Redação Pragmatismo
Compartilhar
Religião 17/Sep/2014 às 12:29
13
Comentários

Pastores cativam fiéis evangélicos com psicanálise

Pastores brasileiros usam psicanálise para cativar fiéis evangélicos. Por meio do estudo das teorias de Freud, religiosos tentam aumentar o rebanho e o dízimo

pastor evangélico edir macedo freud
Pastores evangélicos utilizam psicanálise para persuadir fieis (Foto: Freud e Edir Macedo | Pragmatismo Político)

Amanda Massuela, Revista Cult

Numa noite chuvosa de quarta-feira, desci do ônibus na rua Brigadeiro Luis Antônio, região central de São Paulo, quase em frente a uma das unidades da Igreja Universal do Reino de Deus situadas na capital paulista. No portão, uma senhora e dois jovens distribuíam exemplares da Folha Universal, periódico evangélico que circula semanalmente por todo o país há vinte e um anos. Ela estendeu o jornal e convidou-me a voltar “qualquer dia desses para conhecer a palavra de Deus”. Respondi que estava prestes a fazer isso. “Entre que o Senhor vai te abençoar, querida”, disse sorrindo. Entrei.

A Universal do Reino de Deus é a maior entre as igrejas neopentecostais existentes no Brasil. Segundo o Censo Demográfico de 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ela reúne mais de 1,8 milhão de fiéis espalhados por todas as regiões do país. Fundada em 1977 pelo bispo Edir Macedo num subúrbio do Rio de Janeiro, faz parte do movimento das igrejas evangélicas surgidas no final dos anos 1970, que se distanciam do pentecostalismo tradicional, principalmente porque pregam a prosperidade como via de aproximação com Deus.

VEJA TAMBÉM: Como se vestir no Templo de Salomão?

Naquela quarta-feira à noite, perdi as contas de quantas vezes o pastor evocou a imagem do diabo para representar todos os males existentes na Terra. Mas num momento específico, ele decidiu falar sobre males mais concretos, muito contemporâneos, e comumente associados a tratamentos psicoterápicos, psicanalíticos ou mesmo psiquiátricos: o medo e a síndrome do pânico. “Grande parte das igrejas neopentecostais se pretende especializada no cuidado de três conhecidos ‘problemas’ humanos: a saúde, o amor e o dinheiro”, diz o psicanalista Wellington Zangari, doutor em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo e vice-coordenador do Laboratório de Psicologia Social da Religião do Instituto de Psicologia da USP. “Para alguns pastores, não importa se existem médicos, psicólogos e outros profissionais de saúde para lidar com questões de doença. Há sempre uma interpretação bíblica para oferecer e vender saúde”.

A estratégia das igrejas neopentecostais e de seus pastores, segundo Zangari, tem sido a da assimilação, reinterpretação e incorporação dos diversos discursos presentes na cultura. Inclui-se aí o discurso da psicanálise, que cada vez mais é objeto de estudo por parte dos próprios pastores evangélicos – tanto neopentecostais, quanto pentecostais.

Psicanálise no templo

Izilmar Finco é pastor batista desde 1986, quando começou a atuar como missionário em Prado, na Bahia. Hoje, Izilmar trabalha na Igreja Batista de Eldorado (IBEL), em Serra, no Espírito Santo, e é filiado à Ordem dos Pastores Batistas do Brasil (OPBB). Em 1998, formou-se em Psicanálise pela Sociedade Psicanalítica Ortodoxa do Brasil (SPOB), criada em 1996 com a missão de popularizar e disseminar a psicanálise por todos os cantos do país. “Foi uma experiência muito enriquecedora e sou grato pela oportunidade que tive. A SPOB foi pioneira no Brasil na modalidade de formação de psicanalistas e deu a chance a muitas pessoas, assim como eu, de conhecer a psicanálise e seu valor na clínica, para ajudar as pessoas”, diz.

