Eric Gil
Colunista
Compartilhar
Economia 09/Sep/2014 às 21:46
25
Comentários

O Ministério dos Banqueiros: sobre a tese da independência do Banco Central

Por que é tão preocupante para a democracia quando um candidato à Presidência da República vem a público defender a independência do Banco Central?

aecio neves arminio fraga marina silva neca setubal
Aécio Neves e Armínio Fraga. Marina Silva e Neca Setúbal. Ambos defendem, em seus programas de governo, a autonomia do Banco Central do Brasil (Edição: Pragmatismo Político)

Há poucos meses escrevi um artigo para o Pragmatismo Político sobre a chamada “Independência do Banco Central”, tese defendida pela escola econômica neoclássica e pelo sistema financeiro (o qual financia seus porta-vozes na candidatura presidencial). Muitos economistas e jornalistas econômicos novamente estão investindo tinta (ou espaço em seus HDs) para discutir o tema. No entanto, assim como em meu artigo anterior, muito se foca no econômico. Por isto, agora levantarei algumas questões explicitamente políticas.

VEJA TAMBÉM: Mitos e verdades sobre a independência do Banco Central

Ano passado, o cientista político da University of Washington, Christopher Adolph, publicou um livro pela Cambridge Press intitulado de “Bankers, Bureaucrats, and Central Bank Politics”, ainda não editado no Brasil, onde trata justamente sobre a influência das carreiras dos policymakers (os formuladores de política econômica) da área monetária de uma série de países desenvolvidos (nas Américas, na Europa e na Ásia) no comportamento final dos Bancos Centrais (BC).

Segundo o autor, muitos destes diretores ou presidentes são recrutados no próprio Sistema Financeiro. Além disto, o destino pós-mandato acaba por ser, novamente, estes grandes bancos. Esta “origem” e “destino” acabam por gerar incentivos para que estes policymakers “agradem” seus futuros patrões, cortejando um bom emprego para depois da sua passagem pelo Banco Central. Apesar de não necessariamente ser um caso de corrupção, a carreira de cada um destes economistas é influenciada por esta oportunidade única, segundo o autor. Para Adolph, isto não acontece apenas para os casos de Bancos Centrais, dando exemplos do Tesouro, como Robert Rubin, que em 1993 saiu do Goldman Sachs para assumir o Tesouro e posteriormente, em 1999, foi para o Citibank, dentre outros exemplos. No mínimo suspeito, não acham?

O Brasil não foge a regra, como mostra reportagem feita ainda em 2004 pelos jornalistas da Folha de São Paulo, Fernando Rodrigues e Leonardo Souza, a porta giratória também funciona para o nosso caso. Segundo eles, “quatro dos oito integrantes do Copom de 1999 [período pesquisado pelos jornalistas] já deixaram o BC e trabalham no mercado financeiro. Entre eles está Armínio Fraga [hoje principal nome ligado a assuntos econômicos na campanha de Aécio Neves], que presidia a instituição. Abriu sua própria gestora de recursos e também ocupa cadeira no Conselho de Administração do Unibanco, presidido pelo ex-ministro da Fazenda Pedro Malan”. Os jornalistas também dão exemplo de outros então diretores do Banco Central do Brasil e de membros do Banco do Brasil e do BNDES, organizações que também possuem cofres cobiçados pelos banqueiros e empresários.

Leia aqui todos os textos de Eric Gil

Como resultado de uma pesquisa feita por mim e mais dois professores do Programa de Pós-graduação em Ciência Política da Universidade Federal do Paraná, Adriano Codato e Renato Perissinotto, a qual será publicada em breve, há também a constatação desde domínio dos grandes bancos e economistas ortodoxos na formulação de nossa política monetária. Estes também vêm do Sistema Financeiro brasileiro e americano, para ocupar tais cargos.

