Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 06/Nov/2014 às 12:12
122
Comentários

Professor universitário debocha de negros e cotistas em sala de aula

Professor da UFES disse que cotistas são “pretos, pobres, sem cultura, sem leitura e analfabetos funcionais” e afirmou ainda que “detestaria ser atendido por um médico ou advogado negro”

professor ufes racismo
Estudantes protestam contra professor da Ufes Manoel Luiz Malaguti [esq] – Pragmatismo Político (Foto: Fernando Madeira e Dayana Souza)

Marcos Sacramento, DCM

Estudantes da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) denunciaram um professor por manifestar racismo durante uma aula da turma do 2º período do curso de Ciências Sociais.

Professor do Departamento de Economia, Manoel Luiz Malaguti cravou que “o nível da educação está tão baixo que o professor não precisa se qualificar mais para dar aula, já que a maioria dos cotistas são negros, pobres, sem cultura e sem leitura, são analfabetos funcionais”.

Ainda afirmou que “detestaria ser atendido por um médico ou advogado negro”. Um dos que presenciaram a explanação racista foi João Victor Santos, de 20 anos, cotista pelos critérios de raça e renda.

“Ele foi questionado por um aluno sobre o valor do trabalho de um professor, se era justo, e aproveitou a deixa para falar de educação. Ele aproveitou para fazer uma crítica ao sistema e falar que a ingressão de cotistas na universidade diminuiu o nível da universidade”, disse João Victor.

O discurso durou aproximadamente uma hora e foi concluído com a afirmação de que ele “detestaria ser atendido por um médico ou advogado negro”. No começo da aula havia cerca de 20 pessoas, mas à medida que o professor falava os alunos foram se retirando, alguns nervosos e chorando.

Os estudantes registraram uma queixa na ouvidoria da universidade e fizeram uma manifestação exigindo punição.

Primeiro desembargador negro do Espírito Santo, Willian Silva ofereceu representação criminal ao Ministério Público Federal. “Sinto-me com a dignidade e o decoro ofendidos na condição de jurista negro, proveniente de família pobre, advogado atuante por vários anos antes do ingresso na carreira da magistratura, e hoje o primeiro desembargador negro capixaba”, falou.

Doutor em Teoria Econômica pela Universidade de Picardie, na França, Malaguti é professor da Ufes desde 1995. Em entrevista ao portal Gazeta Online, ele se defendeu.

“No meio de uma discussão sobre cotas e o sistema educacional, eu coloquei que se eu tivesse que escolher entre dois médicos, um branco e um negro, com o mesmo currículo, eu escolheria o branco. Por que que eu escolheria o branco? Os negros, em média, vêm de sociedades, de comunidades menos privilegiadas, para a gente não usar um termo mais forte, e nesse sentido eles não têm uma socialização primária na família que os tornem receptivos aos trâmites da universidade, à forma de atuação da universidade, aos objetivos da universidade. Eles têm muito mais dificuldades para acompanhar determinadas exposições. Eu não acho que é uma visão preconceituosa, acho que é bastante realista”, disse.

“Então eu dei o exemplo do médico, mas não nesses termos que eu detestaria, nunca falaria algo parecido. Eu diria simplesmente e reafirmo que dois médicos com o mesmo currículo, com a mesma experiência, só que um negro e um branco, em função da possibilidade estatística desse médico branco ter tido uma formação mais preciosa, mais cultivada, eu escolheria um médico branco. Mas como um exemplo do que a sociedade faz.”

O discurso é ainda mais pérfido por vir do servidor de uma instituição de ensino pública. A opinião de Malaguti mostra que o ingresso na universidade é só uma das muitas barreiras que os alunos cotistas enfrentam no decorrer do curso.

João Victor participa de um grupo que pesquisa o preconceito sofrido por cotistas na Ufes. Ele disse que há relatos de professores que dividem a turma entre não cotistas e cotistas, chegando ao absurdo de dar aulas em dias diferentes para cada grupo, e lembra que há outras formas de discriminação mais difíceis de detectar. É comum, por exemplo, acontecer confraternizações entre os alunos e os cotistas não serem convidados.

A Ufes passou a adotar o sistema de cotas sociais em 2008 e desde 2013 adota também as cotas raciais.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Ezequiel Postado em 06/Nov/2014 às 13:03

    "em função da possibilidade estatística"" Imbecil

    • marlene moura Postado em 06/Nov/2014 às 13:28

      Revoltante! Está faltando educação religiosa na vida desse professor. Com certeza ele não foi educado como deveria ter sido. Respeite o teu próximo como a ti mesmo.

      • Patricia Tavares Postado em 06/Nov/2014 às 14:06

        Educacão religiosa??? Visão preconceituosa quanto a dele!

      • Camila Teles Postado em 06/Nov/2014 às 14:15

        Educação religiosa não, pois ela é um câncer e gera indivíduos ignorantes e preconceituosos.

      • Joicelaura Postado em 06/Nov/2014 às 14:24

        Para vc ver ele fala que as pessoas brancas tem acesso melhor a educação pela família, , mas ele mesmo é um exemplo da falta de educação social que temos nas famílias ensinar para seus filhos que todos temos as mesmas capacidades e a condição de cor de pele ou status social não interfere no intelecto nem na capacidade de aprendizagem.

      • Prof. João Marcos Carrera Postado em 06/Nov/2014 às 15:18

        Que este anencéfalo não sabe o que é amor ao próximo, eu concordo. Contudo pedir educação religiosa para alguém é uma aberração jurídica pois vivemos em um "Estado Laico" , intelectual já que se limita a encontrar respeito e amor apenas na religião, e moral pois impõe valores pessoais como sendo universais. Como disse o comentário da Patricia Tavares... "Visão tão preconceituosa quanto a dele". Quando você pede educação religiosa para um racista, de qual religião você está falando? Daquela que apoiou a escravidão? Daquela que pregava a inexistência de alma nos negros? Ou daquela que encobre os crimes cometidos por seus sacerdotes ????

      • Jô Estela Postado em 06/Nov/2014 às 16:50

        Não generalizemos, educação religiosa pautada nos verdadeiros valores como amor e respeito só fazem bem ao individuo e suas relações. Por falar nisso estamos sendo preconceituosos ou xiitas se desmerecermos os que acreditam e pautam suas atitudes e educação de seus filhos nesses valores...Nem tanto ao mar, nem tanto a terra

      • vicente Postado em 06/Nov/2014 às 17:52

        Já cansado dessa longa maratona monótona do ensinar, talvez tenha esquecido que foi aluno e talvez tenha usado da mesma atribuição de pouco se interessar por aprender e de participar das aulas, é o exemplo que pude observar em grandes universidades, a maioria quando comparece às aulas, somente nos finais de mês para pagar a matéria e o professor e muito pouco se interessa em aprender, bem diferente do aluno que na realidade precisa do aprendizado para o seu futuro: é bem diferente dessa visão desse que se diz professor, um preenchedor de vagas numa universidade que de nada sabe o que é ser realmente um professor universitário cônscio de suas verdadeiras obrigaç,ões sociais e humanas.

