Nicolas Chernavsky
Colaborador(a)
Compartilhar
Democratização Comunicação 11/Nov/2014 às 11:30
1
Comentário

O desafio do jornalismo progressista no Brasil

Alcançada a infraestrutura mínima e a massificação dos usuários, é a construção de um sistema de financiamento sustentável e utilizável em larga escala o próximo passo da ascensão do jornalismo progressista no país

contra monopolio midia progressista brasil

Nicolas Chernavsky*

Nos últimos anos, especialmente depois da massificação sempre crescente da Internet, o jornalismo brasileiro encontrou as condições tecnológicas para viabilizar um jornalismo que, por sua distribuição e visualização terem um custo incomparavelmente menor do que o jornalismo impresso, além de não precisar de concessões do Estado, como costuma ocorrer com o jornalismo de rádio e TV, pôde dar um salto progressista que vem mudando o panorama das discussões político-eleitorais no país, o que ficou mais do que evidente nessa última campanha eleitoral de 2014. E daqui pra frente, quais são as perspectivas para o jornalismo progressista, especialmente na Internet?

Em primeiro lugar, existe a questão da infraestrutura, ou seja, a continuidade da expansão da cobertura da Internet no país, além da sua velocidade de conexão e o seu custo. Em relação a esse aspecto, a vitória da coalizão progressista nas eleições presidenciais de 2014 coloca essa questão em um rumo relativamente adequado à continuidade da consolidação deste jornalismo, mantendo-se a acelerada expansão da Internet e sua proteção, através de instrumentos como o Marco Civil da Internet. Ou seja, não é a infraestrutura física o grande desafio do jornalismo progressista; é a infraestrutura econômica.

Em que sentido? Na forma de se financiar o trabalho realizado. Isso porque apesar dos custos de distribuição e visualização terem caído drasticamente com a Internet, ainda existe o custo da produção jornalística, que tem um importante componente de trabalho humano, além é claro do custo dos equipamentos. Apesar desse custo existir, pela extraordinária oportunidade de se fazer jornalismo de maior qualidade na Internet, muitos jornalistas se lançaram nos últimos anos à Internet mesmo tendo nenhum ou pouquíssimo retorno financeiro com isso. Esse processo produziu um avanço significativo no jornalismo brasileiro, mas é fato que quando há retorno financeiro, um profissional consegue dedicar muito mais tempo a uma atividade, além do que nessa situação muito mais jornalistas poderiam se dedicar ao jornalismo progressista na Internet. Sendo assim, muitos desses sítios na Internet vem tentando diversas formas de ter retorno financeiro.

Leia aqui todos os textos de Nicolas Chernavsky

Há três vertentes básicas nessas tentativas. Uma é o foco em anúncios publicitários, privados e/ou estatais. Outra vertente é a reivindicação de financiamento estatal não publicitário para os meios de comunicação na Internet. A terceira vertente é o foco na captação de recursos financeiros dos próprios usuários dos sítios jornalísticos. Na prática, diversas combinações dessas vertentes podem ser vistas nos inúmeros sítios de jornalismo progressista na Internet.

Apesar de algumas experiências terem tido um relativo sucesso, não se pode dizer que o jornalismo progressista no Brasil encontrou uma forma sustentável e aplicável em larga escala de se manter economicamente. Assim, me parece que o grande desafio imediato do jornalismo progressista no Brasil é encontrar um modelo geral, adaptável às especificidades de cada sítio, que permita ter retorno financeiro a quem trabalha com isso. Construir esse sistema é uma tarefa que cabe fundamentalmente aos jornalistas progressistas, e, por que não, aos usuários deste jornalismo na Internet.

Eu gostaria, neste fim de artigo, de dar a minha sugestão. Creio que os sítios de jornalismo progressista com grande número de visualizações têm condições de instituir um financiamento através de uma colaboração voluntária e de valor único e bem baixo, em torno de 4 reais ao mês, de seus usuários. Com esse sistema, mantendo-se o conteúdo público, acessível a qualquer pessoa com acesso à Internet, esses sítios poderão depender de uma ampla base de colaboradores, cujo interesse será em geral ter acesso a um bom jornalismo. Ao mesmo tempo, esse sistema demandaria dos sítio de jornalismo progressista uma transparência quanto ao número de pessoas que colaboram com esse valor, para que os colaboradores em potencial possam tomar sua decisão de colaborar ou não da forma mais embasada possível. É uma ideia que coloco para todos os que queiram que o jornalismo progressista dê um novo salto quantitativo e qualitativo no Brasil.

Jornalistas e usuários deste jornalismo, vamos nos concentrar neste desafio de construir um sistema de financiamento para o jornalismo progressista no Brasil?

*Nicolas Chernavsky é jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP), editor do Cultura Política e colaborador do Pragmatismo Político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Diogo Pereira Postado em 11/Nov/2014 às 21:36

    Apoiado. Poderia haver um link para contribuições na primeira página, em local facilmente visível.