Redação Pragmatismo
Compartilhar
Eleições 2014 27/Aug/2014 às 17:33
12
Comentários

FHC vai abandonar Aécio?

FHC discorre sobre a importância de não fazer oposição frontal à Marina Silva. Ex-presidente tucano já trabalha com a ideia de tornar o PSDB linha auxiliar de um possível governo da ex-senadora

aécio fhc presidente eleições 2014
Doutrina FHC-Mainardi prega o desmonte (divulgação)

Uma doutrina política que prega o ódio ao PT, incentiva a instabilidade política e rebaixa o nível do debate de propostas entre os candidatos a presidente da República ganha campo nesta etapa da eleição. Batizada de Mainardi-FHC, tem no ex-colunista da revista Veja Diogo Mainardi e no ex-presidente Fernando Henrique seus principais garotos-propaganda. Complementares nos conceitos, eles representam os extremos que balizam o arco de ideias da corrente em formação.

Trata-se, na prática, de adiantar o caráter plebiscitário de um eventual segundo turno já para esta primeira rodada da eleição. Na esteira do crescimento da candidata Marina Silva, do PSB, a nova corrente defende o voto nela de imediato, sacrificando o senador Aécio Neves, do PSDB. O que menos importa, nesta orientação, é o debate de planos de governo dos candidatos ou a discussão sobre falhas e realizações do governo que tem a presidente Dilma Rousseff como candidata à reeleição.

Na baliza direita da doutrina cuja execução está em pleno curso, cercada pelas condições favoráveis de alta de Marina nas pesquisas, queda de Aécio e estabilidade de Dilma a referência é Mainardi. Espécie de exilado da revista Veja em Veneza, na Itália, ele perdeu a coluna que tinha na publicação do grupo Abril mas foi abrigado com conforto pelo grupo Globo. Com intervenções no programa Manhattan Conection, ele vai procurando nortear os que, como ele, perderam influência nos últimos anos. E anda irritado.

VOTO

Para Mainardi, a missão de derrotar o PT do ex-presidente Lula, seu desafeto pessoal, depois de 12 anos sem acesso às fontes do poder, admite o voto em uma candidatura com a qual não se tem nenhuma concordância – à exceção do espaço que essa chapa abre para a prática do ódio ao PT. É o que explica a declaração de voto de Mainardi em Marina:

– Não espero rigorosamente nada de seu governo e passarei a torcer contra ela um dia depois da posse, registrou ele no texto intitulado ‘Sou Marina (até a posse)’.

O fundamental, fica claro, não é debater planos de governo, nem mesmo entre os que vão sendo apresentados por Marina e o tucano Aécio Neves, com quem o pregador se identificava até a ex-ministra entrar para a corrida presidencial na frente dele nas pesquisas. O fundamental é vencer, mesmo que “um dia depois da posse” a palavra de ordem já seja outra: fazer oposição à Marina. Os riscos de instabilidade política embutidos na bandeira “Marina até a posse” nem sequer são considerados pelo, digamos, analista. O que ele diz da Itália, com todas as letras, é que considera como ideal para as eleições brasileiras de 2014 a vitória de uma candidata à qual se começará a desconstruir assim que chegar ao poder.

VEJA TAMBÉM: Mitos e verdades sobre a independência do Banco Central

Antes de Mainardi, o ex-presidente Fernando Henrique foi o primeiro a nortear o público anti-PT de que Marina é, neste momento, a grande alternativa da oposição para recuperar, mesmo que não totalmente, ao menos alguns nacos do poder perdido. “Não quero que ela fique melindrada comigo”, defendeu-se FHC, quando disse que considerava, ao menos, que Aécio tinha mais experiência administrativa do que ela. Àquela altura, porém, o ex-presidente já havia discorrido longamente sobre a importância, para o PSDB, de não fazer oposição frontal à ex-ministra.

DURA LIÇÃO

Foi o próprio Fernando Henrique que lançou Aécio para presidente, no final de 2012. Agora, o ex-presidente também sai na frente na marcha de esvaziamento da candidatura. O senador mineiro parece ter-se surpreendido com a rapidez de ação de FHC. Antes mesmo que as pesquisas o colocassem, como agora, atrás de Marina, Aécio já sofria com a habilidade dele. Agora, parece estar confuso entre defender sua campanha, enfrentar Marina e tentar seu lugar no segundo turno, ou arriar a bandeira e aderir à candidata do PSB, como insinua Fernando Henrique.

Para quem teve no avô Tancredo Neves um político que dizia que a lealdade é a regra número 1 da política, Aécio deve ter levado um susto e tanto com o FHC que surgiu depois da morte do ex-governador Eduardo Campos.

