Ângelo Menezes
Colaborador(a)
Compartilhar
Eleições 2014 29/Oct/2014 às 19:15
28
Comentários

O dia depois de amanhã

brasil amor luto odio democracia

Ângelo Menezes*, Pragmatismo Político

Como diria Antônio Gonçalves da Silva, nosso saudoso Patativa do Assaré: “Eu sou de uma terra que o povo padece / Mas não esmorece e procura vencer. / Da terra querida, que a linda cabocla / De riso na boca zomba no sofrer / Não nego meu sangue, não nego meu nome / Olho para a fome, pergunto o que há? / Eu sou brasileiro, filho do Nordeste, / Sou cabra da Peste!”.

Escrevo essa pequena crônica na segunda pós-eleições. Parece, contudo, que meu encontro com Morfeu entre a madrugada do domingo e a manhã da segunda durou, na verdade, algumas décadas e, no final das contas, eu fui transportado para alguma sociedade pós-apocalíptica demarcada por um verdadeiro retorno ao Estado Natural hobbesano.

Dormi em uma sociedade demarcada pelo fortalecimento do seu pluralismo político; pelo amadurecimento do debate político nos mais variados estratos da sociedade; pela oposição de dois projetos de governo que representavam diferentes perspectivas sobre as prioridades brasileiras para os próximos quatro anos, dos quais somente um poderia sagrar-se “vencedor”.

Acordei em uma sociedade demarcada por outra coisa que não o absoluto xenofobismo – para os que acreditam que a terminologia é impactante ou hiperbólica, lembro que “Xenofobia – s.f. […]Hostilidade, receio, medo ou rejeição direcionados às pessoas que são estranhas ou incomuns ao meio em que se vive. (Etm. xen(o) + fobia).”.

Por vezes, ao longo da minha vida, especialmente nos últimos meses, eu cheguei a acreditar que determinados discursos eram provenientes, unicamente, de uma inobservância aos preceitos constitucionais, fundamentais e, sobretudo, humanos, irradiados da nossa Carta Magna.

Na sociedade em que acordei, contudo, depois de um passeio matinal pelas vielas das timelines facebookianas, conclui, sumariamente, que faltam aos interlocutores desses discursos, solidariedade, amor, humildade e, principalmente, humanidade.

Muitos desses mesmos interlocutores fazem uso indiscriminado da expressão que estereotipa o estigma de que os “direitos humanos são para humanos direitos”. Diante de um discurso arraigado de tanto ódio e xenofobia, sem qualquer fundamento (e não que exista qualquer fundamento que legitime esse tipo de discurso), me indago quem são os humanos direitos sob a perspectiva dessas pessoas.

Leia aqui todos os textos de Ângelo Menezes

As eleições de 2014 ficarão marcadas na memória de muitos. Em parte, pela mobilização de setores que não iam às ruas há tempos. Pela retomada do aprofundamento dos debates políticos nas rodas de conversas informais. Pelo amadurecimento da jovial democracia brasileira.

Ficarão também marcadas, na memória de muitos, a incitação ao ódio, os discursos separatistas, pelo completo sectarismo e pela a retomada de um verdadeiro sistema inquisitorial por alguns meios de comunicação.

Ficará, para mim, especialmente marcada a visão sobre a democracia que existem em alguns setores da nossa sociedade: durante décadas (até ontem, para ser mais preciso), amplamente aceita e resumida (ainda que erroneamente) ao mero exercício do sufrágio; repentinamente, hoje, motivo de “luto” (que expressão mais infeliz para designar a insatisfação com a “derrota” do seu projeto político-ideológico) para muitos.

Mas diferentemente do que se pode imaginar, ao invés de um discurso rancoroso, eu apenas espero acordar em um mundo tal como no final do “dia depois de amanhã”. Onde mesmo depois de um dia quase apocalíptico como foi essa segunda feira, haja espaço para um novo começo; onde as divergências fomentem a construção de um Brasil melhor, onde respeito coexista independentemente do espaço geográfico por você ocupado; onde, principalmente, a construção de uma sociedade livre, justa e solidária deixe de ser encarada como uma mera norma programática e passe a ser o combustível para que cada brasileiro ocupe os espaços existentes, atuando na condução e gestão da vida pública.

Quero acordar em uma sociedade onde as pessoas entendam, como diria Bertrand Russel, que “o amor é sábio e o ódio é tolo.”.