Por isto é preocupante no sentido democrático quando um candidato a Presidente da República vem a público e defende que dará independência ou autonomia a estes funcionários (no sentido literal da palavra) do Sistema Financeiro. Não é de se estranhar que estes grandes financiadores de campanha depois venham cobrar a conta dos patrocínios milionários dados aos seus partidos políticos. Ou mesmo que, como no caso de Marina Silva, estes representantes estejam formulando seu programa, no caso da Neca Setúbal. Mas a promessa de institucionalização desta autonomia ou independência já chega a acusar uma dominação destes banqueiros fora do comum.

Na prática, a proposta de Independência do Banco Central acaba sendo a independência do povo e a dependência do sistema financeiro – que realmente domina (pessoalmente) estas instituições de grande importância nas economias modernas. Creio que já podemos chamá-la, inclusive, de o Ministério dos Banqueiros.

*Eric Gil é economista do Instituto Latino-americano de Estudos Socioeconômicos (ILAESE) formado pela Universidade Federal da Paraíba, mestrando no Programa de Pós-graduação em Ciência Política da Universidade Federal do Paraná; escreve quinzenalmente para Pragmatismo Político

Recomendados para você

Comentários

  1. Raimundo Alves Postado em 10/Sep/2014 às 09:33

    Parabéns, muito bom. Tudo verdade. A máscara dos tucanos, já caiu.

  2. raphael_subversivo Postado em 10/Sep/2014 às 11:02

    Certo, vc sequer sabe o que é democracia representativa? quem escolheria os melhores técnicos? a que interesses eles atenderiam? que visão limitada da realidade, qual seria a politia econômica a ser seguida? ortodoxa? e os programas sociais? técnicos executam, mas, quem vai propor ideias? vc não sabe do que está falando fera. O humano é um ser politico, tudo que fazemos é politica, relação entre nós, não da para mecanizar as decisões humanas, e que técnico diria para legalizar ou proibir algo?

    • Onda Vermelha Postado em 10/Sep/2014 às 12:22

      Perfeito! Assino embaixo Raphael? Governo dos "Melhores"? Melhores para quem cara-pálida? Aliás Governos dos "Melhores", dos "Sábios", dos "Homens Bons" ou dos "Homens de Bens"? Nada mais elitista e velho na política. Na verdade, essa "nova política" é um "museu de novidades"...

  3. Gustavo Postado em 10/Sep/2014 às 11:49

    Seria totalmente ilógico o cara que é economista sair do BC e ir trabalhar em outra profissão né. Perfeitamente normal o cara sair do BC e ir trabalhar na área que ele entende e escolheu trabalhar. Não sei oque tem de errado nisso!...

    • Onda Vermelha Postado em 10/Sep/2014 às 12:36

      Tem certeza que você não vê nem uma pontinha de "conflito de interesses" aí? Então, por favor, releia o texto. O cara que o escreveu, Eric Gil, é economista mestrando em Ciência Política... Aliás, recomendo como ilustração desse artigo do Eric o comercial da campanha da Dilma em https://www.youtube.com/watch?v=rTy_9oW3gRg

      • Thiago Postado em 10/Sep/2014 às 18:47

        Vamos lá ... o que vc espera de um diretor do banco central após o mandato? Qual posição ele deveria ocupar? ... talvez uma ideia seria aposenta-lo e não deixar mais trabalhar ligado a qualquer instituição financeira?! Para onde vc acha que vai Tombini se vier a sair do governo? Vamos lá ... temos algumas opções: cargos em organismos internacionais, professor, consultor, mercado financeiro, ... Se ponha no lugar dele, vc fez mestrado e doutorado em economia, passou anos desenvolvendo modelos econômicos ... que vc acha que vai pagar melhor pelo conhecimento acumulado ao longo desses anos? Eu trabalho no banco central e desde da época de FHC a maioria dos diretores tinham formação acadêmica e conhecimento para exercer o cargo. Dê uma olhada no CV de cada um dos últimos diretores. Aproveite e peça para o prof Eric Gil falar um pouco a respeito deles e do reconhecimento dos mesmos. Vc pode ir mais além ... veja a lista dos 50 maiores pesquisadores da área de economia do país ... vai encontrar vários deles no BC.