      • vicente Postado em 06/Nov/2014 às 17:53

        Já cansado dessa longa maratona monótona do ensinar, talvez tenha esquecido que foi aluno e talvez tenha usado da mesma atribuição de pouco se interessar por aprender e de participar das aulas, é o exemplo que pude observar em grandes universidades, a maioria quando comparece às aulas, somente nos finais de mês para pagar a matéria e o professor e muito pouco se interessa em aprender, bem diferente do aluno que na realidade precisa do aprendizado para o seu futuro: é bem diferente dessa visão desse que se diz professor, um preenchedor de vagas numa universidade que de nada sabe o que é ser realmente um professor universitário cônscio de suas verdadeiras obrigações sociais e humanas.

      • Roger Postado em 06/Nov/2014 às 20:17

        Tá de brincadeira, né?! Educação religiosa?! A mesma que origina montes de casos de preconceito contra gays, ideologias politicas, ateus, religiões afro, etc?! Perdeu a chance de não postar besteira.

      • Bosco Postado em 06/Nov/2014 às 22:51

        Religiosidade nada tem a ver com questões morais ou éticas.

      • Amadeus Postado em 07/Nov/2014 às 13:10

        Educação religiosa? Faz-me rir. 90% das pessoas que conheço são religiosas, e dessas, 70% são homofóbicas e racistas, de forma velada ou não. Esse complexo de "superioridade moral" dos religiosos é uma falácia que só engana os imbecis, e deveria ser motivo de chacota.

    • Josenilkza Postado em 06/Nov/2014 às 13:48

      kkkkkkkkkkk e isso é um professor? é isso que ele entende por 'qualificação'? Eu é que não queria ser aluna de um verme desses. Me recusaria a assistir aulas ministradas por um obtuso, limitado, preconceituoso. De que planeta ele veio? Ele por acaso sabe que também existem brancos pobres? Ele sabe que o presidente da maior potência econômica desse mundo é NEGRO? Que as maiores mentes da humanidade também eram negros? Martin Luther King, Gandhi, e mil outras personalidades???????/ Ah vtc

      • Anne Postado em 06/Nov/2014 às 16:05

        Ele é um perfeito idiota que se acha superior, só isso. Um câncer social.

    • William Postado em 06/Nov/2014 às 16:15

      Sou estudante de direito cursando o quarto período sou negro e vejo este professor como um monstro qualquer punição que de para uma homem desse e pouco!

    • Reis Postado em 06/Nov/2014 às 17:22

      Imbecilidade mesmo. Em sendo analfabeto, mesmo que funcional, como conseguiria concluir um curso superior? O maior problema das cotas é a sociedade racista que não pode conceber um negro tendo privilégios sobre brancos, quando o oposto ocorre frequentemente e em todos os lugares.

  2. André Postado em 06/Nov/2014 às 13:04

    Esse sujeito não tem condições de dar aulas. Nojo e pena é o que sinto!

    • Bárbara Postado em 06/Nov/2014 às 13:46

      Pena? Sinto só nojo, se eu estivesse nessa aula ele ia ouvir o nojo que sinto dele, esse professor é lixo humano.

    • Miga Tado Postado em 06/Nov/2014 às 16:01

      Este sujeito é provavelmente um dos poucos seres pensantes que ainda restam neste pais, e tem sim toda a condição de dar aulas. Se vivemos numa democracia, podemos até não concordar com o que ele disse, mas temos o dever de garantir que ele possa se expressar livremente. Até porque, em muitos casos como este, embora desagradável, o que o professor disse é a mais pura verdade. Se o governo Brasileiro fose sério, daria escola básica de qualidade e não simplesmente criaria cotas e daria diplomas a alfabetos como está acontecendo agora.

      • Natália Postado em 06/Nov/2014 às 16:53

        Miga, é por causa de pessoas como vc e esse professor que o racismo é crime segundo a lei brasileira...e isso não tem nada a ver com expressar livremente qualquer opinião...

      • Guilherme Marques Postado em 06/Nov/2014 às 16:54

        Cara Mia, eu a desafio a apresentar algum estudo que comprove que os cotistas têm desempenho inferior ao de não cotistas. E mesmo que o tenham: as cotas são uma forma de dirimir o abismo de oportunidades que existe neste país. Não basta que a educação básica seja de qualidade: o acesso à educação precisa ser equânime, simétrico, e isto depende de muitos outros fatores - renda familiar, por exemplo. A escrevidão ainda reina no país, e por isso a fala do professor é deplorável, digna de punição exemplar, sim. E a sua só propaga o preconceito infame que aquela destila.

      • Larissa Postado em 06/Nov/2014 às 17:01

        Miga Tado te acho uma imbecil, e tenho direito de dizer isso, pq estamos numa democracia né, viva a liberdade de expressão!

      • Victor Postado em 06/Nov/2014 às 17:04

        Ele pode sim expressar livre mente, mas: 1. Racismo é crime tipificado no código penal; 2. Ele expor este tipo de opinião dentro da aula, para qual é pago pelo governo para dar, é imoral e também criminoso, ele está numa posição de formação, não pode ser pago formar pessoas para serem preconceituosas e violentas.

      • Hilda Postado em 06/Nov/2014 às 17:38

        Eu tive que vir me manifestar. Quer dizer que, estatisticamente, segundo o que o ilustrado disse, um médico ou advogado brancos são melhores que um médico ou advogado negro só pela cor da pele? gostaria que ele fosse mulher e escolhesse o branco Abdelmassih, para ele ver como seria bom. Ele foi patético, para dizer o mínimo. Escolhe um profissional pela cor da pele, pq acha que é melhor que o outro. Precisa dizer mais?

      • Carla Postado em 06/Nov/2014 às 17:55

        Seu comentário é ridículo! A "liberdade de expressão" não é sinônimo de exibir livremente o seu preconceito sem consequências. Sim existem muitos problemas na educação básica brasileira, que devem ser responsabilidade conjunta, de da esferas da federais, estaduais e municipais. Agora associar a cor, à capacidade de alguém é de uma imbecilidade sem limites e se você concorda com isso, a única coisa que consigo sentir de você e desse professor é pena!

      • André Postado em 06/Nov/2014 às 18:14

        Concordo com você. Na verdade na UFES, e acredito que nas universidades brasileiras em geral, o que rola é muita politicagem. Esse professor não disse nada demais, apenas externou uma crítica a um sistema demagógico, assistencialistas e que desprestigia o mérito em função da raça declarada. No sistema de cotas um candidato não-negro que faz 100 pontos na disputa com um candidato negro que faz 40 pontos na mesma prova perde a vaga, isso não é discriminar a outro por questão da sua raça? Isso não é um tipo de política que diz que uma raça é menos capaz que outra e que por isso precisa desse tipo de "artifício" para que os seus sejam aprovados? Infelizmente estamos na era da ditadura insidiosa, basta externar uma linha de pensamento mais independente que se vira alvo de toda sorte de impropérios e perseguições. O sistema de cotas raciais é discriminatório, é vergonhoso, e os professores universitários sabem disso, mas a grande maioria quer justamente evitar problemas como está enfrentando esse professor por dizer a verdade.