A orientação de Fernando Henrique vai sendo seguida por setores cada vez mais expressivos entre os tucanos. Depois que ele blindou Marina, a quem, repita-se, não quer “melindrar”, até o presidenciável tucano ficou confuso sobre qual caminho seguir para voltar a ser ele, e não ela a alternativa oposicionista de ida ao segundo turno.

Aécio ainda não definiu se vai partir para o ataque a Marina ou se vai abrir passagem, candidamente, para a passagem dela. Enquanto ele pensa, as pesquisas já o vão levando para uma posição de distante terceiro lugar, numa perda de consistência que seu partido não tem se esforçado para conter.

Brasil 247

Recomendados para você

Comentários

  1. poliana Postado em 27/Aug/2014 às 17:41

    " Ex-presidente tucano já trabalha com a ideia de tornar o PSDB linha auxiliar de um possível governo da ex-senadora". conveniente né?! agora fica fácil! pior cego é aquele q n quer ver.

    • poliana Postado em 27/Aug/2014 às 17:45

      Não espero rigorosamente nada de seu governo e passarei a torcer contra ela um dia depois da posse, registrou ele no texto intitulado ‘Sou Marina (até a posse)’. diogo mainardi tem sérios problemas!

  2. KARINA BB Postado em 27/Aug/2014 às 17:46

    Vou ser redundante,o q importa pros entreguistas ladroes e corruptos q roubam e apontam o dedo pro outro fazendo cara d inocente,é tirar i PT do poder ,se o pais vai ficar 4 anos no arrocho ?????? Fdase porque o imporyante é tirar o pt q ja roubou demais neh ,agora é a vez deles entregarem o q resta e embolsarem a grana das privatarias ,meu pai é militar e claro apoia o militarismo ele diz q nem pt nem psdb disse q fhc destruiu o Brasil,to começando a concordar com ele

  3. Jonas Schlesinger Postado em 27/Aug/2014 às 19:43

    Vai de retro FHC. Que sanguessuga traíra kkk Osmarina tá surfando.

  4. testemunha binocular Postado em 27/Aug/2014 às 20:40

    Eduardo Campos foi assassinado ? Se a resposta for afirmativa, surge a segunda pergunta : a quem interessava mais a sua morte ?

    • Eva Postado em 27/Aug/2014 às 22:15

      Interessa a quem se fortalece com cadáveres.

  5. Antonio Carlos Bueno Postado em 28/Aug/2014 às 09:29

    Já falei sobre este assunto anteriormente em outro comentário, e volto a dizer: Se a Marina for eleita presidenta, fatalmente será refém do PSDB que obviamente já tem planos para isso. Acorda, eleitor brasileiro!

    • poliana Postado em 28/Aug/2014 às 10:40

      Exatamente antonio carlos. Estou com vc! Só um cego n vê isso.

  6. Fred Postado em 28/Aug/2014 às 10:11

    Convenhamos, a (MARINA + PSDB) é muito melhor do q o (PT + 40 ministérios + PMDB + corjas dos demais partidos). Há 12 anos, esses trambolhos do PT estão no poder e não fizeram nada. Surfaram na onda do Plano Real e na prosperidade internacional entre 2003-2008. Nas mãos do PT, o BR não cresceu economicamente, a inflação voltou, os escândalos pipocaram na imprensa, dentre outras mazelas. E eles tem a cara de pau de negar o mensalão. C/ esses trambolhos do PT o BR só perdeu tempo, o país não conseguiu nem mesmo ser um líder regional diante desses nossos vizinhos medíocres q tem crescimento maior do q o nosso. Se fosse bem governado nos últimos 12 anos, o BR seria propulsor da economia global assim como a China, ao invés disso estamos sendo rebocados. FORA poste-DILMA PT !!! FORA PT !!!

  7. Henrique Postado em 28/Aug/2014 às 12:04

    Fred, China nao eh referencia. Nao compare alhos com bugalhos.

    • Yule Cristina Postado em 28/Aug/2014 às 21:16

      Falta de conhecimento meu caro, é triste mas é a realidade no face.

  8. Yule Cristina Postado em 28/Aug/2014 às 21:12

    PSDB fazendo concorrência ao PMDB, para Aécio a despedida melancólica de suas pretensão de governar o país, o PMDB pode até continuar sendo o maior partido do Brasil, mas nunca elegeu um presidente. A única chance de Aécio salvar sua candidatura e também, sua pretensão de ser presidente, é ir contra as ambições do seu partido e sair pro pau com a Marina.