Redação Pragmatismo
Compartilhar
Educação 12/Nov/2014 às 20:28
18
Comentários

ENEM é caso de sucesso mundial mesmo com campanha contrária da mídia

A universalização do ENEM, iniciada em 2009, democratizou o acesso de todos os estudantes a vestibulares nas melhores faculdades do Brasil. No entanto, esse enorme avanço quase foi liquidado por uma campanha cruel e implacável da mídia

enem sucesso 2014 midia
(Imagem: Pragmatismo Político)

Luis Nassif, GGN

Um estilo jornalístico viciado e anacrônico é o principal responsável pelas dificuldades do país em trilhar novas experiências.

Em um Congresso de Secretários do Planejamento, cobrei dos secretários presentes a falta de empreendedorismo público, de novas experiências de gestão.

A resposta foi simples.

Na fase de implantação de novos projetos não há como não aparecerem problemas. Afinal, trata-se da implantação. Qualquer problema é superestimado pela mídia, utilizado para torpedear o projeto. Alguns projetos acabam morrendo no caminho por esta falta de compreensão. Depois de implantados, os projetos vitoriosos não merecem o reconhecimento.

O gestor público corre um enorme risco propondo o novo, sem nenhuma possibilidade de recompensa posterior: o reconhecimento público.

Tome-se o caso do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio). Em 2009, com sua universalização, começando pela unificação dos vestibulares das universidades federais, mudou a face dos vestibulares no país, democratizando o acesso de todos os estudantes a vestibulares nas melhores faculdades.

No último domingo foram completadas as provas, com 6,2 milhões de inscritos, um caso de sucesso mundial. A não ser alguns episódios isolados de cola, não houve um problema sequer relatado por uma mídia capaz de superdimensionar os menores problemas.

O ENEM tornou-se uma instituição nacional. Junto com a expansão das novas universidades públicas e privadas, mudou a cara do ensino superior. Onde estão os velhíssimos capitães de ensino, que dominavam politicamente o setor e, com suas intermináveis páginas de publicidade, exerciam um poder absurdo sobre a mídia? Onde Di Gênio e outros símbolos de um velho modelo carcomido? Foram engolfados pela modernização e pela entrada de novos grupos no mercado.

VEJA TAMBÉM: A culpa por você ser pobre e sem estudos é totalmente sua

No entanto, esse enorme avanço quase foi liquidado por uma campanha implacável da mídia, onde se misturaram má fé, incompreensão e jogadas políticas de baixo nível.

Problemas de vazamento de uma prova – em uma gráfica que tem a Folha como sócia -, problemas pontuais com um ou outro simulado, afetando proporções ínfimas dos inscritos, foram superdimensionados, abriu-se todo o espaço para um procurador exibicionista, tudo com a intenção de liquidar o programa.

Não se pensou nos benefícios para o país, para os alunos, nas oportunidades que se abriam com a democratização do acesso às vagas. A ideia fixa era impedir que seu eventual sucesso pudesse ser capitalizado pelo governo que o bancou.

A campanha implacável dos jornais

Logo após a notícia do vazamento da prova na gráfica Plural, em 19 de outubro de 2009, o Estadão não deixou barato: “Os problemas em cadeia gerados pelo vazamento da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), frustrando estudantes e desorganizando os vestibulares das universidades, são mais uma amostra do que pode ocorrer quando os interesses eleiçoeiros são postos à frente da racionalidade administrativa nos órgãos técnicos do Estado”. Se tivesse prevalecido a opinião do jornal, teria sido imediatamente interrompida a implantação do ENEM.

Houve inúmeras tentativas de atribuir a responsabilidade do vazamento ao INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas) e com isso politizar ainda mais a discussão. O jogo terminou apenas em agosto de 2011 quando um desembargador do TRF-3 ordenou a exclusão da Plural do processo, sustentando que ela não cumprira o que estava definido no edital.

Custou a Haddad a inimizade eterna da Folha.

O procurador exibicionista

Em nome dessa mesquinharia, grupos de mídia transformaram um Procurador da República exibicionista, Oscar Costa Filho, do Ceará, em personagem nacional.