      • fabio Postado em 06/Nov/2014 às 20:59

        Ai é que vc de equivocou. O direito de se espressar é garantido sim , desde que não seja com ofensas contra outros gropos ou individuos e nem com calunias. Então existe uma diferença do dereito de expressão e o csra vir a publico e falar o que quiser ofender pessoas. Pq senão eu chego em um local e vejo uma pessoa e começo a chamar ela de gay e ofendela e ai eu falo to no meu direito de expressão. Como posdo falar que vc é um tolo que não analisa os fatos antes de falar merda. Mas isso é só a verdade.

      • Elaine Postado em 06/Nov/2014 às 21:06

        Coitada... Mais uma que não sabe, e pelo visto nem faz questão de saber, que não se pode travestir discurso preconceituoso com liberdade de expressão. Moça, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa...

      • Marcelo Postado em 07/Nov/2014 às 01:36

        Sem o sistemas de cotas uma legião de cidadãos, que podiam simplesmente acompanhar o desenvolvimento na sua plenitude nos estudos e encontram-se ligeiramente aquém do nível exigido nos exames para acesso ao ensino superior, ficariam sem isto por um período muito longo na nossa história de total desatenção e falta para com esta população, então é uma politica emergencial em praticamente todas as faculdades públicas, foram expandido o número de vagas para haver uma compensação a esta politica. Sem uma politica de cotas não teriam um presidente não branco por exemplo os EUA. Estudos mostram que estudantes cotista tem aproveitamento igual ou maior que os outros não cotistas.

      • Miga Tado Postado em 07/Nov/2014 às 18:37

        Ah, entendi, o direto de se expressar é livre desde que o professor não fale a verdade sobre o fato da política educacional do PT criar analfabetos com diplomas, que em geral são pessoas mais pobres ou negras. O professor tem que fingir que mora no Japão, é isso????

      • Misael Postado em 11/Nov/2014 às 02:38

        Segundo seu pensamento inteligentíssimo, um aluno cotista também ganha notas pelo sistema de cotas. Se o aluno tira 3 o sistema de cotas dá pra ele um 5 pra ele passar. É isso, não é? E aposto que você também coloca a culpa no governo federal por uma escola estadual estar caindo aos pedaços e com professores mal pagos.

  3. EDBEN. Postado em 06/Nov/2014 às 13:10

    QUE A PUNIÇÃO SEJA EXEMPLAR.

    • Miga Tado Postado em 06/Nov/2014 às 16:02

      Punição por falar abertamente a verdade???? Se vivemos numa democracia, podemos até não concordar com o que ele disse, mas temos o dever de garantir que ele possa se expressar livremente. Até porque, em muitos casos como este, embora desagradável, o que o professor disse é a mais pura verdade. Se o governo Brasileiro fose sério, daria escola básica de qualidade e não simplesmente criaria cotas e daria diplomas a alfabetos como está acontecendo agora.

      • Cinthia Postado em 06/Nov/2014 às 16:31

        Miga, não é questão de concordar ou não com o que ele disse. Ele foi racista em sua fala e isso é crime. Ponto. Merece punição.

      • Maria Postado em 06/Nov/2014 às 17:39

        É verdade que um profissional branco é melhor que um profissional negro só por ser branco? Pautado nisto, vamos listar a quantidade de atrocidades cometidas por profissionais brancos? É isso que é a verdade? Cuidado, sob a falsa denominação de liberdade de expressão se cometem verdadeiras atrocidades.

      • Alana Postado em 06/Nov/2014 às 17:42

        Não confunda liberdade de expressão com liberdade de ofensa.

      • Elaine Postado em 06/Nov/2014 às 21:09

        Criatura de deus... Qual foi a parte do "crime tipificado no código penal" que você não entendeu?

      • eu daqui Postado em 07/Nov/2014 às 10:10

        Mas ele poderia ter manifestado opinião sem inferiorizar os alunos. Professores, médicos, pais e chefes existem para motivar e não para perseguir. Quando brasileiro descobrir isso, com certeza vai virar gente.

      • Miga Tado Postado em 07/Nov/2014 às 18:43

        Não estou confundindo nada, esta lei do racismo está sendo usada de forma errada pelo governo e pelos políticos corruptos para calar pessoas que falam a verdade.Vocês não veem, mas vai lá, continuem fazendo de conta que não estamos aos poucos caminhando para uma ditadura. Que a cada dia leis nocivas que nos impedem de falar são criadas e ainda travestidas de protetoras de alguém, Aliás, como resolveremos problemas no Brasil se não podemos falar sobre eles? Como alguém vai entender outro tipo humano se toda vez que fala sobre o que o aflige em ralação ao outro vai preso? Não falar livremente sobre a questão de raças, credos, posição social será exatamente a ruína dos grupos mais sensíveis deste país.

    • André Postado em 06/Nov/2014 às 18:15

      Punição por dizer a verdade? Está complicada a situação no Brasil agora, heim.

      • vilmar Postado em 06/Nov/2014 às 20:24

        eu como negro concordo em parte com o que ele disse, como por exemplo nivel escolar dos negros é inferior aos dos brancos por não te tido as mesmas chances dos brancos, mas discordo dele espalhar pros alunos que não gostaria de ser atendido pelo um profiscional negro, isso gera mais racismo. eu gostaria que ele fosse atendido pelo Roger abdell massi, ele ia sair dela gravido...kkkkkkkkkkkkkkkk

  4. Ana Postado em 06/Nov/2014 às 13:13

    Nojento e absurdo! Desculpem, mas na minha humilde opinião alguns professores precisam de reciclagem "urgente", pois já se faz tardia.

    • poliana Postado em 06/Nov/2014 às 13:57

      no caso desse indivíduo, reciclagem n adianta n ana. esse senhor precisa ser afastado, DEFINITIVAMENTE, das funções de magistério! esse n nasceu pra ser professor não..NUNCA! REPUGNANTE!

    • Miga Tado Postado em 06/Nov/2014 às 16:03

      O sistema de ensino precisa de reciclagem, precisa para de ser uma babaquice que forma analfabetos. Este professor tem toda a razão. Se vivemos numa democracia, podemos até não concordar com o que ele disse, mas temos o dever de garantir que ele possa se expressar livremente. Até porque, em muitos casos como este, embora desagradável, o que o professor disse é a mais pura verdade. Se o governo Brasileiro fose sério, daria escola básica de qualidade e não simplesmente criaria cotas e daria diplomas a alfabetos como está acontecendo agora.

