Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 27/Nov/2014 às 18:30
34
Comentários

9 coisas que pessoas brancas não deveriam dizer sobre racismo

pessoas brancas negras racismo discriminacao
Imagem: Pragmatismo Político

Parece que, quando a conversa não é explícita – como quando pessoas brancas usam palavras como ‘macaco’ ou recusam serviços baseado na cor da pele – trazer a tona o assunto do racismo coloca muitas pessoas na defensiva ou induz afirmações bravas que negam a sua existência. Essa é uma reação que muitas pessoas não-brancas estão cansadas de receber de pessoas que tem privilégio racial, e não tem nenhuma ideia tangível do que é experimentar as injustiças sociais e institucionais de não ser branco na América.

Muitas pessoas de diferentes raças querem espaço para discutir essas questões dentro de uma cultura que amplifica vozes brancas – querem ter suas vozes ouvidas e respeitadas, mesmo que suas emoções venham de um lugar de dor.

Como pessoas que se beneficiam de um privilégio racial, brancos podem apoiar a lideranças de pessoas não-brancas ao desafiar esses mitos naturalizados sobre racismo antes mesmo de entrar em uma discussão com o assunto, principalmente discussões com pessoas que não são brancas.

1. “Você que é racista por trazer a tona a raça da pessoa.”

Geralmente, quando uma pessoa que não é branca fala de racismo, existe alguma coisa problemática acontecendo. Seria ingênuo assumir que todas as pessoas que não são brancas simplesmente existem como oportunistas que usam toda e qualquer chance para fazer drama sobre o racismo. Se você está cansado de ouvir sobre racismo, o quão cansado você imagina que pessoas não brancas estão de ter que viver rodeados pelo racismo?

2. Eu não vejo raça, somos todos seres humanos”.

Embora isso possa soar revolucionário, ser cego a cores é, na verdade, parte do problema. “Não ver cor” é simplesmente uma frase preguiçosa para deliberadamente ignorar os elementos do racismo que ainda existem e que precisam ser consertados – assim, reforça o privilégio de poder ignorar os efeitos negativos do racismo em primeiro lugar. Como o ditado diz: “você não pode consertar aquilo que você não pode ver”.

3. “Falar sobre o assunto usando termos como ‘pessoas brancas’ e ‘privilégio branco’ é racismo reverso”.

Então, sobre racismo reverso… isso não existe (assista para entender por que). Não é segredo que é humanamente possível que uma pessoa não-branca tenha preconceito contra pessoas brancas. Às vezes, isso é uma atitude que se desenvolve com o tempo porque sua experiência com o racismo fez com que chegassem a conclusão que não existem pessoas brancas “boas” no mundo. E embora seja importante haver uma cura nesses instantes – bem mais raros – de preconceitos, essa atitude não vem com uma sistema de benefícios e poder institucional que pessoas brancas tem. Essa é toda a diferença entre racismo e preconceito, porque, racismo, em seu cerne, está baseado em todo um sistema além da opinião individual.

4. “Você [não-branco] claramente não sabe o que é racismo. De acordo com o dicionário de Webster….”

Não faça isso. Dê um passo para trás dessa situação infantilizante e evite ser uma pessoa branca ditando como o racismo funciona para uma pessoa que tem experiências reais com ele. Como o dicionário define o assunto? É uma simplificação de um tópico que precisa de sua própria tese.

5. “Você [pessoa não-branca] disse algo sobre pessoas brancas fazendo coisas racistas, então eu exijo que você explique isso pra mim agora”.

Não ser branca não torna a pessoa um educador disponível para explicar justiça racial, especialmente se ela não tem relacionamento ou afinidade com quem está buscando o conhecimento. Na era da internet, se você não conhece alguém de uma comunidade em particular com quem conversar, você provavelmente pode encontrar essas vozes em blog, no Twitter, ou mesmo colunas e artigos de notícias, falando das coisas de uma maneira simples de entender. Ao invés de cansar as pessoas já cansadas de lidar com o racismo, tente se autoeducar antes de sair batendo na porta dos outros.