Com os holofotes sobre ele, Costa Filho se vangloriava de ter-se tornado um especialista em melar vestibulares. “Sou fundamentalmente um professor. É até por isso que falo assim com esse tom e sempre gesticulando muito”, observava aos jornalistas que o procuravam.

O procurador constatou que o professor de um cursinho de Fortaleza – com 639 estudantes – vazou uma das provas do simulado. Com base nisso, pretendeu anular o ENEM em todo o país. O MEC (Ministério da Educação) respondeu prontamente sobre a maneira de contornar o problema sem prejudicar os demais inscritos. Mas a cobertura incessante da mídia tentava acabar com o programa.

O Procurador tornou-se celebridade instantânea, a ponto de conceder quatro entrevistas simultâneas, com um celular em cada orelha e dois telefones fixos ligados na sua mesa.

O interesse de milhões de estudantes, nada disso importava à mídia. Tratava-se agora de permitir ao Procurador se pavonear, desde que os objetivos políticos fossem atingidos.

A famas de exibicionista já o acompanhava desde 1991, quando tentou vetar um exame de avaliação dos professores do Estado pelo então governador Ciro Gomes. “Eu me lembro do Ciro me esculhambando e me chamando de exibicionista” vangloriava-se ele a repórteres. “Exibicionista, no caso, é o que desagrada quem está no poder para fazer justiça”, alardeava o pavão.

Transformado em herói por uma imprensa sem discernimento, dali por diante Costa Filho passou a atuar anualmente, valendo-se do poder de um cargo público para tentar derrubar a prova. Só parou quando a AGU (Advocacia Geral da União) ameaçou tomar providências legais contra ele.

Nos exames de ontem, o ENEM se consagra definitivamente. Foi o ponto central da cobertura da mídia, com portais montando projetos especiais para acompanhamento da prova. Nenhuma autocrítica, nenhum reconhecimento aos autores de uma política pública excepcional.

A prova de ontem chegou ao requinte de montar salas especiais com provas especiais e acompanhamento de especialistas para alunos com deficiência intelectual. Quem sabe disso? Apenas parentes e amigos de famílias beneficiadas por esse aprimoramento do ENEM.

O país está se civilizando. Mas as manchetes são aliadas da barbárie.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Kelvin Rodrigues Postado em 12/Nov/2014 às 20:49

    É claro que a mídia brasileira seria contra algo como o ENEM, os donos dos jornais, revistas e dos outros representantes da mídia tradicional(que enriqueceram alienando o povo) não querem que seus filhos mimados "compartilhem" a universidade com o filho da própria empregada e motorista, afinal para que nos tornarmos "iguais" aqueles países nórdicos socialistas onde as pessoas compartilham das mesmas oportunidades e do mesmo padrão de vida? para que?

  2. poliana Postado em 12/Nov/2014 às 21:07

    zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

  3. Eduardo Postado em 12/Nov/2014 às 21:44

    é com a sexta queda ainda estamos com o menor indice de desemprego da história do Brasil.... o que o caro comentarista tem a dizer????? FONTE IBGE também..... sabe o que é isto.... au au au e os camelos se vão longe.....

    • Rocken Postado em 13/Nov/2014 às 01:14

      coitado dos empresários, até cai a bolsa quando anunciam a queda do desemprego, só para informação, o desemprego ainda cai exatamente por causa do acesso a universidades, que teve um aumento grande nos últimos 3 anos, principalmente por causa do ENEM, mas acho que a mídia quer insinuar que o desespero das pessoas que perdem a prova é porque estão distribuindo coxinhas e cartão bolsa-família durante as provas

  4. Carlos Postado em 12/Nov/2014 às 21:47

    São Paulo, o tucanistão, está puxando o Brasil para trás.

  5. Mariano Postado em 12/Nov/2014 às 22:51

    O assunto aqui é sobre ENEM! Ta desempregado meu camarada? Faz um curso no PRONATEC