      • Natália Postado em 06/Nov/2014 às 16:55

        O sistema de ensino precisa de reciclagem, precisa para de ser uma babaquice que forma analfabetos. Falou e disse!!! Afinal quando o sistema educacional vai parar de criar babacas racistas como você e esse professor?

      • Alexandre Postado em 06/Nov/2014 às 17:37

        Só tem razão para lixos e dejetos que pensam igual a ele, e que na minha OPINIÂO, não merecem nem o ar que respiram.

  5. Dorcas Abreu Rios Postado em 06/Nov/2014 às 13:15

    Imbecilidade e idiotia estão formados em seu medíocre caráter. "Pessoa"repugnante !

  6. Murilo Postado em 06/Nov/2014 às 13:18

    E se fosse atendido por dois médicos só olhando os nomes? Sem saber? A escolha do branco é puro preconceito, uma pessoa tão inteligente é de se esperar que seja também esperta, mas pelo jeito, é só mais um animal entre muitos outros.

  7. Yrae Postado em 06/Nov/2014 às 13:19

    O povo tá saindo do armário.

  8. Sueli Postado em 06/Nov/2014 às 13:25

    É claro que a educação está ruim no Brasil, com indivíduos pensando dessa forma em pleno século XXI o que poderemos pensar? Estamos regredindo? Como julgar um país que é formado e bonito justamente pela sua miscigenação??? Deveriam tirar o título de educar de um ser assim...

  9. Pedro Postado em 06/Nov/2014 às 13:26

    Realmente está provado, o fato de ter acesso a condições de estudo privilegiadas, conhecer outras culturas, não te faz mais esclarecido ou inteligente, só te faz um boçal mais informado... Lamentável! Merece uma punição exemplar! No seu âmbito particular pode ter a opinião que quiser, em sala de aula sua função é ensinar, sem distinção alguma...

  10. damares Postado em 06/Nov/2014 às 13:34

    Esse indivíduo poderia chamar o Lobão e o Pondé para irem sem volta para Miami. Indecente esse professor!

  11. Regina Postado em 06/Nov/2014 às 13:37

    Que triste... E há quem ainda acredite que não existe preconceito no Brasil ou ainda que ache que ser chamado de palmito ou branco azedo é preconceito. Ser chamado de palmito ou branco azedo é ofensa, mas não é preconceito. Preconceito é um professor afirmar que só o fato de aluno ser cotista ele é inferior. Inferiores foram as oportunidades que os cotistas tiveram na vida. Inferior e desumano é afirmar que entre um médico branco e um negro escolheria o branco, mesmo os dois tendo o mesmo currículo. Inferior é achar que todo aluno branco é mais inteligente que todo aluno negro. Inferior é quem chega ao nível de ser um professor universitário e continua desprovido de bom senso. Sou negra. Ingressei em uma Universidade Federal ATRAVÉS DO VESTIBULAR, fui a única negra na minha sala, a única negra também na minha pós graduação. Tive oportunidades e soube aproveitar. A oportunidade de muitas pessoas negras são as cotas. http://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,bolsista-integral-do-prouni-tem-nota-mais-alta-no-enade,1586702

    • Adielle Postado em 06/Nov/2014 às 14:53

      Regina, você disse tudo!!! Apesar de eu não ter a pele negra, me considero negra, porque antes de tudo, reconheço minha ancestralidade africana, e se eu cheguei até aqui é porque os povos africanos que vieram para o Brasil lutaram pela nossa sociedade, tanto ou mais quanto as demais etnias que vieram para cá. Porém, atitudes como o deste professor, me fazem pensar que somos um povo ainda muito ingrato com nossos ancestrais. Triste ver isso! Racistas me dão nojo!

  12. ANDRE NOBRE Postado em 06/Nov/2014 às 13:41

    Qualquer crítica envolvendo a cor de pele negra é automaticamente associada ao racismo, é uma espécie de gatilho mental, fez crítica, qualquer coisa relacionada a um negro, então é racismo, ora isso é uma redução grotesca do que é racismo. Como é lei, o professor deve sim ser investigado e, se de fato, for condenado, então deve ser punido, todavia a sua explicação do fato me da o entendimento tranquilo de que não houve racismo. Quando se esta doente, a tendência natural é que se procure um médico e não um pastor, porque acredita-se que o médico tem maior competência para atender a necessidade do enfermo. A escolha é puramente meritocrática, escolhe-se a partir da dedução de quem tem mérito para exercer tal função. Existe uma confiança no sistema de aprovação e avaliação dos profissionais que passa pelo formação fundamental e se consolida no ensino superior com as especializações, todavia recentemente o governo federal criou um meio termo nesse processo e isso gerou certa instabilidade na credibilidade da formação: o sistemas de cotas. Nele uma pessoa, por ser negra, terá uma avaliação em modalidade diferente daquela a qual sempre logrou credibilidade. Ele deixa de competir em igualdade e passa a ter o privilégio de ter vaga assegurada. É compreensível a preocupação do governo com a população negra. De fato, no modelo anterior, majoritariamente eram os brancos que ocupavam as vagas nas Universidades Públicas, exatamente porque tem uma formação no ensino fundamental e médio muito superior. A questão é que essa credibilidade à formação anterior é indispensável para a credibilidade do ensino superior público na sociedade. Em relação ao negro, contudo, não há essa credibilidade, nem por parte do próprio governo, tanto é que ele impõe as cotas, porque acredita que se for avaliar apenas o preparo, a despeito da cor e da realidade sócio econômica as universidades terão novamente maioria de pessoas brancas. Diante desse dado é compreensível a opção do professor por um profissional que, provavelmente, teve uma boa formação na base. Além disso não se sabe como as cotas impactaram na qualidade da formação dos profissionais brasileiros. Será que a qualidade não foi reduzida a fim do aluno cotista obter bons resultados? Então, diante desse cenário, não há nada de racismo no raciocínio do professor, pelo contrário isso deveria nos fazer refletir sobre a eficiência desse modelo de cotas.

    • Maria Postado em 06/Nov/2014 às 15:56

      olha já as estatísticas estão mostrando uma menor deserção dos cotistas das universidades públicas, tb o índice de melhor desempenho é deles. Talvez o fato de ter sempre menos possibilidades faz com que se esforcem mais, dos que sempre tiveram tudo.

      • ANDRE NOBRE Postado em 06/Nov/2014 às 17:24

        Maria eu compreendo esse dado, só que ele por si só não resolve a questão. Simplesmente trás a tona uma outra questão: Será que o melhor aproveitamento deles reflete que eles compensaram todo o período anterior em relação aos demais ou as aulas estão sendo adaptadas para que eles alcancem algum conhecimento, sejam aprovados e não desertem. Sou professor Universitário também, em um estado diferente da que o amigo leciona, e a minha experiência é semelhante a do professor Manoel. E pude ver um outro fenômeno também, os alunos mais qualificados, com maior bagagem cultural, tem se sentido desmotivados, muitos postergam atividades e não comparecem à aulas porque sentem que podem alcançar o nível da turma mais a frente. Eu considero essas questões preocupantes e que não são debatidas. Me entristece que um professor, em sala de aula, ao dar sua visão sobre o tema e fundamentá-la (ainda que discordem da opinião dele, é inegável que ele a contextualizou, não é uma visão de mundo desconexa da realidade) e ao invés de ser confrontado com algum argumento, foi confrontado com um rótulo e uma acusação "racista". Qual professor, qual intelectual terá coragem de dizer coisas que desagradam seus alunos em sala de aula?