6. “Mas meu amigo [de tal raça] diz que era OK fazer [coisa problemática]”.

Ainda assim, não é a melhor ideia aplicar aquela relação com aquele seu um amigo para um grupo inteiro de pessoas, muitas das quais têm relações diferentes com certas palavras, ações e gestos. Você tocaria o cabelo de uma mulher negra que você não conhece porque sua amiga negra permite que você toque no dela?

7. “Pare de me atacar por ter privilégio só porque eu sou branco. É racista e ofensivo.”

Quando as pessoas criticam racismo e privilégio branco, elas estão falando de maneira geral sobre um sistema e não sobre o individual. A não ser, é claro, que o indivíduo em questão mereça ter que lidar com suas atitudes racistas.

8. “Estou cansado de fingir que [tal raça] precisa de tratamento especial e programas de auxílio só porque não são brancos. Nós temos problemas também, sabem”.

Ter problemas na vida é parte inerente de ser humano. Mas é preciso humildade e empatia para tomar um tempo e espaço para autorreflexão e para realmente entender que para alguns de nós é muito mais fácil do que para outros – mesmo com nossas tentativas provisórias para garantir oportunidades iguais para todas.

9. [Inserir expressão de olhos marejados de culpa ou negação de privilégio branco].

Primeiramente, tudo bem ter emoções ou se se sentir realmente arrependido quando está claro que um sistema cruel foi perpetuado por alguma palavra ou expressão sua. Policiar as emoções alheias não é legal, e pessoas não-brancas sabem melhor do que ninguém. Porém, geralmente, quando as lágrimas começam a cair, elas se relacionam com a rejeição completa da ideia de que ser branco garante privilégios e é considerado o normal em basicamente toda estrutura social e institucional. Assim, ao invés de se concentrar nas muitas, profundamente doloridas experiências das pessoas não-brancas, a pessoa em questão acaba desviando a conversa e a tornando sobre ela mesma.

VEJA TAMBÉM: Faça o ‘teste do pescoço’ e saiba se existe racismo no Brasil

Isso não só desvia a culpa de uma maneira que é historicamente perigosa, como também reforça o próprio privilégio sendo interrogado: porque essas lágrimas brancas e esses sentimentos brancos são muitas vezes priorizados acima das lutas diárias de pessoas não-brancas.

Derrick Clifton, The Daily Dot. Tradução: NAQ

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. jorginho Postado em 27/Nov/2014 às 23:24

    não gostei dessa matéria... (pessoa branca dizendo)

  2. Rocken Postado em 28/Nov/2014 às 03:04

    o racismo só existe na mente de quem é ignorante ou por quem foi influenciado por ignorantes, os racistas basicamente acham que sua raça ou "time" é melhor, assim como racismo existem outros "ismos" que geram ódio e preconceito na mesma proporção ,também tem catolicismo, tem judaísmo, tem partidarismo, tem elitismo(e "probismo"), tem patriotismo e por fim tem até esquerdismo(e MUITO), ficar falando de racismo virou obsessão e pra mim é uma das coisas toscas da esquerda. Eu acho que o racismo só deixa de existir se as pessoas forem compreensivas com as outras no geral, ficar falando sem parar sempre de uma coisa só não vai adiantar nada e se falar de todas as ignorâncias não da certo também porque todos tem as suas e não quer admitir, nossos queridos amigos golpistas de SP por exemplo, talvez não sejam tão maus, só tem uma formação ideológica diferente, e isto porque a maioria deles nunca conheceu uma família pobre ou não teve um amigo que virou bandido, também nunca conheceu uma grande serie de diversidades que faz você mudar de opinião sobre as outras pessoas. Eu acredito que só uma sociedade mais igualitária pode acabar com qualquer preconceito, estabelecer "coisas que as pessoas brancas não deveriam dizer sobre o racismo" eu prefiro ignorar

    • Rosa Postado em 28/Nov/2014 às 09:13

      Releia o item 3.

