Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mulheres violadas 27/Nov/2014 às 15:56
18
Comentários

Durante discurso anti-machismo, vereadora mostra que está sem roupa íntima

Vereadora discursou em resposta às declarações de um outro parlamentar que afirmou que mulheres que tentam se casar sem calcinha deveriam “ganhar uma surra de couro cru e um banho de sal”

Vereadora Aracaju calcinha camara protesto
Vereadora Lucimara Passos (PCdoB) de Aracaju (Foto: Acrisio Siqueira / CM de Aracaju)

Um fato inusitado marcou a sessão da Câmara Municipal de Aracaju (SE) na última terça-feira, quando uma vereadora resolveu mostrar a própria calcinha para os colegas em um protesto pedindo o fim da violência contra a mulher. O ato ocorre durante o discurso da vereadora Lucimara Passos (PCdoB) na sessão que debatia justamente a violência contras as mulheres.

“Vereador, eu vim trabalhar com um vestido mais curto. Eu, inclusive, trouxe a minha calcinha em meu bolso. Alguém pode me chamar de vagabunda? Alguém pode dizer que tenho de ser surrada?”, questionou.

A atitude da vereadora, segundo ela, foi em resposta a um discurso feito na semana anterior pelo colega Agamenon Sobra (PP), que comentou uma notícia sobre uma noiva que teria sido impedida pelo padre de se casar por não estar usando calcinha. “Concordo plenamente com este padre. Ele deveria dar uma surra nela, mandava dar uma surra e um banho de sal. Vagabunda. Como ela vai à igreja para casar sem calcinha e ainda com um vestido transparente?!”, disse o vereador na ocasião.

Citando estas declarações, Lucimara Passos condenou o colega ao falar de homens que batem em mulheres ou incitam este tipo de violência. “Triste é saber que nós, enquanto legisladores, tivemos o desprazer de ouvir dentro dessa Casa Legislativa, um vereador estimular a violência, como fez o vereador Agamenon na semana passada, quando utilizou o espaço da Tribuna para rotular uma mulher de vagabunda e condená-la a uma surra por estar sem calcinha no seu casamento. Repetiu várias vezes que a mulher deveria ser surrada por ser vagabunda. Este foi um ato criminoso que merece punição”, disse em tom de crítica.

Segundo ela, a Câmara Municipal de Aracaju relevou as declarações de Agamenon e pediu investigação por quebra de decoro. “Na minha opinião, a Casa fechou os olhos e tornou-se conivente com os crimes que o vereador já cometeu utilizando a Tribuna, ao não julgar os pedidos de quebra de decoro. Essa Casa Legislativa não pode proceder dessa maneira, com ato criminoso”, ressaltou.

Segundo o SETV, o vereador Agamenon Sobral falou, na manhã de ontem, que em seu discurso ele se referia apenas à jovem que foi se casar sem a peça íntima e que não quis atingir todas as mulheres. Ele achou o ato da jovem um desrespeito à igreja.

Terra

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Bruno Postado em 27/Nov/2014 às 19:04

    Não entendi porque ela estar sem calcinha é mais importante do qua a declaração do outro parlamentar. Deve ser porque se impor contra o machismo é incomum, e o machismo não.

    • Severa do Carmo Postado em 28/Nov/2014 às 04:49

      Bruno, como não entender? Primeiro, não cabe ao vereador julgar ninguém, por ato que é de foro íntimo, e nem agir como se fosse autoridade religiosa. Sua função é legislar, é fiscalizar o erário público, é zelar pelo bom nome da casa. Quando usa a tribuna para uma ameaça a um cidadão, com violência expressa, está cometendo um crime, e a vereadora fez muito bem em dar a resposta que deu. Com ou sem calcinha, a liberdade pessoal é fundamental. Se eu opto por andar sem uma peça intima, é assunto meu, e não dos vereadores. Assim como se você prefere não usar cuecas, é assunto exclusivo seu. É revoltante como homens se referem as mulheres, com termos agressivos, desrespeitosos, humilhantes. Que o vereador seja punido para aprender a ser homem, ser cidadão digno, antes de aprender a ser vereador. Um vereador é um representante do povo, ganha para trabalhar, para ser um bom exemplo.

  2. Carlos Postado em 27/Nov/2014 às 19:56

    Se a noiva escolheu casar na igreja, deveria respeitar o pensamento do catolicismo. Mereceu a repreensão do padre, que deveria tê-la expulsada e pedir sua excomunhão. Quanto à vereadora, só estava interessada nos famosos 15 minutos de fama. Pq a nobre parlamentar demorou uma semana para se indignar? Faltou ao trabalho no dia em que o vereador do PP discursou ou naquele dia foi tirar sua calcinha em outra freguesia? Ah, vê se faz alguma que justifique seu manadato, mulher!

    • daniel lima Postado em 27/Nov/2014 às 20:18

      Que colocação mais idiota! Jesus comeu Maria Madalena e a mulher não pode ficar sem calcinha no casamento ? Mais amor, por favor, até Pq a casa de Jesus deveria pregar o amor .

      • carlos Postado em 27/Nov/2014 às 21:39

        E prega, meu caro. Mas não do jeito que vc entende ser o amor. Se quer ter seu ponto de vista respeitado, saiba respeitar quem não pensa como vc e, possivelmente, a tal noiva. Ao que se sabe, ela não foi obrigada a procurar uma igreja católica pra se casar. Se o fez, mesmo que não seja católica, deveria, no mínimo, respeitar seus dogmas. Não se pode entrar na casa dos outros e se julgar no direito de impor as próprias regras.