    • Glenda Postado em 06/Nov/2014 às 16:40

      Dá uma olhada nisso e depois pensa um pouco em tudo o que vc. falou, cara! https://www.facebook.com/video.php?v=658828677532830&set=vb.231295150286187&type=2&theater

    • Cinthia Postado em 06/Nov/2014 às 16:41

      Andre, não vou nem entrar no merito sobre cotas serem ou não boas socialmente porque discordo de você e se quiser ver um ponto contrário ao seu, exitem vários artigos na internet. Quero só te perguntar como não é racismo escolher o médico pela cor? Ele pode olhar o currículo do cara, referências, onde se especializou, onde ele se formou (cotista recebe cota só pra entrar, viu, nao recebe para se formar não... é tão merecedor quanto qualquer outro médico formado), mas a cor? Sem falar que ele apela para uma chance estatattisca!! Se ele faz tanta questão de um medico que tenha tido todas as melhores oportunidades desde sempre, vai lá e pesquisa por um médico desse tipo. Melhor do que cair no improvavel (e justamente por ser improvavel precisamos de cotas para negros), segundo ele, de achar um medico branco cotista que tenha sido pobre e sem tantas oportunidades né.

      • ANDRE NOBRE Postado em 06/Nov/2014 às 18:38

        Evidente que é possível outros critérios para identificar o melhor médico para atender a sua dor. Contudo o meu companheiro foi bem claro que se referia a um momento específico, no qual ele tinha que tomar uma decisão momentânea, sem tanto meio e recursos para avaliar toda a formação e cultura do profissional. E penso ainda que é curioso tentar levar essa questão para o campo do racismo e ignorar o método das cotas, porque o assunto que ele se referia eram as cotas e esse foi apenas um exemplo negativo do que as cotas geram.

      • ANDRE NOBRE Postado em 06/Nov/2014 às 18:42

        Glenda, assisti ao vídeo. De fato e o professor disse isso, as condições não são iguais. Bem, ao que parece, se o sistema de cotas pretendia dar condições iguais esta falhando profundamente. O correto seria dar condições iguais na infância, de acesso a cultura, à saúde e à educação de qualidade. Muitos dos meus alunos não conseguem compreender um texto, tem déficits de atenção graves e eu preciso, até por dó, que eles sejam aprovados. Se tiram notas baixas ou abandonam a Universidade ou passam a criar problemas durante as aulas.

    • Preta Postado em 06/Nov/2014 às 17:43

      Ô, Nobre, pelo que sabemos a cor da pele é o referencial para a discriminação do negro. Que outra explicação não "grotesca" vc considera para explicar o racismo?

      • ANDRE NOBRE Postado em 06/Nov/2014 às 18:28

        Cinthia e Preta o professor não esta escolhendo o médico pela cor de pele e sim pelo critério de cotas que atende pessoas negras. Como, mais provavelmente, posso identificar um profissional cotista?

      • ANDRE NOBRE Postado em 06/Nov/2014 às 18:29

        Se escolher uma pessoa pela cor de pele é racismo, então o sistema de cotas é racista Cinthia?

    • Miga Tado Postado em 07/Nov/2014 às 18:51

      Isso ai, o governa criou essas leis anti racismo com parágrafos que impedem pessoas de tocar no assunto cor, por exemplo, para justamente usa-las para calar qualquer um que conteste a ineficiência de suas políticas educacionais e sociais. Todo aquele que fala a realidade é logo taxado de preconceituoso. O que se pretende não é acabar com o racismo, mas simplesmente acabar com a percepção das minorias que estão sendo passadas para trás pelo próprio governo que se diz seu protetor.

  13. Anônimo Postado em 06/Nov/2014 às 13:44

    Acho revoltante achar revoltante qualquer coisa.

  14. Erica Postado em 06/Nov/2014 às 13:47

    Por isso eu digo "cotas sim, cotas enguanto for necessario", mais isso não quer dizer que não precisamos melhorar a educação de base!

    • eu daqui Postado em 06/Nov/2014 às 14:04

      Mas é isso que vai, ou melhor, que não vai acontecer: as cotas vão ficar aí como mais um pretexto pra não se investir no ensino público. Mesmo pq não é uma boa educação de base que brasileiro quer: uma boa escola faria com que os alunos tivessem que fazer esforço pra passar.

  15. Mário Postado em 06/Nov/2014 às 13:49

    Olha o que esta criatura fala das cotas na página 29 da “revista” “Full time magazine” de nº 29: http://issuu.com/upwebsites/docs/full_time_site

  16. Vitoria Gomes Postado em 06/Nov/2014 às 13:51

    Lamentável o modo de pensar do professor. Todos merecem oportunidades iguais e respeito.

  17. Maria Desencarnada Postado em 06/Nov/2014 às 13:52

    não não dá pra um economista querer dar uma de antropólogo. sai pela culatra meu amigo. volta para o armário que o mundo não precisa da sua agressividade...

  18. Lúcio Flávio Postado em 06/Nov/2014 às 13:52

    Eu nunca vi em toda minha vida um ser defecar pela boca desta maneira. O vídeo da entrevista segue abaixo: https://www.youtube.com/all_comments?v=gBSNDKC5yfU

  19. andre costa Postado em 06/Nov/2014 às 13:53

    Pior, depois ele se retrata, pede desculpas e a sociedade acaba forçando a aceitação da desculpa hipócrita. como sempre acontece, minha teoria é que este tipo de gente precisa antes de tudo ser agredido fisicamente, enviado pra UTI, e de lá já sair algemado. País maldito que respeita demais estes escrotos envoltos pelo status de grã finos

  20. poliana Postado em 06/Nov/2014 às 13:55

    meu deus, q absurdo!! eu n tenho nem palavras pra demonstrar o q senti ao ler essa matéria. triste viu!!! até q ponto o ser humano pode chegar!!!!!!!!!!!!!!!!! LAMENTÁVEL!!!!!!!!!!

  21. Anne Postado em 06/Nov/2014 às 13:59

    O racismo é algo que está enraizado na sociedade brasileira mesmo sendo um crime inafiançável . Os alunos concordarem em fazer exclusões como descrito na matéria me deixa desesperançosa com o futuro desse país . Será que vamos continuar a permitir tamanho retrocesso . Que vergonha !!!!

