de disfunção erétil.

“Pode ser uma questão de fluxo sanguíneo. Às vezes, quando um político está em Washington há tempo demais, sobe a sua cabeça e ele simplesmente não consegue fazer seu trabalho”, diz o narrador.

O anúncio ainda tenta fazer um trocadilho entre o sobrenome do adversário e o termo em inglês para descrever uma ereção: “Se você tiver um Boehner durante mais de 23 anos (tempo em que o presidente da Câmara é deputado), busque um médico imediatamente”.

Além de perder a primária, Winteregg também acabou perdendo o emprego de professor em uma universidade cristã por causa do anúncio.

Silêncio

Eleito por alguns republicanos como o pior anúncio da campanha, o vídeo estrelado por Terry Lynn Land, candidata do partido ao Senado por Michigan, é marcado por um longo silêncio.

Falando diretamente ao espectador, Land rebate acusações de seu adversário democrata sobre sua oposição ao aborto.

“Gary Peters e seus camaradas querem que você acredite que estou travando uma guerra contra as mulheres. É mesmo? Pense nisso por um minuto”, diz a candidata, para em seguida ficar em silêncio por vários segundos, enquanto toma uma xícara de café e olha para o relógio.

Segundo as pesquisas, Land está 15 pontos atrás de Peters.

No Estado de Virginia Ocidental, a candidata ao Senado pelo Partido Democrata, Natalie Tennant, foi além na estratégia do silêncio.

Em um dos anúncios de sua campanha, de quase dois minutos, o vídeo mostra imagens de Tennant e sua família, sem nenhum diálogo, legenda ou narração.

BBC

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Luiza Postado em 04/Nov/2014 às 19:14

    Tem mais um pra lista: https://www.youtube.com/watch?v=hLPv7p-6er0

    • stella Postado em 05/Nov/2014 às 22:13

      hahahahahahahaha não creio...

  2. Ninguém Postado em 05/Nov/2014 às 09:16

    Acredito que a candidata ao Senado por Iowa, que usa porcos em sua campanha, está fazendo uma referência a um tipo de política (pork barrel) adotada por muitos congressistas, que consiste em se apropriar de gastos governamentais (do governo federal) para beneficiar principalmente sua base eleitoral. Ao falar que cresceu numa fazenda e sabe castrar porcos, está dizendo que vai cortar as asas de congressistas que usam e abusam do "pork barrel".