Redação Pragmatismo
Compartilhar
Religião 07/Aug/2014 às 11:53
11
Comentários

Ateus são menos confiáveis que estupradores?

Ateus tentam 'sair do armário' nos EUA, mas ainda encontram forte resistência. Pesquisa revelou que os americanos preferem ter um presidente abertamente gay ou sem experiência política do que um ateu. Outro levantamento sugeriu que ateus são menos confiáveis que estupradores

“Às vezes, as coisas precisam ser ditas, e as lutas precisam ser lutadas, mesmo que sejam impopulares. Aos ateus enrustidos: você não está sozinho, você merece igualdade.”

Assim terminou o inflamado discurso do presidente do grupo Ateus Americanos, David Silverman, no lançamento da primeira emissora de televisão dos EUA dedicado àqueles que não acreditam em Deus, a TV Ateu.

Depois, foram exibidos testemunhos de ateus proeminentes.

“É uma das melhores decisões que já tomei na minha vida e eu defendo completamente que as pessoas ‘saiam do armário'”, diz Mark Hatcher, do grupo Ateus Negros da América.

“Sair do armário” é como muitos ateus americanos descrevem o que ainda é, para muitos, algo muito difícil de ser admitido publicamente.

VEJA TAMBÉM: Professor de História é demitido por evitar conteúdo religioso

Uma recente pesquisa realizada pelo Pew Research Center mostra que americanos preferem, a um ateu, ter um presidente com cerca de 70 anos ou abertamente gay ou que nunca tenham tido qualquer cargo público.

Surpreendentemente, uma pesquisa anterior da Pew sugeriu que os entrevistados nos Estados Unidos consideravam ateus menos confiáveis que estupradores. Um dos novos programas da TV Ateu já sentiu o “gostinho” de como muitos americanos percebem “os não crentes”.

“Então você estava estudando para ser um padre e agora não acredita em Deus? Você é o diabo”, um interlocutor disse ao apresentador. “Você é um marxista, você é um ateu e você é da Rússia”, diz outro.

‘Saindo do armário’

Em um dos maiores encontros de estudantes ateus no país, em Columbus, no estado de Ohio, Jamila Bey, da Aliança Secular de Estudantes, disse que muitos participantes estavam receosos sobre dar entrevistas, o que podia ser visto em seus pescoços.

“Cordões vermelhos significam ‘Você não pode falar comigo'”, diz Bey. “Muitos alunos não são ‘assumidos’. Seus pais podem não saber que eles são ateus ou que questionam sua religião.”

Ela disse que muitos estavam preocupados com ostracismo ou temiam sofrer violência se revelassem que não acreditavam em Deus.

Lasan Dancay-Bangura, de 22 anos, é o chefe do grupo de estudante ateus de sua universidade. Ele já contou para a mãe sobre seu ateísmo – experiência que relembra com um suspiro profundo -, mas ainda não “saiu do armário” para o pai.

ateus eua ohio
Uma das maiores convenções de ateus nos EUA ocorre em Ohio (Foto: BBC)

“Fala-se o tempo todo sobre pessoas que estão sendo expulsas e enviadas para campos de Bíblia onde são forçadas a ser religiosas. Eu não quero perder o meu pai para isso.”

á Katelyn Campbell, de 19 anos, de West Virginia, tem tido problemas com a comunidade. “No colégio, era um silêncio total quando eu andava pelo corredor. Ou alguém cuspia em mim”, diz Katelyn.

Há dois anos, ela protestou contra a inclusão da religião e da abstinência em suas aulas de educação sexual escolar. “As pessoas agora costumam trazer essa discussão, que é de valores que são muito pessoais e muito particulares”, diz ela.

Campanha

No evento de estudantes ateus em Ohio, eles estão tentando mudar as coisas.

Camisetas a venda no evento trazem os dizeres “Godless Goddess (Deusa sem deus)” ou “Um ateu é assim”.

