Redação Pragmatismo
Compartilhar
Eleições 2014 23/Jul/2014 às 21:44
14
Comentários

Não foi Aécio, foi Minas

“Minas” não pratica atos de ofício, “Minas” não assina autorização para obras com ou sem licitação. Quem assina é o governante, e o governante é agora candidato a presidente da República

Os leitores da Folha de S. Paulo foram surpreendidos no domingo (20/7) por um ataque indireto ao senador Aécio Neves, candidato do PSDB a presidente da República. “Minas fez aeroporto em fazenda de tio de Aécio”, dizia a manchete do diário paulista. No texto logo abaixo, o jornal conta que, quando governador, em 2010, Aécio mandou construir, com dinheiro público, um aeroporto na fazenda de um tio, que o senador usa regularmente para visitar uma propriedade da família.

A obra custou R$ 14 milhões e só serve à família do senador ou a aeronaves que ela autoriza, pois o governo de Minas nunca entregou à ANAC, Agência Nacional de Aviação Civil, os papéis necessários à sua homologação. Portanto, objetivamente, a instalação segue sendo uma obra privada feita com dinheiro público.

Na mesma edição e em texto de tamanho proporcional à reportagem que faz a denúncia, a assessoria do senador responde que a escolha do local levou em conta apenas aspectos técnicos, não considerando que a propriedade do imóvel favorecia diretamente o então governador.

VEJA TAMBÉM: A verdade sobre o aeroporto de Aécio construído com dinheiro público

O Estado de S. Paulo reproduziu no mesmo dia a denúncia da Folha, em um texto mais curto, incluindo a defesa de Aécio Neves, acrescentando que no local havia uma pista construída em 1983 por seu avô, Tancredo Neves, quando era governador do Estado. Ou seja, a família se beneficia das instalações há mais de trinta anos, agora modernizadas com recursos do Estado. Ou há outra interpretação para a sequência de notícias?

Na segunda-feira (21), os dois jornais paulistas voltam ao assunto, para oferecer um amplo espaço à defesa do candidato tucano, e o Globo entra na história, publicando com destaque a justificativa de Aécio Neves, sem ter publicado antes a denúncia.

O conjunto do noticiário serve de modelo para o leitor entender o estilo que deverá marcar a imprensa hegemônica até o fim da campanha eleitoral: para amenizar as suspeitas de que tende para um dos lados da disputa, dá-se, como se dizia antigamente, uma no cravo, outra na ferradura.

Aeroporto particular

O cuidado em amenizar o efeito da reportagem diz muito sobre a atenção que a imprensa dedica ao seu candidato preferencial. Diante de um fato que induz claramente à conclusão de que a família Neves transformou um antigo campo de pouso em aeroporto particular com dinheiro público, e que a decisão de tocar a obra foi feita pelo então governador Aécio Neves, qual é a alternativa?

Já que não se pode esconder o fato, cria-se na própria denúncia a condição propícia à defesa. A começar pelos títulos: tanto na Folha como no Estado, não foi o então governador quem autorizou o uso de dinheiro público no interesse da própria família: foi “Minas”. Ora, “Minas” não pratica atos de ofício, “Minas” não assina autorização para obras com ou sem licitação. Quem assina é o governante, e o governante é agora candidato a presidente da República.

Alguém imagina uma manchete do tipo “Brasil propõe regulamentação de Conselhos Sociais?” Não: em condições normais de relativa autonomia, os jornais personalizam os atos oficiais.

De que, então, tratava a manchete da Folha no domingo? Tratava do cuidado mínimo que o jornal precisa dedicar à cobertura da disputa eleitoral, porque o engajamento permanente e descarado em uma ou outra candidatura pode prejudicar outros interesses da própria empresa que edita o diário. Por exemplo, se o público desenvolver a convicção de que a Folha apoia explicitamente uma candidatura em detrimento das outras, quanta confiança será depositada em futuras pesquisas do Datafolha?

Então, se determinado fato não pode deixar de ser publicado, porque a omissão colocaria em risco a credibilidade do jornal, dá-se um jeito de preservar no que for possível a reputação do candidato acusado.

Em nenhuma outra ocasião, nos muitos escândalos que a imprensa reportou nos últimos anos, a autoria foi desviada do personagem central para a figura diáfana do Estado. Apenas como referência, no caso que tinha como acusado o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda, não se leu nos jornais que “Brasília é condenada por improbidade administrativa”.

Mas no caso do aeroporto privado feito com dinheiro público, não foi o então governador quem cometeu o malfeito: foi “Minas”.