      • Dinio Postado em 11/Sep/2014 às 21:25

        Uma reflexão de cabeceira para os pitbuls defensores da "nova política" da Bláblá e do Aebrio e a "independência e morte" dos Bancos Centrais. http://imagempolitica.com.br/site/o-grupo-dos-30-programando-o-colapso-financeiro-mundial/ Pode ser que entendendo o post acima, também entendam o conceito de "complexo de vira-lata"

  4. Ycaro Postado em 10/Sep/2014 às 12:13

    Sem dúvida, o preparo e a autoridade de Dilma estão acima de contestação. O debate com os defensores de Aécio e Marina devem ser feitos sim. Embora muitas vezes seja inútil discutir, é incontestável as mudanças e conquistas que tivemos nos últimos 12 anos. A independência do BC, nada mais é do que Banqueiros tirando dinheiro do nosso bolso. A grosso modo, imaginem a Neca Setúbal, financiadora da Marina Silva e herdeira do Banco Itaú, controlando a taxa de juros do país. Ou Armínio Fraga, que era ministro da fazenda nos obscuros anos FHC, período em que "tivemos que recorrer ao FMI por três vezes, e, ficamos com uma dívida externa absurda ao passo em que membros da alta cúpula tucana ficavam multi milionários.

  5. Deisi Postado em 10/Sep/2014 às 12:48

    Com a Blabarina muito ligada a Neca Setúbal herdeira do banco Itaú chefe de sua equipe econômica, também financiadora de sua campanha, além de um grande sonegador como a Natura. Com a proposta de independência do Banco Central, fico muito preocupada se ela for eleita, pois será cobrado todo esse apoio com juros e correção não tenho dúvida. Inclusive a crentinha disse que nunca os bancos ganharam tanto como no governo do PT, Dilma deu uma resposta perfeita, não tenho nenhum banco patrocinando minha campanha, eles acreditam que você como presidente vão ganhar muito mais.

    • Eduardo Postado em 10/Sep/2014 às 14:00

      resposta perfeita??? Dilma não respondeu, ela atacou para não ter que responder, uma velha tática. Isso que vc chama de "resposta perfeita"??? gosta de ser enganada né???

    • Thiago Postado em 10/Sep/2014 às 19:04

      A Natura sempre esteve ao lado de Marina, desde 2010, quando ele não tinha nenhuma chance, Guilherme Leal foi vice na chapa. Alguma vez você procuraram saber quanto essas empresas pagam de imposto? Eu sei que empresário nenhum é santo, a maioria ta sempre reclamando de bariga cheia. Neca não é chefe da equipe economia de Marina, a mesma é chefiada por Eduardo Giannetti. Até os economista de esquerda respeitam o cara ... da uma olhada no lattes do cara: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4781564H1 . Alguma vez vc ja assistiu uma entrevista dele? Quanto a banco patrocinando a campanha de Dilma: A campanha à reeleição de Dilma Rousseff recebeu R$ 9,5 milhões em doações de bancos e empresas ligadas a eles, até o final de agosto, de acordo com a segunda declaração parcial apresentada ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). O valor representa 7,7% de tudo o que foi captado (R$ 123,6 milhões). Sexto maior banco do país em ativos, o BTG Pactual doou R$ 3,25 milhões." Não precisa ir muito longe pra rebater esses argumentos. Outra coisa ... existe uma correlação entre bancos centrais independentes e inflação baixa. Mas, digo logo, correlação não significa causa e efeito. É preciso aprofundar nos estudos e não jogar pra platéia!