Ao lado da tenda está Andrew Seidel, um advogado da Fundação Liberdade da Religião. “Muitos americanos pensam que nunca conheceram um ateu, mas isso é porque muitos têm medo de reconhecer isso publicamente”, diz Andrew.

“A forma como vamos vencer essa luta é pela demografia. Assim como sair do armário foi importante para o movimento LGBT, é importante para nós dizer em alto e bom som e com orgulho: ‘Eu sou um ateu!'”

CONFIRA TAMBÉM: Morgan Freman: “O homem criou Deus”

E os dados demográficos estão realmente mudando, especialmente entre os jovens, onde a proporção daqueles que se identificam como “religiosamente não afiliados” está aumentando.

Mas os Estados Unidos têm uma proporção muito maior de pessoas que dizem que a religião é muito importante para eles em comparação com países europeus.

“A América é uma anomalia, em primeiro lugar, porque foi fundada por puritanos”, diz Bey, da Aliança Secular de Estudantes.

Mais recentemente, em especial para a comunidade afro-americano na luta pelos direitos civis, mas também para muitas outras comunidades minoritárias, a religião tornou-se uma forma de ganhar aceitação, segundo Bey.

“Foi uma maneira de dizer: Eu sou um bom cristão, você deve deixar o meu filho ir para a escola com as criancinhas brancas, Jesus ama a todos nós'”, diz ela.

O novo canal de TV faz parte do movimento dos direitos civis dos grupos ateus.

Mas a aceitação real, particularmente para aqueles que exercem cargos públicos, em um país onde nenhum deputado é abertamente ateu, pode estar ainda um pouco distante.

Aleem Maqbool, BBC Columbus/Ohio

Recomendados para você

Comentários

  1. Rubens Postado em 07/Aug/2014 às 12:59

    O que esperar de um país que acreditou em um certo presidente que disse que "sonhou que deveria invadir o Iraque" e "era uma mensagem de deus"?

    • poliana Postado em 07/Aug/2014 às 14:32

      rubens, n se iluda, o brasil n é muito diferente dessa realidade americana n.

      • Gabriel Wolff Postado em 07/Aug/2014 às 19:36

        O Brasil é muito diferente dos Estados Unidos porque aqui, apesar da religiosidade que perpassa vários setores da sociedade, somos tão complacentes uns com os outros e observamos tão pouco códigos de conduta que mesmo pessoas estritamente religiosas são completamente sincréticas em suas crenças, de modo que as diversas religiões parecem ter aqui um oxigênio difícil de encontrar em outros lugares onde as tradições são mais respeitadas. Vejo isso como uma das coisas boas de ser brasileiro... mas não nos enganemos com os neopentecostais.. eles seguem de um gênero de religiosidade protestante oriunda dos EUA e podem tentar tomar de assalto a nossa democracia de um modo que faria os militares ficarem corados.

  2. poliana Postado em 07/Aug/2014 às 14:30

    se cada um aprendesse a cuidar de sua vida e, principalmente, respeitar as diferenças e conviver com elas, o mundo, certamente, seria um lugar melhor!!!! agora dizer q ateus são menos confiáveis q estupradores, é realmente o cúmulo da estupidez! eu n precisava ouvir isso!!! como é bom ser homem...

  3. Thiago Teixeira Postado em 07/Aug/2014 às 15:27

    Religião não torna as pessoas melhores e nem piores que ninguém. Tem picareta na macumba, na igreja católica, no centro espírita, nos adoradores de exu 7 facadas, em ateus e no meio evangélico.

