Redação Pragmatismo
Compartilhar
Eleições 2014 29/Aug/2014 às 15:54
14
Comentários

Marina voou em avião importador de pneus chineses

Após convencer a Organização Mundial do Comércio a defender o direito do Brasil de proibir a importação de pneus usados, Marina Silva voou no jato Cessna em campanha pelo PSB. Polícia Federal aponta que o avião pertencia a Bandeirantes Companhia de Pneus Ltda.

marina silva eduardo campos avião

Hoje o PSB tenta afastar Marina Silva, candidata à Presidência, da polêmica sobre o jato fantasma que caiu com a comitiva de Eduardo Campos a bordo. No entanto, o episódio indica mais uma contradição da ex-senadora.

Segundo Luis Nassif, no jornal GGN, após convencer a Organização Mundial do Comércio a defender o direito do Brasil de proibir a importação de pneus usados, como ministra do Meio Ambiente, Marina Silva voou no jato Cessna que pertencia a Apolo Santana Vieira, dono da empresa Bandeirantes Companhia de Pneus Ltda. Leia:

Marina e o importador de pneus que bancou o Cessna

O grande momento de Marina Silva, quando Ministra do Meio Ambiente, foi sua ida à OMC (Organização Mundial do Comércio) para defender o direito do Brasil de proibir a importação de pneus usados.

Convenceu a OMC e atuou firmemente para impedir o avanço de uma lei autorizando as importações.

Em seguida, Marina encaminhou ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), um ofício com seis linhas, solicitando divulgação da moção nº 82 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) contrária à importação de pneus.

Com a medida, Marina fechou a fábrica BS Colway, do Paraná, montada para reciclar pneus da Europa. E desempregou mais de mil funcionários

O caso do Cessna

Investigações da Polícia Federal apontam Apolo Santana Vieira, dono da empresa Bandeirantes Companhia de Pneus Ltda, como proprietário do avião Cessna que caiu com o candidato Eduardo Campos a bordo.

A empresa é importadora de pneus através do porto de Suape e responde por sonegação calculada em cerca de R$ 100 milhões.

Começou a operar em 2006, quando o então governador Mendonça Filho assinou um decreto autorizando a empresa a importar até 4 mil pneus para veículos e máquinas industriais, 4 mil unidades para máquinas agrícolas ou florestais e até 5 mil para veículos diversos.

Assumindo o governo, Eduardo Campos tirou os limites de importação permitindo a notável expansão da companhia. E o avião transportou a comitiva de Campos, incluindo Marina, até o dia da queda.

Protegida do então governador do Paraná Roberto Requião, a BS Colway importava pneus seminovos da Europa e Estados Unidos. Alegava que, por ter uma armação superior aos pneus fabricados no país, o pneu remodelado teria condições de competir com os novos. Era mais barato e, segundo a empresa, durava o dobro do tempo dos pneus nacionais. Também tinha garantia de fábrica maior.

Na época, repórteres que visitaram a fábrica em Piraquara na grande Curitiba, diziam-se impressionados com as máquinas e a tecnologia empregada.

Os funcionários eram treinados com cursos ate no exterior. Recebiam participação no lucro da empresa e tinham direito a moradia num bairro arborizado construído especialmente para as eles.

Há uma lei que obriga as fabricantes de pneus a darem uma destinação para os pneus usados. A lei é desrepeitada por todas as marcas. O próprio Ibama, na gestão Marina, aplicou multas pesadas às multinacionais de pneus instaladas no país, por desrespeito à lei.

A empresa tinha um acordo com o governo do Paraná, para retirar do mercado todos os pneus usados misturando a borracha com o asfalto utilizado nas estradas e ruas do estado.

Detinha na época 3% do mercado brasileiro de pneus do país, mas já incomodava as grandes multinacionais.

Com o fechamento da BS Colway os trabalhadores perderam seus empregos.