      • Rocken Postado em 03/Dec/2014 às 23:34

        releia a constituição, la ta escrito que todos os brasileiros são iguais dentro do território conhecido como Brasil, qualquer outra coisa além disso é fruto das opiniões das pessoas e por isso não existe diferença nenhuma entre racismo e outras formas de preconceito, da mesma forma que algumas brancos(ou negros) podem ilegalmente se reunir pra prejudicar negros(ou brancos) pode existir algum grupo de pessoas bem grande que quer me exorcizar ou me matar por eu ser Ateu(ou por votar na Dilma), ser Ateu não esta na cara e eu não ando com a estrelinha do PT, por isso eu sofro muito menos que um negro, mas no fim é a mesma coisa

    • Caio Borrillo Postado em 03/Dec/2014 às 18:47

      "assim como racismo existem outros "ismos" que geram ódio e preconceito na mesma proporção" Exatamente, assim como o coleguismo, o lirismo, o humanismo, o abismo, o electromagnetismo, o aforismo, o africanismo, o turismo, o estadismo, o exorcismo, o ficcionismo, o automobilismo... Tudo ruim mesmo, aff. (ironia mode on)

  3. rafa Postado em 28/Nov/2014 às 05:16

    trabalhadores na posse de seus próprios meios de trabalho, pra nao precisarem ALUGAR de descendentes de quem ROUBOU terras indigenas e enriqueceu de trabalho escravo. quando expropriarmos aquilo de que deus algum deu escritura a ninguem e o coletivizarmos, daí entao teremos uma base IGUALITARIA como vc diz.

    • Gabriel Postado em 02/Dec/2014 às 12:17

      O problema é quando esse discurso de que "eu nâo vejo raça nem cor passa a ser usado como argumento para se dizer que não existe racismo. O fato de você nâo tomar parte ativa nele não quer dizer que ele não exista, tendo sido criado por uma longa história e tradição de preconceitos e abusos que repercutem na organização social atual. O fato de você ter parentes negros e pardos bem sucedidos não ilustra de maneira nenhuma qualquer ausência de preconceito no país.

  4. Ingrid Postado em 28/Nov/2014 às 09:20

    Digo sim que não vejo raça e não por preguiça ou falta de vontade de pensar no tema, a verdade é que tirando nos momentos em que o assunto está sendo abordado, tenho dificuldade de ficar definindo as pessoas pela cor e mesmo acontece pelo gênero, acho que isso talvez aconteça pelo fato da minha família ser extramente misturada e eu ter nascido e crescido com negros e brancos morando na mesma casa. Enfim, não acho que o escritor dessa matéria é capaz de determinar o porque de cada frase ser usada, só parece querer colocar sua opinião como verdade absoluta.

    • Fernanda Postado em 28/Nov/2014 às 11:10

      Muito bem Ingrid. Concordo com vc. O autor quer impor o que deve ser pensado, mas eu tbm cresci numa família miscigenada, com negro e brancos, todos muito amados e educados à enxergar a essência das pessoas. Pra nós, qualquer cor é natural e bela. E vamos continuar não vendo a raça, e sim os seres humanos.

      • LaísCS Postado em 01/Dec/2014 às 21:42

        Esse tipo de situação mencionada em que a frase foi empregada é uma exceção. Tenho certeza que famílias assim, que através da miscigenação e da constante mudança de pensamento que vai passando e evoluindo de geração em geração, fazem com que o racismo vá diminuindo aos poucos (beeeeeeeeeem aos poucos mesmo). O racismo é institucionalizado no Brasil (é só ver o número de jovens negros mortos pela polícia). E na maioria das vezes quando uma pessoa diz que "não vê raça, só pessoas" está querendo ignorar o problema, como escrito no tópico 2. Até agora só vi pessoas brancas, de famílias elitizadas falarem isso - e só consegui perceber isso depois cresci. Que bom que esse tipo de frase seja dita de uma maneira diferente, espero que o mesmo pensamento seja completo, por exemplo, que ele também seja dito em relação a comunidade LGBT... Mas não é o caso para a maioria das vezes em que esse tipo de frase é empregada.

      • max weber Postado em 02/Dec/2014 às 10:33

        Afinal, Somos todos da Raça Humana......menos aqueles pretinhos ali.