      • Renan Postado em 01/Dec/2014 às 11:39

        Exatamente Carlos, uma coisa é pregar o amor, outra coisa é arbitrariamente criar regras de convivência pra querer ser do contra e ainda querer permanecer no grupo. E como eu me filiar a gaviões e no dia do jogo ir com a camisa do flamengo e quando eles me recriminarem eu "mas e a minha liberdade? você não tem amor?". O próprio Jesus deu liberdade para as pessoas o segui-lo livremente, mas deixou sim uma doutrina, se não quer segui-la ok, mas não se diga Cristão, não se diga Católico. Daniel, Já ouviu religiosos falar que "a Igreja é o corpo de Cristo?" então, ele diria, "Meu corpo, minhas regras" se não quer segui-las tem igrejas "feministas", "gays" doutrinas pagãs de prostituição "sagrada" de "naturalistas", e pra qualquer gosto. Se você faz parte de um grupo você é livre pra sair, Graças a Deus a Igreja Católica não é como o Islã, que é uma religião proselitista fundada pelos homens e para os homens, porque se você apostatar não vai ser tido como infiel e decapitado como lá acontece. Outra coisa daniel, a acusação sua é de um texto gnóstico, você é gnóstico? porque os católicos não creem nisso, até porque foram textos criados para inserir doutrinas pagãs dentro do cristianismo, e a Igreja disse "NÃO, isso aqui não é Cristianismo, nós recebemos a tradição dos apóstolos que receberam de Jesus e Ele não fez isso" e ponto final. Você pode acreditar nesses textos apócrifos como gibizinhos ou para corroborar sua doutrinas gnósticas, mas nunca pra tentar ridicularizar coisas que os católicos pregam, me poupe. O problema é apostatar, ser herege, ou não respeitar regras de convivência e ainda querer permanecer neste grupo, isso é burrice e falta de respeito, para com o liberdade das outras pessoas que optaram por aquele credo livremente e vê você se dizendo um deles fazendo pouco caso.

    • Sergio S. Postado em 27/Nov/2014 às 23:53

      O que está em questão aqui é a atitude e o discurso do tal vereador, eminentemente preconceituoso e machista, além de fazer apologia à violência contra a mulher. Ele deveria ser punido severamente para ver se aprende que agiu muito mal. Quanto à vereadora, só merece elogios pela lucidez e coragem, realmente fez jus ao seu mandato. Quanto ao Sr. Carlos, do comentário acima, deixou bem claro seu pensamento machista e preconceituoso...

      • Pedro Duarte Postado em 29/Nov/2014 às 15:06

        é inacreditável ver idiotas apoiarem (não condenarem) a conduta desse machista imbecil!

    • Adriana Postado em 29/Nov/2014 às 10:39

      O seu discurso foi infinitamente mais nascida Carlos :" foi tirar a calcinha em outra freguesia " ???? Tá doido ?

  3. Juliano Postado em 27/Nov/2014 às 20:05

    E você faça algo que dê sentido a essa sua moral de calças frouxas seu machista!

  4. Roger Postado em 27/Nov/2014 às 20:52

    PP... Por que nunca vi nada de bom vindo desse partido? É do Maluf, não é? Mais um desqualificado ocupando um cargo público, o tal Agamenon...

  5. Reinaldo Soares de Souza Postado em 27/Nov/2014 às 22:03

    A vereadora exerce seu mandato em plenitude,corajosa na defesa intransigente dos direitos das mulheres.

  6. Guilhermo Postado em 27/Nov/2014 às 22:25

    Nossa. O que acontece é que para terem percebido que ela estava sem calcinha, ou o vestido dela deveria estar completamente inadequado para uma igreja, acabando por mostrar ou evidenciar o que não devia ou ela fez questão de espalhar o fato de estar sem calcinha para todos. Sei lá, nesses casos acho que não é o lugar para isso. Durante a festa, em um lugar particular, se ela quisesse ficar nua, tudo bem, mas na igreja esse tipo de comportamento é meio wtf. São tradições bobas se formos pensar bem, mas é tão difícil assim respeitar quem acredita? É o mesmo que um evangélico fanático ir tentar pregar durante a parada gay. Totalmente fora do contexto. Quanto as declarações do deputado, não concordo com qualquer tipo de violência. Quanto ao "protesto" da deputada, bom, é um pouco engraçado, mas ao menos ela não fez essa cena em um lugar como uma igreja. Sem mais.

  7. Georges Postado em 27/Nov/2014 às 22:48

    No site "boatos.org" há uma informação de que a notícia que motivou a parlamentar a fazer esse protesto inusitado é falsa: http://www.boatos.org/politica-2/noticia-que-fez-vereadora-tirar-calcinha-em-sergipe-e-falsa.html

  8. Fernanda Postado em 28/Nov/2014 às 01:17

    Ela foi PERFEITA nos comentários e nas ações. Ainda bem que existem mulheres como ela, que representam o povo e procuram assegurar a justiça num meio tão sujo quanto a política.

  9. Alexandre Luna Postado em 28/Nov/2014 às 10:24

    E essa vereadora é uma coroa boa. Me interessei por ela.kkkkkkkkk

  10. Joao Oliveira Postado em 28/Nov/2014 às 22:18

    Uiii senti o cheiro !!!kkkk

  11. GabrielG Postado em 29/Nov/2014 às 19:16

    http://g1.globo.com/se/sergipe/noticia/2014/11/noticia-que-gerou-polemica-com-calcinha-de-vereadora-e-falsa.html