Raul Pont
Colaborador(a)
Compartilhar
Direita 06/Nov/2014 às 18:19
5
Comentários

O ovo da serpente

O mais assustador nas marchas que pedem intervenção militar e impeachment é a presença de candidatos a deputado de partidos como o PP e o PSDB liderando o movimento

intervenção militar dilma impeachment

Raul Pont*

As manifestações em São Paulo e Porto Alegre, em torno de bandeiras que vão da auditoria do TSE sobre as urnas eletrônicas e o resultado eleitoral até o pedido de intervenção (golpe?) militar, foram pouco expressivas. Quase irrelevantes. A auditoria encaminhada ao Procurador Geral da República não prosperou por absoluta falta de objeto. Foi rejeitada por falta de provas ou indícios sérios que justificassem a abertura de um processo de investigação sobre o pleito. Há menos evidências ainda para atender outra reivindicação de parte dos manifestantes: o pedido de impedimento da presidenta eleita.

Alguns mais afoitos já pregam a “intervenção militar” sintonizados com generais da reserva que clamam nos clubes militares que “os civis” voltem a bater na porta dos quartéis porque estes estão prontos para, mais uma vez, salvarem o Brasil.

O mais preocupante, no entanto, não são estes aspectos saudosistas de 1964. O assustador é a presença de candidatos a deputado, nesta eleição, de partidos como o PP e o PSDB liderando o movimento.

Partidos políticos que participaram do pleito eleitoral com vitórias e derrotas de suas candidaturas têm a obrigação de defender o processo democrático quando conduzido com a eficiência e a lisura das eleições este ano.

São partidos que devem explicações à sociedade do respeito ou não ao jogo democrático, sob pena de serem coniventes ou estimuladores desses comportamentos.

Candidatos eleitos ou suplentes são dirigentes partidários e seus atos e comportamentos expressam posições partidárias, coletivas e devem ser controlados e responsabilizados pelos partidos.

A história brasileira já registrou acontecimentos semelhantes. Vivemos na eleição uma verdadeira tentativa de golpe midiático perpetrada pelo Grupo Abril e pela revista Veja.

Quando o próprio veículo quebra todas as regras mais elementares do jornalismo para alterar e fraudar um processo eleitoral, que segurança temos de que atos embrionários de ações semelhantes não terão também o respaldo, a guarida e a multiplicação nos meios de comunicação?

Esses partidos têm a obrigação de vir a público repudiar esses atos e manifestações e se afirmarem, efetivamente, comprometido com a democracia.

*Raul Pont é professor e deputado estadual no Rio Grande do Sul. Colaborou para Pragmatismo Político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Deisi Postado em 06/Nov/2014 às 22:33

    Não duvido que esses deputados são estimulados por seus partidos, representam o que é de mais conservador e retrógrado, um atentado a democracia. O filho do Bolsonaro ir armado ao ato golpista é bem a cara do bando odioso presente nessa manifestação.

  2. Priscila Postado em 07/Nov/2014 às 08:21

    Agora me diz: Quem é ignorante nesta história toda? Porque pedir intervenção militar só pode vir de pessoas ignorantes, que na verdade nem sabem do que se trata, não estudaram história do Brasil, e não tem parentes que viveram na época da verdadeira ditadura!!

    • eu daqui Postado em 10/Nov/2014 às 12:25

      Eles sabem o que foi o período militar sim. São é bandidos, mesmo !

  3. testemunha binocular Postado em 07/Nov/2014 às 11:51

    O filho do Bolsonaro disse que é da PF... Ele tem superiores ?

    • eu daqui Postado em 10/Nov/2014 às 12:26

      Se ele for agente, o superior é provavelmente mais reaça do que ele.