Redação Pragmatismo
Compartilhar
Meio Ambiente 21/Aug/2014 às 17:50
5
Comentários

Antártida e Groenlândia estão derretendo

Degelo na Groenlândia e Antártida dobra em cinco anos, aponta estudo. Levantamento analisou imagens de satélites e diz que situação é alarmante

aquecimento global antártida groenlândia
Os mapas mostram os resultados dos modelos de elevação gerados pela equipe alemã (Reprodução)

A redução da área de gelo da Groenlândia e Antártida, as duas principais capas de gelo do planeta, dobrou desde 2009, de acordo com um estudo que analisou imagens de um satélite europeu.

O exame dos dados gerados pelo CryoSat indicam que só a Groenlândia vem perdendo cerca de 375 km cúbicos de gelo por ano.

Somado, o volume de gelo despejado todo ano pelas duas maiores capas chega a 500 km cúbicos, disse à BBC a pesquisadora Angelika Humbert, do Instituto Alfred Wegener (IAW), na Alemanha.

“A contribuição das duas capas de gelo à elevação do nível dos oceanos dobrou desde 2009”, afirmou Humbert. “Para nós, é um número inacreditável.”

O estudo do instituto, publicado na revista científica The Cryosphere, não calculou quanto o degelo colabora para a elevação do nível dos mares. Mas se todo o volume despejado nos oceanos for considerado como gelo (uma porção pequena seria de neve), a contribuição poderia ficar na ordem de pouco mais de um milímetro por ano.

Comparações

O satélite CryoSat foi lançado pela Agência Espacial Europeia em 2010 com um sofisticado instrumento de radar projetado para medir o formato das camadas de gelo polares.

O grupo do IAW, coordenado pelo cientista Veit Helm, estudou pouco mais de dois anos de dados para criar um modelo de elevação digital (MED) da Groenlândia e da Antártida e avaliar a sua evolução.

O modelo incorpora 14 milhões de medidas de altura referentes à Groenlândia e outros 200 milhões referentes à Antártida.

Quando comparadas com bases de dados semelhantes produzidas pela missão IceSat, da agência espacial americana (Nasa) produzidas entre 2003 e 2009, as medições permitem calcular mudanças no volume de gelo mais abrangentes que o período observado pelo CryoSat.

Tendências negativas são resultado de degelo, enquanto tendências positivas são consequência de precipitação ou nevascas.

A Groenlândia vem atravessando o seu momento de maior redução na elevação, perdendo 375 km cúbicos de gelo por ano, a maior parte nas costas oeste e sudeste da ilha.

Há um derretimento significativo também na Corrente de Gelo Nordeste da Groenlândia.

“Esta região é formada por três glaciares. Um deles, o Zachariae Isstrom, recuou um bocado e já houve registros de perda de volume. Mas agora vemos que essa perda de volume está se alastrando para áreas superiores, muito mais para o interior da capa de gelo do que se via antes”, disse a professora Humbert.

Antártida

Já na Antártida, a perda de volume anual foi calculada em cerca de 128 km cúbicos por ano.

Como outros estudos já haviam indicado, a maior parte do degelo se concentra no lado oeste do continente, na área conhecida como Baía do Mar de Amundsen.

Grandes glaciares da região estão recuando e perdendo espessura a um ritmo acelerado.

Por outro lado, há ganhos de espessura na camada de gelo de algumas áreas, como em Dronning Maud Land, onde foram registradas nevascas colossais. No entanto, o acúmulo nessas áreas não compensa as perdas nas outras.

Um grupo científico britânico recentemente produziu o seu próprio MED a partir de um algoritmo diferente aplicado sobre a base de dados do CryoSat.

O resultado é parecido com o do IAW, e os alemães aplicaram o mesmo método para a Groenlândia, de maneira que pudessem comparar as duas capas de gelo.

Quando comparadas, as reduções indicam as mesmas conclusões da missão americana Grace, que monitora as mudanças nas regiões polares a partir de dados gerados por um outro tipo de satélite, que observa o volume de gelo despejado no mar.

BBC News

Recomendados para você

Comentários

  1. Jonas Schlesinger Postado em 21/Aug/2014 às 19:50

    Lemos isso hoje. Amanhã voltaremos à mesma monotonia de sempre.

    • eu daqui Postado em 22/Aug/2014 às 09:13

      Sorte sua essa vida monótona. É de um período assim que estou precisando. Não quer vir dar uma ajudinha aqui no meu mar de responsabilidades pra quebrar essa chatice?

  2. Gustavo Postado em 23/Aug/2014 às 23:31

    Pragmatismo político reproduzindo o "consenso pseudo-científico" do aquecimento global. É importante lembrar que há pesquisadores, no Brasil e no mundo inteiro, que combate ferrenhamente as ideias reproduzidas nesta reportagem (que pelo menos não usou o homem como causa deste fenômeno). Avançar 1 milimetro por ano, que dizer entao, que daqui a 100 anos o mar avançará 10 cm??? Se faz tanto barulho por uma coisa que não há comprovação científica. Pra nao dizer que estou falando besteira, gostaria que consultasse este site, tem matérias excelentes que ajudam no debate: http://fakeclimate.wordpress.com/ E esta mesma BBC, não admite opinião contrária em relação ao "consenso" das mudanças climáticas. Pragmatismo vamos veicular reportagens que mostram o "outro lado" da história! Obrigado. Gustavo

    • Felipe Peters Berchielli Postado em 29/Sep/2014 às 09:36

      Gustavo,entendo sua posição,inclusive no caso Climategate. Mas voce cita uma via,existe outra,inclusive de brasileiros que defendem ferrenhamente que sim,o aquecimento é real,mas como sou leigo apenas observo,como contra ponto,o vloggeiro Pirula fez um video muito interessante com mais de 1 hora sobre o tema,entrevistou pesquisadores,é bem legal. Não digo que ele está certou(ele também acredita que sim,é real),porém são informações completas.

  3. Rocken Postado em 27/Sep/2014 às 23:18

    totalmente insignificante e tendencio isto, fui pesquisar e atual o ciclo solar começou em 2008 e tem ápice previsto em 2013/2014, sem falar que 500 km cúbicos de gelo divido pela superfície do mar da um pouco mais de 1mm por ano