Redação Pragmatismo
Compartilhar
Esquerda 14/Nov/2014 às 10:46
17
Comentários

12 mil pedem Reforma Política e protestam contra a direita na Av. Paulista

Manifestantes protestam “contra a direita atrasada” que foi às ruas pedir intervenção militar no Brasil e reivindicam reformas estruturais como urbana, agrária, tributária, além de uma constituinte para a reforma política. Ato ocorreu sob forte chuva

ato reforma política avenida paulista
Marcha “contra a direita” e por “reformas populares” reuniu cerca de 12 mil na Avenida Paulista. Ato ocorreu sob forte chuva (Foto: Mídia Ninja)

A “Marcha popular pelas reformas: contra a direita, por direitos”, realizada na noite desta quinta-feira em São Paulo, é uma resposta da esquerda aos manifestantes que, seis dias após a reeleição de Dilma Rousseff (PT), foram às ruas pedir o impeachment da presidente e defender a necessidade de uma “intervenção militar” no País.

De acordo com policiais militares que acompanharam o ato, cerca de 12 mil pessoas participaram. Os organizadores estimaram em 15 mil. Já o protesto realizado por eleitores do candidato derrotado à presidência Aécio Neves (PSDB) reuniu cerca de 2,5 mil pessoas no último dia primeiro de novembro (informações da Polícia Militar).

Sob chuva forte, o ato começou por volta das 17h no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp). “Tem uma ‘playboyzada’ aí dos Jardins que, porque o ‘titio’ Aécio [Neves] perdeu a eleição, ficaram ‘bravinhos’ e foram para a rua contra o povo. Se lá na marcha deles tem elite, que não gosto do povo, aqui tem povo trabalhador, aqui tem negro, aqui tem nordestino, aqui está o povo brasileiro”, gritou o líder do MTST, Guilherme Boulos de cima do caminhão de som, antes de a passeata começar. Era uma referência ao ato do último dia primeiro de novembro, que reuniu 2,5 mil pessoas no mesmo local para pedir a queda da presidenta Dilma Rousseff por impeachment ou por meio de um golpe militar.

SAIBA MAIS: Cenas de uma marcha fascista em São Paulo

De acordo com o líder do MTST, um dos objetivos era justamente “fazer o enfrentamento contra a direita atrasada”: “Eles têm ido às ruas nos últimos meses defender posições inaceitáveis para maioria do povo brasileiro. Defender não só intervenção militar e impeachment, como também semear ódio aos pobres, o racismo e a homofobia. Isso não pode ser admitido. Essa marcha vem para fazer contraponto e mostrar que se os golpistas do Jardins estão colocando mil pessoas nas ruas, nós vamos pôr 15 mil só para começar”.

Reformas

O segundo propósito da manifestação desta quinta-feira, ainda segundo o líder do MTST, é “pautar reformas populares no Brasil”: reforma política; reforma urbana e agrária; reforma tributária progressiva; democratização das comunicações; e desmilitarização da polícia. De acordo com Boulos, os manifestantes querem mostrar à presidente Dilma que ela tem todo o apoio para seguir adiante com as reformas – e, ao mesmo tempo, que encontrará os movimentos mobilizados caso não siga com suas promessas.

Presente na passeata, a ex-deputada federal do PSOL Luciana Genro, que disputou a Presidência em outubro, minimizou a representatividade do discurso de extrema direita: “Eu acho que a manifestação que ocorreu aqui dias atrás não tem força, não tem representatividade social. Mas é evidente que a direita existe no Brasil e ela se expressa, por exemplo, no massacre que a polícia e as milícias promovem semanalmente na periferia das grandes cidades”.

VEJA TAMBÉM: A reforma eleitoral e a participação social

Dos Jardins, a passeata seguiu pela rua Consolação até o centro da cidade, na Praça Roosevelt. Após quase três horas de caminhada embaixo da chuva, o MTST encerrou o ato. No discurso final, Boulos deixou um recado para Dilma. “Nós não vamos permitir que a presidenta não faça as reformas que prometeu e não governe para os trabalhadores”.