  22. Flora Postado em 06/Nov/2014 às 14:04

    Tá para além da imbecilidade, tinha que ser exonerado ou pagar pelas palavras ofensivas que proferiu as pessoas, aos alunos. Como pode esse racista estar dentro de uma universidade pública?

  23. Patrícia Postado em 06/Nov/2014 às 14:05

    Com relação a "defesa" dele, podemos dizer que: "a emenda foi pior do que o soneto"! Não adianta ser Doutor em Teoria Econômica pela Universidade de Picardie, na França e professor da Ufes desde 1995 e ser um IDIOTA PRECONCEITUOSO!! Tem que responder processo por racismo, quem sabe assim ele aprende o que não aprendeu na academia!

    • rodrigo Postado em 06/Nov/2014 às 14:55

      tinha é que dar umas porrada a lei é branda ,,mas umas porrada ele vai pensar 2 vezes antes de insultar alguem por causa da cor

      • Ivo Sodré Postado em 06/Nov/2014 às 16:19

        Se a porrada "curasse" o preconceito dele, ainda valia a pena... Mas não vai curar, só piorar. Violência não resolve nada. Aliás, incitação à violência também é crime. Ou não?

      • eu daqui Postado em 07/Nov/2014 às 10:11

        Comentário perfeito, Ivo.

  24. Camila Postado em 06/Nov/2014 às 14:11

    Esse boçal é branco e pelo visto de familia abastada. E nem por isso é culto e inteligente. É boçal. Sou negra e não precisei de cotas pra entrar na universidade, mas infelizmente nem todos tem a mesma oportunidade que eu. É impressionante como toda vez que algum branco vai criticar as cotas, ele automaticamente se aproveita pra explanar todo o seu preconceito contra a pessoa negra. Esse tipo de gente parece que não gosta de ver negros melhorando de vida. Ele deixou bem claro que segundo seu pensamento negros são menos inteligentes. Nessas horas dá vontade de esfregar minhas notas no focinho desse porco! E há quem diga que não existe racismo no Brasil. Mas podem notar: sempre que alguém fala mal das cotas, vem racismo e preconceito embutido.

  25. josé antonio cid peres Postado em 06/Nov/2014 às 14:13

    Demissão por justa causa e, processo por crime de racismo.

  26. Pedro Postado em 06/Nov/2014 às 14:16

    "É comum, por exemplo, acontecer confraternizações entre os alunos e os cotistas não serem convidados." Vamos implementar a cota pra baladas agora.

  27. Carlos Postado em 06/Nov/2014 às 14:18

    Roger Abdelmassih é branco. Tá bom pra ele?

    • eu daqui Postado em 06/Nov/2014 às 15:32

      Minha fisiatra é parda, minha gineco é loura: considero a ambas como minhas segundas mães. Nnehuma tem idade pra ser cotista: graças a Zeus.

  28. Paulo Joaquim Postado em 06/Nov/2014 às 14:21

    É lamentável wue essa exposição parta de um Docente com um curriculum invejável, isso é é discriminação pura, não tem outro argumento, fivo triste com essa cultura elitista e escravocrata que nao se conforma com as mudanças ocorridas nesses últimos tempo que vem tentando minimizar esse abismo entre o rico e o pobre. Agora dá pra entender por que o nosso país já tem mais de 500 anos e a disparidade social no Brasil é uma realidade tão altentica, se uma opinião dessas vem de quem deveria combater, não poderíamos esperar muita coisa dos demais membros desta socidade

  29. Luiz Costa Postado em 06/Nov/2014 às 14:33

    É por causa dessas marionetes que a profissão de professor tem se tornado um verdadeiro martírio. É por conta desses profissionais desqualificados, esse "coisinha", que não temos uma educação de qualidade. Sugiro que ele vá para um país nórdico e deixe o Brasil. INCOMPETENTE!!!

  30. Elisabeth Aumond Postado em 06/Nov/2014 às 14:34

    DEMISSÃO PRA ELE POR CRIME.

    • Eduardo Postado em 06/Nov/2014 às 22:30

      Demissão por justa causa, e um exame de DNA minucioso, pois tem uma teoria que Adolf Hitler continua vivo.... e pela brancura da pele e pelas palavras é bem provável que tenha parentesco.

  31. Anselmo Pierre Postado em 06/Nov/2014 às 14:41

    O nível do ensino está caindo devido o descaso dos governantes, da falta de estrutura para os professores, o descaso dos alunos com o próprio futuro, afinal tem agora essa que não pode mais repetir....

  32. Elza Postado em 06/Nov/2014 às 14:45

    Creio que agora ele terá a oportunidade escolher um advogado branco para a sua defesa...

    • eu daqui Postado em 06/Nov/2014 às 15:36

      O meu é um caboclo retado de honesto. E se não é cotista, não minto aqui, considero-me ainda mais sortuda por tê-lo encontrado.

  33. EddieBauer Postado em 06/Nov/2014 às 15:02

    Não acho errado o que ele disse. Concordo em vários aspectos com ele. Um rapaz preto pobre e fu**do realmente não terá as mesmas condições que um branquinho que teve um berço de ouro. O preto não teve a chance de ter uma educação boa até chegar a universidade, o branco sim. O preto não foi criado em um ambiente ao qual lhe proporcionasse expandir sua mente, (em geral!). Isto significa que o preto não será um bom médico? Não! Isto significa que o branco será bom? Também não! Mas como ele disse, as chances de o branco ter uma base e conhecimentos melhores, realmente, são maiores. Outra, entendo também porque alguns professores dão supostamente "aulas separadas". É eticamente errado? Sim. Mas entendo o seu lado. Pois AGAIN, o preto pobre fu**do muitas vezes É SIM analfabeto funcional. Culpa dele? Não. Culpa do Estado? Sim. O Estado não proporciona uma educação de base boa para que o pobre ralé chegue a uma universidade preparado para enfrentar seus desafios.. Pena que as pessoas param de raciocinar logicamente quando leem a palavra "preto", e fazem isto um caso de suposto racismo.... Ao meu ver, o problema é mais profundo. Ou seja, culpa do Estado.

  34. CHATEADO COM PRECONCEITO Postado em 06/Nov/2014 às 15:12

    Então ele disse, Então eu dei o exemplo do médico, mas não nesses termos que eu detestaria, nunca falaria algo parecido. Eu diria simplesmente e reafirmo que dois médicos com o mesmo currículo, com a mesma experiência, só que um negro e um branco, em função da possibilidade estatística desse médico branco ter tido uma formação mais preciosa, mais cultivada, eu escolheria um médico branco. Mas como um exemplo do que a sociedade faz.” Se os dois tem o mesmo currículo e com a mesma experiência isso é sinal que são iguais! Ele são iguais ele vai pela cor. PARA RESPEITAR UM SER HUMANO,BASTA SER UM SER HUMANO...COR NÃO SIGNIFICA NADA.

  35. Denise Pacheco Postado em 06/Nov/2014 às 15:24

    O Governo devia pedir seu desligamento imediato! Inadmissível um professor universitário (universidade federal) com esse discurso!!

