Redação Pragmatismo
Compartilhar
Eleições 2014 17/Oct/2014 às 10:09
17
Comentários

O show de horrores no debate do SBT

Troca de farpas e acusações entre presidenciáveis marcam debate do SBT. Distantes de temas propositivos, Dilma e Aécio protagonizaram debate baixo e deplorável

debate sbt corrupção aécio dilma
Corrupção volta a ser principal tema no debate do SBT (Pragmatismo Político)

Igor Carvalho, Revista Fórum

O SBT promoveu, nesta quinta-feira (16), o segundo debate do segundo turno entre Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB), postulantes à presidência da República. O tom do encontro, assim como no primeiro, na TV Bandeirantes, foi de ataques diretos entre as candidaturas.

Durante todo o debate, o tema corrupção foi lembrado. Mesmo quando as perguntas não eram sobre esse assunto, os candidatos o traziam à tona. Dilma mais uma vez enumerou os escândalos envolvendo tucanos, que seguem sem que os culpados sejam apresentados. Aécio, por sua vez, tentou fugir de análises sobre sua gestão em Minas Gerais e voltou a falar no caso Petrobras.

Primeiro bloco

Na abertura do bloco, Aécio quis saber de quem era a responsabilidade por tantos desvios na Petrobras. Dilma lembrou que a Polícia Federal “diferente do passado, investiga, diferente do passado, quando era comandada por filiados ao PSDB”.

Em seguida, repetindo a tática de lembrar os casos de corrupção dos tucanos, a presidenta enumerou episódios em que políticos do PSDB estavam envolvidos em escândalos, mas não foram condenados, segundo Dilma. “Onde estão os corruptos da compra de votos para a reeleição? Todos soltos. Onde estão os corruptos do metrô de São Paulo, e dos trens? Todos soltos. Onde estão os corruptos da ‘pasta rosa’? Todos soltos. Onde estão os corruptos do processo Sivan? Todos soltos. Onde estão os corruptos da ‘privataria tucana?’”, perguntou a petista.

Aécio respondeu afirmando que acredita e confia nas instituições brasileiras. “Todos os casos aos quais a senhora se refere foram investigados. Se as pessoas estão soltas é porque não foram condenadas, portanto as provas não existiram. Mas não vou olhar para o passado, vamos olhar para o presente e para o futuro”, disse. Para Dilma, tucanos “não foram condenados porque não foram investigados”.

Em sua vez, Dilma quis falar sobre Educação e perguntou por que o PSDB foi contra o Enem. Aécio desmentiu. “Não coloque palavras na minha boca nem no meu partido. Quem foi contra escolas técnicas, candidata? O Pronatec é uma inspiração do PEP”, ressaltou.

Na primeira pergunta, Dilma afirmou que não nomeou parentes para seu governo e perguntou se Aécio podia dizer o mesmo. “No meu governo, me ajudou muito a minha irmã, a minha irmã Andréa, figura extraordinária. Acham que eu sou o neto preferido de Tancredo, mas era ela. Ela assumiu o serviço de voluntariado do Estado de Minas Gerais, me ajudou a coordenar a área de comunicação sem remuneração, candidata”, respondeu o tucano.

Tentando imputar à petista a mesma pecha de nepotista, Aécio lembrou que Igor Rousseff, irmão da presidenta, trabalhou na Prefeitura de Fernando Pimentel (PT), em 2003. Dilma respondeu listando os familiares empregados pelo tucano. “A sua irmã e o meu irmão têm que ser regidos pela mesma regra, eles não podem estar no governo que nós estamos. O nepotismo, candidato, eu não criei. O nepotismo é uma decisão do Supremo Tribunal Federal. Toda sociedade brasileira sabe que dentro do Governo Federal e dentro do Governo do Estado de Minas não pode ter um irmão, uma irmã, um tio, três primos e três primas”, explicou.

Segundo bloco

Na abertura do bloco, a presidenta retomou o tema “corrupção”. Dilma perguntou a Aécio sobre a propina que teria sido paga ao ex-presidente do PSDB, Sérgio Motta, para esvaziar uma CPI que investigaria a Petrobras. O fato foi denunciado pelo ex-diretor da estatal, Paulo Roberto Costa, ao Ministério Público.

Aécio, visivelmente pego de surpresa, não respondeu e tergiversou. “As denúncias que surgem aí são denúncias construídas a partir daquilo que a Polícia Federal chama de uma organização criminosa atuando no seio da nossa maior empresa. Foram doze anos, candidata. Doze anos que os cofres da Petrobras foram assaltados. E esse dinheiro distribuído. Temos sim que ir a fundo, saber quem são os beneficiários”, disse.