Luciano Martins Costa, no Observatório da Imprensa

Recomendados para você

Comentários

  1. Pedro Postado em 24/Jul/2014 às 06:52

    Deixaram pra investigar só agora? Depois de 4 anos? Juro que não entendo esses nossos "fiscais" da mídia.

    • poliana Postado em 24/Jul/2014 às 09:13

      pena q isso a grande mídia abafa! e depois ainda tem gente q vem defender os tucanos, como se fosse o supra sumo da moral e da honestidade! realmente incompreensível! lamentável saber q a corja tucana é blindada pela grande mídia! se fosse alguém ligado ao pt, a rede globo ia fazer um grande espetáculo da notícia! o brasil ia parar!!!vide o mensalão! realmente lamentável!

    • Vandré Postado em 01/Aug/2014 às 22:41

      Kenedy Alencqr, da CBN, falou sobre isso. A imprensa mineira geralmente tem uma posição de docilidade em relação a seus governantes. Então, esse caso nunca ganhou tanta atenção da midia mineira. Mas agora o Aécio é candidato a presidente do Brasil. E é normal que seus atos passem por uma análise mais minuciosa do que quando ele era apenas governador. Cabe a ele responder às denuncias.

  2. Xenilson Postado em 24/Jul/2014 às 12:01

    Senhores, Enquato Minas pratica atos de oficio e não o seu Governante, conforme relata a midea tendeciosa informa. Vale apena ouvir o melo do Aviãozinho. http://www.conversaafiada.com.br/tv-afiada/2014/07/24/voa-voa-aviaozinho/ Vamos colocar nas redes sociais.

    • Thiago Teixeira Postado em 24/Jul/2014 às 12:38

      kkkkkkkkkkkkk PHA e BESSINHA alopram!!!!!!!!!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkk

  3. Nereu Postado em 24/Jul/2014 às 15:09

    ACORDA BRASIL!!!! Este governo acabou com MG e agora quer acabar com o Brasil!

  4. Lester Postado em 24/Jul/2014 às 18:14

    Pedro, Poliana, Xenilson, Thiago e Nereu... vcs vão votar no PT?

    • Jonatan Postado em 24/Jul/2014 às 21:33

      Branco no primeiro turno. No segundo, qualquer um, exceto o PSDB

    • Poliana Postado em 25/Jul/2014 às 08:28

      O que você acha Lester?

    • Poliana Postado em 25/Jul/2014 às 08:29

      Engraçado que quando o PP posta as matérias falando da corrupção dos candidatos do PSDB, os coxinhas somem daqui né?! Cadê os famosos coxinhas q tão sempre aqui no PP que não apareceram pra comentar sobre (MAIS) essa do Aécio????!!!!

  5. José Ferreira Postado em 25/Jul/2014 às 13:35

    Picaretagem tem em todo lugar. E a Dil.ma em Pasadena?

    • Poliana Postado em 25/Jul/2014 às 14:55

      Pois é, mas isso os tucanos n enxergam! Só o PT erra, só o PT faz merda e o PT foi o governo mais corrupto da história do país! Só isso q vcs sabem falar! Mas qdo as merdas do PSDB são "expostas", os tucanos simplesmente desaparecem! E sim, expostas entre aspas pq estas só aparecem na mídia alternativa. O PIG sempre blinda a tucanalha e sua corja!!!!!!

  6. henrique Postado em 26/Jul/2014 às 17:17

    Fica parecendo que a Dilma destruiu o Brasil da forma que a mídia expõe as coisas...mas quem nasceu na década de 80 deve se lembrar a merda que era o País..dívida para o FMI, desemprego ,salario mínimo uma bosta ,inflação autíssima... E acham que não havia corrupção..?!?! Se hoje na era YouTube/facebook onde é muita mais fácil aparecer as merdas dos nossos governantes costuma "passar batido" imagina em 1990... Sou Mineiro e tenho vergonha de ter Aécio Neves como senador do meu Estadooo..

  7. Joao Postado em 28/Jul/2014 às 18:39

    Me divirto muito. Quem fez o aeroporto foi Minas, no governo de Aécio. Um aeroporto que nunca foi usado pois está em litígio o valor pago pela área, que segundo o tio deste presidenciável não há acordo. E quando se falou deste fato, o senador Aécio fez questão de pedir que os órgãos competentes investiguem. A diferença reside ai... A unica diferença... Diferente de não sei... Diferente de reuniões anteriores a anúncios de investigações do Tribunal de Contas... Diferente de muitas coisas... Ah!! Coxinha é quem trabalha e paga imposto... E não vive de "filantropias" federais...