  36. uyckie Postado em 06/Nov/2014 às 15:24

    Ta blz faz moo auee ai chega na delegacia ele é enquadrado na tal injuria racial ...paga fiança e sai ...agora na lei do racismo que não tem fiança poucos 1 ou 2 são ripados porque será ?????

  37. Paulo Paganini Postado em 06/Nov/2014 às 15:28

    Esse professor é uma anta. Na minha sala, os melhores alunos eram cotistas. E, na universidade, caso o aluno (universal ou cotas) não conseguisse acompanhar as aulas, a própria universidade conta com um núcleo de apoio - algo como um nivelamento de conteúdo. Agora, dos cotistas da minha sala, nenhum era negro, o que é uma pena.

  38. Roger Postado em 06/Nov/2014 às 15:29

    Alguma duvida em quem esse sujeito votou?

  39. Gabriel Junior Postado em 06/Nov/2014 às 15:29

    Se eu tivesse nessa aula, perguntaria a esse tal professor: é você Satanás ?! Porque na Blibia diz que o Satanás vai para Roubar,matar e destruir, viemos do mesmo propósito e Deus nos vê da mesma forma. Se você não tem Amor ao próximo não tem a si mesmo! Mais uma Alma nas mãos do Bicho, que Deus repreenda todas as injustiças que temos na terra, xô Racismo

  40. Isaac Postado em 06/Nov/2014 às 15:33

    Racista? Eu diria realista. Dizer que o discurso dele foi racismo é querer tapar o sol com peneira, essa é a infeliz realidade brasileira, um país mal administrado e com resquícios e sequelas do período colonial centenas de anos depois.

    • Cinthia Postado em 06/Nov/2014 às 16:47

      Isaac, claro que ele foi racista e querer tapar ISSO com peneira que é a nossa grande trsite realidade...

  41. Lyndy Luca Postado em 06/Nov/2014 às 15:56

    Cadeia nesse sujeitinho! Racismo é crime! Onde está a polícia para prender esse criminoso???

  42. Miga Tado Postado em 06/Nov/2014 às 16:00

    Se vivemos numa democracia, podemos até não concordar com o que ele disse, mas temos o dever de garantir que ele possa se expressar livremente. Até porque, em muitos casos como este, embora desagradável, o que o professor disse é a mais pura verdade. Se o governo Brasileiro fose sério, daria escola básica de qualidade e não simplesmente criaria cotas e daria diplomas a alfabetos como está acontecendo agora.

    • Cinthia Postado em 06/Nov/2014 às 16:48

      Ele pode se expressar livremente e falar o que quiser, mas tem que arcar com as consequencias. No caso, ele foi racista e racismo é crime.

  43. Marli de Araujo Postado em 06/Nov/2014 às 16:11

    Até quando. ..

  44. mauricio augusto martins Postado em 06/Nov/2014 às 16:21

    É o tal da "qualquer coisa" que chegou "nossa Educação", após a mercantilização do Ensino restaram estes "musos" inspiradores do Boca de Sovaco, que disse que "Professor é um Cientista Frustrado", e o sujeito é Professor? de uma Universidade?, Doutorado na França? em aula de Ciências Sociais?, pois prefiro um Professor NEGRO, mas com NEGRITUDE, com raízes até então desconhecidas da África, da Cultura, da Dança, das Ciências, do Vínculo Familiar, nunca vi um NEGRO ser abandonado pela Mãe, mesmo sendo a MAIORIA da População Brasileira, e pela Colonização "branca"(Ignorantes), apartado de todos os Programas Governamentais de outrora, sendo no caso de Sampa lembrados por Júlio Guerra com a Estátua da Mãe Preta, onde representa o multiculturalismo, em uma bela Obra que nos permite Olhar, Ver e Sentir o Amor as Tenras Vidas que vêm, não importando se Filhos Bacuris ou os Filhos do Senhorio, onde a todos é ofertado em abundância o Leite Materno, o Leite Vida, o Leite Amor, que tempera as Etnias, que mistura com doce maestria a delicadeza do Ser, que transfere a proteção para imunidade, que faz crescer sem medo, sem hormônios distintos dos Seres Humanos, deixando o exemplo de abnegação, acompanhamento e paciência, pois tudo que somos, é porque aprendemos a ser, portanto para ser Cretino não exige-se pressa, já nascemos prontos, aprender a Vida e a Convivência, contamos com a paciência da Sociedade e Família, e muita força de vontade, agora, ensinar preconceito e Ganhar para isto, é o Cu do "Pirú"...maumau

  45. Izabel Postado em 06/Nov/2014 às 16:30

    Verdade ou visão distorcida da realidade? A democracia não pressupõe o convívio com o preconceito e com a discriminação, pois isto distingue verticalmente os grupos. Veja, não existe direito fundamental absoluto. Assim, a liberdade de expressão é relativa quando ameaça ou incita a violência e a discriminação de um grupo. De acordo com a Lei nº 9.459, (“Praticar, induzir, ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”. A pena é de um a três anos de reclusão e multa) Neste caso, não se trata de censura à liberdade de expressão, mas defesa contra crime cometido, e defesa pelo respeito merecido por milhões de brasileiros que tiveram sua origem na desigualdade.

  46. Patricia Postado em 06/Nov/2014 às 16:46

    Este é o resultado da educação primorosa a que esta criatura se refere no seio da família e da comunidade que um branco recebe no Brasil? Eu passo. Flatulência verbal é pouco, se ele se graduou em uma universidade pública deveria ressarcir a sociedade com muito trabalho comunitário em áreas nobres como a penitênciaria.

  47. Reba Postado em 06/Nov/2014 às 16:54

    Ô meu beeem, a questão aqui n é a educação ruim ou de qualidade, a questão aqui é que esse senhor faz diferenciação intelectual de acordo com a raça das pessoas. Vc vai me desculpas, mas se vc concorda com ele que pessoas negras são menos evoluídas intelectualmente do que brancos, sinto mto em lhe dizer mas vc é tão nojenta quanto ele. ;)

    • Patricia Postado em 07/Nov/2014 às 01:57

      Reba antes de me ofender publicamente sugiro que releias o meu comentário pq vc não entendeu foi nada (ou talvez não tenha lido a reportagem com atenção)

  48. Rafael Silva Postado em 06/Nov/2014 às 17:00

    É preciso rever urgentemente os processos de ingresso via concurso público de docentes em Instituições de ensino superior no país. Só o Lattes ou a "produção" não dão conta da realidade. Resumindo, um babaca, intelectualoide....que se aproveita da estabilidade do cargo para defecar asneiras.....Gostaria de ver o posicionamento de outros acadêmicos frente a isso! Corporativistas!!!