A psicanálise não é uma profissão regulamentada, ou seja, não existem cursos universitários especializados na prática criada por Sigmund Freud, tampouco leis que guiem especificamente seu exercício. A formação tradicional de um psicanalista passa pela graduação em Psicologia ou Medicina e pela associação a alguma sociedade psicanalítica, além da análise em si.

Na Sociedade Brasileira de Psicanálise, a primeira a ser criada na América Latina, em 1927, tal formação é oferecida a médicos e psicólogos registrados nos respectivos Conselhos Regionais, e a aceitação de profissionais graduados em outras áreas do conhecimento fica sob responsabilidade de uma Comissão de Ensino. Se aprovado, o pretendente deve se submeter a cinco anos de análise – com frequência mínima de quatro sessões semanais – além de realizar 160 seminários obrigatórios e atender a dois pacientes adultos ao menos quatro vezes por semana sob supervisão de um analista membro da sociedade.

Sendo livre a formação psicanalítica, entidades paralelas, como a Sociedade Psicanalítica Ortodoxa do Brasil, oferecem cursos livres a qualquer interessado, como o pastor Izilmar Finco. Atualmente, a Sociedade Psicanalítica Ortodoxa do Brasil é a maior sociedade de psicanalistas da América Latina. Em seus 18 anos de existência, concluiu mais de cem turmas em todos os estados brasileiros e formou cerca de três mil psicanalistas. O único pré-requisito para participar dos cursos é ter um diploma de graduação, seja ele qual for. Em dois anos, depois de participar de aulas duas vezes por mês e realizar 80 sessões de análise, o aluno recebe seu diploma de psicanalista.

A procura do curso por pastores evangélicos e líderes religiosos é intensa. Para o pastor Izilmar, se um religioso deseja desenvolver um bom ministério pastoral, ele precisa acumular uma série de conhecimentos, além da teologia: “Claro que a área da psique é uma delas. O pastor precisa se conhecer bem e saber como conhecer o outro”. Com o auxílio da psicanálise ele afirma não atribuir tudo a questões espirituais. “Uma abordagem correta do problema é o primeiro passo para ajudar a encontrar a solução e a cura.”

Em 1927, Freud publicou um ensaio intitulado O futuro de uma ilusão, no qual afirma ser a religião “a neurose obsessiva universal da humanidade”, culpada pela decadência intelectual de parte dos seres humanos. Não seria então contraditório tentar conciliar religião e psicanálise? O pastor Izilmar acredita que não. “Não podemos negar o conhecimento ou os benefícios que a psicanálise trouxe para nós, desmistificando muitas coisas. Também de forma alguma podemos negar a fé e principalmente a fé em Jesus Cristo”, diz.

Gildásio dos Reis, pastor da Igreja Presbiteriana do Parque São Domingos, em São Paulo, e docente no Centro de Educação, Filosofia e Teologia (CEFT) da Universidade Presbiteriana Mackenzie, afirma que teologia e psicanálise partem de pressupostos completamente diferentes. Por isso, não acredita ser honesto um pastor evangélico “atender pacientes utilizando acriticamente uma técnica que diverge sob muitos aspectos da fé cristã”. “Quando eu clinicava, há dez anos, deixava claro aos pacientes sobre minha fé e dizia que, no tratamento, iria fazer uso da teologia para ajudá-los.”

Quando os assuntos tratados passavam por questões como adultério, homossexualidade, aborto ou “qualquer comportamento que, à luz dos ensinos bíblicos, são considerados errados”, Gildásio utilizava-se dos princípios bíblicos “para orientar melhor os pacientes”.

Sérgio Laia, analista membro da Escola Brasileira de Psicanálise e professor, há mais de trinta anos, do curso de Psicologia da FUMEC, em Belo Horizonte enxerga também um problema conceitual na aliança entre as duas práticas: “A perspectiva de Freud era a de que a religião está para a civilização assim como a neurose está para o indivíduo. É dessa forma que a psicanálise lida com a religião – e uma pessoa que pratica uma atividade religiosa dificilmente aceitaria esse tipo de definição”.

