Redação Pragmatismo
Compartilhar
Terrorismo 18/Sep/2014 às 20:36
3
Comentários

Estado Islâmico divulga vídeo com depoimento de jornalista britânico

'Meu destino está nas mãos do Estado Islâmico', diz, em vídeo, jornalista britânico sequestrado. John Cantlie foi raptado na Síria em 2012 e diz que falará sobre 'verdade' do grupo jihadista

John Cantlie jornalista estado islâmico
O jornalista britânico John Cantlie antes (esq) e agora (dir), onde encontra-se sequestrado pelo Estado Islâmico (Pragmatismo Político)

“É verdade, sou um prisioneiro. E já que fui abandonado pelo meu governo e meu destino está nas mãos do Estado Islâmico, não tenho nada a perder. Talvez eu viva, talvez eu morra. Mas não perderei essa oportunidade para levantar alguns fatos que podem ajudar a preservar vidas”, declarou o jornalista britânico John Cantlie em vídeo divulgado nesta quinta-feira (18/09) pelo grupo jihadista.

Capturado logo após chegar à Síria em novembro de 2012, o jornalista afirma que muitas coisas mudaram nos últimos dois anos e que hoje o Estado Islâmico controla uma terra maior do que a Inglaterra e muitos países.

VEJA TAMBÉM: EUA financiaram Estado Islâmico e agora querem dizimá-los

Colaborador de jornais como Sunday Times e The Sun, Cantlie explica que nos próximos “programas” ele falará sobre “a verdade” por trás das motivações do grupo extremista e sobre como a mídia ocidental pode manipular a verdade para seu público. “Há dois lados em toda história”, sintetiza em inglês no vídeo com legendas em árabe de pouco mais de 3 minutos.

Segundo o jornalista, os governos norte-americanos e britânicos podem fazer diferente na hora de negociar com o grupo jihadista. “Acompanhe-me nos próximos programas e você ficará surpreso com o que vai aprender”, finaliza.

Cantlie é o terceiro jornalista e o segundo britânico nas mãos do Estado Islâmico. No dia 2 de setembro, a organização divulgou um vídeo em que mostra a decapitação de mais um jornalista norte-americano, Steven Sotloff, em retaliação às “interferências” dos Estados Unidos no Iraque. Duas semanas antes da morte de Sotloff, o jornalista norte-americano James Wright Foley também foi decapitado.

Opera Mundi

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Postado em 19/Sep/2014 às 00:35

    Um grupo que televisiona decapitações de jornalistas não merecem ter credibilidade alguma.

    • Marcelo Postado em 19/Sep/2014 às 15:52

      E um grupo que televisiona mortes, sequestros, assaltos, assassinatos, roubos, estupros, suicídios (DIARIAMENTE), deve ter alguma credibilidade? Espero que não... e também espero que o Sr. ache o mesmo de Globo, Record, e todas as nossa baixas mídias

  2. Bruno Postado em 19/Sep/2014 às 08:33

    Esse jornalista opressor teve um momento de lucidez (não forçada).