    • Veronica Postado em 03/Dec/2014 às 11:51

      Uma coisa é não ser racista. Outra é "não ver raça". Se eu não vejo raça, não apoio cotas (inúteis, pra mim somos todos iguais), não apoio ações afirmativas em geral, não discuto o assunto. Eu vejo raça sim, eu sou branca e mãe de 2 meninas negras e eu sei que enquanto houver racismo elas não vão ser tratadas como seres humanos, e sim como mulatas. A que tem a pele mais escura já foi vítima de racismo MAIS DE UMA VEZ! É nojento, é injusto, a gente se sente impotente: ela evitava pegar sol e dizia isto para os amigos negros para tentar não sofrer discriminação! Ela repetia que queria ter nascido branca! Hoje, não no século retrasado, hoje! Como fingir que isto não existe, como não falar no assunto???

    • Jessica Postado em 03/Dec/2014 às 12:07

      Minha cara, o fato de você não ter presenciado atos racistas nem ter participado de tais atos não quer dizer que eles não existam. Eu nunca vi um urso polar, mas nem por isso saio por aí dizendo que eles não existem, isso é mais que "inocência" é ignorância escolhida.

  5. Cristiane Carvalho Postado em 28/Nov/2014 às 13:34

    Não é pq eu ou você não somos racistas que o racismo não existe. O fato de muitos de nós entendermos que somos todos iguais não muda o que, como o autor diz, "não brancos" sofreram historicamente e sofrem até hoje. Vivo uma situação absurda de comentários racistas no trabalho e a pessoa simplesmente acha que está tudo bem, que é normal, que se sentir ofendido por isso é frescura pq "é tudo brincadeira".

    • eu daqui Postado em 28/Nov/2014 às 14:32

      Essa situação que vc descreve, ainda que por alto, me parece algo que considero pior do que racismo: assédio moral laboral. Com conotação racista ou não, não se submeta a esse sáido resquício do escravagismo: grave, filme, produza e colete provas materias, inclusive documentais. Testemunhas também valem mas não são tão irrefutáveis como a materialidade de filmes, gravações e documentos. Apesar de ainda não ser infração penal mas somente civil, alguns processos de assédio provocam um desdobramento criminal que vem a calhar: crime contra a honra, lesão corporal, abuso de autoridade, ameaça, etc. Vale a pena sair do discurso e partir para a ação: palavra da experiência.

  6. Ana Banana Postado em 28/Nov/2014 às 16:38

    Também vejo as pessoas como pessoas. Se me perguntarem se tenho amigos negros ou gordos, ou sem uma perna, terei dificuldade em responder porque só verei amigos e não a cor, tamanho ou ausência de pernas. Tive uma discussão horrível recentemente onde fui chamada de racista por achar que não tem nada demais em modificar a feijoada! Racista porque acho que está tudo bem feijoada vegetariana?? não quero medalhinha porque sempre respeitei e tratei os negros como iguais, mas esse racismo visto em TUDO está distanciando as pessoas que ao invés de se tornarem aliadas acabam se distanciando e com medo até de cumprimentar os negros. Sei que faço parte de uma classe privilegiada mas eu em particular não cometo o crime de racismo. Então porque não focar em quem comete ao invés de ficar com esse ranço todo? Querem que os brancos peçam desculpas por 400 anos antes de aceitar que algum de nós não é racista?

    • Jessica Postado em 03/Dec/2014 às 12:12

      Eu não sei se vocês perceberam, mas o autor em momento nenhum disse que todos os brancos agem dessa forma, o que ele disse é que essas atitudes tem toda uma carga racista e discriminatória por trás. E PELO AMOR DE DEUS! BRANCO FALANDO DO QUE É OU NÃO RACISMO É MUITA HIPOCRISIA! LEIAM STEVIE BIKO!

    • Ana Paula Postado em 03/Dec/2014 às 14:08

      "sempre respeitei e tratei os negros como iguais" Essa frase é sintomática!!! Será que dizer que trata como igual é considerar efetivamente igual??

