Redação Pragmatismo
Compartilhar
Meio Ambiente 26/Sep/2014 às 15:53
4
Comentários

A marcha dos 400 mil em Nova York

Marcha dos 400 mil ficou conhecida como a maior da história na luta por políticas mais atentas às mudanças climáticas

marcha 400 mil nova york
Marcha dos 400 mil em Nova York foi a maior da história da cidade (divulgação)

Thiago Gabriel, Revista Vaidapé

Às 9h30 da manhã, pessoas das mais diversas nacionalidades já se agrupavam em frente ao Central Park. Cartazes variados coloriam o horizonte de prédios das ruas fechadas pela polícia para o evento. A People’s Climate March já vem sendo convocada há meses e levou aproximadamente 400 mil pessoas às ruas no último domingo (21) para exigir mudanças nas políticas adotadas ao meio ambiente.

O evento é parte da Climate Justice Alliance, movimento que organiza diversas ações diretas não-violentas durante a semana em que a cúpula climática da ONU reúne-se na cidade. O objetivo é pressionar os líderes mundiais a tomarem atitudes mais claras e incisivas para tratar a saúde do planeta. Com a presença dos governantes na cidade, a marcha chamou atenção da imprensa, que também compareceu em peso.

VEJA TAMBÉM: Las Vegas pode desaparecer em 2036

As ruas pareciam uma torre de Babel, composta por inúmeras línguas e nacionalidades, refletindo fielmente o complexo ecossistema urbano da cidade. Manifestações culturais locais deram o tom da caminhada. Grupos indígenas – os mais afetados pela crise climática – reproduziram uma espécie de ritual tradicional em volta de um totem de papelão. Um grupo meditava no Central Park. Chineses, peruanos, filipinos, costa-riquenhos, sul-africanos, argentinos caminhavam juntos por políticas econômicas menos danosas ao meio ambiente.

Com crachás de imprensa, convidados VIPs, seguranças voluntários da própria organização, telões e percurso combinado, o acontecimento foi a cara dos eventos norte-americanos: organizado para ser grande e ocorrer com tudo nos conformes.

Quando começou a andar, a agitação geral do público transmitia um ar emocionante e comemorativo para a marcha. Não havia raiva ou indignação, apenas a vontade de mudanças, tentando representá-las através dos gritos e cartazes. A polícia acompanhou todo o trajeto; parou o trânsito, impediu que manifestantes ultrapassassem as grades de segurança e manteve-se como observadora do evento.

Ao chegar na famosa Times Square, o ato era aguardado por centenas de turistas que preparavam suas câmeras para capturar a melhor imagem. Contidas pelas grades policiais pareciam aguardar a passagem do tapete vermelho de uma premiação.

Depois de percorrer mais de 30 quadras, a marcha chegou ao fim na 11a avenida, onde lhe aguardavam tendas, panfletos e uma organização impecável. De forma um tanto quanto melancólica, muitos saíam de lá sem saber exatamente o que havia acontecido, e porque estavam lá daquela forma. Mesmo assim, o clima era de felicidade. Sorrisos de pessoas de todas as idades, etnias, nacionalidades e culturas juntavam-se em um acontecimento histórico por um planeta que é de todos.

Foto da marcha passando ao lado do central park:

marcha 400 mil nova york

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Jonas Schlesinger Postado em 26/Sep/2014 às 23:28

    Um monte de bobão fazendo a multidão kkkk

    • eu daqui Postado em 29/Sep/2014 às 08:46

      Bobão é quem daqui há alguns anos vai estar tendo qeu comer dinheiro, carro, computador, etc, em vez de materia organica vegetal e animal.

  2. dilmar santos de miranda Postado em 28/Sep/2014 às 23:40

    Que pensamento profundo, diria mesmo transcendental, equiparável a sentenças indeléveis do pensamento universal como "penso, logo existo" de Descartes: "dê-me uma alavanca e um ponto de apoio que moverei o mundo" de Arquimedes: "a história não se repete, a não ser, pela primeira vez como tragédia, e pela segunda como farsa", Marx. Mas, talvez, a que me parece com mais afinidade eletiva com seu pensamento, seja a frase do latino Juvenal que Marx tanto gostava: "Nada que é humano me é estranho". Por exemplo, a sua estupidez não me é estranha porque é humana. Ou então o belo verso de Fernando Pessoa: "tudo vale a pena, quando a alma não é pequena", o que não é certamente seu caso.

  3. rafa Postado em 29/Sep/2014 às 23:52

    qeria ver marcha como as contra o vietnã agora contra a politica externa americana