“Ouvi de um dos meus professores uma frase de que nunca me esqueci: ‘Não há incompatibilidade entre verdade e verdade’. O que é verdade na psicanálise não anula as verdades do cristianismo”, relembra o pastor Izilmar.

A frase ouvida por ele durante o curso de psicanálise é de autoria do Dr. Heitor Antonio da Silva, um dos fundadores da Sociedade Psicanalítica Ortodoxa do Brasil. Ele me repetiria a máxima alguns dias depois, quando nos falamos pelo telefone. “Não existe incompatibilidade alguma entre psicanálise e religião, pois se a psicanálise é uma verdade, ela tem que ser compatível com qualquer ciência. Se a religião é verdadeira, ela também terá que ser compatível com qualquer ciência”, explica Heitor, que além de psicanalista, também é pastor batista. “Se duas coisas se apresentam incompatíveis, ou ambas são mentirosas ou uma delas o é.”

Durante dez anos, Heitor da Silva foi diretor executivo da SPOB e um dos responsáveis por concretizar o objetivo de disseminar a psicanálise para todos os estados do país. Hoje, ele atua como diretor geral e presidente do grupo Redentor, que administra três faculdades no Rio de Janeiro. “A ideia de popularizar a psicanálise não significa que o façamos sem qualidade. É uma questão simples: a psicanálise é uma ciência independente”, ressalta. “Freud disse que a psicanálise era a profissão de pessoas leigas que curam almas e que não necessitam ser médicos.”

Em 2000, o deputado Éber Silva, do Rio de Janeiro – ele mesmo pastor da Igreja Batista – apresentou um projeto de lei no Congresso Nacional que visava a regulamentar o exercício da psicanálise no Brasil. Ele recebeu o apoio da SPOB, que passaria a atuar com maior reconhecimento, aumentando os atritos já existentes com grande parte da comunidade psicanalítica, que comumente a associa a grupos evangélicos.

Heitor da Silva afirma que a SPOB foi vinculada aos evangélicos devido a “perseguições das sociedades ligadas ao organismo internacional”, pois sabem que ele e o presidente Dr. Ozéas da Rocha Machado são pastores evangélicos. “A SPOB não oferece cursos para pastores, mas para qualquer pessoa que tenha formação universitária. Nunca foi uma sociedade religiosa ou vinculada à religião”, defende-se. Ele admite, no entanto, que a sociedade de fato forma muitos pastores e líderes religiosos, pois estes exercem funções que lidam com a “problemática humana”.

O projeto de lei não foi aprovado. “O fato de esses cursos terem sido fechados e considerados sem validade não me parece terminar com o problema”, considera o psicanalista Wellington Zangari. “Eles permanecem em nosso meio, senão como superiores, como cursos livres. A ‘formação’ é a mesma, com direito a carteirinha de psicanalista depois do cumprimento de uma série de regrinhas e provinhas de leituras de apostilas mal feitas.” Para ele, a medida não elimina “a sombra do risco de formação de péssimos psicanalistas, com placas com seus nomes em consultórios, cartões de visita e sites na internet”.

VEJA TAMBÉM: De onde vem a obsessão da direita religiosa pelos homossexuais?

O curioso é que as próprias plataformas de formação a distância voltadas especificamente para pastores e líderes religiosos também oferecem cursos de psicanálise. Se a procura dos próprios pastores pelo conhecimento psicanalítico acontece de forma “natural”, como afirma a maioria deles, o caminho inverso também é verdadeiro, uma vez que a formação em psicanálise está acoplada à formação religiosa. Na Faculdade Gospel, por exemplo, criada há vinte e cinco anos, junto às aulas de aperfeiçoamento em bibliologia, direito eclesiástico, história de Israel, liderança cristã e outros cento e cinquenta títulos, há também os cursos de “psicanálise clínica pastoral” e “psicanálise cristã”.