  49. Arlindo Cláudio Moreira Postado em 06/Nov/2014 às 17:02

    É simplesmente lamentável que nós tenhamos de enfrentar ainda este tipo de imbecilidade em nosso país. Desde quando a cor da pele dita alguma coisa a respeito da inteligência de alguém, de nossa intelectualidade. Quando alguém diz e faz distinção entre um negro e branco, ou qualquer outra divisão insana, é porque nem a pessoa sabe quem realmente é, se uma aberração, ou ser de outro planeta que não se alimenta do que é necessário para um ser humano comum, mas de sua própria mente podre e recalcada incapaz de raciocinar o que é certo e correto. E quando isso acontece, o melhor a fazer é deixar que essa mente malígna se alimente deste corpo que não é corpo, mas somente excremento que em breve será consumido pela ignorância de uma mente pobre e irracional.

  50. Ana Paula Postado em 06/Nov/2014 às 17:03

    Triste esse professor pensar desse jeito, sou negra professora, casada com um negro e tenho uma filha negra maravilhosa que esta cursando a UFRJ, nao como contista, mas por ter feito a prova como os demais alunos. Nao e vergonha ser pobre, vergonha e ser racista e deixe nossos alunos cotistas ou estudarem e prestarem o bem ao Brasil.

  51. Alexandre Postado em 06/Nov/2014 às 17:36

    Por isso que diplomas, PHDs, e outros títulos nunca me impressionaram, e não ganham o meu respeito, já que não é prova de boa moral e caráter.

  52. maria Postado em 06/Nov/2014 às 19:06

    INFELISMENTE, HOJE VIROU QUASE PECADO SER POBRE, BENEFICIARIO DE PROGRAMAS SOCIAIS, COMO BOLSA FAMILIA,MCMV,PROGRAMAS TECNICOS PRINCIPALMENTE SE FOREM NORDESTINOS! UNS, NÃO ACEITAM CONHECIMENTOS PARA TODOS,EM NOME DE QUE? HIERARQUIA? JÁ OUTROS POR PURA POLITICAGEM! FICA MAIS FACÍL ENGAMBELAR..., A UM TEMPO ATRAZ ERAM POUCOS QUE CONCLUIAM O 2o GRÁU , FACULDADE ENTÃO ERA SÓ QUEM FOSSEM DA ELITE.

    • Eduardo Postado em 06/Nov/2014 às 22:33

      Maria, tens o nome da maior mulher que já existiu neste mundo, e estas coberta de razão.... a "elite" não aceita que oportunidades sejam dadas a todos, ela quer ser, ensina seus rebentos a ser, a dona da cocada preita(ou seria branca).... são em definição simples..... uns imbecis, idiotas e os responsáveis por toda sorte de violência que campeia em nosso meio.......

  53. Rita Casiraghi Postado em 06/Nov/2014 às 19:20

    "uma formação mais preciosa, mais cultivada". Certamente esta foi a educação que o professor recebeu. Mas ele a está usando para que? Pela aula dada, pode-se dizer que é para continuar tudo como está. Lamentável!!!!!!!!!

  54. Sophie Postado em 07/Nov/2014 às 02:10

    Infelizmente é o sistema capitalista que reproduz o pensamento igual ao desse professor, e muita gente pensa como ele.. acontece que, muitos não tem a coragem de expor assim como ele fez, é o chamado pré-conceito velado. A culpa disso tudo é do modelo de sociabilidade capitalista que não dá igualdade de oportunidades para todos, ficando o trabalho intelectual para a elite branca e o trabalho manual para os pobres. E qualquer política afirmativa que se proponha combater essa desigualdade será vista pela elite de forma pré-conceituosa. Realidade a parte, agora analisando o discurso de defesa do professor, ele afirma que se tivesse que escolher entre dois médicos ou dois advogados, entre um branco e um negro ele escolheria o branco, acontece que nem todo mundo que é branco é elite. E porque não pensar que o negro é mais preparado, visto que, o caminho traçado por ele foi bem mais dificultoso do que o percorrido pelo suposto médico branco (supostamente rico) até chegar ao diploma?? Quem tem mais mérito, aquele que supostamente estudou em colégios de elite e teve sempre tudo que quis..ou aquele que recebeu a precária educação pública e que nem tinha a pretensão de chegar numa Universidade, que não tinha dinheiro para pagar o cursinho pré-vestibular, que não tinha internet a sua disposição, que não tinha computador/notebook, que não tinha dinheiro para compra livros, mas que se esforçou, acreditou, correu atrás, estudou de forma precária e com ajuda das cotas chegou lá, e depois disso tudo vai ter o mesmo ensino universitário que o branco rico, logo é a Universidade que deve saber lidar com essa diversidade cultural de pessoas e extrair o que cada aluno tem de melhor, se o professor universitário não consegue promover esse diálogo entre os alunos , o despreparado é dele e da Universidade. Ora veja, o nome já diz tudo, Universidade, que vem de universo, de diverso, e a Universidade é interessante juntamente por isso, por juntar pessoas tão diversas e qualificá-las não apenas como meros profissionais, mas como pensadores, pessoas capazes de pensarem o mundo de forma crítica, e esse é o papel da Universidade, o aluno não é obrigado a já chegar pronto. O grande equívoco desse professor, ao fazer a infeliz comparação entre o médico branco e negro e supor que o branco é melhor profissional, é justamente pensar o papel da Universidade como uma fábrica de profissionais tecnocratas, mas não, a Universidade deve ser mas que isso, antes de ser médico ou advogado você tem que ser capaz de pensar o mundo.

  55. Dalva Postado em 07/Nov/2014 às 13:18

    Se um dia ele se encontrar com alguma doença incurável, num leito de morte, ele tente se manter lúcido o suficiente pra escolher o médico branco. Vale lembrar que nas "comunidades" ou nos locias "menos acessíveis", também existem brancos que se formam em medicina com grande louvor. E se um dia ele for processado pelas idiotices que declarou, tomara que um advogado "branco", bem nascido, bem formado, não consiga, nem com todos os argumentos, tirá-lo da cadeia, que é pra onde ele deveria ir.

  56. edson tadeu Postado em 07/Nov/2014 às 23:48

    pergunta a esse imbecil quem foi o estudante que ganhou um concurso haword - ele vai ficar trtiste foi uma negra e do interior da Bahia mais precisamente feira de santana. imagina ela nao teve os recursos que o professor fala e deu um banho nos brancos que ele tanto venera. eu sou branco mais racismo nao. imagina um cidadao ai em cima dizert que isso nao é racismo me faça o favor, ele como professor é muito inteligente na sala disse uma coisa e ja tinha preparado a sua saída pela tangente. agora cabia aos alunos gravar o que ele estava dizendo.

  57. Antonio Palhares Postado em 08/Nov/2014 às 10:55

    Este cara é gay e é preconceituoso.Pode ?

  58. Luiz Souza Postado em 10/Nov/2014 às 05:50

    "Doutor em Teoria Econômica pela Universidade de Picardie, na França, Malaguti é professor da Ufes desde 1995." "Picardies" estudantis.