Recomendados para você

Comentários

  1. Alexandre Postado em 29/Aug/2014 às 17:30

    e o medo paira no ar do pragmatism politico : )

  2. Guilhermo Postado em 29/Aug/2014 às 17:46

    E qual é o problema?

    • Thiago Teixeira Postado em 30/Aug/2014 às 10:54

      E porque quando o ministro da Agricultura viajou no jato a convite de uma empresa do Agronegócio vocês deram azia? Só o PT que merece dar explicações?

      • Marcos Vinicius Postado em 01/Sep/2014 às 12:56

        Boa pergunta.

      • Guilhermo Postado em 01/Sep/2014 às 14:48

        Mas eu nunca disse nada a esse respeito... Aliás nem sabia disso. Por mim isso não tem a menor importância e o Ministro da Agricultura pode viajar com o avião que lhe aprouver.

  3. Guilherme Postado em 29/Aug/2014 às 19:07

    Po, pragmatismo político, vsfd com essa parcialidade. Jornalismo não é imparcial? Então, porque tão mudando a linha agora, só porque a Marina entrou no pálio. Assim, não vai da pra acreditar em mais nada que vcs publicam, porque obviamente estará cheio de parcialidades e ao invés de nos informar, irá nos direcionar para o mesmo grupo de vcs. O mesmo erro das grandes emissores de jornalismo, que manipula pela parcialidade, esta sendo cometido por vcs agora, o que certamente diminui o conceito de vcs como mídia independente. Nos precisamos de mídia independente e não de mais um espaço destinado à manipulação da massa.

    • raphael_subversivo Postado em 01/Sep/2014 às 10:26

      Imparcialidade é um mito, TODO mundo tem um lado, a diferença é a honestidade referente a isso, quanto mais se intitular imparcial, mais desonesto é. Pragmatismo não esconde sua vertente de pensamento e seu posicionamento politico, é honesto quanto a isso, eu discordo de algumas opiniões deles e noticias, mas tenho ciencia e eles transparecem exatamente no que acreditam. Não manipulam noticias nem deturpam fatos, se tem uma opinião especifica ou predileção, também não escondem. Fica a seu critério discordar de alguém que lhe diz o que pensa ou concordar com alguem que quer te enganar. Abraços

  4. Patrick Dalpaz Postado em 30/Aug/2014 às 01:06

    Mídia PETISTA (Carta Capital, Pragmatismo Político, ...) ---> Marina <--- Mídia PSDBISTA (Globo, Estadão, ...)

    • Thiago Teixeira Postado em 30/Aug/2014 às 10:52

      Globo, Estadão, Folha, Uol. iG, Band, SBT, Zero Hora, Veja, Isto É, Placar, Jornal da Tarde, Rede TV, MTV .... esqueceu.

  5. Eduardo Postado em 30/Aug/2014 às 01:29

    Quem não pode ser parcial é o TSE se caixa dois inclusive com empresa de fachada for legal nas prestações de conta da campanha tudo bem, mas se não, que seja aplicada a lei.

  6. Fernando Postado em 30/Aug/2014 às 11:22

    rsrsrsrsrsrs o povo fica falando mal do pragmatismo político por achar parcial. Se soubessem da verdade sobre a morte de Eduardo Campos e do real perigo que a jaburu da Amazônia representa para o país mudariam de opinião já, já.

    • Thiago Teixeira Postado em 01/Sep/2014 às 16:52

      Cara ... não ... deixe pra lá ... se bem que ainda estou com a pulga atrás da orelha sobre o acidente ... temos que acreditar que foi uma fatalidade ...

  7. Guilherme Postado em 30/Aug/2014 às 14:15

    E qual é a verdade, Fernando?

  8. André. Postado em 30/Aug/2014 às 18:27

    Sou de Piraquara e, há muito sabemos que a história relatada é verdadeira!! Entretanto a tentativa de ligação entre um pequeno importador e uma pequena empresa no outro canto do país, me parece muito forçada. Se fosse o avião da Pirelli, Goodyer...