Redação Pragmatismo
Compartilhar
Ditadura Militar 13/Nov/2014 às 17:42
8
Comentários

Carcereiro da Casa da Morte, Camarão é encontrado pela PF

Polícia Federal encontra Camarão, o carcereiro da Casa da Morte de Petrópolis - um dos centros de tortura mais bárbaros do regime militar. Ele foi reconhecido pela Inês Etienne Romeu, única sobrevivente do local

camarão casa da morte tortura
Antonio Waneir Pinheiro Lima, o ‘Camarão’ (Reprodução)

Das tristes lembranças que Inês Etienne Romeu carrega sobre os 96 dias de tortura a que foi submetida, uma imagem é mais presente que as outras. Ela jamais conseguiu esquecer o rosto redondo e a pele avermelhada do soldado cearense de codinome Camarão. Sentinela em uma casa no alto do morro Caxambu, em Petrópolis, na Região Serrana, o militar trabalhou em 1971 — auge da ditadura militar—naquela que ficou conhecida como a “Casa da Morte”, uma das principais estruturas do Centro de Informações do Exército (CIE) para assassinar opositores do regime.

VEJA TAMBÉM: Stuart, torturado e assassinado aos 25 anos

Inês só não conseguiu gravar com exatidão o nome do militar. “Wantuil ou Wantuir”, diz ela, desde que foi libertada da prisão em 1979. E durante mais de quatro décadas, por trás de “Camarão” estava o soldado paraquedista Antonio Waneir Pinheiro Lima, descoberto pelo jornal O DIA há três meses. “Eu reconheço”, afirmou Inês, ao verificar duas imagens do militar.

Poucas horas antes do dia em que a reportagem chegou a sua casa, Lima viajou e nunca mais retornou. Foi localizado na semana passada pelo Ministério Público Federal do Rio no Ceará. Amigos próximos confessaram que ele temia ser convocado pela Comissão Nacional da Verdade para prestar esclarecimentos sobre sua atuação na repressão. Por isso, se abrigou na casa de familiares no Nordeste.

Inês foi a única que conseguiu sobreviver à Casa da Morte. No depoimento que prestou à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), ela denunciou que foi estuprada por Lima duas vezes no período em que esteve na casa. A um mês da divulgação do relatório final da CNV, a identificação do agente pode ajudar a elucidar o destino de cerca de 20 desaparecidos políticos que passaram pelo cárcere clandestino no Rio.

Entre eles, há expectativa de informações sobre um dos líderes da VAR-Palmares: Carlos Alberto Soares de Freitas, amigo de Inês e da presidenta Dilma Rousseff. De acordo com a sobrevivente, Lima confessou que Beto ou o comandante Breno, como era chamado pelos amigos e pelos colegas de militância, respectivamente, foi o primeiro prisioneiro da Casa da Morte. “Disse-me que Breno foi o primeiro terrorista que esteve preso naquela casa”, descreveu ela.

Aos 71 anos, Lima vivia até agosto deste ano uma vida modesta em Araruama, na região dos Lagos. Dividia os dias entre caminhadas à beira da lagoa e a leitura de jornais. O tênis de corrida ficava postado na garagem aberta, perto da porta de entrada. Ele é um homem que posa carrancudo. Não sorri nem nas imagens feitas por amigos em datas festivas. Na parede da sala de casa está o que restou da passagem pela tropa: o certificado de integrante da Brigada Paraquedista do Exército. Aos amigos mais próximos, Camarão dividiu o mesmo orgulho que exibiu a Inês sobre seu trabalho como segurança do presidente João Goulart antes do golpe militar. E também a cobiça que sentia ao observar a beleza da ex-­primeira-dama Maria Thereza Goulart em trajes de banho na piscina.

Camarão foi recrutado para a Casa da Morte pelo coronel reformado Paulo Malhães, falecido em abril. O oficial demonstrava intimidade com o antigo subordinado e se negou diversas vezes a fornecer a identificação do soldado. Homem de confiança de Malhães, Camarão esteve com o coronel em diversas missões importantes do Exército. Entre elas, aquela que ficou conhecida como a ‘Operação Juriti ou Medianeira’ e que teve como objetivo a captura e morte de Onofre Pinto, líder da VPR, e de outros cinco militantes em Foz do Iguaçu, no Paraná.

O soldado reformado do Exército integrou a Brigada Paraquedista e trabalhou como caseiro da Casa da Morte de Petrópolis no ano de 1971. Inês Etienne Romeu o reconheceu por meio destas imagens acima e o acusou de estupro durante o tempo em que ficou presa.

Camarão baleou pagodeiro do Grupo Molejo em 2004

A longa trajetória policialesca do soldado Antonio Wenair Pinheiro Lima não terminou quando os militares deixaram o poder. Camarão sempre foi conhecido na tropa por seus excessos com bebida, mulheres e festas — costume que impediu a ascensão de sua carreira militar.

