Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 24/Sep/2014 às 15:02
5
Comentários

Racistas criam página no Facebook para apoiar torcedora do Grêmio

Página racista no Facebook é criada em ‘apoio’ a torcedora gremista. Patrícia Moreira, por sua vez, afirmou que pretende se tornar “um símbolo nacional contra o racismo”

patrícia moreira racismo grêmio facebook
A jovem Patrícia Moreira (reprodução)

A auxiliar de odontologia Patrícia Moreira, 23, afirmou na última semana que pretendia se tornar “um símbolo nacional contra o racismo”.

Flagrada por câmeras de televisão na partida entre Grêmio e Santos gritando a palavra “macaco” para o goleiro Aranha, em 28 de agosto, ela é investigada por injúria racial, perdeu o emprego e teve de deixar sua casa porque recebeu ameaças.

VEJA TAMBÉM: (des)Encontro com Fátima Bernardes ensina a como não debater racismo

Na internet, porém, o episódio envolvendo o jogador do Santos e a torcedora gremista gerou efeito colateral.

Uma página criada no dia 14 de setembro no Facebook intitulada “Apoiamos Patricia Moreira contra a hipocrisia do Politicamente Correto” – usa a imagem da torcedora para atacar críticas desde a definição do racismo até a vinda de imigrantes haitianos ao Brasil.

Em uma das postagens, uma montagem mostra jogadores de futebol como Neymar, Pelé, Tinga e Robinho acompanhados de mulheres loiras, para criticar a “hipocrisia” do “orgulho negro”.

Outro texto, postado pela página nesta terça-feira (23), traz uma mensagem criticando relacionamentos inter-raciais: “Diga não à miscigenação racial. Se o povo de Israel não se mistura, a gente também tem o mesmo direito”.

O criador da página afirma ser um advogado carioca, de 27 anos, torcedor do Flamengo e simpatizante do Corinthians e do Grêmio, chamado Jeferson.

Para ele, Aranha “aceita o coitadismo” e está entre os negros que funcionam como “massa de manobra”.

De acordo com o delegado substituto da Delegacia de Repressão a Crimes Informáticos da Polícia Civil do Rio Grande do Sul, Joerbert Nunes, como nenhuma denúncia foi recebida, não há crime.

VEJA MAIS: Modelo negra sofre racismo e é chutada e empurrada por homem branco

Se investigada, no entanto, a página pode ser enquadrada por prática de injúria racial ou racismo segundo Código Penal brasileiro.

O advogado de Patrícia Moreira, Alexandre Rossato, disse desconhecer a página e seu conteúdo. “Lamentável isso, estou sabendo por intermédio de vocês”, declarou por telefone ao periódico Folha de S.Paulo.

Rossato estuda tomar medida judicial contra os administradores do perfil e pedir investigação ao Ministério Público.

Jornal do Comércio

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. J. Camilo Postado em 24/Sep/2014 às 15:15

    "Olho por olho e o mundo acabará cego." Talvez essa frase nunca tenha tido tanto sentido como hoje. Racistas e não-racistas, ateus e religiosos, direita e esquerda, todos alimentados por um ódio mútuo. Nunca se odiou tanto, ou pelo menos nunca o ódio foi tão claro, tão aberto e tão disseminado. Me entristece a impossibilidade de um diálogo de duas opiniões opostas onde prevaleça o respeito pela diversidade, seja esta de opinião, crença, sexualidade. Enfim, a violência se tornou algo gratuito, corriqueiro, arma de argumentação básica em qualquer discussão. Quem somos nós para criticarmos os grandes conflitos no Oriente Médio, Palestina, Iraque? Será que somos tão diferentes assim. Nossas armas muitas vezes não atiram balas, mas palavras que muitas vezes causam tantos danos ou mais que qualquer arma de fogo. Não sou sonhador ao ponto de falar que "o amor pode mudar tudo". Não se trata de amor. Se trata de respeito. E principalmente, de não usar a violência alheia para justificar a sua própria. Nesse ponto, o ser humano não precisa de Deus; somos os arautos de nosso próprio apocalipse.

  2. Matheus Magalhães Postado em 24/Sep/2014 às 15:59

    "O criador da página afirma ser um advogado carioca, de 27 anos, torcedor do Flamengo e simpatizante do Corinthians e do Grêmio, chamado Jeferson." Este trecho sintetiza como funciona o racismo no Brasil. É exatamente o oposto que jornalistas ao redor do País querem afirmar - centralizando e personificando o racismo.

  3. Jean Postado em 24/Sep/2014 às 16:09

    Eu abomino racismo em toda sua amplitude!!! Mas gostaria que me explicassem porque um Afro descendente teria privilégios e não um Nordestino do Piauí, Maranhão, Ceará, Paraíba, etc........? Que me expliquem se é verdade que um Afro é mais discriminado que um Cearense em S. Paulo! Que me demonstrem como eu branco que já pude ser destratado por um fulano em uma determinada circunstância poderia engolir esse SAPO e não um Afro por uma automática justificativa de racismo! Que me expliquem como que mediatizando e exaltando os separatismos sociais entre Brancos e Afros, a sociedade herdaria de menos racismo!!!!!! Eu vos digo: fui discriminado pela família de minha ex a 10 anos atrás! Sabem por que?? Porque eu não tinha patrimônio, porque a Sociedade Brasileira é essencialmente discriminatória! Eu sou Branco leite, e se fosse Negro diriam que foi racismo! NÃO É CERTO??? Pois é, NÃO FOI RACISMO! FOI BABAQUICE! FOI VAIDADE!! FOI PRETENSÃO!!!! PARA MIM, A PROPORÇÃO DE DISCRIMINADORES ( SEJA LA QUAL FOR A CAMADA SOCIAL) É MUITO MAIOR QUE A % RACISTA...... MAS CONCORDO! Todos dois devem ser combatidos, levará séculos..... Mas à força?? só aumentará ainda mais a profundidade das trincheiras....

  4. Felipe Peters Berchielli Postado em 24/Sep/2014 às 16:10

    Exceção deve existir sim,até porque não conheço a fundo a vida sexual de todos os jogadores. Mas o fato deles preferiram as branquinhas loiraças é simples,isso está enraizado,não é só o negro,mas todo mundo,rico ou não quer uma loiraça porque é ela o simbolo sensualizado nos comerciais,aí quando o cara fica milionário e chove mulher pra ele,ele escolhe geralmente as loiras,seja ele negro ou não.

  5. Poliana Postado em 24/Sep/2014 às 22:39

    A Patricia Moreira disse que quer virar um símbolo da luta contra o racismo? Oi???????? Foi uma piada??