Quando foi perguntar, Aécio quis saber se o governo federal irá se aproximar dos estados e municípios no “combate à criminalidade”. “Nós fizemos uma política que estava baseada em três aspectos. Primeiro, é necessário prevenir. Depois, candidato, é necessário garantir que os jovens e que todos aqueles que tenham e que sofram esse assédio, eles tenham defesa. E finalmente, candidato, é fundamental que o governo coloque na pauta toda uma questão relativa ao combate à violência, às drogas, e que faça com que os jovens não sejam objeto fácil do tóxico, da violência, e das formas pelas quais o crime se infiltra”, finalizou a petista.

Aécio criticou o investimento na área de Segurança: “Infelizmente, candidata, o orçamento, que já não é grande coisa – do Ministério da Justiça, do Fundo Nacional de Segurança, e do Fundo Penitenciário – não foi executado nem na sua metade”.

Terceiro bloco

Na abertura, Dilma perguntou a opinião de Aécio sobre a Lei Seca, sem citar que o tucano já havia sido parado em uma blitz e se recusou a fazer o teste do bafômetro. “Eu tive um episódio que parei numa Lei Seca porque minha carteira estava vencida e ali, naquele momento, inadvertidamente, não fiz o exame e me desculpei disso. Como a senhora não se arrepende de nada no seu governo”, afirmou o tucano, fazendo um mea culpa.

Dilma lembrou que dados da Saúde, que indicavam um déficit de investimento na área, antes publicados no site do Tribunal de Contas do Estado, desapareceram quando a presidenta os citou na última terça-feira (14), no debate da TV Bandeirantes.

O aeroporto construído por Aécio Neves na cidade de Cláudio, em Minas Gerais, nas terras de um tio, foi motivo de nova contenda entre os candidatos. O tucano mostrou que ainda não consegue explicar o fato. “Minas tem 92, entre pequenos, médios e grandes aeroportos, candidata. Vamos falar do governo federal, a não ser que a senhora queira no futuro, talvez desempregada, a partir de primeiro de janeiro, ser candidata ao governo de Minas. Aí terá tempo para discutir Minas Gerais”, afirmou o candidato do PSDB.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Comentários

  1. omas Postado em 17/Oct/2014 às 10:28

    Se o site faz um resumo tão ruim porque você perde seu tempo frequentando o mesmo? A irmã não recebia e o resto da família ajudava ela? E a surra que ele deu na namorada? e o policial mineiro que o chama de viciado? e o aecioporto? e o site do tribunal de Contas apagado? Você tem resposta para tudo isso?

  2. KARINA BB Postado em 17/Oct/2014 às 10:35

    Pra que tantos debates ,e ainda vem por aí os da record e da globo,ontem foi um horror de ambos os lados,foram repetidas as mesmas coisas do debate da BAND,,a Dilma realmente peca pela oratoria e raciocinio lentos,Aecio nao suporta ser confrontado com seus podres,se achando acima de tudo e de todos,o PSDB tambem esta sujo na Petrobras,enfim,a Dilma deve fazer curso intensivo de oratoria,memorizaçao,e aprender a raciocinar mais rapidamente,,,,concatenando melhor suas ideias

    • São João Postado em 17/Oct/2014 às 11:28

      Este curso ajudaria a Dilma! Já o Aécio não tem jeito! Curso de honestidade não existe! Vem de berço! E desde o berço ele mama na corrupção!

      • NewtonS Postado em 17/Oct/2014 às 18:23

        Karina e João: Não é fácil retrucar quando um oponente "só vem com ataques" e perguntas de baixo nível. A meu ver a Dilma foi até bastante "serena", enquanto o oponente mostrava-se visivelmente com "raiva" . Fica muito difícil retrucar frases que incluem observações do tipo: "... a Senhora está desempregada a partir de 1o. de janeiro...". É muita baixaria.

    • Valdir Postado em 17/Oct/2014 às 17:17

      Karina, essa fragilidade da presidenta é visível, haja vista, que a Dilma é técnica (Doutorada pela Unicamp), e não tem o traquejo de um político, sua oratória é fraca. Todavia, sua personalidade transmite confiança, hombridade, e faz com que as pessoas se cativem pelo seu discurso. Dilma não é uma candidata frondosa, profisional, alicerdade em organizações corporativas da sociedade, não é uma pessoa carismática. Todavia, sua simplicidade de palavras, e a sua generosidade para com os menos favorecidos é deslumbrante.

  3. Soda cáustica Postado em 17/Oct/2014 às 11:00

    Essa foto dele diz tudo... Mulheres tremei...

  4. Cícero Postado em 17/Oct/2014 às 11:17

    O Aécio não respondeu: 01) empregou tio, 3 primos, 3 primas e a irmã. 02) dirige embriagado. 03) Sérgio Guerra, ex-presidente do PSDB estava no esquema da Petrobrás. 04) Aeroportos inexplicáveis. 05) Repasse do governo de Minas para as três rádios e um jornal, propriedades de sua família.