  7. Rogério Vianna Machado Postado em 29/Nov/2014 às 11:01

    A ignorância das Leis Divinas tem provocado tantas desgraças. "Sofre a humanidade porque os homens não cultuam a Fraternidade, que os levaria a trabalhar pela igualdade de Direitos, dentro de um ambiente de Liberdade". - Léon Gambetta - Político Francês. "Quando pratico o mal, sinto-me mal, quando pratico o Bem, sinto-me Bem. Eis a minha Religião" - Abrahan Linconl. 16º Presidente dos Estados Unidos. Namastê

  8. Thiago Teixeira Postado em 29/Nov/2014 às 11:56

    "Racismo não existe, é vitimismo da esquerda". (Humorista anônimo)

  9. Gianasirock Postado em 29/Nov/2014 às 13:56

    Gostaria de um pouco mais de racionalismo nesse tipo de debate. Tem gente que não tem o que fazer e fica botando chifre na cabeça de cavalo! PS: Sou casado com uma negra!

    • jessica Postado em 03/Dec/2014 às 12:13

      OOOOOOOOOOOOOOHHHHHHHHHH! E casar com uma negra te faz o supra-sumo da luta contra o racismo não é?

  10. Carlos Postado em 29/Nov/2014 às 20:38

    https://www.facebook.com/carlosengpet?fref=photo Olhem os negros pobres e oprimidos.

  11. Carlos H Assumpção Postado em 30/Nov/2014 às 15:25

    Sou Afro descendente e penso que o negro e descendentes, estão exatamente onde querem estar, sou bisneto de escravos e penso que o negro aceitou a escravidão afinal, sempre fomos maioria entretanto, preferimos atribuir a outros a luta pelos nosso direitos a lutar por nos mesmos, você esta na vida onde se coloca!!! Ao longo dos anos nos sentimos orgulhos pelas nossas mulatas, pelo samba e por ter pele, (um negro) como rei do futebol, nas novelas, nos conformamos com papéis como escravos, empregados domésticos ou bandidos. Então porque reclamar se esse papel que nos foi reservado é tão aclamado e aceito com imensa gratidão? Somos hipócritas, negros e brancos, o negro por se sujeitar as situações preconceituosas e os brancos por negarem algo inegável, que de fato o racismo existe, vai continuar existindo e sempre existira, não importa o que se faça, quanto a mim, não me importo que gostem de mim ou não em razão da cor da minha pele, o que exijo é ser respeitado,você não precisa aceitar minha condição, mas é obrigado a me respeitar, afinal, é o que dizem as leis...

    • Jessica Postado em 04/Dec/2014 às 16:48

      A maior arma do opressor é a mente do oprimido.

  12. Samael Postado em 01/Dec/2014 às 20:43

    Não, eu não acredito nisso q li agora até ver quem escreveu, um cara negro de nova york, tenha paciência né gente, vcs querem comparar um país estremamente racista em que os negros são sim uma minoria gritante. Tenha dó né.