Apologia ao medo

Segundo Doryedson Cintra, professor de psicanálise nos cursos realizados pela Sociedade Contemporânea de Psicanálise (SCOPSI), as religiões evangélicas estão praticando uma psicanálise selvagem, espécie de chantagem terapêutica que ele chama de “comando passivo”. “Os pastores sabem que há algo na vida de cada indivíduo que inspira o medo e o terror. Só não sabem o quê. Com a apologia ao medo, eles incitam os membros a ponto de despertarem um comportamento histriônico, uma espécie de teatralidade muito comum nos casos de possessão”, teoriza. Ele afirma que, na verdade, essas pessoas se encontram psicologicamente abaladas e, inconscientemente, desenvolvem comportamentos que poderiam perfeitamente ser diagnosticados como transtornos histéricos, e não casos de possessão.

Ainda que as pessoas busquem a religião e a psicanálise para lidar com seus sofrimentos, Wellington Zangari acredita que o ponto de contato entre ambas termina aí: “Cada uma dessas perspectivas oferecem compreensões do ser humano baseadas em modos de obter conhecimento que são, por vezes, antagônicas”. A religião supõe a existência de agentes espirituais intencionais e uma ordenação da realidade que é ligada àqueles agentes. A ciência, por outro lado, não enxerga a realidade a partir de referenciais sobrenaturais.

Segundo ele, ao contrário da religião, a psicanálise encontra a natureza do sofrimento humano no próprio sujeito, em sua subjetividade e dinâmica pessoal. Nada é atribuído a Deus ou a qualquer associação do tipo. Além disso, as formas de lidar com esse sofrimento são distintas: “A religião poderá buscar a solução do sofrimento pela via da salvação divina ou do afastamento do demônio, o que supõe uma ação de tipo sobrenatural ou, ao menos, um contato entre o ser humano e uma instância desse universo transcendente. Na psicanálise, lida-se com o sofrimento justamente colocando o sujeito no centro, na natureza mesma do sofrimento. Ele próprio é o agente último da ação, implicado até o pescoço no sofrimento que sente.”

Texto original publicado na revista Cult, publicação mensal sobre cultura, artes e ideias.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Karina BB Postado em 17/Sep/2014 às 13:29

    Todo mundo sabe q os evangélicos usam da psicologia pra enganar a crentaiada... Qual a novidade?!?!!?!

    • Gabriel Postado em 19/Sep/2014 às 22:00

      Psicologia e Psicanalise são duas coisas bem diferentes...

    • Antonio Proença Postado em 20/Sep/2014 às 11:37

      Nenhuma novidade, mas é importante porque isso abre a mente pra outras perguntas, como por ex. por que os pastores se incomodam tanto com a questão homossexual. Ora, simples, não querem perder seus rebanhos. Os homossexuais não constam na família tradicional que eles defendem, portanto, se eles defendessem a inclusão dos homossexuais, iriam perder os demais fiéis. Ou seja, no fim das contas é $$$$$$ que esses pastores estão afim. Eles não estão nem aí pros gays, isso tudo é teatro. Esses pastores também não estão nem aí pro que Deus pensa ou deixa de pensar. Essa guerrinha deles é tudo farsa.

  2. Marcos Vinicius Postado em 17/Sep/2014 às 14:08

    "Na Faculdade Gospel, por exemplo, criada há vinte e cinco anos, junto às aulas de aperfeiçoamento em bibliologia, direito eclesiástico, história de Israel, liderança cristã e outros cento e cinquenta títulos, há também os cursos de “psicanálise clínica pastoral” e “psicanálise cristã”. Nossa! Freud deve estar se revirando no túmulo com essas!