  5. Operário Postado em 17/Oct/2014 às 11:24

    A irmã não recebia salário mas era responsável pela verba de comunicação que repassa aos jornais e tv da família. Mas são 8 os parentes: a irmã, um tio, 3 primos e 3 primas! Faltam 7 mentiras! Responda aos berros que talvez alguém acredite.

  6. Walter Postado em 17/Oct/2014 às 11:28

    Apareceu o cadaver do PSDB na PETROBRAS.

  7. Daniel Postado em 17/Oct/2014 às 13:03

    "Democracia é tão chato, não é? Gostaria de não ter que assistir a isso, como seria bom se alguém que não fosse eleito controlasse tudo, sem eleições..." É isso que você quis dizer?

  8. Daniel Postado em 17/Oct/2014 às 13:04

    Como presidente? Ele vai ficar no Rio. Talvez tente transferir de volta a Capital...

  9. Daniel Postado em 17/Oct/2014 às 13:09

    Rodrigo, só é nepotismo (mesmo cruzado) se os dois estiverem no governo ao mesmo tempo. Dilma não era presidente durante a prefeitura de Fernando Pimentel, aliás, ele foi ministro do governo dela! Pense bem, suponha que você está num cargo de confiança hoje; daqui a dez anos, seu irmão - supondo que você tenha um - é eleito. Imediatamente, ele passa a incorrer nesta irregularidade, mesmo que você não esteja mais no cargo?

  10. Rocken Postado em 17/Oct/2014 às 13:52

    você é muito mal informado cara, ela trabalho de graça porque é proibido empregar 1º grau, e ela usou o cargo pra censurar imprensa, demitir jornalistas e repassar dinheiro para a radio deles, 210 mil reais em um único ano, tudo dentro da lei, e ainda se passa por dono da moral

  11. Rocken Postado em 17/Oct/2014 às 14:00

    eu respeito todas as opiniões, dos mais liberais ao mais conservadores, desde que seja honesta é claro, mas Aécio e Serra são os mais canalhas do clube dos canalhas, vote em branco se você discorda do PT

  12. Onda Vermelha Postado em 17/Oct/2014 às 14:29

    Uè? Onde está moderador aqui?

  13. Onda Vermelha Postado em 17/Oct/2014 às 14:31

    Rodrigo só vou reforçar o que disse o Rocken. Denúncia: Esse pequeno documentário de 8 minutos de duração trata das relações entre o Governo de Minas Gerais e a mídia no país, Rede Globo à frente, e de como ele se utiliza de seu poder econômico para conter críticas e assim, construir a imagem do Governador Aécio Neves através de investimentos publicitários. Por favor, divulguem! Ainda há tempo de evitar que um farsante como o Aécio Neves chegue a Presidência do Brasil. Veja em http://www.youtube.com/watch?v=BixdPe_Jqxw

  14. Onda Vermelha Postado em 17/Oct/2014 às 14:50

    Sei não Naro! Gostaria que a Dilma tivesse mais "presença de espírito". Porque quando o Aécio disse que o PT criou dificuldades para a aprovação da CPI da Petrobras ela poderia lembrá-lo das mais de 100 CPI's bloqueadas pelos tucanos em Sampa, por exemplo, e não o fez. Uma única frase desmontaria toda a argumentação dele. Ademais, a "vitória" nos debates não necessariamente está vinculada a agressividade do candidato. As vezes dá certo e os eleitores acreditam que o candidato demonstrou, por exemplo, determinação, garra, vontade de vencer. Em outras ocasiões essa agressividade pode ser vista como uma "grosseria" ou "intolerância". E os eleitores podem ser tentados a se solidarizar com o ofendido. Aécio, sem dúvida, foi mais eloquente e articulou melhor as ideias, mas foi convincente? Tenho sérias dúvidas. Lembrem-se, agora, existe um percentual pequeno de indecisos que precisam acreditar que o "novo" é melhor do que já tenho. Caso contrário, fico com o que já tenho e conheço bem. Acho que existe pouca margem para grandes alterações de ânimo dos eleitores porque o voto consolidado já é muito alto. E as últimas pesquisas(Ibope e Datafolha) demonstraram que houve um aumento da aprovação da Dilma e de seu governo. E redução da sua rejeição e aumento da rejeição ao Aécio. Ele precisava arriscar e "falar grosso" para "seu" eleitorado, mas pode ter passado do tom. Além disso, existem aqueles assuntos que lançados num debate geram repercussões nos dias seguintes e podem desequilibrar a disputa como o caso do TCE-MG abordado pela Dilma na Band. Ok? A conferir...