  6. Eli Queiroz Postado em 12/Nov/2014 às 23:53

    Chamar o procurador Oscar Costa Filho de exibicionista é no minimo não conhecer seu trabalho e sua pessoa. Bola fora de quem escreveu o texto, pra dizer pouco. O ENEM é pedagogicamente bem questionável. Como ficou provado nessa ultima edição, com provas conteudistas e iguais as dos "velhos" e tradicionais vestibulares (exceto a de linguagens). A redação e seus critérios de correção nem se fala, e isso é consenso entre corretores. O ENEM é uma prova ideologizada e isso talvez seja perigoso. É como se houvesse uma versão oficial para a Historia, por exemplo. Não se corrige as distorções de um sistema educacional com uma prova. Prova não é o fim de um processo de educação, muito menos seu meio. Essa critica vem de alguém que vivencia educação há mais de 18 anos e que não é empresário dessa atividade e muito menos defensor da iniciativa privada na mesma. P.S. Votei Lula por 5 vezes e Dilma por 2 vezes, antes que me chamem de coxinha ou algo pejorativo do tipo porque fiz criticas ao ENEM.

  7. Rocken Postado em 13/Nov/2014 às 01:08

    poise, o nível de industrialização cai desde que esse bando de animal que é a "direita liberal" do Brasil, em que você provavelmente vota, resolveu abrir o Brasil pra competir em um cenário internacional muito mais avançado, ao mesmo tempo deixou o estado endividado, um sistema de impostos horrível, zero de incentivo a empreendedorismo, credito cada vez menor e infraestrutura estagnada, o PT pegou um pais que ia virar Paraguai e teve que salvar, o governo do PT está mais lento do que nunca mas ainda anda pra frente, ex: ENEM, ciência sem fronteira, universidades, não da pra fazer tudo ao mesmo tempo, no congresso um lado é bandido e outro que podia ajudar so quer aprovar todos direitos humanos possiveis, deixa de ser um pessimista mala que só sabe dar numero ruim e não analisa nada

    • Claudio Postado em 13/Nov/2014 às 11:50

      Será que ele sabe analisar alguma coisa ? Ou só quer tomar tempo ? Ah já sei...começou a campanha, "eleições 2026".

  8. paulo Postado em 13/Nov/2014 às 01:13

    Eu acho o ENEM um grande capricho do governo federal para tentar centralizar as coisas, nao vejo uma inclusão social nisso as universidades federais sempre aplicaram prova em varios campus e em varias sedes espalhadas pelo municipio em comparação com o enem! Os alunos de classe media que tiverem condição de pagar uma escola particular são os que frequentam os cursos mais concorridos das federais (medicina,engenharia,direito,odonto) isso é fato e não se pode negar! quanto ao comentario do nosso amigo KELVIN sobre os filhos mimados, lembre que a real ELITE brasileira possuem grana para estudar nas particulares de medicina e outras carissimas (ibmec,insper,fgv,puc) que pouco precisam de faculdade federal até porque muitos nem vão disputar o mercado de trabalho! se for julgar alguem com esse tipo de atitude critique a classe media brasileira pois ela é quem tem o preconceito com ela mesma. e em relação a midia comentario tambem feito pelo nosso amigo KELVIN, tenho o seguinte a complementar! a midia brasileira é uma empresa (busca maximizar o lucro e atrair clientes) a todo custo, voce não parou pra pensar que as noticias ruins sempre dão mais ibope que as boas? mais de 3 milhoes de pessoas fizeram enem e eles praticamente so mostraram o pessoal que chegou atrasado raras exceções quando se nota esforço notavel do participante( o garoto que viajou de balsa durante 3 dias para fazer a prova), meu povo a midia quer dinheiro e ela lança a noticia que mais irá dar ibope! do mesmo jeito que o proprio PRAGMATISMO POLITICO, só coloca noticia ruim, salvo raras exceções!a home page agora deles Redação Pragmatismo " Hino de Faculdade de Medicina da USP chama negras de "imundas" "Golpe, não! Intervenção. Hein?André Falcão" "as empregadas domesticas e a escravidão" "mulher descobre que tem aids por mensagem de texto" então pera ainda, antes de sair julgamento o comportamento da mídia em relação as noticias , tem que lembrar que ela é uma empresa e tal como atende o pedido do seu consumidor! cabe a você que é consumidor decidir se quer ler a noticia ou não! E nunca se julgue mais esperto pq tal pessoa ler jornal X e voce Jornal Y, toda fonte de informação é valida e o seu conhecimento nunca vai ser melhor do que o de niguem. quanto ao restante do assunto em relação ao enem! acho que o melhor programa que o governo fez agora! foi o programa ciências sem fronteiras e as cotas (tanto raciais como sociais)***[obs: para apenas faculdade e universidade, cotas em concurso publico e ainda mais de ensino SUPERIOR é apenas eleitoreiro e ofensivo ] sou a favor de ambos e sei que o resultado dessas cotas só irão dar retorno entre 5 e 7 anos quando os primeiros estudantes saírem da faculdade...

