Redação Pragmatismo
Compartilhar
Protestos 29/Jul/2014 às 12:07
7
Comentários

Mikhail Bakunin é considerado “potencial suspeito” pela polícia do RJ

Filósofo russo morto em 1876 foi classificado como um “potencial suspeito” pela polícia do Rio de Janeiro, que investiga manifestantes e ativistas

Mikhail Bakunin anarquismo rio de janeiro
Mikhail Bakunin, um dos pais do anarquismo (Reprodução)

Reportagem publicada nesta segunda-feira (28) no jornal Folha de S. Paulo traz uma revelação no mínimo curiosa: o inquérito de mais de 2 mil páginas, produzido pela Polícia Civil do Rio de Janeiro, que responsabiliza 23 pessoas pela organização de ações violentas em manifestações de rua, aponta o filósofo Mikhail Bakunin como um dos suspeitos. Morto em 1876, o russo é considerado um dos pais do anarquismo.

De acordo com a matéria, Bakunin foi citado por um manifestante em uma mensagem interceptada pela polícia. A partir daí, passou a ser classificado como um “potencial suspeito”. A professora Camila Jourdan, de 34 anos, uma das investigadas, menciona esse episódio para demonstrar a fragilidade do inquérito. “Do pouco que li, posso dizer que esse processo é uma obra de literatura fantástica de má qualidade”, descreve.

Essa não é a primeira vez que intelectuais já falecidos figuram em autos das autoridades brasileiras. Durante a ditadura militar, Karl Marx era um dos fichados no Departamento de Ordem Política e Social (Dops), um dos principais órgãos de repressão aos movimentos políticos e sociais identificados como “subversivos”.

SAIBA MAIS: Conheça o único preso por crime relacionado a protestos no Brasil

Jourdan ficou 13 dias presa no complexo penitenciário de Bangu, na zona oeste do Rio. Conhecida pela excelência acadêmica na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), onde coordena o programa de pós-graduação em filosofia, ela diz sido alvo de uma invenção dos investigadores. “Existe uma necessidade de se fabricar líderes para essas manifestações. E quem se encaixa muito bem no papel de mentora intelectual? A professora universitária. Caiu como uma luva, entendeu?”, afirma.

Para contestar o “papel de liderança” que lhe foi atribuído pela polícia, a professora se vale das teorias do filósofo francês Michael Foucault. “Foucault diz que os intelectuais descobriram que as massas não precisam deles como interlocutores. Não tenho autoridade para falar sobre a opressão de ninguém. O movimento não precisa de mim para este papel”, declara.

Revista Fórum

Recomendados para você

Comentários

  1. mauricio augusto martins Postado em 29/Jul/2014 às 15:04

    Talvez o enorme Buraco encontrado na Sibéria, tenha tudo a ver com o que está acontecendo, o ponto é: Seria Saida ou Entrada?...maumau

  2. Cardoso Dias Postado em 29/Jul/2014 às 18:48

    Fatos assim expõem a fragilidade dos inquéritos policiais, e também a competência da corporação como toda. Pelo que frequentemente vem sendo noticiado, essa investigação a respeito dos manifestantes presos, coleciona vários fatos que não concretizam as acusações realizadas pela polícia.

  3. Rafael Martini Postado em 29/Jul/2014 às 23:05

    Inquérito para encher linguiça, na tentativa de responsabilizar alguém.

  4. Wanderson Monteiro Postado em 30/Jul/2014 às 08:41

    Todos seguem filósofos e suas filosofias, e nunca deram certo, talvez seja essa a hora de enxergarem Jesus como a única Solução.

    • Hético Silva Postado em 30/Jul/2014 às 11:13

      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!! OLHEM ESSE CARA!! só avacalhação.. puta merda, a gente tenta, mas a religião tbm nao ajuda..fica dificil..

    • Valter Augusto Postado em 30/Jul/2014 às 17:41

      Rapaz,tu deve estar de sacanagem!G-Zuis a solução dos nossos problemas?!

  5. Jão Da Silva Postado em 30/Jul/2014 às 10:21

    Gostaria de saber à que "movimento" a professora se refere.