  13. Rodrigo Postado em 02/Dec/2014 às 16:44

    (Outro Rodrigo) 1- Maniqueísmo?: há, claro, muitas pessoas discriminadas e muitas falsamente discriminadas (o oportunismo é um defeito humano, independente de cor, sexo, crença ou qualquer caractere outro), de modo que o caso concreto há de ser analisado, a fim de não ser feito mau uso de uma luta de tantos anos, não perdendo sua necessária importância e força; 2- Maniqueísmo? Ver e compreender uma raça humana tem, sim, uma razão científica, mas não de "daltonismo filosófico": sou pardo, descendendo de índios, brancos e negros, sou baiano, sou brasileiro, "filho da Terra" e irmão de todos os demais que, por óbvio, são meus iguais, merecendo de mim o mesmo respeito que eu prezo para comigo (respeitar igualmente é muito diferente de achar que tem de ser exterminada a cultura, a língua etc.); 3- racismo existe no ser humano e, claro, um dos grupos de seres humanos mais agredidos por ele foi o do homem negro: a origem de escravo é a palavra eslavo, povo (branco) escravizado por outro povo branco, não podendo ainda ser esquecido que na verdade histórica é deixado de lado o homem negro que vendia ao homem branco o rival negro derrotado e aprisionado (a culpa é de muitos, pois, não podendo ser buscada uma meia-verdade) - sugiro uma ampla busca pelo racismo,a fim de ver que muitos povos não aceitam o diferente, mesmo, como já tive oportunidade de ver relatado, brancos sendo discriminados por negros (alguns dirão que "ah, isso é a virada de mesa, é o troco", mas, na verdade, é igualar-se em comportamento racista, tendo conduta tão abjeta quanto a de quem discrimina o negro ou qualquer outro indivíduo); 4- um dicionário pode dar a etimologia, levar-nos a conhecer o conceito histórico, bem como um dicionário jurídico trará a diferença entre racismo, discriminação e injúria racial: a etimologia e o significado não resumem o racismo, mas ajudam a compreendê-lo, a analisar uma realidade com maior precisão, até mesmo, quanto ao dicionário jurídico, servindo para que a pessoa tenha exata ou melhor noção do direito que lhe assiste (processo por racismo, por discriminação, por injúria racial, que não se confundem); 6- negar-se à discussão? não é um bom passo, o que não se confunde em absoluto com perder tempo com quem está sendo irônico (novamente, cuidado para evitarmos o maniqueísmo, o "8 ou 80") - exemplo de injúria (não é racial, mas é uma que eu sofri): um colega de sala, paulista, em vez de portar-se como os demais paulistas que conheci, com atitude integradora, preferiu soltar um "SEU BAIANO!", com conotação ofensiva (mas eu adoro ser baiano, o que não significa não gostar dos demais) e tive muita pena da pequena cabeça dele; 7- o ressentimento livremente dirigido é perigoso, não se devendo culpar alguém pelo sucesso que ele tenha alcançado, buscando creditar unicamente à cor da pessoa, haja vista todos terem problemas das mais diversas ordens (o rapaz que alcançou 95% do ENEM, certamente, terá colegas de sala a terem inveja dele, a julgarem que ele teve sorte, que caiu do céu, que em nada ele se esforçou), mas, claro, há de se ter atenção e a devida aplicação da lei, a fim de que uma pessoa não perca oportunidade, não seja preterida, por um critério qualquer (cor, origem, gênero, orientação sexual, credo ou direito de não tê-lo etc.); 8- a questão negra tem de receber atenção, sempre, mas sem nos esquecer-nos de que, quanto a cotas, há brancos pobres, então um critério mais inclusivo seria o da renda (e seguimos sem melhoria nas escolas públicas, sendo feito pouco caso das crianças - talvez porque criança não vote, mas vestibulando vote...); 9- culpa de privilégio branco? se alguém julga que está diariamente roubando a comida da boca de alguém, se, conscientemente, tomou a vaga que caberia a outro (a exemplo daqueles que compraram vagas em universidades públicas, conforme postagem deste site), há diversas coisas a serem feitas: no primeiro caso, assim como a todas as demais pessoas, procurar ajudar aos demais, das mais diversas formas (abrigos, asilos, escolas públicas, creches, projetos sociais, bibliotecas etc.), fazendo bom uso, durante algumas horas da semana ou do mês, dos talentos que tenha, ajudando o próximo, estendendo a mão a alguém; e, no segundo caso, a pessoa sendo uma verdadeira criminosa, a solução é a policial mesmo, no bom e velho "xilindró" para o filho que aproveitou e para o pai que pagou, bem como demais envolvidos. Então, ao fim, em vez de ficarmos nessa de "brancos dos olhos azuis racistas facistas machistas homofóbicos classe média odiada pela chauí coxinha reaça eleitor de aécio" x "negros (e toda a carga de adjetivação pejorativa/racista/injuriosa)", falta uma visão integral do ser humano, que precisa partir de si para, então, poder ser trazida ao outro (Huberto Rohden, em seu livro "A Educação do Homem Integral" explica que uma alo-educação jamais sobrepujará a autoeducação) deve-se partir de si para o outro, da compreensão individual, para então levá-la ao outro. Então, quando vejo o outro sem ressentimento, aceitando-o como meu igual que, ante as devidas condições (alimentação e instrução, bem como vontade própria, por exemplo), tem condições de obter sucesso, posso levar isso a ele e esperar compreensão. Concluiremos que ainda há muitas pessoas que optam por comportamentos racistas, injuriosos, discriminatórios; que é devida a proteção aos meus direitos, à minha cultura; que é devida a minha defesa contra a exclusão; mas sempre sem maniqueísmo, sem tomar todos pela mesma medida. Isso, pois, é a defesa do ser humano de uma forma integral, integradora, includente, que iguale a todos, não se confundindo com "daltonismo filosófico", com negação de história, língua e cultura, com qualquer diminuição do outro, quem quer que seja ele, seu igual.