  4. J.C Souza Schlesinger Postado em 07/Aug/2014 às 15:46

    Ateu é aquela pessoa que não acredita em Deus portanto não tem religião, pois acho que todas acreditam num ser divino. Contudo o "não acreditar em Deus" é uma crença. A crença em que não existe ser superior. O ser humano pode tentar, mas sempre vai se filiar algum tipo de credo. O que eu vi nesse artigo é um movimento para os ateus. Então automaticamente se torna uma religião não definida. Resumindo se existe Cristianismo, Islamismo, Protestantismo, Judaísmo, Xintoísmo, Budismo, Espiritismo, Hinduísmo, Taoismo, Luteranismo entre outros, também há o Ateísmo. A crença do não acreditar em Deus. Agora o mais importante é o respeito para as pessoas e suas crenças. Da mesma forma como existe um policial corrupto também há religiosos radicais ou corruptos. Agora um país precisa ser laico para ser desenvolvido. O que é um país laico? Não é ser ateu, é não misturar suas crenças religiosas nos assuntos políticos. Olhem o caso dos países Nórdicos. Eles são os mais desenvolvidos do planeta e possuem ateus e religiosos. Exemplo para o mundo.

    • Madex Postado em 07/Aug/2014 às 18:09

      Concordo, J.C. Aliás, a pessoa que não possui crenças é o agnóstico, o ateísmo não deixa de ser uma crença. Respeito - de todas as partes - é o essencial.

    • Gleidson Postado em 07/Aug/2014 às 18:27

      Ateísmo não é "não acreditar em deus" como você coloca. Óbvio, se eu não acredito em algo eu estou afirmando que este algo existe. Ateísmo é não acreditar NA EXISTÊNCIA de um Deus ou de deuses. Acho que você está fazendo uma confusão com algo bem simples de se entender...

    • bernardo Postado em 07/Aug/2014 às 18:52

      Como todo respeito a sua opinião, eu não concordo com ela. Não falo por todos os ateus, mas não creio em deus e não fico filosofando sobre isso.Quando alguém me fala sobre religião eu simplesmente ignoro. Quando insistem, digo simplesmente que não creio e não discuto, somente quando me chamam de certos adjetivos eu costumo agir com sarcasmo. Não crer em deus não é ter uma crença ou fé, é justamente a falta dela. Entendo que somos igual a qualquer outro animal, vegetal ou mineral, somos produto do planeta e sem entrar nos méritos de quem criou o que, (o que não me interessa) não me preocupo com isso (deus) em nenhum momento de minha vida, quando estou em apuros, ou quenado sinto medo de morrer. Desde pequeno, quando me empurravam goela abaixo a doutrina cristã nunca concordei e até já apanhei por fazer questionamentos que ninguém conseguia me responder, mas sempre fui firme na minha posição. Para mim não há sentido em ter religião, crença ou fé. Não entendo que exista um ser superior, em qualquer aspecto, ninguém é superior a ninguém. Respeito a todos, sou casado com uma espírita, que já aprendeu a conviver com isso há muito tempo. Meu pai é católico praticante, minha mãe kardecista e meus dois irmãos são aqueles cristãos que ficam meio em cima do muro, e após eu expor isso a minha mãe (com meus 9 anos após voltar do catecismo e questioná-la novamente o motivo daquilo pedi a ela para não ir mais ao catecismo ou a missa, pois aquilo não me atraía e ninguém me explicava as falhas da bíblia e religião, somente me mandavam calar e acreditar) nunca meus familiares (pai, mãe e irmãos) me questionaram ou me criticaram por isso. Avós e algumas tias souberam depois de anos e até pararam de falra comigo por algum tempo. Mas acho que isso é natural em uma sociedade que tem sua base formada na religião, e no caso do brasil a cristã. Ao meu modo de ver não acreditar em deus não somente é não ter religião, como é não ter qualquer tipo de crença, é a falta dela. E isos não caracteriza ter crença de que não existe deus.

      • Aline Postado em 07/Aug/2014 às 22:10

        Bernardo, muito bem colocado! Assino embaixo!

      • J.C Souza Schlesinger Postado em 09/Aug/2014 às 20:48

        "Eu creio que deus não existe, portanto creio que o acaso está aí porque foi ele que nos criou há 4 bilhões de anos" N acreditar em deus é vc crer que ele não existe e te leva a crer em muitos outras coisas contrárias a religião. Beleza?