  6. Deisi Postado em 10/Sep/2014 às 15:05

    A resposta foi perfeita sim moço, a Neca nunca patrocinou a Dilma, bom devem ter lido na mesma fonte onde diz que o filho do Lula é dono da Friboi, sogro da Ticiane do jornal da band, KKKK. Sabe de nada inocente! A herdeira do Banco Itaú não é só financiadora da campanha da BLABLARINA como ela será chefe da equipe econômica com total autonomia e independência do Banco Central, espere e verá quem que gosta de ser enganado.

  7. Eliana Postado em 10/Sep/2014 às 15:19

    Antes de rotular Neca Setúbal de "banqueira"... Palavras de Dimenstein: "Conheço Maria Alice há mais de 20 anos. Ela é uma educadora séria, cuja vida é voltada a melhorar a qualidade de ensino, disseminando inovações para gerar inclusão. Podia ser uma dondoca viajando pelo mundo. Mas esteve e ainda está com projetos na periferia. Macular imagens de pessoas desse nível é prejudicar um país tão carente de educadores".

    • Onda Vermelha Postado em 10/Sep/2014 às 16:33

      Bom, mas ela é ocupa o cargo estratégico de coordenadora do Programa de Governo da Marina Silva. Além disso, foi a porta voz oficial da informação de que Marina pretende adotar um Banco Central independente. E ainda indicou o economista tucano André Lara Resende, um conhecido e velho operador do mercado envolvido em operações suspeitas na passado para compor a equipe de Marina. Então...tem raposa nessa galinheiro sim!

      • Jonas Schlesinger Postado em 11/Sep/2014 às 20:46

        Onda Vermelha apesar de nesse momento sermos oposição devo reconhecer que você deu uma resposta educada e coerente. Deve saber entrar no debate sem cair de nível à baixaria. Apesar de eu quase não ler seus posts (pq são postagens faraônicas kk) devo reconhecer que ao se dirigir para essa tal de Eliana você não mais um palhaço. Enfim é difícil dizer isso mas... um abraço.

    • poliana Postado em 11/Sep/2014 às 13:52

      Ó q lindo..me emocionei agora com as lindas palavras usadas pra definir a herdeira do itaú!! Me deu ate vontade de chorar!

  8. Deisi Postado em 10/Sep/2014 às 16:02

    Oh ficou magoadinha! De chamar sua amiguinha de banqueira, coitadinha da pobre educadora herdeira do Banco Itaú e também sonegadora, desculpa moça por tal ofensa. Me poupe! Para sua informação acho maravilhosa a profissão de educadora, inclusive minha filha escolheu essa profissão. sinto lhe informar que ela aposentou para se tornar banqueira. Hoje ela é financiadora da campanha da Marina e também elaborou seu programa econômico, dando autonomia ao Banco Central, para seu banquinho lucrar mais e mais. Essa é a nova Neca, mas está do lado certo muda de função igual a Blabarina muda de ideias.

  9. Deisi Postado em 10/Sep/2014 às 16:39

    Mas já moça que é tão preocupada com a educação deveria se informar quem é Paulo Freire. Não cabe comparação, esse sim foi o mentor da educação para consciência. Me lembrei dele porque o padre da minha paroquia citou o método dele de alfabetização, com o método conseguiram alfabetizar todas pessoas de uma favela onde todos eram analfabetos. Ele foi um dos mais celebres educadores brasileiros. Defendia como objetivo a escola ensinar o aluno "ler o mundo"para poder transforma-lo. Esse sim é um exemplo de educador! Já sua amiga é herdeira do Itaú coitadinha!

  10. Eliana Postado em 10/Sep/2014 às 18:18

    Sra. Deise: A frase acima é do jornalista Gilberto Dimenstein . O senador Cristovam Buarque, que criou a Bolsa-escola quando era governador do Distrito Federal, revelou, em livro que Dimenstein é um dos inspiradores desse programa! É só.