    • Antonio Alves Postado em 13/Nov/2014 às 12:10

      Cara, ter em um Campi no interior do Paraná alunos de Roraima, Acre e outros Estados da região norte e sudeste; coisa que não ocorria antes; é a prova de que está muito enganado. Por que o amigo não comenta sobre o período em que os vestibulares estavam sendo feitos exatamente na mesma data para impedir a participação dos candidatos em mais de um processo seletivo? E sobre o custo oneroso para pais, que tinha que desembolsar muito dinheiro para que o filho pudesse fazer mais de um vestibular.

  9. Pedro Postado em 13/Nov/2014 às 09:10

    Na principal faculdade do meu estado (que é federal), a esmagadora maioria dos estudantes provém das classes econômicas mais abastadas. Em alguns cursos, antes da instituição das cotas, a composição era, com raríssimas exceções, exclusivamente composta por indivíduos das ditas elites econômicas e negros eram inexistentes. Essa continua sendo a realidade prevalente nestes ambientes, embora as cotas raciais e sociais venham desempenhando um papel importante na alteração deste quadro. Ao contrário do que poderíamos imaginar no senso comum, há muito mais pessoas das classes econômicas menos favorecidas cursando as Universidades particulares do que as instituições públicas.

  10. Claudio Postado em 13/Nov/2014 às 11:05

    O quê tem a ver, uma coisa com a outra ??

  11. Alan Arantes Postado em 13/Nov/2014 às 12:03

    Triste ter alguém q exalte o ENEM, Eticamente qustionavel dizer q essa prova é sucesso mundial (já q só o Brasil utiliza vestibular/ENEM no mundo todo) e ridiculo dizer q essa barreira de acesso à faculdade/universidade democratiza o acesso do estudante. Democrático seria não haver mais provas de acesso, democrático seria ter faculdades preparadas, democrático seria ter, do ensino infantil ao superior, a qualidade de estudo! Mas é cultural dos governos q aqui passam utilizar de ações "remendatórias" (de remendo) para q não seja preciso acabar com os problemas de sua população, apenas apazigua-los! E o povo, bodes mansos, aceitam estas ações sem questionar!

  12. Rodrigo Postado em 13/Nov/2014 às 12:22

    (Outro Rodrigo) "Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa, totalmente diferente". Uma coisa é uma coisa: 1- o Enem é algo realmente revolucionário e bem sei disso, pois fiz o primeiro, em 1999; confere maior facilidade ao jovem estudante, pois não precisa vencer longas distâncias entre Estados e Regiões, para fazer vestibular em cada uma das universidades. Então, parabéns a quem o criou e a quem, após, o melhorou - Governos FHC, Lula e Dilma. Outra coisa é outra coisa, totalmente diferente: 1- a crítica é sempre salutar, especialmente face a irregularidades constatadas, de modo a permitir, noticiado o fato, investigações tendentes a manter a lisura dos exames, a sua confiabilidade. Então, tenhamos consciência de que somos todos passíveis de críticas e tenhamos humildade para aceitar as as justas, as devidas, que decorram da constatação de irregularidades ou crimes, devendo ser aceitas em prol da melhoria, o que não significa, em instância alguma, buscar a destruição de algo. E, claro, que quem tenha cometido crime, seja devidamente condenado/exonerado. Vamos parar de "nhemnhemnhém/mimimi", como se tudo fosse "intriga da oposição" ou ainda como se houvesse pessoas iluminadas, incriticáveis, como que deuses na Terra.

    • José Postado em 13/Nov/2014 às 14:46

      É por ai Rodrigo (12,22), não existe nada perfeito, temos que fazer a crítica construtiva, para que as falhas sejam diminuídas e os acertos encontrados.

  13. Fran Postado em 13/Nov/2014 às 12:33

    IBG quem?

  14. Celio Bernstein Postado em 13/Nov/2014 às 13:36

    Mas, e Cuba, hein????