Segundo a PM, não foram registradas ocorrências no ato.

Terra e CartaCapital

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Sandra Postado em 14/Nov/2014 às 12:00

    Parabéns ao movimento. Temos que mostrar de que lado tá a maioria e que a vontade do povo é soberana. Agora, penso que a mesma pressão deve ser feita em relação aos parlamentares que já deram o primeiro voto contra o povo logo após as eleições. Estão tentando minar as possibilidades de Dilma fazer um bom governo. Por isso, vamos abrir o olho. Tudo que for feito na linha da reforma política vai ter sujeitinho querendo quebrar as pernas do povo brasileiro. Temos que começar a divulgar a CARA de cada um deles. Deve ter uma forma de fazer isso. Todos têm gabinetes e e-mail. Vamos começar a cobrar explicações.

    • KARINA BB Postado em 14/Nov/2014 às 13:15

      Concordo,esse povo q votou em Aecio enche a boca pra falar em nome dos brasileiros,como se o Brasil inteiro tivesse votadoo nele,

  2. eu daqui Postado em 14/Nov/2014 às 12:34

    Deveria estar acontecendo no país todo.

  3. Bruno Postado em 14/Nov/2014 às 16:29

    Você não leu o testo não?A pŕópria PM informa que são 12 mil.E prove as acusações que você faz contra o Guilherme Boulos eo MTST.Direitista ama fazer acusações sem prova.

    • Rodrigo Postado em 17/Nov/2014 às 22:39

      Calma Bruno, o problema deles é encarar livros como "Privataria Tucana", com verdades inexoráveis sobre seus representantes.

  4. Tchekowski Postado em 14/Nov/2014 às 16:37

    Eu entendo o Rodrigo. Este site é a única válvula de escape para destilar a frustração de QUATRO DERROTAS CONSECUTIVAS. Continue tentando. Em 2018 tem outra eleição para presidente. Venham com Aécio de novo. Até lá ele pode se internar para se livrar dos vícios, parar de agredir mulheres e, falando em titio, poderia abrir ao público aquele aeroporto...

  5. Rocken Postado em 14/Nov/2014 às 18:07

    estão pedindo reformas inteligentes, exigindo compromisso de quem foi eleito, ninguém neste protesto esta pedindo o impeachment do Alckmin, pois foi eleito democraticamente, do outro lado é discurso vazio sem fundamento e pedidos de intervenção militar, e também o mimimimimi, quero o meu candidato no poder

  6. Denisbaldo Postado em 14/Nov/2014 às 18:27

    Coitada dessa direita brasileira sem razão e sem noção. Eu já havia falado aqui que a resposta para o Lobão e sua turma viria rapidinho e muito mais alta. A maioria daqueles que votaram em Aécio não são convictos, votaram contra o PT. Já aqueles que votaram em Dilma, querem dar continuidade ao processo de reformas que têm ocorrido no Brasil nos últimos 12 anos. Não cutuquem onça com vara curta, se necessária a luta armada acontecerá, e coxinhas vão virar pastel. Um recado pro Lobão: VOLTA PRO LEBLON! Sampa está ficando estranho pra você. Não se esqueça que o prefeito daqui também é do PT.

  7. Thiago Lopes Postado em 15/Nov/2014 às 18:21

    E que voltem os Black Blocs

  8. Denisbaldo Postado em 15/Nov/2014 às 21:12

    Cade Poliana, Deise, Thiago e outros petista que pdeiam Sampa, o berco do partido que eles tanto amam??? Gostaria tambem de saber dos movimentos pro-Dilma que estao ocorrendo em seus Estados neste momento tao dificil para nossa Presidenta. Bando de preconceituosos isso sim, iguais aos coxinhas, soh vestem uma roupinha mais moderna.