Mais amor, sempre.

*Ângelo Menezes é Mestrando em Direito Constitucional pela UFRN e Professor Colaborador da disciplina de Direitos Humanos Fundamentais do curso de Direito da UFRN

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Natália MS Postado em 29/Oct/2014 às 17:30

    Pergunto-me onde estava esse povo que hoje faz luto pelo Brasil quando: O Brasil sofreu por vários anos uma extrema desnutrição infantil, na qual milhões de crianças morriam por falta de alimentos antes de completarem cinco anos de idade. Quando 16 milhões de brasileiros não tinham se quer energia elétrica e agora são apenas 1 milhão de brasileiros sem anergia elétrica Quando no Brasil faziam filas quilométricas por um mísero emprego com carteira assinada Quando o Brasil tinha uma população universitária de menos 3% e agora esse número triplicou Quando o Brasil tinha um deficit habitacional alarmante e agora essa situação deu uma boa amenizada Quando o Brasil ficava à margem do mapa múndi e agora o país fica no centro da economia mundial sendo disputado pelo mercado..

    • KARINA BB Postado em 29/Oct/2014 às 18:39

      Natalia seu comentario me emocionou,quisera todos fossem lucidos e sensatos como vc :)

    • Denisbaldo Postado em 30/Oct/2014 às 00:20

      Muito bom, parabéns pelo seu comentário Natália MS! Mas infelizmente muitas pessoas ainda estão mais preocupadas com a conexão 4G do smartphone mais top do momento do que com tudo isso que você falou. Mas estamos caminhando, devagar e sempre, melhoria contínua.

    • Sou coxinha...e dai? Postado em 30/Oct/2014 às 10:42

      Natália, desculpe dar a minha opinião de "Coxinha". Sou estudante de Economia e sei que o "Brasil não está mais sendo disputado pelo mercado", essa situação acontece devido alguns fatores, como a própria reeleição da nossa presidenta. O mercado estava/está contra a nossa atual presidente, a maneira com que a mesma interfere no mercado sem deixar a "Mão invisivel de Adam Smith" agir. Assim, quaisquer atividade no mercado mundial já retira investimento do nosso Brasil, pois investidores não colocam dinheiro aonde "as regras mudam sem aviso prévio". Então, querida Natália, gostei bastante de seu comentário só não concordo com alguns pontos como este da economia e em relação a educação universitária. Mas ok, cada um possui os seus motivos para votar no 13. Obrigado pela atenção. Beijos

      • Rafael Martini Postado em 30/Oct/2014 às 11:05

        Quem dera todo opinião "coxinha" fosse ponderada como a sua. É bom ver que nos comentários de internet ainda há exposição de pensamentos opostos com respeito e polidez.

      • sleiman v m n Postado em 30/Oct/2014 às 11:12

        Bobagem... Esse comportamento do Mercado não passa de uma grandessíssima chantagem, fruto de mãos criminosas e mentes diabólicas, eternamente indiferentes ao sofrimento de outros, O que, por exemplo, adiantaria crescermos economicamente, por exemplo, se poucos é que sempre ficam com o naco maior?

      • João Almeida Postado em 30/Oct/2014 às 11:13

        Sou coxinha... e dai?, o que você escreveu só ratifica o que a Natália descreveu sobre o mercado. Se o mercado estava tão desinteressado pelo Brasil, por que eles queriam eleger um presidente aqui? Se não se importam com o Brasil, por que se incomodam tanto com o modo da nossa presidenta comandar a economia? Conseguiu entender o raciocínio? Espero ter ajudado.

      • Lucas Silva Postado em 30/Oct/2014 às 20:57

        Desculpa coxinha (vc se apresentou assim), talvez vc seja iniciante no curso de economia e a Natália tem razão no que diz. O Brasil é disputado sim, basta ver que é um dos principais destinos de investimento do mundo e há tempos. E se vc visse o último balanço, saberia q os investimentos no Brasil pós-eleições cresceram ainda mais. E quanto a estudantes nas universidades tb é outra verdade, o número duplicou. Qq coisa, se desejar, depois eu te passo as fontes oficiais contendo os dados. Abraços