Em 2004, Lima estava em um quarto da Pousada Veleta Flat, na Praia Seca, em Araruama, Região dos Lagos quando baleou o pagodeiro do Grupo Molejo Lúcio Francisco do Nascimento, 52 anos. Os dois que eram amigos, segundo testemunhas, acabaram discutindo e Camarão disparou quatro tiros em Nascimento: dois no tórax, um no punho e outro na coxa. O pagodeiro foi operado e sobreviveu aos ferimentos. Ele acabou acusado por tentativa de homicídio e ficou preso por 30 dias, mas depois foi absolvido.

Pouco antes de morrer, Malhães falava de Camarão com decepção ao citar as confusões envolvendo bebida. Ele contou que após as primeiras entrevistas nas quais admitiu seu trabalho na Casa da Morte em 2012, o ex-subordinado foi o único que o procurou, mas ele estava a caminho do médico. “Vem outro dia porque hoje eu estou indo ao médico e tal”, afirmou Malhães. Camarão nunca mais retornou.

Parentes querem que agente seja chamado pela Comissão da Verdade

A identificação de mais um agente desconhecido da Casa da Morte de Petrópolis reacendeu as esperanças de familiares de desaparecidos políticos. Sérgio Ferreira, primo de Carlos Alberto Soares de Freitas, considerou a descoberta “importantíssima”.

“É obrigação da Comissão Nacional da Verdade procurar essa pessoa reservadamente ou publicamente. Essa é uma novidade importante que não podemos deixar escapar. É fundamental que a CNV convoque ele ”, afirmou Ferreira.

Desaparecido na Zona Sul do Rio em fevereiro de 1971, o comandante Breno teve sua trajetória recontada no livro “Seu amigo esteve aqui”, de Cristina Chacel, em 2012.

Inês Etienne Romeu foi a única sobrevivente do centro de torturas. Ela contou que, quando esteve presa no local, foi informada por seus torturadores que Beto havia sido executado naquela casa. A dirigente da VPR também viu e conversou com Mariano Joaquim da Silva, ouviu as torturas a que foram submetidos Aluísio Palhano, Heleny Telles Guariba e Paulo de Tarso Celestino. Além disso, conforme depoimentos de militares, ao menos outros 15 desaparecidos podem ter morrido no local.

Juliana Dal Piva, O Dia

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Marília Canabrava Postado em 13/Nov/2014 às 23:02

    Pelo entendimento de Gilmar Mendes, tipos como este torturador é que deveriam ser ungidos com o óleo de Heróis da Ditadura e, não, os que lutaram heroicamente para extirpar essa mancha negra da nossa história e nos devolver a liberdade e a democracia.

  2. Samuel Postado em 14/Nov/2014 às 00:21

    Maldito seja essa corja

  3. Lucas Postado em 14/Nov/2014 às 06:49

    E depois de relatos como este, ainda vem idiotas como o Lobão dizendo que a ditadura militar no Brasil foi branda!...

    • poliana Postado em 14/Nov/2014 às 12:05

      Pois eh lucas..n dá pra entender. Com certeza são jovens, filhinhos de papai q n viveram esse período trágico da nossa história, e acham q o bolsonaro eh o cara! So msmo esse tipo de gente pra sentir saudades da ditadura.

      • Vando Juvenal Postado em 15/Nov/2014 às 01:06

        Concordo plenamente! Ou então eles têm segundas intenções - como tanta gente que enriqueceu, naquele tempo, por apoiar o regime, Poliana.

  4. Eduardo Postado em 14/Nov/2014 às 09:19

    1971.... a auge da ditadura militar.... e eu estava servindo ao exército, onde por várias vezes fiz sentinela no pátio da 4ª Cia de Cavalaria Mecanizada, pátio este onde ficava as celas onde ficavam os presos, se não me engano pelos relatos que já lí, nossa presidenta Dilma esteva ali presa naquela época, mas nenhum soldado tinha acesso as celas e nem sabiam se tinha ou não presos ali. Hoje dou Graças a Deus pela vida de Lula e Dilma terem sido poupadas, pois não viveríamos os momentos que vivemos hoje se estes estivessem sido assassinados também.... Graças a Deus em Sua infinita e incontestável sabedoria, temos o Brasil de hoje, um Brasil que podemos nos orgulhar dele, com problemas ainda, mas nenhum que não se pode resolver.

    • marel Postado em 14/Nov/2014 às 10:37

      Desculpe, mas vc se equivoca quando diz q soldado não tinha acesso aos presos, diga-se, os soldados q não gozavam de confianca de seus superiores. Aqueles q, na visão dos militares, eram dignos de confianca e tinham coragem estes sim não so viam como torturavam dentre outras coisas nao nenos abaurdas.

  5. enganado Postado em 15/Nov/2014 às 00:46

    Que amor de menino! Se serviu a DIREITA virou Santo. Querem ver?! Metam o Santo em um julgamento com os juízes: Joaquim Barbosa, Gilmar Mendes, Marco Aurélio de Mello e depois procurem saber qual foi a sentença. Nem deus ACREDITA!