  14. Josué Postado em 03/Dec/2014 às 01:48

    Meu amigo, vc pediu pra mandar bem e deu eco! É uma pena que sua opinião não seja divulgada aqui no Pragmatismo Politico. Acabaria com todo e qualquer argumento possível do texto aqui acima.

  15. Patrícia Postado em 03/Dec/2014 às 08:11

    O primeiro passo para a cura é o diagnóstico. Se você nega essa doença(racismo) então não quer ser curado. Quer saber o que é ser negro. Tome um banho de piche e e viva um dia de negro.

    • Jessica Postado em 03/Dec/2014 às 12:15

      Parabéns, Patricia! Você está certíssima! Quer saber o que é ser Negro?? Viva como um, pelo menos por um dia

  16. Jackie Postado em 03/Dec/2014 às 13:55

    Nossa que materiazinha besta essa. Sempre ajo assim, e olha que apesar de branca de olhs verdes, e cabelos lisos, sou casada com um negro, tenho um filho mulato claro e todos os argumentos que sempre levanto que esta matéria é preconceituosa e demamgoga, postou vão exatamente oa contra´rio do que até meus sogros orientam. Sempre tive esta postura com a família de meu marido e els sempre, SEMPRE faam que eu tenho razão. E até meu sogor, que é uma pessoa extremamente influente na comunidade dele me ouve e me apoia. E até na comunidade "negra" ou melhor humana de afro-descendentes, já fui convidada para participar das festas de São Benedito. Mesmo eu não sendo católica, e branca; privilégios que poucos não afors conseguiram. Cosa que especfica como eles eram racistas. Agora por outro lado, faço de surda toda vez que vejo um parente meu me chamar de rata-branca, ou dizer que faço algo errado eu to fazendo negrice... e sincermente tem outor assunto: eu mesmo sendo de classe C JAMAIS permitira ao meu filho entrar numa faculdade utiliznaod as cotas raciais. Nunca, isto é um insulto até para o pai dele. todas as vezes que ele precisa preencher uma papelada idiota ou ele coloca a etinia ou se declara branco. E olha que a família de meu marido toda, TODA que terminou sua graduação foi com seu próprio esforço, até porque esse lance de cotas e bolsas-vagabudangers não exitiam... e minha sogra (isso eu nunca canso de falar)um ex-doméstica apó os 40 anos, voltou a estudar e se formou em Enfermagem. E os filhos são engenheiros, biólogos, empresários e etc... falar em cotas raciais lá é o mesmo que invovcar o capeta na cozinha! Mas tdo be, para os hipócritas racistas de qualquer etnina, eles sempre serão taxados de negros de alma branca...

  17. Amanda Postado em 03/Dec/2014 às 18:42

    Eu sou branca e tenho plena consciência de que tenho que calar minha boca e simplesmente seguir apoiando quem realmente sabe o que significa sofrer racismo, que são os negros. É realmente triste ver brancos tentando deslegitimar a luta dessas pessoas.

  18. Isaac Postado em 03/Dec/2014 às 21:33

    Gostei da matéria (pessoa negra dizendo)

  19. Carlos Postado em 04/Dec/2014 às 03:40

    Acredito que todo preconceito deve ser combatido, só tenho objeção a lei de cotas, que é injusta, paga um mal com outro.