      • Ricardo Postado em 30/Oct/2014 às 21:29

        O capitalismo não se interessa por nenhum fundamento moral: ele vai onde pode ganhar dinheiro. É isso. Não tá nem aí se vai vender pra China, pra Arábia Saudita ou para os EUA - ou mesmo pra Cuba. Se a economia do Brasil for vantajosa, não tá nem aí pra quem vai governar. O que o "mercado" (leia-se: grandes corporações envolvidas com o capital FINANCEIRO) fizeram foi chantagem, porque avaliam que com o Aécio (PSDB) os lucros seriam maiores. Só isso. A propósito, parece que os índices econômicos hoje (quinta, 30/10) já melhoraram... Só nós, seres humanos, sim, nos importamos com valores morais, daí que não podemos ser subordinados ao mercado, mas o inverso. Aliás, um norteamericano amigo meu, de Chicago, disse-me tempos atrás: "Eu sou liberal, defendo o livre mercado, mas sei que tem coisas que ele não resolve...". Então, acho que é isso... Lógico que vc está na faculdade de economia porque gosta e está aprendendo muitas coisas novas, mas, acredite em mim, todo sistema (inclusive filosófico) encontra limites. Não sei em que semestre vc está, mas ainda vai conhecer muitos professores das mais diferentes correntes e vai ver que ocorre com Adam Smith o mesmo que ocorre com Marx: teve sua importância no seu tempo, mas hoje é insuficiente - embora, dizem, Marx, no seu tempo, ofereceu a melhor descrição do funcionamento do capitalismo de que se tem notícia. Cuidado com isso. Abraço.

    • Arlen Coelho Postado em 30/Oct/2014 às 11:50

      Natália, meu filho tem 6 anos e digo isso pra ele. Ele nasceu em outro Brasil! Em um Brasil que teve a sorte de uma cara que entendia de forma prática e vivenciada o que era fome, desigualdade! Quão triste era ler jornais e revistas e saber que a mortalidade infantil assolava meu país, que a miséria era aceitável, pois onde há miseráveis há domínio de classes... e ele sabe que em cada produto que ele consome ( meu filho) está ajudando a "reduzir" ainda mais a pobreza e não reclamará quando for adulto, pois entenderá que seus impostos são necessários... Fico decepcionado com as pessoas que não leram os livros de geografia politica da minha época de escola ou que não viram a espectativa de vida da era FHC, ou como era dificil cursar o ensino superior ( principalmente se vc não morava em uma capital). Corrupção existe e deve sempre ser investigada, mas o modelo de governo dentre PT e PSDB, tem muitas diferenças e ambos provaram... "mudar" para um retrocesso... Veja são Paulo há 20 anos com PSDB, ninguém enxerga quanto SP empobreceu (população)? o quanto a criminalidade aumentou? o quanto piorou? Em Minas enxergaram e veja a resposta.... Eu não defendo a pessoa, mas o modelo de gestão e gerir para o pobre, mesmo que hoje "me prejudique" economicamente, enaltece minha alma como ser humano, me orgulha como brasileiro....

    • NiceVeloso Postado em 30/Oct/2014 às 21:14

      Onde estavam? Uma boa pergunta. Olhando para o seu próprio umbigo e não viram a "Banda passar cantando coisas de amor". Obrigada Natália MS! Por me representar muito bem com o seu comentário. Felizmente, um pouco mais da metade do povo Brasileiro sabem disto. Pode crer.

    • Cristina Postado em 31/Oct/2014 às 08:24

      Muito bem colocado Natália, mas as pessoas negam as políticas sociais entendendo que quem delas necessita não se esforçou para lutar pela sua sobrevivência. Comparam nosso país a cuba, tem medo do comunismo sem a mínima noção do que isso significa. Esse ódio muito bem insuflado pelo Psdb e o Sr. Aécio Neves precisa ser desconstruido.

    • Ronaldo Postado em 03/Nov/2014 às 13:43

      Natália sua linda, te aplaudi de pé!

  2. Ueliton M Postado em 29/Oct/2014 às 21:31

    Excelente observação Natália, também fico imaginando isso. Além do cinismo daqueles de que votaram no Aécio pois não aguentam a corrupção do PT.

  3. Vital Postado em 30/Oct/2014 às 09:40

    O mais engraçado é ver pessoas usando a camiseta da "SELEÇÃO brasileira de FUTEBOL", durante as eleições, e falando de patriotismo. Tem que ser muito reaça coxa mesmo!

