Redação Pragmatismo
Compartilhar
Eleições 2014 28/Oct/2014 às 21:36
6
Comentários

O Brasil de Belágua venceu o Brasil de Miami

A vitória com maior folga de Dilma Rousseff foi em Belágua, no Maranhão, onde ela obteve 93,75% dos votos válidos. A maior liderança de Aécio Neves foi em Miami, nos Estados Unidos, onde obteve 91,79%

miami aécio neves
Miami (EUA) foi a cidade onde Aécio Neves obteve a maior vitória proporcional de votos, 91,79% (divulgação)

Dr. Rosinha, Congresso em Foco

Até domingo à noite, dia 26, não tinha ouvido falar em Belágua. Melhor dizer, nunca tinha ouvido falar esta palavra e tampouco sei o significado dela. Fui procurar nos dicionários (Aurélio e Houaiss) e não encontrei. Belágua é o nome de um município no estado do Maranhão.

Agora, Miami, já ouço falar há muitos anos. Só não ouvi falar essa palavra ainda no útero de minha mãe porque em 1950, no interior do município de Rolândia, essa palavra dificilmente devia ser dita.

Conferindo no site do Uol o resultado da eleição para presidente, encontro a seguinte manchete: “Dilma tem vitória mais folgada em Belágua (MA); a de Aécio é em Miami”. A manchete me chamou a atenção pela conjuntura que vivemos e pela simbologia. Ela é o símbolo da eleição que acabamos de disputar.

Dilma Roussef venceu em Belágua. Ela fez 93,93% dos votos válidos do município, contra 6,07% do tucano. Já Aécio venceu em Miami (EUA), onde fez 91,79% dos votos válidos contra 8,21% de Dilma.

Belágua, segundo o IBGE, tem uma das piores rendas per capita do Brasil, mas quem lá vive sabe que no passado recente, período em que o PSDB governou o país, a situação era pior e não havia a mínima perspectiva de vida melhor. Não havia oportunidades.

Miami é um tipo de paraíso para os ricos (alguns deles corruptos, como Ricardo Teixeira, amigo da Globo e ex-mandatário da CBF) do Brasil que lá vão morar ou passar algum período do ano. Também é o paraíso dos turistas consumistas. Aqueles que reclamam que o Brasil não está bom, mas sempre tem dinheiro sobrando para dar um pulinho em Miami, fazer algumas compras.

Foram esses dois Brasis que se “digladiaram” nestas eleições. De um lado, (Dilma) Belágua, do outro (Aécio) Miami. De um lado (Dilma) o Brasil do crescimento com distribuição de renda e inclusão social; e, do outro lado, (Aécio) o Brasil da especulação financeira, do preconceito, da irresponsabilidade e da exclusão. De um lado, a construção de um Brasil soberano. De outro o Brasil de joelhos aos EUA.

A maioria do povo brasileiro foi sábia: disse não aos Estados Unidos (Miami) e ficou com o Brasil. O Brasil do baixo desemprego, da inflação controlada, da distribuição de renda, da inclusão social. Com o Brasil que acabou com a fome endêmica.

A maioria derrotou a elite (que, infelizmente, fez a cabeça de parte importante da população), que procurou vilipendiar nosso país para entregá-lo aos (EUA) financistas.

A maioria derrotou a mentira, o ódio, a intolerância e o preconceito. Derrotou a maioria dos meios de comunicação, principalmente a revista Veja, os jornais Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e O Globo. Derrotou as TVs, principalmente a Globo, o SBT e a Band. Derrotou a hipocrisia e a canalhice que circulou na internet. Ou não é canalhice divulgar no dia da eleição que Youssef tinha morrido envenenado, sugerindo que nós, do PT, o teríamos envenenado?

Tenho uma teoria: canalha sempre acompanha canalha.

Passada a eleição, faço um pedido àqueles que se deixaram levar pela elite: abram os olhos, tirem o ódio que foi incutido no seu coração e parem para pensar.

Comecem pensando em como eram a sua vida e a vida de sua família em 2002 e como é neste final de 2014. Verão que o Brasil mudou para melhor e a vida de sua família também. Comparem a inflação do mesmo período: o Brasil fechará o ano com a inflação controlada. Será o décimo ano consecutivo com a inflação dentro da meta estabelecida. Continuará a política de distribuição de renda e geração de empregos.

A vitória da Dilma significa que você e o Brasil de Belágua continuarão sonhando e com a esperança viva de conquistas e vida digna. A vitória de Dilma também pode significar que um maior número de brasileiros poderá se mudar para Miami, como alguns moradores do Leblon, bairro do Rio de Janeiro, com o metro quadrado mais caro do Brasil.

Segundo a Folha de S. Paulo de domingo, o artista plástico Zeca Albuquerque, morador do Leblon, declarou que se a Dilma ganhasse, ele iria morar em Miami.

Zeca, leve junto o Lobão, e boa viagem.

Recomendados para você

Comentários

  1. Eduardo Postado em 28/Oct/2014 às 23:55

    REMONTE O AVIÃO DO EDUARDO E VOE NELE.... NÃO SENTIREMOS FALTA ALGUMA....

    • eu daqui Postado em 29/Oct/2014 às 14:00

      "Brasil, ame-o ou deixe-o" -> como nos tempos de Medici -> foi por essese e outros extremismos semelhantes que a vitoria foi apertada. E pelas mesmas causa é que a direita vai voltar com ferocidade de Médici. É o que prevejo e temo.

      • Valter Augusto Postado em 30/Oct/2014 às 00:28

        Situações bem diferentes que não podem mesmo ser comparadas,eu daqui!No caso do Médici,eles-os milicos e a elite- controlavam tudo,sem direito a voto ou contestação por parte do resto da população.Agora não temos ditadura.Pelo menos,não tecnicamente.

  2. Valter Augusto Postado em 30/Oct/2014 às 00:25

    Num entendi,mano.

  3. Rodrigo Postado em 30/Oct/2014 às 08:44

    Concordo plenamente com o texto. E eu fiz o exercício antes de votar, exatamente, em 2002 eu estava muito mal e odiava ver toda a corrupção da privataria nos anos FHC e a mídia velhaca nunca publicava nada. Além do mais estavamos em frangalhos em termos de economia, era complicado arrumar emprego e pagava-se muito mal. Após o exercício eu fiz o que deveria fazer: votei no PT.

  4. Thiago Teixeira Postado em 30/Oct/2014 às 12:48

    Aprendi com uma frequentadora deste site: "Quem vota em Marina / Aécio ou é muito RICO ou muito BURRO!