Redação Pragmatismo
Compartilhar
Ciência 03/Sep/2014 às 17:22
1
Comentário

O mistério das 'pedras que andam' na Califórnia

Cientistas desvendam um segredo que já durava décadas: as "pedras que andam" no Vale da Morte, no deserto de Mojave, na Califórnia

pedras vale da morte califórnia
Cientistas descobriram o segredo das ‘pedras deslizantes’ do Vale da Morte, na Califórnia (Arquivo)

Pesquisadores americanos conseguiram resolver um mistério científico que já durava décadas: as “pedras que andam” no Vale da Morte, no deserto de Mojave, na Califórnia.

Algumas destas pedras chegam a pesar 300kg. Elas ficam em um lago seco, plano e rodeado por montanhas. Em algumas épocas do ano, este lago se enche com água da chuva, que evapora rapidamente.

Estas pedras se movem, deixando um rastro na terra por dezenas de metros. Mas, desde que elas começaram a ser estudadas por cientistas, nos anos 1940, ninguém as havia visto se mover.

Isso fez com que surgissem várias teorias para o fenômeno, algumas delas bastante exóticas, atribuindo seu movimento a campos de energia poderosos, ao magnetismo da Terra e até mesmo a extraterrestres.

VEJA TAMBÉM: Teorias sobre o gigantesco e assustador buraco na Sibéria

Até que finalmente, em dezembro passado, o pesquisador Richard Norris, da Universidade da Califórnia, em San Diego, nos Estados Unidos, e seu primo James Norris puderam presenciar e captar em imagens o fenômeno.

Capa de gelo

Eles explicam em um estudo publicado nesta semana na revista PLOS ONE que tudo começa quando a chuva produz uma capa de água sobre o terreno seco, criando um lago superficial.

Durante a noite, essa água se congela, formando uma capa de gelo de cerca de três a seis milímetros na qual ficam presas as bases das rochas.

Quando o sol sai, o gelo começa a quebrar, criando placas de vários metros de largura que se deslocam com o vento.

Assim, as pedras se movem sobre o barro, impulsionadas pelas placas de gelo, a uma velocidade de dois a cinco metros por minuto, formando os famosos sulcos na terra.

As trajetórias dependem da velocidade e da direção do vento e da água que se encontra abaixo do gelo.

Segundo Richard, o fenômeno não é frequente porque quase não chove no Vale da Morte, e as temperaturas médias são elevadas.

Chuva, frio e vento

Para que possa ocorrer, é preciso que tenha chovido e que a temperatura baixe a cerca de 0ºC antes que a água evapore.

Por fim, o vento precisa ter força suficiente para mover as placas e, junto com elas, as rochas.

Na época em que Richard e James presenciaram o fenômeno, no fim de 2013, havia chovido bastante na região e até mesmo nevado.

Há alguns meses, Ralph Lorenz, pesquisador do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, em Maryland, e um dos autores do estudo publicado nesta semana, explicou por que havia sido difícil captar o movimento das rochas.

“Elas estão em uma área remota, de difícil acesso e protegida, onde não se pode acampar e há muitas restrições do que as equipes podem levar para lá”, disse.

Além disso, “a maioria dos deslocamentos ocorre quando está frio, chovendo e ventando, o que dificulta captá-los.”

BBC

Recomendados para você

Comentários

  1. Márcio Gurgel Postado em 04/Sep/2014 às 07:45

    Para mim ainda continua inexplicável o fenômeno, uma vez que temos no cenário, areia rachada, rasto não rachado, nenhum rastro da camada de gelo na superfície da areia. E como camada finas de gelo podem arrastar, devido ao vento, que por sua vez, não desloca camadas de terra, pedras de 300kg????