    • Thiago Lopes Postado em 16/Nov/2014 às 15:07

      Denisbaldo, eu não sou petista.

    • Deisi Postado em 17/Nov/2014 às 13:23

      Denisbaldo, eu sou de esquerda desde 1979, por esse motivo voto no PT, também apoio e acredito no projeto. Para sua informação, moro no interior de São Paulo, mas faz um ano que estou morando em Blumenau, pois meu esposo estava na fila de transplante. Graças a Deus, fez transplante no dia 25/10, está se recuperando bem. Aqui em Blumenau não tem nem um movimento pro Dilma, porque se tivesse estaria com certeza. A unica coisa que pude fazer para a continuidade do projeto do PT, foi votar em transito no segundo turno, pois no primeiro estava com meu esposo no hospital. Eu digo a você, que moro no estado de São Paulo porque não tenho outra opção, estou em Santa Catarina por necessidade, mas se pudesse escolher e fosse possível, moraria no nordeste sem sombra de duvidas. Não me compare com coxinha, você não me conhece e não tem ideia de tudo que passei neste ultimo ano, pode me xingar de qualquer nome, menos me comparar com coxinha. Eu não aceito!

      • Thiago Lopes Postado em 17/Nov/2014 às 23:41

        Não dá bola pra esse cara não, Deisi, essa gente não consegue nem discernir as palavras

  9. MARIA Postado em 17/Nov/2014 às 10:13

    EU, COMO LEITORA E ELEITORA,VEJO QUE SE DEPENDER DE MARCHA,O AÉCIM VAI PERDER TAMBÈM!, ALIAIS,SERÁ QUE ELE TEVE ISSO TUDO MESMO DE VOTOS NO PRIMEIRO TURNO ESTRANHO NÉ?, O BRASIL NÃO É UM PAÍS DE POBRE! É DE TRABALHADOR ! , QUEM VOTOU NELE,PENSA QUE TEM DINHEIRO, "ESSES, QUE ACHAM FEIO SER CHAMADO DE POBRE!,OU ERAM REALMENTE POBRES! " NO GOVERNO FHC, E AGORA COMO AS COISAS MELHORARAM NO BRASIL,(LEIAM EM REALÇÃO AO PERIODO DO GOVERNO FHC,QUEM ERAM OS POBRES SÃO ESSES ELEITORES DO AÉCIM QUE NÃO TINHAM NADA NA ÉPOCA DO FHC,MAS QUE MELHORARAM DE NÍVEL DEPOIS DO GOVERNO PT, E AGORA GOSPEM NO PRATO QUE COMEU! ENGANADOS,PAREM E PENSEM! VCS ESTÃO SENDO MANIPULADOS! " VAMOS PARA AS RUAS PEDIR O QUE A PRESIDENTA FAÇA A REFORMA POLITICA ", ALIAIS, É O QUE ELA DISSE QUERER FAZER NO 2 MANDATO, VAMOS VER MONES DOS PARLAMENTARES QUE IRÃO VOTAR CONTRA! CLARO E PARTIDO! SERA QUE "ELES" VÃO DEIXAR QUE " A REFORMA POLITICA ACONTEÇA?"

  10. Pereira Postado em 17/Nov/2014 às 17:27

    Isso parece marcha em algum país de bandeira vermelha. Aí não tinha só tem gente paga pelos sindicatos, ongs e associações paramilitares como o MST e MTST. Pagar por militância não vale. O pior pagos com dinheiro público.

  11. Pereira Postado em 17/Nov/2014 às 17:28

    Deve ser o vermelho sangue inocente que o socialismo gosta de derramar.

  12. Thiago Teixeira Postado em 17/Nov/2014 às 19:10

    Coisa linda!!!! O povo trabalhador deve sair da toca e mostrar a sua cara, chega de coxinhas botando terror na avenida.