    • Marcelo Postado em 30/Oct/2014 às 11:13

      Eu votei na Dilma com orgulho e fui com camiseta da CBF da Seleção de Futebol pois acho errado os eleitores tucanos se apoderarem da camiseta dizendo que quem vota neles usa a camiseta. Eu fui com a camisa verde e amarela sem deixar a estrela vermelha no peito! E a respeito do comentário da Natália, faço dela minhas palavras. Se todos pensassem como ela, viveríamos em um país melhor para todos!

  4. Karine Jung Postado em 30/Oct/2014 às 12:04

    Mais Médicos, Marco Civil da Internet, expansão do SAMU, TANTOS direitos trabalhistas novos... Se você parar de ler a revista que quer o Brasil com todo o dinheiro acumulado na mão de uma parcela ínfima da sociedade, talvez desse uma opinião que agrega alguma coisa na página. Se Fernando Henrique tivesse sido mais competente no que tange a igualdade social enquanto presidente, talvez não culpássemos tanto o governo PSDB pelos atrasos do país.

  5. Luiggi Postado em 30/Oct/2014 às 12:05

    O dia depois de amanhã vc percebe na correria dos ratos no congresso nacional, se apressando para mostrar poder de chantagem ao derrubar o projeto presidencial dos conselhos comunitários e baterem no peito se arvorando o papel de únicos e legítimos representantes da vontade popular. Mentira. O que esses canalhas não entenderam é que a população quer estabelecer limites para esta corte cafona que se protege em uma colônia político-parasitária como vermes saprófitas que corroem e apodrecem com seus desmandos e roubalheiras a economia do país. O dia depois de amanhã se percebe ao sintonizar rádios ultra-fascistas como Super Rádio Tupi do Rio e ouvir incitação ao golpe em debates matinais que só insuflaram o ódio e a discórdia na população e que se presta a servir de ferramenta midiática na mão e na voz de canalhas profissionais para dar continuidade à mamata exercida despudoradamente pela emissora e seus "comunicadores deputados" aliados à base prostituta do PMDB fluminense. O dia depois do amanhã se vê quando um bando de campesinos do meio-oeste de Santa Catarina que freqüentam uma universidade particular que deve 170 milhões para o governo federal e que nunca honrou o acordo de pagamento da dívida que consistia em distribuir bolsas de estudo para alunos carentes e não fazê-lo porque não quer perder o status de universidade "elitizada" - como coisa que no meio de criadores de porcos e garotos drogados que freqüentam mais festas raves do que as salas de aula possa haver qualquer pretensão de haver uma elite - esta mesma instituição aplica em suas aulas, independente de curso, análises distorcidas do discurso do governo federal querendo provar por A + B que o comunismo bate à nossa porta e recrutando jovens para a "cruzada contra o mal". O dia depois do amanhã é vc viajar para um fim de mundo encravado no meio-oeste de SC e descobrir que determinadas "personalidades acadêmicas" estrangeiras ligadas a organizações como o CANVAS - organizações especializadas em se infiltrar em países para promover crises e guerras civis - são convidadas para proferirem palestras de cunho neoliberal e propalar aos 4 ventos em suas falas com convites dirigidos que eleições são somente válidas quando o resultado é aceito pela maioria e que não é este o caso do Brasil. O dia depois do amanhã requer que pensemos que a verdadeira luta começa agora. A eleição foi uma batalha importantíssima mas, não no enganemos: ELES QUEREM DERRUBAR O GOVERNO. A guerra de verdade começa agora ao nos organizarmos em frente de lutas e resistência rebatendo cada investida e batendo - fisicamente - se necessário porque eles são metidos a pitboys então têm que entender que o destino de quem canta de galo é a panela ou o forno. Não vejo um caminho de paz e amor. É de luta. Paz e amor é o discurso deles para embromar enquanto maquinam nas sombras. eles são como cobras, se suas cabeças não forem esmagadas não morrerão. Abram o olho para que um dia não amanheçamos num grande período de congelamento - como o do filme - que nos custará mais 21 anos e séculos de atraso social e econômico.

    • Ricardo Postado em 30/Oct/2014 às 21:41

      Tenho essa mesma impressão. Como um dèja vu das décadas de 50 e 60 (que não vivi...). Então parece que, de repente, encontro-me no meio de algum livro de História, com os personagens vivos - e quem seria o Corvo Lacerda?! Tomemos cuidado, e não nos esqueçamos que a mesma História vai nos cobrar um preço por ter escolhido o lado errado! Por isso que, nessas condições de acirramento, não vejo outra alternativa a não ser abraçar o lado dos trabalhadores! Quanto à política, estou com a nítida sensação que o PMDB está com uma baita vontade de dar uma rasteira na Dilma... Deus queira que esteja errado...