  11. Primeira Pauta Postado em 10/Sep/2014 às 18:58

    Participe da Pesquisa eleitoral online do jornal laboratório do Curso de Jornalismo! https://docs.google.com/forms/d/1iIslsjm4tKd0k5IGDCYg5uK4p2_HV-RB4jb3pE7clv8/viewform

  12. Deisi Postado em 11/Sep/2014 às 09:54

    Eu insisto pesquise sobre Paulo Freire ele é genial, ele é autor de Pedagogia do Oprimido, foi o brasileiro mais homenageado da história ganhou 41 títulos de Doutor Honoris causas como Haward Cambriadge e Oxorford, Tá bom pra você! Também se especializou no método de alfabetização de adultos, não é possível que uma pessoa tão preocupada com a educação não procure conhecer Paulo Freire, você não sabe o que está perdendo moça.

  13. Flavio Postado em 11/Sep/2014 às 18:22

    Olha o decálogo da Marina aí, gente! 1 Morte do Eduardo? #issomudaojogo 2 Apoio da Neca? #issomudaojogo 3 Acatar esporro do Malafaia e do Feliciano? #issomudaojogo 4 Escandalizar sobre a Petrobras? #issomudaojogo 5 Tergiversar ou sair pela tangente? #issomudaojogo 6 Adotar vice-presidente comprometido com o agronegócio? #issomudaojogo 7 Redefinir o que é elite? #issomudaojogo 8 Defender a "independência" do Banco Central? #issomudaojogo 9 Apresentar-se como herdeira natural das jornadas de junho de 2013? #issomudaojogo 10 Negar a revisão da lei da anistia? #issomudaojogo

  14. Jonas Schlesinger Postado em 11/Sep/2014 às 20:37

    A Pasadilma chamar a Marina de leviana e inconsequente é meio infantil. Até porque a Pasadilma trabalhava na Petrobras, lá dentro do covil, a Marina era ministra e Senadora. Não precisa ser doutorado em ciência política, aliás qualquer idiota sabe que o gabinete do ministro ou senador não se localiza no petrolão. Então é mais leviano da parte dela do que da outra. E outra coisa... quem foi que disse que faria "o diabo" pra ganhar essas eleições este ano? Quem compactua com o mal consegue vencer, mesmo que momentaneamente. E até o Lula, minha cara (esse sim foi presidente de respeito) presidenta, criticou a comparação inconsequente que ela fez quando disse que era igual o Collor. Kkk não sei quem ele defendeu, mas sei que foi a mesma fundamentalista tão criticada. E o Collor?... ficou no vácuo. Aliás o PP não colocou esse artigo do Lula. Bota aê ó!

  15. Eric Gil
    Eric Gil Postado em 12/Sep/2014 às 15:19

    Aos que ainda duvidam, sugiro a leitura de uma notícia que saiu na Folha de São Paulo, ainda em 1999, intitulada de "Bancos de economistas crescem no Real". "Três bancos que tiveram como sócios ou fundadores pais do Plano Real -Matrix, BBA e Opportunity- mais do que duplicaram seu patrimônio nos quatro anos do primeiro mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso. Nesse período, não foi raro ver bancos multiplicarem seu patrimônio, embalados pelo plano econômico formulado por Pérsio Arida, André Lara Resende e Edmar Bacha. Esses personagens tiveram em comum, além das respectivas ligações com o Opportunity, BBA e Matrix, passagens pelo comando do Banco Central (com exceção de Bacha) e do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Dos três, apenas Edmar Bacha permanece atualmente vinculado a uma instituição financeira. Como o BBA de Bacha, algumas instituições até triplicaram o patrimônio, segundo levantamento feito pela Folha no Sisbacen, o sistema eletrônico de informações do Banco Central. É o caso do FonteCindam, socorrido pelo BC depois da desvalorização do real em operação investigada pela CPI dos Bancos." http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc09059915.htm

  16. Carlos Postado em 13/Sep/2014 às 12:30

    O que realmente preocupa a democracia é o projeto de governo de "regularizar" as entidades sociais (quem são elas?) e lhes transferir o poder que hoje deve ser exercido pelo Executivo, Legislativo e Judiciário.