  3. Maria Postado em 17/Sep/2014 às 23:03

    Acho que se o Freud soubesse que iria dar nessa bagunça, ele nem teria aberto a boca pra falar nada do que desenvolveu em Psicanálise.

  4. Daniel Vieira Postado em 17/Sep/2014 às 23:59

    Freud sabia das coisas quando publicou essa sábia frase em sua obra entitulada "O Futuro de Uma Ilusão", de 1927: "A religião é a neurose obsessiva universal da humanidade."

  5. Danila Postado em 18/Sep/2014 às 11:05

    Eu acho muito estranho esse negócio de psicanálise. Qualquer um pode fazer um curso e se dizer psicanalista. Aí sai analisando a vida dos outros e oferecendo soluções para seus problemas. O texto fala especificamente dos pastores... mas conheço uma pessoa que fez um curso desse. O cara tem a vida toda bagunçada. É tão chato que não tem amigos. Não arrumou nem uma mulher que lhe ature. Seria bom se ele resolvesse os seus próprios problemas. Mas não... se acha "o analista" da vida alheia.

    • Felipe Postado em 21/Sep/2014 às 13:32

      Danila, não confunda psicanalise com algumas pessoas pseudo intelectuais. Realmente tem muita gente que tenta usar da psicanalise para se dizer dono do psique dos outros, como soubesse a resposta aos problemas dos outros mais que a própria pessoa, e enquanto isso não olha a própria vida que e uma bagunça, claro que não se deve confundir bagunça com vida com problemas, todos nós temos nossos espinhos porque o fato de ser psicologo psicanalista ou psiquiatra não anula o fato básico de antes de tudo isso ser um ser humano com fraquezas e falhas como qualquer outro. A psicologia é um estudo como qualquer ciência e não uma religião ou uma forma transcendental de evolução humana.

    • Antonio Secundo Postado em 21/Sep/2014 às 16:59

      Sugiro a você que estude um pouco sobre psicanálise e leia Freud. Tire suas conclusões. Mesmo em cursos universitários com diploma e tudo encontra- se verdadeiros charlatões

  6. Mauricio Augusto Martins Postado em 19/Sep/2014 às 18:16

    Consta que um Gato em perseguição a um Ratinho, por descuido, o mesmo entra num buraco e aguarda pacientemente seu algoz desistir do "almoço", depois de muito esperar ouve um Latido! Imaginando que um Cachorro tenha afugentado o felino, sai distraidamente do buraco e imediatamente é capturado pelo Muxoxo, antes de ser digerido, com aguda curiosidade o mesmo pergunta ao Gato, porquê não teria fugido do Cachorro? o Gato: "Não era Cachorro nenhum, fui eu quem deu os latidos...". "Neste Mundo cada vez mais competitivo, o profissional que não fala pelo menos duas Línguas, estará fadado a ficar sem emprego", chomp, chomp, chomp... maumau

  7. Naira Chaves Postado em 20/Sep/2014 às 21:55

    Freud e Lacan se reviram no túmulo...

  8. Dr. Salézio Plácido Perei Postado em 21/Sep/2014 às 05:59

    A questão não é se um pastor pode ser psicanalista. Eu acredito que sim, desde que faça sua analise pessoal, supervisão clinica, seminários teoricos e todas as exigencias de uma formação analitica, talvez o que nos deixa perplexos é utilizar-se de uma ciencia do estudo da mente inconsciente para alienar, explorar e sugestionar através da hipnose milhoes de pessoas para enriquecer os bolsos destes donos de Igreja. Eu acredito que um teologo, filosofo, assitente social, pedagogo, ou qualquer cidadão possa tornar-se psicanalista, desde que atendidas esta condição ética, que sua profissão esteja a serviço da promoção e saude humana.

  9. Daniele Cassol Postado em 21/Sep/2014 às 12:46

    É preciso criar uma regulamentação, não dá para ficar distribuindo carteirinha de psicanalista para qualquer um assim, isso é sério.