    • maria edineusa b. káteb Postado em 30/Oct/2014 às 23:53

      super concordo com você

  6. Natália MS Postado em 30/Oct/2014 às 14:15

    Sou coxinha...e dai?:não sou formada em economia, mas também sei que essa chantagem que o mercado está fazendo com o PT é passageira assim como fez na eleição de Lula...Nosso país tá em pleno desenvolvimento e o mercado não seria louco de não investir no país...Acredito muito que a partir do segundo semestre o PIB do Brasil vai ter um bom crescimento e o que é melhor, crescimento sem redução nas políticas sociais..Como já sabemos, que o PIB não é garantia de distribuição de renda e qualidade de vida, caso fosse a China não teria uma grande desigualdade social e a Suíça que tem um dos IDH mais altos não teria o PIB tão baixo...Respeito a opinião de quem tem como prioridade o mercado, mas em um país como o nosso , seria crueldade fazer o crescimento do PIB a qualquer custo!

  7. Natália MS Postado em 30/Oct/2014 às 14:19

    Ultimamente KARINA BB, o que mais ouço as pessoas dizerem a esse respeito é: isso é demagogia...

  8. Natália MS Postado em 30/Oct/2014 às 14:27

    Arlen Coelho:Também tenho o privilégio de conhecer pessoas que também não foram muto favorecidas com a gestão do PT, pois estão pagando mais imposto de renda, não tem mais empregada diariamente em casa e tal..Mas nem por isso se revoltou e nem deixou de se alegrar de ver a filha da sua diarista em uma universidade...De nada vai adiantar, o meu filho ter tudo se o seu filho não tiver nada né!

  9. Gabriel FR Postado em 30/Oct/2014 às 17:30

    Um partido elitista, com ideais neoliberais e uma polïtica beirando a extrema direita e o crescimento desenfreado, com uma natureza de "a sobrevivência do mais forte" é de um modelo fadado ao sofrimento do povo. Venho de família relativamente boa, moro em uma cidade considerada entre as melhores do país. Mesmo dentro de minha casa, o psdb é maioria. Mas jamais votarei em benefício próprio. Sou criticado por muitos por querer ajudar aos outros. A nobreza nacional só é nobre no título, pois não existe preocupação, compaixão, amor, solidariedade e respeito com os demais. O berço da democracia surge do bem maior coletivo. Devemos sempre buscar eleger o melhor candidato. Mas antes, cabe uma profunda reflexão que nos faça eleger o melhor de nós mesmos e de nossos valores.

  10. Regina Helena A.Souza Postado em 30/Oct/2014 às 19:12

    Parabéns pelo belo texto Natalia ,precisamos de mais pessoas pensando como vc,muito sensata.

  11. Mércia Brandão Postado em 30/Oct/2014 às 20:10

    Meu Deus! Vamos respeitar a presidenta, César souza, afinal foi uma vitória soberana nas urnas e eh no mínimo desekegante o seu comentário chamando Dilma por apelido. Pára um pouco e ver q isso não o engrandece, fica com Deus.

  12. Janete Postado em 30/Oct/2014 às 22:02

    Feliz por ver uma discussão madura e sensata, coisa rara nesses últimos dias.

  13. Arlen Postado em 31/Oct/2014 às 10:11

    Natália, fico extremamente feliz por existirem pessoas como você, que tem uma visão analítica das "coisas", que obteve uma educação emancipadora e não reproduz o que a " sociedade " prega! Sou cristão evangélico e fui massacrado por defender o modelo de gestão do PT. NÃO SOU PETISTA E NÃO ODEIO TUCANOS, mas como ser consciente e racional tenho direito de escolher o que eu acho melhor para o país e quem escolheu o aécio tem suas razões, mas negar o avanço visível e ser um agente propagador de ódio como os nossos semelhantes aecistas estão fazendo, beira a ditadura que tanto dizem que o PT trouxe ou trará ao Brasil. Uma ditadura que por sinal nos permite expressar pensamentos até infames e sem sentido o tempo todo! O egoísmo e etnocentrismo dos eleitores tucanos os torna tão perigosos e mostra um lado Facista! Grande Abraço!